Geral

Carlos Lacerda procurou João Goulart no exílio, pedindo ajuda contra militares

Livro de filho de ex Presidente do Brasil revela episódios não contados pela história oficial.

Compartilhe:

No livro que lança hoje, às 19h, na Livraria Leitura, no Garden Shopping, João Vicente Goulart, filho do ex presidente do Brasil, João Goulart, o Jango, revela que tem profundas convicções de que o pai dele foi sabotado com medicamentos, o que lhe provocou a morte como vítima de ataque fulminante do coração aos 47 anos de idade na sua fazenda em Mercedes, fronteira entre o Brasil e o Uruguai.

A revelação foi foi feita na manhã desta quinta-feira, 26, no programa LuizMeloEntrevista (Rádio Diário FM 90,9), pelo assessor especial do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Charles Chelala, que coordena o lançamento da obra.

Chelala disse que já leu o livro “Jango e eu: Memórias de um exílio sem volta”. Nele, o filho do ex Presidente aborda a possível sabotagem. “O João Vicente acha e defende que o pai dele foi sabotado, embora sem provas, mas com profundas convicções”, ilustra o assessor especial do senador Randolfe que, por sua vez, promove a sessão de autógrafos junto com a Fundação Cláudio Campos.

Charles Chelala também cita como passagem interessante no livro uma visita que o jornalista e político Carlos Lacerda fez a João Goulart, no exílio no Uruguai, mesmo sendo ele um dos principais artífices do apeamento de Jango do poder.
Primeiramente, o opositor encontrou num elevador com dona Maria Tereza, a esposa de Goulart, perguntando-lhe se ela era a pessoa que ele estava pensando. A mulher respondeu que era, sim, Maria Tereza, e perguntou: O que o senhor quer na minha casa.

Conforme a descrição de Chelala, Lacerda procurou Jango para pedir-lhe apoio contra o regime militar que se instalara no Brasil, achando que a ditadura queria não apenas normalizar o país, mas se perpetuar no poder, daí, no seu ponto de vista, organizar a volta da democracia. Dona Tereza, por sua vez, ficou ainda mais chateada porque o marido mandara que ela fizesse comida “para aquele crápula”.

Jango e eu: Memórias de um exílio sem volta está entre os dez títulos indicados para o Prêmio Jabuti de Ouro do corrente ano. O autor João Vicente Goulart é dirigente nacional do Partido Pátria Livre (PPL).
Como deu pra perceber na entrevista de Charles Chelala, o livro conta muito do que não está nos registros históricos, recuperando memórias de um período turbulento da vida do autor João Vicente.

 
Compartilhe:

Tópicos: