Artigos

A imoralidade na vida pública

A recente prisão de um tal de moisés, que graças a Deus não se pode associar tal nome com o nome do personagem bíblico Moisés, e muito menos merecedor do seu próprio nome ser escrito com letras maiúsculas

Compartilhe:

EPAMINONDAS PELAES DOS SANTOS
Articulista

Infelizmente a maioria dos veículos de comunicação, existente no Estado do Amapá, não veicula, na íntegra, acontecimentos considerados relevantes protagonizados por elementos dotados de fortes e poderosas anomalias,tidos como periculosos, no cenário político local. Elementos esses que agem não por impulso,mas pela síndrome da ganância, que é nada mais e nada menosa avidez pela busca do lucro incessante, concomitante com atos ilícitos.

A recente prisão de um tal de moisés, que graças a Deus não se pode associar tal nome com o nome do personagem bíblico Moisés, e muito menos merecedor do seu próprio nome ser escrito com letras maiúsculas – nesse caso creio que a escrita da língua portuguesapoderia sim ser atropelada, kakakaka -; considerando, também, que foi expedido mandado de prisão para um tal de edinho – ruptura na escrita e nome completo–que em vez de ser chamado de edinhoduarte, poderia atender por Edinho Descarte, e de outros bandidos considerados de extrema periculosidade.

Às vezes me pergunto: se um ladrão que entra nacasa alheia e rouba, e quando cercado pelo povo, é linchado até a morte, em alguns casos só não acontecendo devidoà intervenção da polícia; então por que o político ladrão, safado, corrupto e tudo mais que se possa direcionar a ele em termos de adjetivos desqualificativos, fica isento da mesma prerrogativa? Esses bando de salafrários, na minha opinião, deveriam sim era pegar muita porrada, ficando com sequelas irreversíveis e lembranças para o resto de suas vidas e de seus familiares, servindo de exemplo, evitando, assim, que novos diabinhos, doutrinariamente, com índoles semelhantes, surjam no cenário político amapaense.

Ainda bem que o tal de moisés se entregou para a polícia. Nesse caso, a Igreja Evangélica que o mesmo frequenta e se diz pregador, mas de lorotas, através dos obreiros, pastores e frequentadores deve se sentir mais aliviada. O que um sujeito como esse deveriamesmo era serexpulso de sua agremiação religiosa, da mesma forma como um político é expulso de sua sigla política partidária.

Quem sabe a prisão desses políticosmal feitores sirva de alívio espiritual para os próprios e outros que ainda haverão de ser presos, eque ao término do cumprimento de suas penas, possam, também, cumprir medidas sócio educativas e, assim sendo, poderem voltar a seus convívios familiar e social.
A maioria dos políticos amapaenses, guindada ao poder através do voto ou não, é originariamente oriunda de famílias pobres e humildes. E que o gesto de retidão engendrado pelo poder público, através do Ministério Público, Polícia Federal e outros, sirva como referencial a ser aplicado na prática, no combate a esses sujeitos perniciosos e nocivos, para que os mesmos sejam definitivamente extirpados ebanidosdo seio da pátria mãe brasileira.

Todo ser humano tem uma história de vida, seja ela relevante ou irrelevante, mas que tem um histórico isso é indiscutível; e como é do conhecimento de todos que todo poder emana do povo, então todo e qualquer partido político deveria partir do princípio da exigibilidade, através de um enfrentamento moralizante, exigindo detodo cidadão pretenso a qualquer cargo político eleitoral, antes da consolidação de uma determinada convenção, que o mesmo apresente um relato histórico de sua vida passada, em todos os aspectos, passando por uma severa e rigorosa análise minuciosa.

Pois quem sabe, assim sendo, muitos dissabores que a política poderia nos pregar, possam vir a ser evitados.

 
Compartilhe:

Tópicos: