Macapá - Amapá, 25 Outubro 2014
RSS Facebook Twitter

Polícia

Segunda, 29 Setembro 2014 16:11

Mãe não sabe ainda que filhos morreram

POLICIA1-MENINO

Diliane Sobrinho da Costa, de 36 anos, foi internada sem saber da morte dos filhos. “Ela veio em coma para Macapá e só acordou quando estávamos pra chegar. A primeira coisa que ela perguntou foi pelos filhos, mas não quisemos falar nada por enquanto. Ela não sabe que as duas crianças morreram”, disse o cunhado de Liliane, Terto Caetano.

 

 

Ainda de acordo com Caetano, sua cunhada seguia com as crianças para uma igreja onde todos os domingos se faz a distribuição de sopa às famílias carentes. “Eles estavam indo à igreja quando esse criminoso apareceu na rua em alta velocidade. Ele destruiu uma família inteira. O esposo da Liliane entrou em desespero ao ver os corpos dos filhos no chão. Foi uma matança”, desabafou Caetano.

 

POLICIA1-PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apresentou na manhã desta segunda-feira, 29, o resultado da Operação Carnaguarí, deflagrada durante o final de semana nas BRs 156 e 210. De acordo com os dados da PRF, foram registrados dois acidentes, sendo um deles com vítima fatal. O acidente ocorreu na noite de sexta-feira, 26, no quilômetro 355 da BR-156, próximo à Ferreira Gomes.

 

O agricultor Domingos Rodrigues, de 65 anos, morreu atropelado ao tentar atravessar a rodovia correndo. Segundo o motorista, que passou pelo teste de alcoolemia, e cujo resultado deu negativo, ele vinha de Calçoene. “Quando vi o homem entrou correndo na frente do carro. Não houve nada a ser feito, infelizmente”, disse o motorista bastante abalado.

POLITICA4 PROIBIDA VENDA DE BEBIDAS

O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) baixou uma Resolução proibindo a venda e o fornecimento de bebidas alcoólicas em todo o Estado, em locais públicos ou abertos ao público, das 20h do dia 4 às 20h do dia 5 de outubro, quando serão realizadas as Eleições Gerais 2014.


Segundo o presidente do TRE-AP, desembargador Raimundo Vales (foto), a medida visa assegurar a plenitude do exercício do voto sem qualquer interferência das condições fisiológicas dos indivíduos, visto que a ingestão de bebidas alcoólicas no dia da eleição pode desencadear distúrbios e acirrar animosidades entre candidatos, correligionários e militantes mais exaltados, evitar que os eleitores tenham suas faculdades mentais reduzidas de modo a prejudicar a capacidade de exercer com sobriedade o direito de livre escolha entre os candidatos, e evitar excessos que possam ameaçar a segurança e a incolumidade das pessoas, sobretudo nas vias públicas e nos locais de votação.