Kassav: melhor banda de Zouk do mundo

comentários

Kassav, palavra em crioulo antilhano que significa “mandioca” é uma banda de zouk de Martinica e de Guadalupe formada em 1979. Os membros originais da banda eram Jocelyne Béroard, Jacob Desyarieux, Jean-Philippe Marthély,1 Patrick St. Éloi (falecido), Jean-Claude Naïmro, e Georges Décimus (que atualmente não mais faz parte do grupo) juntamente com alguns outros componentes, que permaneceam pouco tempo no grupo.

O total de álbuns (em forma de LP e/ou CD) lançados pela banda é aproximadamente de 30.

Kassav foi criado em 1979 por Pierre-Édouard Décimus, músico profissional que, juntamente com Freddy Marshall, decidiu transformar a música de carnaval de Martinica e Guadalupe em um estilo mais moderno.

A banda foi a primeira a despontar como pioneira do zouk. Seu som se tornou “pan-caribenho”, englobando elementos do reggae e da salsa. Seu primeiro álbum, Love and Ka Dance (1980), estabeleceu aquilo que seria conhecido como o zouk. O grupo se tornou cada vez mais popular, atingindo seu auge em 1985 com o álbum Yélélé, onde se destacava o sucesso “Zouk la sé sèl médickaman nou ni”. Com esta música, o grupo espalhou sua música pela América Latina e também pela Europa e até mesmo em países da & Aacute;sia, popularizando também a dança zouk. (www.bwevip.com).

 

  • Enredo

Piratas da Batucada oficializou o enredo para o carnaval de 2019, no sábado (20), apresentando a cantora amapaense, Patrícia Bastos, com tema da escola.

 

  • Cortejo

O cortejo do Banzeiro do Brilho-de-Fogo vai acontecer no dia 4 de fevereiro, comemorando o aniversário de 260 anos da cidade de Macapá.
As ruas e avenidas do centro vão ouvir os sons das caixas de marabaixo ecoando pelo ar.

 

  • Domingueira

O bloco de rua Trio Demolidor, vai realizar uma programação carnavalesca, neste domingo (21), a partir das 12.
Na av: Mãe Luzia, entre as ruas José Serafim e Gal. Rondon – Laguinho.

 

  • Solidariedade

Programação beneficente “S.O.S PAULINHO TUPINAMBÁ”, dia 28 de janeiro, na av: José Tupinambá (antiga Nações Unidas), entre as ruas José Serafim e São José – Laguinho, a partir das 12h.
Apresentação de artistas locais, sorteio de prêmios e outras atrações. Cartelas à venda. Informações: 98112-633.

 

  • Intercâmbio

Cantor e compositor, Finéias Nelluty, viaja dia 2 de maio para Cabo Verde. Um encontro de intercâmbio cultural musical com o consagrado cantor Zerui Depila. Boa sorte.

 

  • Cidadão

Os cantores e compositores Joãozinho Gomes e Rambolde Campos, receberão título de Cidadão Macapaense, dia 4 de fevereiro, aniversário de Macapá (260 anos).
O projeto é de autoria do vereador Marcelo Dias. Merecidíssimos.

 

  • Novidade

Nova gestão do Museu Sacaca está preparando um calendário de eventos artísticos e culturais, iniciando no dia 2 de março, na reabertura daquele belo espaço.
Um belo cenário regional natural bem no meio da cidade. No aguardo.


Cultura e Política

comentários

A Fundação Casa de Rui Barbosa promoveu um ciclo de debates Cultura e Política. O evento destacou cinco eixos temáticos: Cultura política brasileira; Judiciário e democracia; Poder Legislativo, cultura e democracia; Mídia, cultura e política e Políticas públicas de cultura, arte e ciência.

Levantamento recente feito pelo Ibope aponta que 83% dos brasileiros estão “pouco ou nada satisfeitos com o funcionamento do sistema político”. Entre as questões, verificou-se que 40% afirmaram que a democracia “é preferível a qualquer outra forma de governo” e 15% consideraram que, “em algumas circunstâncias, um governo autoritário pode ser preferível a um governo democrático”.

Destaca-se que um índice cresceu quando comparado com levantamento realizado em 2014. Trata-se da concordância com a seguinte frase: “Para as pessoas em geral, dá na mesma se um regime é democrático ou não”. Tal resultado passou de 18%, em 2014, para 34%, em 2016, ou seja, praticamente dobrou. Diante do contexto político atual, torna-se ainda mais relevante refletir a respeito da democracia e das instituições que deveriam sustentá-la. Quais são os desafios e obstáculos para promoção de uma cultura política de mocrática no Brasil?

Nesse sentido, o objetivo da realização do evento é analisar categorias que possam ser acionadas para compreensão do atual contexto político brasileiro e que possam contribuir para reflexão acerca dos desafios envolvidos na construção de uma cultura política democrática. (www.cultura.gov.br).

 

  • Novidade

Nova gestão do Museu Sacaca está preparando um calendário de eventos artísticos e culturais, iniciando no dia 2 de março, na reabertura daquele belo espaço.
Um belo cenário regional natural bem no meio da cidade. No aguardo.

 

  • Cabo verde

Cantor e compositor, Finéias Nelluty, viaja dia 2 de maio para Cabo Verde para um encontro de intercâmbio cultural musical com o consagrado cantor Zerui Depila. Boa sorte.

 

  • Cidadão

Os cantores e compositores Joãozinho Gomes e Rambolde Campos, receberão título de Cidadão Macapaense, dia 4 de fevereiro, aniversário de Macapá (260 anos).
O projeto é de autoria do vereador Marcelo Dias. Merecidíssimos.

 

  • Soli

Império de Samba Solidariedade completou 35 anos de história, na segunda (15) e vai festejar na sexta (19), às 19h, na casa da Tia Wilça (onde foi criada a escola).
Esquina da av: Ana Nery com a rua Leopoldo Machado – Jesus de Nazaré. Parabéns.

 

  • Na Beira do Rio

Nome do show musical que a família Bastos vai realizar, dia 19 (sexta), no Pier Rio Amazonas, Trapiche Eliezer Levy, às 21h.

 

  • Solidariedade

Programação beneficente “S.O.S PAULINHO TUPINAMBÁ”, dia 28 de janeiro, na av: José Tupinambá (antiga Nações Unidas), entre as ruas José Serafim e São José – Laguinho, a partir das 12h.
Apresentação de artistas locais, sorteio de prêmios e outras atrações. Cartelas à venda. Informações: 98112-633.

 

  • Banzeiro

O primeiro cortejo de 2018, do Banzeiro do Brilho-de-Fogo, vai acontecer no dia 4 de fevereiro, aniversário de 260 anos da cidade de Macapá.
Os ensaios iniciarão dia 19 (sexta), na Praça Floriano Peixoto, às 19h.


Finéias Nelluty: Vem Conhecer Macapá

comentários

Com a contagem regressiva para o aniversário de 260 da cidade de Macapá, em 4 de fevereiro, muitos compositores declaram o seu amor pela “terrinha” em poesias musicais, assim como o Finéias Neluty.

O cantor, compositor, músico e produtor amapaense, Finéias Nelluty, homenageia a cidade de Macapá, com uma de suas muitas belas obras musicais, “Vem Conhecer Macapá”. Vem cá conhecer Macapá, curtir esse lugar que é bom pra se viver. Vem cá da beira rio olhar o amazonas banhar. meu forte São José.

Da Fazendinha aquela vista boa, no Curiaú tem pantanal, lagoa. Vem Marabaixo dançar, vem no Batuque suar. O Marco Zero vem ver, vem ver a banda passar, vem ver, vem ver, conhecer Macapá.

O Laguinho que me deu a mulata pra sambar, passo na Tia Neném pra tomar meu tacacá, chega mais perto e vem provar o meu peixe com açaí, farinha do Pacuí, tempero da Tia Coló, tenho mais pra te mostrar, vem ver, conhecer Macapá.

 

  • Alternativa

Que não teremos desfile de escolas de samba em Macapá, pela terceira vez, isso já sabemos.Mas não custa criar alternativas e promover festa junto com a sua comunidade. Assim fez Piratas da Batucada, no domingo (14), na Orla de Macapá. Domingo tem mais, a partir das 15h. Parabéns.

 

  • Acomodados

Dirigentes da maioria das escolas de samba do Amapá estão caladinhos e fogem da pergunta óbvia. “Porque que mais um ano não teremos desfile das escolas de samba?”
Deveriam responder e incluir a meia culpa. Acomodados.

 

  • Dependência

Está mais do que comprovado que o carnaval das escolas de samba depende do poder público para acontecer. Mas a mãe (Liga) deveria criar alternativas de capitação de recurso, é não ficar aguardando somente pelo aceno do estado.

 

  • Calada

Oficialmente a Liga das Escolas de Samba ainda não se posicionou a respeito do carnaval.
Deveria prestar esclarecimentos, principalmente à sociedade. Ficaria menos feio.

 

  • Espetáculo

O desfile das escolas de samba é um verdadeiro espetáculo de arte que envolve grandes profissionais, e que viajam na imaginação e transformam sonhos em realidades num piscar de olhos. A arte não comete crime nenhum, pois se existe algum culpado em não realizar esse show teatral, ela não é.

 

  • Na Beira do Rio

Nome do show musical que a família Bastos vai realizar, dia 19 (sexta), no Pier Rio Amazonas, Trapiche Eliezer Levy, às 21h.

 

  • Solidariedade

Programação beneficente “S.O.S PAULINHO TUPINAMBÁ”, dia 28 de janeiro, na av: José Tupinambá (antiga Nações Unidas), entre as ruas José Serafim e São José – Laguinho, a partir das 12h. Apresentação de artistas locais, sorteio de prêmios e outras atrações. Cartelas à venda. Informações: 98112-633.

 

  • Banzeiro

O primeiro cortejo de 2018, do Banzeiro do Brilho-de-Fogo, vai acontecer no dia 4 de fevereiro, aniversário de 260 anos da cidade de Macapá.
Os ensaios iniciarão dia 19 (sexta), na Praça Floriano Peixoto, às 19h.


O Curiaú está dentro de mim e do meu negro olhar

comentários

Conhecido com o endereço e a inspiração dos poetas e compositores tucujus. Curiaú ou cri-a-ú, uma criação de bois.Distante a 8 km da capital Macapá, é formada por dois pequenos núcleos populacionais “Curiaú de Dentro e Curiaú de Fora”. Constitui-se em uma das raras comunidades negras existentes no País. O Curiaú é também uma área de preservação ambiental (APA), que tem como objetivo a proteção e conservação dos recursos naturais e ambientais da região. Embora muitos espaços de sua área já tenha sido invadidos pelos homens da cidade. Mesmo assim os moradores da APA do Rio Curiaú lutam para preservar além da beleza natural da região, que ali habita, da memória dos antigos escravos trazidos no séc. XVIII para a construção da Fortaleza de São José. Foram eles os formadores dos pequenos núcleos familiares que originaram a Vila do Curiaú (antigo quilombo) e as demais comunidades existentes na área.

Residem atualmente na Área de Proteção Ambiental no Rio Curiaú, cerca de 1.500 pessoas divididas em quatro comunidades – Curiaú de Dentro, Curiaú de Fora, Casa Grande e Curralinho. Para essas pessoas a preservação da beleza local é uma questão de sobrevivência: é preciso manter os peixes, as garças e a graça do lugar.

O negro está presente na história do Amapá desde o começo da ocupação em meados do século XVIII. Os primeiros chegaram à região em 1751, trazidos como escravos por famílias do Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia e Maranhão, que vinham povoar Macapá. Em seguida começaram a ser importados da Guiné Portuguesa, principalmente para a cultura do arroz. O maior contingente veio a partir de 1965 para a construção da Fortaleza São José de Macapá. Em abril desse mesmo ano, o governo do Grão-Pará mantinha 177 negros escravos trabalhando no forte. Alguns morreram de doenças como o sarampo e a malária e por acidente do trabalho. Outros conseguiram fugir aventurando-se pelo Lado do Curiaú.

Nessa região o português Manoel Antônio Miranda, mantinha propriedade, na chamada Lagoa de Fora e não se importou de acolher os escravos. Também os franceses que procuravam fixar-se na margem direita do Rio Araguari estimularam a formação de quilombos. Em 1862, quando a população de Macapá era de 2.780 habitantes, os negros escravos somavam 722, cerca de 25%. A comunidade negra sempre contribuiu para a formação cultural, econômica, social e política do Amapá. O Curiaú é um exemplo dessa contribuição.

Agora falando da poesia do lugar, lá no chamado “quilombo”, moram pessoas maravilhosas, e as que visitam o lugar se encantam com tanta beleza, capaz de dizer que ali é um paraíso, e é mesmo. Nossos letristas-compositores chegam a dizer que o velho Curiaú serve de fonte inspiradora para suas obras musicais e literárias. Como o cantor e compositor amapaense, Val Milhomem, que destacou em uma de suas canções, “Pras Minhas Paixões”, que “O Curiaú não é no sul, está dentro de mim, do meu negro olhar e da minha solidão”. Emoção profunda pelo orgulho de assumir sua identidade e reconhecer a importância daquele lugar diante do mundo e dizer que esse canto do Brasil é no Amapá e não do lado de lá.

 

  • Reforma

Museu Sacaca está passando por reforma e no início de março voltará a reabrir com novos projetos artísticos culturais, com nova administração.

 

  • Visita

Visitei, ontem (11), o Iepa e Museu Sacaca (av: Feliciano Coelho – Trem), a convite do novo gestor, Jorge Souza.
Um belo e encantador ambiente natural, com temática regional, bem no meio da cidade.
Visite e conheça as riquezas do homem da floresta tucuju.

 

  • Canto de Casa

Nome do projeto musical realizado pela Associação dos Músicos e Compositores do Amapá (Amcap), e que estará de volta no início de março.
Um repertório regional que canta a nossa aldeia com uma linguagem bem amazônica.

 

  • Na Beira do Rio

Nome do show musical que a família Bastos vai realizar, dia 19 (sexta), no Pier Rio Amazonas, Trapiche Eliezer Levy, às 21h.

 

  • Solidariedade

Programação beneficente “S.O.S PAULINHO TUPINAMBÁ”, dia 28 de janeiro, na av: José Tupinambá (antiga Nações Unidas), entre as ruas José Serafim e São José – Laguinho, a partir das 12h.
Apresentação de artistas locais, sorteio de prêmios e outras atrações. Cartelas à venda. Informações: 98112-633.

 

  • Bandaia

Projeto Roda de Bandaia está de volta domingo (14), no Quiosque Norte das Águas, no Araxá (Complexo Marlindo Serrano), a partir das 16h.

 

  • Bloco Pererê

Domingo, 14, tem programação do Bloco Carnavalesco Pererê, comemorando 46 anos de criação, lançamento do site e a temporada para o carnaval 2018.
Esquina do Colégio Amapaense e Praça da Bandeira (av: Iracema Carvão Nunes e Gal. Rondon) – Centro, a partir das 16h.

 

  • “Eu Sou Daqui”

Título do show musical que os cantores amapaenses, Amadeu Cavalcante Brenda Melo, irão realizar no dia 3 de fevereiro, véspera dos 260 anos da cidade e Macapá. Aguardem informações.


Eu sou do Laguinho

comentários

Sou laguinense, então cresci no meio do samba, merengue, marabaixo, batuque, folia , ladainhas e ritmos guianenses. Cedo me inseri na música autoral após conhecer e conviver com grandes instrumentistas.

Após intensa pesquisa ainda nos anos 80, escrevi algumas canções, algumas em parceria e outras que cantei compostas por outros compositores que traziam a influência literária e percussiva da música Black no Amapá. Convivi com os mestres mãos de couro ainda menino e toquei percussão, aprendi com tantos instrumentistas que passaram na minha vida que seria injusto citar.

Músicas como Ainda Laguinho (Heraldo Almeida e Osmar Júnior), Tajá (Fernando Canto e Osmar Júnior) Coração Pescador, Andor, Zimbábue, açucena…cantadas por Amadeu Cavalcante, Festejo (Rambolde Campos Joel Elias) Kizomba e outras …estão registradas no meu trabalho.

Então junto a Raimunda Ramos reativamos a UNA, aí compus a 1°- missa dos quilombos rezada na praça do colégio Azevedo Costa, sou comendado embaixador da nação negra pela Universidade de Samba Boêmios do Laguinho, tenho pesquisado o mistério dos ancestrais cantadores do ladrões de marabaixo, e compus um recente musical baseado na vida cultural do bairro do Laguinho. Eu sou do Laguinho da casa dos Ramos. (Osmar Jr.).

 

  • Solidariedade

Programação beneficente “S.O.S PAULINHO TUPINAMBÁ”, dia 28 de janeiro, na av: José Tupinambá (antiga Nações Unidas), entre as ruas José Serafim e São José – Laguinho, a partir das 12h.
Apresentação de artistas locais, sorteio de prêmios e outras atrações. Cartelas à venda. Informações: 98112-633.

 

  • Bandaia

Projeto Roda de Bandaia está de volta domingo (14), no Quiosque Norte das Águas, no Araxá (Complexo Marlindo Serrano), a partir das 16h.

 

  • Bloco Pererê

Domingo, 14, tem programação do Bloco Carnavalesco Pererê, comemorando 46 anos de criação, lançamento do site e a temporada para o carnaval 2018.
Esquina do Colégio Amapaense e Praça da Bandeira (av: Iracema Carvão Nunes e Gal. Rondon) – Centro, a partir das 16h.

 

  • Cobrança

Alguns artistas estão cobrando os cachês da 2ª Virada Afro, que aconteceu em dezembro de 2017, na Praça beira Rio.

 

  • “Eu Sou Daqui”

Título do show musical que os cantores amapaenses, Amadeu Cavalcante Brenda Melo, irão realizar no dia 3 de fevereiro, véspera dos 260 anos da cidade e Macapá. Aguardem informações.

 

  • Reestruturando

Museu Sacaca está sendo revitalizado pela nova administração, tendo o ex-deputado estadual, Jorge Souza, como gestor do Iepa, órgão responsável pelo local.
“A ideia é recuperar aquele belo espaço regional e deixá-lo em condições da visitação pública e da realização de eventos culturais”, disse. Parabéns.

 

  • No ar

Ouça o programa “O Canto da Amazônia”, na Diário FM 90,9, às 16h, de segunda à sexta.
Ele toca a nossa música. Bom de ouvir.


Conheça a dança do Siriá

comentários

A mais famosa dança folclórica do município de Cametá é uma das manifestações coreográficas mais belas do Pará. Do ponto de vista musical é uma variante do batuque africano, com alterações sofridas através dos tempos, que a enriqueceram de maneira extraordinária.

Contam os estudiosos que os negros escravos iam para o trabalho na lavoura quase sem alimento algum. Só tinham descanso no final da tarde, quando podiam caçar e pescar. Como a escuridão dificultava a caça na floresta, os negros iam para as praias tentar capturar alguns peixes. A quantidade de peixe, entretanto, não era suficiente para satisfazer a fome de todos.

Certa tarde, entretanto, como se fora um verdadeiro milagre, surgiram na praia centenas de siris que se deixavam pescar com a maior facilidade, saciando a fome dos escravos. Como esse fato passou a se repetir todas as tardes, os negros tiveram a idéia de criar uma dança em homenagem ao fato extraordinário. Já que chamavam “cafezá” para plantação de café, “arrozá” para plantação de arroz, “canaviá” para a plantação de cana, passaram a chamar de “síria”, para o local onde todas as tardes encontravam os siris com que preparavam seu alimento diário.

Com um ritmo que representa uma variante do batuque africano, a “dança do siriá” começa com um andamento lento. Aos poucos, à medida que os versos vão se desenvolvendo, a velocidade cresce, atingindo ao final um ritmo quase frenético. A “dança do siriá” apresenta uma rica coreografia que obedece às indicações dos versos cantados sendo que, no refrão, os pares fazem volteios com o corpo curvado par a os dois lados.

Tal como a “dança do carimbó”, os instrumentos típicos utilizados são dois tambores de dimensões diferentes: para os sons mais agudos (tambor mais estreito e menor) e para os sons graves (tambor mais grosso e maior). Os passos são animados ainda por ganzá, reco-reco, banjo, flauta, pauzinhos, maracá e o canto puxado por dois cantadores.

Também chamada pelos estudiosos como “a dança do amor idílico”, a “dança do siriá” apresenta os dançarinos com trajes enfeitados, bastante coloridos. As mulheres usam belas blusas de renda branca, saias bem rodadas e amplas, pulseiras e colares de contas e sementes, além de enfeites floridos na cabeça. Já os homens, também descalços como as mulheres, vestem calças escuras e camisas coloridas com as pontas das fraldas amarradas na frente. Eles usam ainda um pequeno chapéu de palha enfeitado com flores que as damas retiram, em certos momentos, para demonstrar alegria, fazendo volteios.

Destaque
Artista plástico e designer amapaense, Ralfe Braga, é destaque de capa da edição de janeiro da Revista Diário, já nas bancas.
“O Voo de Ralfe – de Macapá para o mundo, a trajetória de um artista completo”.

“Eu Sou Daqui”
Título do show musical que os cantores amapaenses, Amadeu Cavalcante Brenda Melo, irão realizar no dia 3 de fevereiro, véspera dos 260 anos da cidade e Macapá. Aguardem informações.

Reestruturando
Museu Sacaca está sendo revitalizado pela nova administração, tendo o ex-deputado estadual, Jorge Souza, como gestor do Iepa, órgão responsável pelo local.
“A ideia é recuperar aquele belo espaço regional e deixá-lo em condições da visitação pública e da realização de eventos culturais”, disse. Parabéns.

 Ensaios
Quadrilha junina Pequena Dama, a mais premiada do Amapá, já tem data para iniciar os ensaios para 2018.
Dia 15 de janeiro (segunda), a partir das 20h, na av: Xavante (Buritizal).

Preservação
Instituto do Patrimônio Histórico (Iphan) abre inscrições para o Mestrado Profissional de Preservação do Patrimônio Cultural – 2108. (http://portal.iphan.gov.br).

Questionamentos
Artistas querem questionar os futuros candidatos ao governo amapaense, nas próximas eleições.
Eles falam pouco ou quase não falam de cultura e arte em seus pronunciamentos. Pura verdade.

Carnaval
Com a chegada de 2018, agora que a população está se atentando que não haverá desfile das escolas de samba. Tarde demais.


Saiba o que é cultura de massa

comentários

A expressão “Cultura de Massa”, posteriormente trocada por “indústria cultural”, é aquela criada com um objetivo específico, atingir a massa popular, maioria no interior de uma população, transcendendo, assim, toda e qualquer distinção de natureza social, étnica, etária, sexual ou psíquica. Todo esse conteúdo é disseminado por meio dos veículos de comunicação de massa.

Antes do advento da cultura de massa, havia diversas configurações culturais – a popular, em contraposição à erudita; a nacional, que entretecia a identidade de uma população; a cultura no sentido geral, definida como um conglomerado histórico de valores estéticos e morais; e outras tantas culturas que produziam diversificadas identidades populares.

Mas, com o nascimento do século XX e, com ele, dos novos meios de comunicação, estas modalidades culturais ficaram completamente submergidas sob o domínio da cultura de massa. Veículos como o cinema, o rádio e a televisão, ganharam notório destaque e se dedicaram, em grande parte, a homogeneizar os padrões da cultura.

Como esta cultura é, na verdade, produto de uma atividade econômica estruturada em larga escala, de estatura internacional, hoje global, ela está vinculada, inevitavelmente, ao poderoso capitalismo industrial e financeiro. A serviço deste sistema, ela oprime incessantemente as demais culturas, valorizando tão somente os gostos culturais da massa.

Esta cultura é hipnotizante, entorpecente, indutiva. Ela é introjetada no ser humano de tal forma, que se torna quase inevitável o seu consumo, principalmente se a massa não tem o seu olhar e a sua sensibilidade educados de forma apropriada, e o acesso indispensável à multiplicidade cultural e pedagógica. (Ana Lúcia Santana).­

 

  • “O Canto da Amazônia”

Último programa do ano de 2017, nesta sexta (29), com muita música regional e linguagem amazônica de valorizar e divulgar o que é nosso.
Na Diário FM 90,9, às 16h. Feliz ano novo.

 

  • Retrô 17

Resultados significativos nos segmentos artísticos e culturais do Amapá, principalmente nos setores da música e Audiovisual. Parabéns.

 

  • Instrumental

Cantor, compositor e produtor, Finéias Nelluty, foi o nome da música instrumental em 2017.
A realização da 9ª edição do Amapá Jazz Festival é o grande exemplo. Bela conquista.

 

  • Grammy

Cantora amapaense Patrícia Bastos, foi além das expectativas em 2017, com a indicação e disputa do disco “Batom Bacaba”, no Grammy Latino (categoria Raiz Brasileira).
Foi à Las Vegas (USA) defender a música produzida na Amazônia. Massa.

 

  • Réveillon

Dia 31 tem o tradicional Reveillon Beira Rio, em sua 21ª edição, com realização da Associação dos Músicos e Compositores do Amapá (Amcap).
No anfiteatro da Fortaleza de São José, a partir das 20h.
Dia 31 tem o tradicional Reveillon Beira Rio, em sua 21ª edição, com realização da Associação dos Músicos e Compositores do Amapá (Amcap).
No anfiteatro da Fortaleza de São José, a partir das 20h.

 

  • Virada Cultural

A 2ª Virada Afro Cultural vai acontecer de 29 a 31 (Reveillon Beira Rio) de dezembro, a partir das 17h, no Anfiteatro da Fortaleza de São José.
Música, gastronomia, artesanato, artes plásticas, moda, estética afro, seminários, curso de afro-empreendedorismo e produtos agrícolas.

 

  • Conquista

A cultura afro-brasileira vai ganhar ainda mais espaço no sistema educacional brasileiro. A Fundação Cultural Palmares começa a levar para as escolas públicas do país um debate sobre as principais questões relacionadas à história e cultura negras, por meio do projeto Conhecendo nossa História: da África ao Brasil.(www.cultura.gov.br).


Samaúma: a rainha da floresta

comentários

Samaúma ou Sumaúma (Ceiba pentranda) é uma árvore encontrada na Amazônia. É considerada sagrada para ao antigos povos “maia” e os que habitam as florestas. A palavra samaúma é usada para descrever a fibra obtida dos seus frutos. A planta é conhecida também por algodoeiro. Cresce entre 60–70m de altura e o seu tronco é muito volumoso, até 3 m de diâmetro com contrafortes. Alguns exemplares chegam a atingir os 90m de altura, sendo, por isso, uma das maiores árvores da flora mundial.

Essa árvore consegue retirar a água das profundezas do solo amazônico e trazer não apenas para abastecer a si mesma, mas também pra repartir com outras espécies. De crescimento relativamente rápido, pode alcançar os 40 metros de altura.

Em determinadas épocas “estrondam” irrigando toda a área em torno dela e o reino vegetal que a circunda.
A samaumeira é tipicamente amazônica, conhecida como a “árvore da vida” ou “escada do céu”. Os indígenas consideram-na “a mãe” de todas as árvores. Suas raízes são chamadas de sapobemba. Estas raízes são usadas na comunicação pela floresta, que é feita através de batidas em tais estruturas. Possui uma copa frondosa, aberta e horizontal.

Além disso, a árvore apresenta propriedades medicinais e é considerada pelos povos da floresta, uma árvore com poderes mágicos, protegendo inclusive as demais árvores e os habitantes da floresta.

A fibra é muito leve, altamente inflamável e resistente à água. O processo de separação da fibra é manual. É usada como uma alternativa ao algodão para encher almofadas, colchões (antigamente) e para isolamentos. Na atualidade, a sumaúma foi substituída por materiais sintéticos. As sementes produzem um óleo usado para fabricar sabão e também são usadas como o fertilizante. (www.caliandradocerrado.com.br).

 

  • Conquista

A cultura afro-brasileira vai ganhar ainda mais espaço no sistema educacional brasileiro.
A Fundação Cultural Palmares começa a levar para as escolas públicas do país um debate sobre as principais questões relacionadas à história e cultura negras, por meio do projeto Conhecendo nossa História: da África ao Brasil.(www.cultura.gov.br).

 

  • Agenda

Hoje tem o projeto “Quinta do Jazz”, no quiosque Norte das Águas, Araxá (Complexo Marlindo Serrano), a partir das 9 da noite.
O amigo artista Finéias Nelluty, estará aguardando seus convidados, com o Quinteto Amazon Music. Boa pedida.

 

  • Virada Cultural

A 2ª Virada Afro Cultural vai acontecer de 29 a 31 de dezembro, a partir das 17h, no Anfiteatro da Fortaleza de São José.
Música, gastronomia, artesanato, artes plásticas, moda, estética afro, seminários, curso de afro-empreendedorismo e produtos agrícolas.

 

  • “O Canto da Amazônia”

A último apresentação do ano vai acontecer na sexta, 30, e vamos comemorar com os parceiros artistas.
Programa “O Canto da Amazônia” encerrando a temporada 2017. De segunda à sexta, na Diário FM 90,9. Das 16h às 17:30h. Bom de ouvir.

 

  • Esperança

Artistas aguardam mais apoio e valorização aos projetos culturais e aos segmentos, em 2018.
Essa é a esperança de todos.

 

  • Positividade

Cantora amapaense, Patrícia Bastos, encerrando o ano de 2017 com saldo positivo na brilhante carreira.
Esteve na final de todos os prêmios de música do país e no Grammy Latino (Las Vegas). Parabéns.

 

  • Carnaval

Com a não realização dos desfiles das escolas de samba no Amapá, muita gente formando grupos para ir ao Rio de Janeiro.


MinC aprova 55 milhões para o Carnaval do Rio

comentários

O Ministério da Cultura (MinC) aprovou a captação de R$ 55 milhões, via Lei Rouanet, para 19 projetos relacionados ao carnaval do Rio de Janeiro de 2018. O anúncio foi feito na manhã desta sexta-feira (22) pelo ministro Sérgio Sá Leitão, que esteve em Duque de Caxias (RJ), onde visitou o Teatro Raul Cortez, a Biblioteca Municipal Leonel de Moura Brizola e a quadra da Acadêmicos do Grande Rio. Sá Leitão conheceu projetos sociais da escola de samba e assistiu a apresentações de passistas e de casais de mestre-sala e porta-bandeira.

Sá Leitão destacou a importância do carnaval não apenas para a cultura brasileira, mas também para a economia. A estimativa é que o carnaval de 2018 injete R$ 2,2 bilhões na economia do estado do Rio de Janeiro, gerando milhares de empregos e atraindo turistas, que movimentam o setor de hotéis, bares e restaurantes. “O carnaval é a nossa maior expressão cultural e uma das nossas principais atividades econômicas”, afirmou o ministro. “Além de trazer alegria, aumenta a arrecadação dos estados e municípios, portanto, aumenta os recursos para a saúde e a educação”, completou.

O ministro sugeriu que, logo após o carnaval, em fevereiro, seja marcada uma reunião com todos os setores envolvidos para planejar a festa de 2019. “Carnaval é uma empreitada de ano inteiro, não é só na véspera que se monta a festa”, afirmou.

Durante a visita ao Teatro Raul Cortez, o prefeito pediu apoio do Ministério da Cultura para restauração do prédio, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Segundo Reis, será necessário um investimento de R$ 1,2 milhão para modernizar a revitalizar o espaço, inaugurado há 11 anos. Além de obras de manutenção, é necessário fazer adaptações para melhorar as condições de acessibilidade e de segurança. A prefeitura deverá apresentar um projeto de restauração. O ministro também recebeu projetos da prefeitura no segmento criativo. “Vamos ajudar a viabilizar projetos culturais importantes na Baixada Fluminense”, afirmou Sá Leitão

 

  • Tem mais

Neste sábado, 23, tem mais um show de Fátima Guedes com Patrícia Bastos, no Kitanda Café Bistrô, às 22h.
Vá lá curtir música de qualidade. Esquina da av: Feliciano Coelho com a rua Jovino Dinoá – Trem.

 

  • “Canta Brasil”

Todo sábado é dia de ouvir a boa música popular brasileira, noprograma “Canta Brasil”, na Diário FM 90,9.
Das 6 às 8 da noite. Sintonize.

 

  • Virada Cultural

A 2ª Virada Afro Cultural vai acontecer de 29 a 31 de dezembro, a partir das 17h, no Anfiteatro da Fortaleza de São José.
Música, gastronomia, artesanato, artes plásticas, moda, estética afro, seminários, curso de afro-empreendedorismo e produtos agrícolas.

 

  • Agenda

Sábado, 23, o cantor e compositor paraense, Silvan Galvão, vai lançar seu DVD no Youtube, com participação de vários grupos e mestres da cultura de todo o Pará.
É só clicar no bit.ly-SilvanCanal e assistir.

 

  • “Forasteiro”

Título do 1º disco (CD) do cantor e compositor, Ozy Rodrigues, já em processo de divulgação para o lançamento em breve.

 

  • Festival

Cantador da Amazônia, Nonato Santos, vai participar do 7º Festival de Música Popular Popular do Ipê Clube, de 26 a 28 de abril de 2018, em São Paulo.
A música selecionada é “Senhor de Marajé”, de autoria do artista. Boa sorte.

 

  • Destaque

Maestro Elias Sampaio desenvolve um belo e magnífico projeto musical no Amapá, com vários destaques nacionais. A Orquestra Essência é um deles, falado em rede nacional.
Merece o destaque e o registro da coluna. Parabéns.


Mais três municípios integram ao SNC

comentários

Os municípios de Vassouras (RJ), Fortuna de Minas (MG) e Pindobaçu (BA) passaram a integrar, nesta semana, o Sistema Nacional de Cultura (SNC) – instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura adotado pelo Ministério da Cultura (MinC). Com as novas adesões, 2.539 municípios brasileiros estão no sistema, o que representa 45,58% do total. Em 2017, são 298 adesões ao SNC, que já abrange 162,9 milhões de habitantes.

A adesão ao SNC permite que estados e municípios aprimorem a gestão cultural, com a criação do órgão de gestão local, do conselho de política cultural, da conferência e do plano de cultura, além do sistema de financiamento. A assinatura do acordo de cooperação federativa entre o MinC e o ente federado, que se compromete a estruturar o seu sistema de cultura, marca a adesão ao sistema.

O Ministério da Cultura realiza oficinas para capacitação dos gestores e conselheiros municipais de cultura, para auxiliar nesse processo. Com isso, o MinC tem buscado oferecer aos municípios as condições técnicas apropriadas para a integração ao Sistema Nacional de Cultura. (www.cultura.gov.br).

 

  • Recomendo

Dias 22 e 23 de dezembro tem o show “Tanto que Aprendi de Amor”, da cantora e compositora Fátima Guedes com a cantora amapaense, Patrícia Bastos.
Uma mistura brasileira, em que apresentam um repertório que fala de várias formas de amor, da natureza, cidades e relacionamentos.
No Quitanda Café Bistrô, na esquina da Av: Feliciano Coelho com a rua Jovino Dinoá – Trem, às 22h.

 

  • Virada Cultural

A 2ª Virada Afro Cultural vai acontecer de 29 a 31 de dezembro, a partir das 17h, no Anfiteatro da Fortaleza de São José.
Música, gastronomia, artesanato, artes plásticas, moda, estética afro, seminários, curso de afro-empreendedorismo e produtos agrícolas.

 

  • Exposições

Acadêmicos, pesquisadores, professores e alunos do Ensino Fundamental e Médio divulgaram trabalhos tecnológicos desenvolvidos no Amapá, nesta segunda-feira, 18, durante a “Vitrine da Ciência e Tecnologia no Meio do Mundo”. O evento foi promovido pelo Governo do Estado do Amapá (GEA) em parceria com dez instituições estaduais, federais e particulares.

 

  • DVD

Sábado, 23, o cantor e compositor paraense, Silvan Galvão, vai lançar seu DVD no Youtube, com participação de vários grupos e mestres da cultura de todo o Pará.
É só clicar no bit.ly-SilvanCanal e assistir.

 

  • “Forasteiro”

Título do 1º disco (CD) do cantor e compositor, Ozy Rodrigues, já em processo de divulgação para o lançamento em breve.

 

  • Festival

Cantador da Amazônia, Nonato Santos, vai participar do 7º Festival de Música Popular Popular do Ipê Clube, de 26 a 28 de abril de 2018, em São Paulo.
A música selecionada é “Senhor de Marajé”, de autoria do artista. Boa sorte.

 

  • Esperança

Artistas de todos os segmentos culturais amapaenses, aguardam bons projetos para 2018, com valorização das obras feitas em casa.

 

  • O Canto da Amazônia”

Um programa 100% regional, com uma linguagem bem amazônica de valorizar a arte e a cultura da região norte brasileira (todos os segmentos).
De segunda à sexta, na Diário FM 90,9. Das 16h às 17:30h. Bom de ouvir.