Política

Randolfe classifica abertura da Ponte Binacional como ato político Francês

Conforme o senador Randolfe, o trânsito parcial, proibido para veículos de carga, não possibilita que as principais benesses da plataforma, como rotas comerciais, integração e turismo sejam executadas entre os dois países.

Compartilhe:

O senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP) participou neste sábado (18), em Oiapoque, da abertura parcial da Ponte Binacional Franco-Brasileira, que liga o município amapaense transfonteriço à cidade de Saint Georges, na Guiana Francesa (FRA). A solenidade contou com a participação de autoridades amapaenses e francesas. A plataforma foi aberta somente para carros de passeio, motivo pelo qual o congressista classificou a ação como um ato político do governo francês, por conta da proximidade das Eleições naquele país.

Conforme o senador Randolfe, o trânsito parcial, proibido para veículos de carga, não possibilita que as principais benesses da plataforma, como rotas comerciais, integração e turismo sejam executadas entre os dois países.

Segundo o congressista, para ligar, de fato, o Estado Brasileiro à União Europeia por meio da plataforma, é preciso que o Brasil termine as obras aduaneiras em Oiapoque, pois somente desta forma, rotas de exportação e importação de mercadorias e o aquecimento na economia local será uma realidade.

“A abertura da ponte certamente terá repercussão nas eleições francesas, por isso a pressa em abrir o tráfego mesmo sem as condições ideais. Se a inauguração ocorresse em definitivo, a edificação cumpriria sua missão de integração, mas desta forma foi um atropelo. A ausência do primeiro escalão brasileiro, apesar das autoridades francesas participarem, demonstra que o interesse do governo brasileiro era fazer a inauguração total da ponte, inclusive com a resolução deste seguro, que é cobrado para a travessia até o lado francês”, comentou o senador Randolfe.

A ponte é fruto de Acordo de Cooperação Brasil-França, assinado em maio de 1996, com o objetivo de garantir o desenvolvimento econômico na região franco-brasileira. A plataforma está pronta desde junho de 2011, mas a área aduaneira do lado brasileiro não está concluída e a do território francês está pronta há mais de seis anos. A edificação possui uma estrutura estaiada de 378 metros de comprimento, toda sustentada por cabos.

“Essa abertura não contempla a funcionalidade da ponte. São seis anos que o lado Francês concluiu sua estrutura aduaneira e o pátio alfandegário de Oiapoque ainda está no início de sua construção. Vamos cobrar do Governo Federal a celeridade nestes serviços, para que a plataforma seja aberta de fato e assim venha a promover a integração cultural e comercial entre os dois países, realmente”, enfatizou o senador Randolfe Rodrigues.

Estiveram presentes na abertura da ponte o governador do Amapá, Waldez Góes, a prefeita de Oiapoque, Maria Orlanda, os senadores Davi Alcolumbre (DEM-AP) e João Capiberibe (PSB-AP); o desembargador Gilberto Pinheiro; o prefeito da Guiana Francesa, Martin Jaeger; o presidente da Coletividade Territorial da Guiana, Rodolfo Alexandre, o prefeito de Saint Georges, George Elfort e o prefeito de Macapá, Clécio Luís. Além de secretários estaduais e municipais.

Também participaram do ato político o secretário geral do Ministério de Transportes, Antônio Carlos Rodrigues; o secretário-Executivo, Fernando Fortes; a ministra Vera Campetti, Cônsul-Geral do Brasil em Caiena; o diretor-Geral do DNIT, Valter Casemiro Silveira; o conselheiro Leandro Zenni Estevão, Chefe da Divisão de Europa Setentrional, o assessor Internacional do Ministério dos Transportes, José Newton Barbosa Gama; o conselheiro Afonso Nery, Consulado-Geral do Brasil em Caiena e o delegado da Polícia Federal designado para a Guiana Francesa, Rodrigo Guimarães.

 
Compartilhe:

Tópicos: