Política

Ministro da Agricultura conhece avanços do agronegócio amapaense

Blairo Maggi conheceu os avanços no combate à mosca da carambola, visitou as Docas de Santana e participou da inauguração da Casa Agro.

Compartilhe:

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, cumpriu agenda oficial no Amapá nesta terça-feira, 5. Acompanhado do governador Waldez Góes, Maggi conheceu avanços do Estado em relação ao agronegócio, que é o conjunto de operações da cadeia produtiva, desde o trabalho agropecuário até a comercialização.

Maggi e Góes visitaram a unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e suas instalações para combater a mosca da carambola; a Companhia Docas de Santana e, posteriormente, participaram da inauguração da Casa Agro, instituição criada para contribuir com o desenvolvimento do agronegócio amapaense. As visitas ocorreram após o ministro e o governador assinarem a Instrução Normativa que reconhece o Estado como zona livre de aftosa com vacinação, um grande passo para o crescimento do setor.

Na Embrapa, Maggi e Waldez visitaram o prédio de Proteção de Plantas, ambiente onde pesquisadores e equipes de apoio desenvolvem estudos visando o controle e erradicação da mosca da carambola.

Desde 2015, o Amapá vem intensificando esforços para erradicar a incidência do inseto, como resultado, houve uma redução significativa. De acordo com a Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária do Amapá (Diagro), até agosto deste ano a densidade populacional do inseto caiu mais de 80% em relação a 2016. A queda é resultado de um esforço conjunto entre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Diagro e Embrapa.

Segundo o diretor-presidente da Diagro, José Renato Ribeiro, a expectativa é que com a união de forças, o Amapá possa erradicar a doença em breve. “Existe a possibilidade de, em curto espaço de tempo, erradicar a praga na região sul do Estado”, afirmou destacando que eliminar a mosca da carambola é uma necessidade nacional.

Luís Eduardo Rangel, secretário nacional de Defesa Agropecuária do Mapa, reforçou que os esforços do Amapá são fundamentais para erradicar a mosca da carambola no país, uma vez que trata-se de um Estado fronteiriço.

Rangel destacou que este trabalho de combate é essencial para evitar que a praga alcance áreas produtoras do país. “É fundamental para garantir a produção com qualidade e segurança fitossanitária nas áreas de produção do Brasil”, explicou.

Posição geográfica privilegiada
Após visitar a Embrapa, Maggi e Góes estiveram na Companhia Docas de Santana, de onde o Amapá poderá exportar carne ao mercado internacional quando receber o certificado da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em 2018.

Durante a visita, o governador e o ministro salientaram a localização geográfica privilegiada que o Amapá possui, limitando-se com a Guiana Francesa (que integra a União Europeia), Suriname e Pará, além da proximidade com os Estados Unidos e o Caribe. “Não tenho dúvida nenhuma que o Amapá é o estado que possui a melhor logística do Brasil para produzir”, afirmou Maggi.

“Nosso Estado tem uma vocação para logística significativa e com avanços como o da mudança de status da febre aftosa podemos visualizar a possiblidade de maior crescimento e, consequentemente, mais geração de emprego e renda”, afirmou o governador do Amapá.

Agronegócio

A agenda encerrou com participação de Maggi e Góes na inauguração da Casa Agro, sede das duas mais importantes instituições privadas do agronegócio do Estado, a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado do Amapá (AprosojaAP) e a Associação dos Criadores do Amapá (Acriap).

As duas instituições compõem a Câmara Setorial de Produção de Alimentos, que tem como presidente o governador Waldez Góes, e reúne organizações públicas e privadas ligadas ao desenvolvimento socioeconômico do Amapá.

Jesus Pontes, presidente da Acriap, explicou que a criação da sede fortalece a união entre produtores. Ele também destacou que a parceria entre os empresários e o poder público é essencial para resolver entraves relacionados ao setor primário. “A parceria entre produtores da Acriap com o governo possibilitou a certificação de status livre da febre aftosa com vacinação, conquistada hoje”, comemorou Pontes.

 
Compartilhe:

Tópicos: