O amazonismo na música e na literariedade de Osmar Júnior

Índiso, negros e caboclos são poeticamente citados em suas canções. Na déca dos anos 1980 fundou junto aos seus parceiros Amadeu Cavalcante, Val Milhomem e Zé Miguel o Movimento Costa

Compartilhe:

Osmar Junior Gonçalves de Castro nasceu em Macapá-AP, no dia 14 de junho de 1963. Autodidata, tornou-se poeta, compositor, cantor, cronista e produtor cultural em sua cidade situada no extremo norte do Brasil, na Amazônia brasileira. É um dos principais nomes da música ideológica preservacionista da região. Seus temas se tornaram conhecidos pelas letras com expressões regionais e suas mensagens de denúncia às agressões do meio ambiente e da identidade cultural da Amazônia.

Índiso, negros e caboclos são poeticamente citados em suas canções. Na déca dos anos 1980 fundou junto aos seus parceiros Amadeu Cavalcante, Val Milhomem e Zé Miguel o Movimento Costa Norte para investigação, divulgação e presrvação da música produzida no Amapá e consecutivamente na Amazônia, mudando, assim, o panorama de música local. Compôs, nessa época, um álbum com dez músicas que falam da ecologia e injustiças sociais sofridas pelo povo amazônico.

Era um novo tempo pós a ditadura militar no Brasil. O Álbum chamado Sentinela Nortente tornou-se referência na voz de Amadeu Cavalcante. Coproduziu o vinil Vida Boa de Zé Miguel e logo após lançou seu álbum solo Revoada, que traz o clássico Igarapé das Mulheres.

As fusões rítmicas universais trabalhadas em suas obras retratam a música amapaense de raiz com um toque bem popular, a partir do seu violão e canto.

Osmar Junior tem 18 álbuns lançados entre solos, coletâneas e parcerias. Seus múltimos trabalhos são audiovisuais. Os documentários musicais Piratiba, a Cantoria no Lago,em defesa dos rios e biomas do Amapá, e Indiera, que fala sobre a invasão do capitalismo na alma indígena.

Sua música perlustra as devastações, as extinções, a biopirataria e a morte das culturas tradicionais da Amazônia, mas também é compositor de baladas românticas famosas na região. Por sua insistência em manter a identidade do seu povo, por sua participação na fundação do movimento musical Costa Norte, por sua paixão pela sua terra, tornou-se conhecido como o “Poetinha do Amapá”.


 
Compartilhe: