Pesquisa amapaense

comentários

Reitora da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Eliane Superti, vibrou, ontem, no rádio, pela vitória conquistada pelo acadêmico de farmácia daquela instituição, Ícaro Sakis, que orientado pelo professor Caio arrebatou o Prêmio ‘Jovem Cientista’, da Fundação Roberto Marinho, entregue nessa semana em evento da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Ícaro inventou um larvicida que combate tanto o Aedes Aegypti quanto as doenças por esse mosquito transmitidas. O deputado federal Marcos Reátegui (PSD-AP), entusiasmado com a conquista, já pensa em meios de ajudar na produção do larvicida em larga escala. Superti e Reátegui falaram sobre o assunto no programa ‘Bate Coração”, apresentado na Rádio Cidade pelo doutor Manoel Brasil e por mim.

 

Música

A música está presente em diversas situações em nossas vidas. É utilizada como entretenimento, distração e relaxamento, porém poucos se atentam a capacidade do som de despertar sentimentos e menos ainda são aqueles que conhecem os seus benefícios relacionados às funções cerebrais. A música é apontada por muitos pesquisadores como capaz de desenvolver a mente humana, promover equilíbrio, proporcionar bem-estar, facilitar a concentração e otimizar o raciocínio. Para estudantes, escutar música pode auxiliar no aprendizado, memorização dos conteúdos e favorecer o entendimento de estudos matemáticos, por exemplo. Além de todos os benefícios da música para os estudos, tocar um instrumento musical é extremamente prazeroso. Que tal começar por um instrumento de origem clássica e unir o útil ao agradável? O órgão eletrônico é uma ótima opção para quem tem este desejo.

 

Agitação e descanso
O despertador toca. Parece muito cedo. Mas você tem um longo dia pela frente. Você tem trabalhos a fazer, compromissos a cumprir, pessoas de quem precisa cuidar, ou tudo isso e muito mais. Bem, você não está só. Todo dia, muitos de nós corremos de uma coisa à outra. Como alguém sagazmente sugeriu: “Quem muito faz, mais arruma para fazer”.

Quando os apóstolos voltaram de sua primeira viagem missionária, eles tinham muito a relatar. Mas Marcos não registrou a avaliação de Jesus sobre o trabalho dos discípulos; ao invés disso, se concentrou na preocupação do Mestre de que eles descansassem um pouco. Jesus disse: “…Vinde repousar um pouco, à parte, num lugar deserto…” (6:31).

Em última análise, encontramos o verdadeiro descanso ao reconhecermos a presença de Deus e confiarmos nele. Enquanto levamos nossas responsabilidades a sério, também reconhecemos que podemos relaxar nosso envolvimento com o trabalho e carreiras, nossas famílias e ministério, e entregá-los a Deus pela fé. Podemos separar um tempo cada dia para nos dessintonizar das distrações, afastar as inquietações tensas e com gratidão refletir sobre a maravilha do amor e da fidelidade de Deus.

Portanto, sinta-se livre para parar e tomar um fôlego. Tenha um descanso verdadeiro. Deus nos criou com a necessidade do descanso. — Poh Fang Chia


Tráfico de pessoas

comentários

Dados da OIT apontam que o tráfico de pessoas é uma das atividades criminosas mais lucrativas do mundo, envolvendo cerca de 2,5 milhões de vítimas, movimentando aproximadamente U$ 32 bi por ano. De acordo com o Relatório Nacional Sobre Tráfico de Pessoas, do Ministério da Justiça, entre 2005 e 2011 foram identificados 337 casos de brasileiros vítimas de tráfico para exploração sexual. O país onde foi registrada incidência maior de brasileiras vítimas de tráfico de pessoas foi o Suriname, com 133 vítimas, seguido da Suíça, 127, da Espanha, com 104 e da Holanda, com 71. Entre os motivos que favorecem o aliciamento de meninas e mulheres, a desigualdade, pobreza e número de rotas de tráfico de pessoas. A faixa etária de maior incidência do tráfico internacional de pessoas é entre 10 e 29 anos. Isso quer dizer que os aliciadores têm preferência por crianças e adolescentes.

 

O Verbo

“No Princípio Era o Verbo: 500 Anos da Reforma” é o tema da 13ª edição do Fórum de Ciências Bíblicas, que acontece nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, no Espaço Cultural Presbiteriano de Pinheiros, em São Paulo (SP). Promovido pela Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), o evento abordará os legados desse movimento iniciado na Alemanha no século 16 por Martinho Lutero (foto), que destacou a centralidade da Bíblia para a fé e a vida cristãs.

Um dos méritos de Lutero foi comunicar a mensagem bíblica de maneira compreensível. “A Bíblia completa traduzida por Lutero foi lançada em 1534, permitindo um grande progresso na tradução das Escrituras para a língua do povo. Hoje, 500 anos depois, a Reforma não é vista apenas como um evento do passado já que o estudo da Palavra de Deus continua atual e transformador”, ressalta Erní Seibert, secretário de Comunicação, Ação Social e Arrecadação da SBB.

O 13º Fórum de Ciências Bíblias será aberto a professores e estudantes de Teologia, Ciências da Religião e Linguística, assim como outros estudiosos da Bíblia, lideranças religiosas e cristãos em geral. A inscrição custa R$ 40,00 (o equivalente à oferta no valor de duas Bíblias) e R$ 20,00 para pastores e seminaristas, podendo ser feita por meio do link:

https://www.eventbrite.com.br/e/13o-forum-de-ciencias-biblicas-tickets-31875221646. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3475-5827 ou pelo site www.sbb.org.br.

 

Distrações táticas
A primeira vez que minha esposa e eu trabalhamos juntos num projeto literário vimos que a procrastinação seria o maior obstáculo. Ela editava o meu texto e me mantinha na programação; quase a enlouqueci. Na maioria das vezes, sua organização e paciência sobreviveram à minha resistência aos prazos e direção.

Eu tinha prometido ter certa quantidade de texto pronto no fim de um dia. Durante a primeira hora, trabalhei diligentemente. Satisfeito, decidi fazer uma pausa. Antes que eu percebesse, meu tempo tinha expirado. Em apuros, pensei numa maneira de sair dessa situação. Comecei a fazer algumas tarefas que minha esposa não gostava de fazer e que sempre me garantiam alguns elogios.
Mas o plano falhou.

Às vezes faço o mesmo jogo com Deus. Ele traz pessoas específicas em minha vida e quer que eu as sirva, ou tem tarefas que quer que eu realize. Como Jonas, que foi por outro caminho, ao receber uma atribuição divina, preciso deixar de lado meus sentimentos (4:2). Às vezes tento impressionar Deus com boas obras ou atividades, mas Ele realmente quer a minha obediência às Suas prioridades. Inevitavelmente, o meu plano falha.

Você se esquiva dos deveres que Deus lhe dá? Acredite: o contentamento vem de fazer em Sua força e da Sua maneira. A obediência agrada a Deus. — Randy Kilgore


Missão de propalar a Palavra de Deus

comentários

Movida pela missão de levar a Palavra de Deus a todas as pessoas, a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) concebeu uma nova campanha evangelística, que propõe às igrejas o desafio de distribuir um milhão de bíblias ao longo de 2017. Com o nome de ‘Mude o Brasil pela Bíblia – 500 anos da Reforma’, a campanha é acompanhada de edições especiais do Livro Sagrado, nas quais se destacam os valores e o legado do movimento iniciado na Alemanha no século 16 por Martinho Lutero, que enalteceu a centralidade das Escrituras Sagradas para a fé e a vida cristãs. “A população brasileira, assim como a de outros países, vive uma crise de valores. O núcleo familiar está cada vez mais enfraquecido. Muitos problemas sociais estão sendo enfrentados por conta desse cenário. Esta campanha tem o objetivo de mostrar que somente uma Palavra pode transformar e ela está facilmente acessível na Bíblia Sagrada”, afirma Erní Seibert, secretário de comunicação, ação social e arrecadação da SBB. Inspirada no versículo ‘A Palavra de nosso Deus permanece eternamente’ (Isaías 40.8), a publicação preparada especialmente para a campanha traz os cinco pilares da Reforma: Somente pela Graça, Somente pela Fé, Somente pela Escritura, Somente por Cristo e Somente a Deus a Glória. A edição também destaca 15 valores-chave: Amor, Educação, Perdão, Esperança, Fé e Confiança, Honestidade, Humildade, Integridade, Justiça, Paz, Sabedoria e Prudência, Solidariedade, Trabalho, União e Verdade. “São mais de 100 versículos selecionados. Munidas desta Bíblia, as igrejas podem promover estudos bíblicos e cultos sobre esta importante temática, que é o legado da Reforma Protestante”, reforça o secretário.

 

Transporte coletivo

Será que nas primeiras horas de amanhã a tarifa de ônibus de Macapá passará mesmo de R$ 2,75 para R$ 3,25. Tal aumento já era para estar em vigor desde anteontem ou ontem. Uma ordem judicial liminar já teria sido dada para a majoração. Todas essas informações são oriundas do sindicato que reúne os donos de ônibus da capital. A Prefeitura e a CTMac, que administram a concessão do serviço público, não emitem informações sobre o assunto. Quer dizer, esse reajuste de tarifa é digno de fé? Não sei. Mas de uma coisa tenho certeza: o povo que usa ônibus terá um choque tremendo com a majoração da passagem. Não tem dinheiro na praça! Como se não bastasse o choque do aumento, o povão ainda tem que enfrentar viagens com coletivos desconfortáveis e ruas esburacadas. Que horror!

 

Ele compreende
Algumas crianças têm dificuldade para dormir à noite. Minha filha explicou-me uma das razões para isso, quando me virei para sair de seu quarto certa noite. “Tenho medo do escuro”, disse ela. Tentei aliviar o seu medo e deixei uma lâmpada acesa para que ela tivesse certeza de que seu quarto estava livre de monstros.
Não pensei mais sobre o medo da minha filha até algumas semanas mais tarde, quando meu marido fez uma viagem de negócios. Depois de me acomodar na cama, o escuro parecia me envolver. Ouvi um pequeno barulho e pulei para investigar. Acabou por ser nada, mas finalmente entendi o medo da minha filha, quando eu mesma o experimentei.
Jesus entende os nossos medos e problemas porque Ele viveu entre nós como um ser humano e suportou os mesmos tipos de problemas que enfrentamos. “Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer…” (Isaías 53:3). Quando lhe descrevemos as nossas lutas, Ele não nos deixa de lado, nem minimiza os nossos sentimentos, ou nos diz para sairmos dessa situação, Jesus se identifica com a nossa angústia. De alguma forma, saber que Ele entende pode dissipar a solidão que muitas vezes acompanha o sofrimento. Em nossos momentos mais obscuros, Jesus é a nossa luz e a nossa salvação. Jesus é nossa luz na noite mais escura. — Jennifer Benson Schuldt


Bíblia Sagrada

comentários

A Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) concebeu uma nova campanha evangelística, que propõe às igrejas o desafio de distribuir um milhão de Bíblias ao longo de 2017. Com o nome de ‘Mude o Brasil pela Bíblia – 500 anos da Reforma’, a campanha é acompanhada de edições especiais do Livro Sagrado, nas quais se destacam os valores e o legado do movimento iniciado na Alemanha no século 16 por Martinho Lutero, que enalteceu a centralidade das Escrituras Sagradas para a fé e a vida cristãs.
‘A população brasileira, assim como a de outros países, vive uma crise de valores. O núcleo familiar está cada vez mais enfraquecido. Muitos problemas sociais estão sendo enfrentados por conta desse cenário. Esta campanha tem o objetivo de mostrar que somente uma Palavra pode transformar e ela está facilmente acessível na Bíblia Sagrada’, afirma Erní Seibert, secretário de comunicação, ação social e arrecadação da SBB.

 

Posicionamento político

A polarização política está cada vez mais evidente e a discussão sobre o lado de cada um nessa ‘guerra’ marca presença em rodas de amigos, almoços de família, páginas sociais e, também, na hora de buscar o seu par perfeito. Para confirmar a veracidade do ditado que diz que os opostos se atraem, o ParPerfeito (www.parperfeito.com.br), maior site de relacionamento do Brasil, resolveu verificar como homens e mulheres lidam com o assunto. Para isso, foi realizada uma pesquisa com 2.629 solteiros que mostra que, aproximadamente, 70% de homens e mulheres não consideram decisiva a opinião política no momento do flerte.

Embora a pesquisa aponte que para 48% dos entrevistados é importante compartilhar ideais políticos, a maioria (54%) não acha que uma discussão sobre política pode acabar com um relacionamento.

‘Enquanto a discussão sobre política entre jovens é comum durante um bate papo com um dos pretendentes, para os solteiros acima de 35 anos, outros detalhes como: fidelidade, inteligência, honestidade são prioridades na hora de escolher um par perfeito’, comenta Mariana Frensel, gerente de marketing do Match Group LatAm, empresa detentora da marca ParPerfeito. ‘Boa parte dos solteiros acredita na combinação perfeita independente da visão política’, completa ela. (Dino – Divulgador de Notícias)

 

Marcar passo
A ordem militar “marcar passo” significa marchar sem sair do lugar. É uma pausa ativa no movimento para a frente, permanecendo mentalmente preparado e esperando com expectativa a próxima ordem.

Na linguagem do dia a dia, o termo marcar passo significa “movimento sem progresso, sem chegar a lugar algum, nada fazendo de importante, enquanto se espera”. Essa expressão transmite a sensação de ócio, de espera sem sentido.

Em contraste, a palavra para esperar na Bíblia muitas vezes significa “olhar ansiosamente para, ter a expectativa de”. O salmista, ao enfrentar grandes dificuldades, escreveu: “Deus meu, em ti confio; não seja eu envergonhado, nem exultem sobre mim os meus inimigos. Com efeito, dos que em ti esperam, ninguém será envergonhado… (Salmo 25:2,3).

Muitas vezes, não temos escolha sobre o que temos de esperar — um diagnóstico médico, uma resposta da entrevista de emprego, a volta de um ente querido — mas podemos decidir de que maneira vamos esperar. Ao invés de ceder ao medo ou apatia, podemos continuar a “marchar no lugar”, buscando a força de Deus e direção a cada dia.

“Faze-me, Senhor, conhecer os teus caminhos, ensina-me as tuas veredas. Guia-me na tua verdade e ensina-me, pois tu és o Deus da minha salvação, em quem eu espero todo o dia” (vv.4,5). — Esperar no Senhor é exercer a confiança prática e atuante, não apenas teórica. David C – McCasland


Coisa

comentários

A leitura é fundamental para o desenvolvimento de crianças e adolescentes, mas o gosto pelos livros, muitas vezes, é superado pela atração que a tecnologia oferece. Ao unir os livros à tecnologia, em formato de app, um novo universo de incentivo à leitura se abre, como é o caso dos app books da Coleção Novozymes Nova Perspectiva, que estão disponíveis, gratuitamente, para ser baixados em smartphones e tablets. O primeiro livro aplicativo ou também conhecido como app book, desenvolvido por meio de uma parceria entre a Novozymes, o Sesi Paraná e a StoryMax, tem como título ‘Frritt-Flacc’, adaptação da obra do escritor Jules Verne. A segunda obra aplicativa traz um outro clássico, do russo Anton Tchékhov, intitulado ‘Ostras’. A obra busca estimular o leitor a refletir sobre a erradicação da fome. O terceiro livro aplicativo traz um conto do inglês John Ruskin, ‘O Rei do Rio de Ouro’, tratando do tema água limpa e saneamento. Apresentado como um conto de fadas, conta a história de um velho que visita a casa de três irmãos durante uma tempestade.

 

Literatura de primeira linha

Professor de língua francesa, literatura brasileira e redação com atuação no Amapá, Luís Carlos de Santana também é escritor. Está na praça com ‘A noite dos cristais’, e agora emplaca ‘O túmulo do soldado desconhecido’. Noite dos Cristais narra, ficcionalmente, a luta libertária dos escravos na Bahia, nos idos de 1835, também chamada de a revolta dos malês. O túmulo do soldado desconhecido, por sua vez, discorre sobre a saga do soldado negro chamado Antônio, que lutou na Guerra de Canudos, Guerra do Acre e, depois, numa guerra solitária combate por seus direitos de cidadão brasileiro. Um funesto malogro! Ah, favor não confundir, quando com as obras nas mãos, assinadas por Luís Fulano de Tal, pois esse tal é um negro pernambucano que por muitos anos se radicou em São Paulo e há meia dúzia de anos vive no Amapá. Pois é, o Luís Fulano de Tal é o mesmo professor Luís Carlos de Santana. O Túmulo do Soldado Desconhecido foi escrito no Amapá, mais precisamente na cidade de Oiapoque, o que já não aconteceu com A Noite dos Cristais, gestado em São Paulo. Os dois livros estão na iminência de ser vertidos para o Ingês.

 

Confiança mal direcionada
Gosto de observar aves, desenvolvi essa atividade, enquanto crescia numa aldeia florestal em Gana, onde tínhamos muitas espécies. No bairro onde vivo agora, observei, recentemente, o comportamento de alguns corvos que me interessavam. Voando em direção a uma árvore sem a maioria de suas folhas, os corvos decidiram descansar. Mas em vez de escolherem os galhos robustos, eles pousaram sobre os galhos secos e frágeis, que rapidamente quebraram. Eles voaram para escapar do perigo, apenas para repetir o esforço inútil. Aparentemente, sua percepção não lhes disse que os ramos sólidos seriam lugares de descanso mais confiáveis e seguros.

E quanto a nós? Onde colocamos a nossa confiança? Davi observa no Salmo 20: “Uns confiam em carros, outros, em cavalos; nós, porém, nos gloriaremos em o nome do Senhor, nosso Deus” (v.7). Carros e cavalos representam os bens materiais e humanos. Eles representam coisas que são úteis na vida diária, mas não nos dão segurança em tempos de angústia. Se colocarmos nossa confiança em bens ou riqueza, descobriremos que, eventualmente, quebrarão como os ramos que cederam sob o peso dos corvos.

Aqueles que confiam em seus carros e cavalos “…se encurvam e caem…” mas nós que confiamos em Deus “…nos levantamos e nos mantemos de pé” (20:8). — Neste mundo de mudanças, podemos confiar em nosso Deus imutável.


Vida: até quando?

comentários

A expectativa de vida do brasileiro vem crescendo ao longo dos últimos anos. Segundo levantamento da UnitFour, empresa fornecedora de dados para o mercado, a longevidade vai de 73 a 83 anos. As estatísticas mostram que 25% dos óbitos registrados entre 2014 e 2016 ocorreram em pessoas com essa faixa etária, seguido por 62 a 72 anos, com 21%, e 84 a 94 anos, com 18%. Em ordem, temos 3% para 18 a 29 anos; 6% de 29 a 39 anos; 9% de 40 a 50 anos; 15% de 51 a 61 anos; 21% de 62 a 72 anos; 25% de 73 a 83; 18% de 84 a 94 anos; e 3% acima de 95 anos. Na somatória e desmembramento do período entre 2014 e 2016, o último ano apresentou a menor quantia de óbitos, registrando 20% do total. O ano de 2015, por sua vez, acumulou a maior parcela de mortes em três anos, chegando a 41%. Os outros 39% do comparativo ocorreram em 2014. No levantamento anual da empresa, quando comparados os óbitos versus o número de pessoas vivas em cada ano, o panorama foi o seguinte: em 2014 as mortes em território nacional representaram 0,41% do geral da população; em 2015 foram 0,43% e em 2016, 0,20% do montante de pessoas, registrando menor índice de mortalidade nacional se comparado com a quantia da população viva.

 

Biografia

Contemporâneo das injustiças e horrores da Guerra dos Trinta Anos e das guerras civis francesas, conhecidas como Fronda, São Vicente de Paulo foi a voz dos sem poder e incansável no amparo aos pobres. Um homem que lutava contra a indiferença e a cobiça dos grandes. Sua história, que já foi tema de inúmeros livros, é contada de forma original na biografia escrita pela jornalista e escritora Marie-Joëlle Guillaume. A partir de fontes já conhecidas, mas consideradas sob novos olhares, e também a partir de registros inéditos, “São Vicente de Paulo: uma biografia” apresenta a vida de uma grande figura às voltas com a condição humana de seu tempo.

Nascido numa vila camponesa na França, São Vicente de Paulo se tornou padre com 19 anos. Criou confrarias e instituições de caridade, entre elas “Congregação dos Padres da Missão” e “Filhas da Caridade”, que com a parceria de Louise de Marillac despertou o compromisso e a generosidade de mulheres abastadas. Admirado pela corte e alta nobreza, Vicente de Paulo influenciou o reinado de Ana de Áustria e de Luís XIII, e foi conselheiro da rainha Margarida de Valois. Guillaume destaca a ambivalência da atuação do religioso: “A guerra e paz durante os ministérios de Richilieu e Mazarin, nomeações episcopais apanhadas entre o martelo das ambições terrestres e a bigorna dos deveres de devoção, missões distantes dos elãs de fervor da primeira metade do século, mais tarde a irrupção do jansenismo e o dilaceramento por ele acarretados, a mobilização de mulheres de alto coturno, em todos os níveis da sociedade, para fazer frente às desgraças da época, a invenção de novas estruturas da caridade, tudo isso, que apaixonou o século, recebeu de Vicente de Paulo uma resposta original”.

 

Mão aberta
Biddy Mason foi posta numa cova anônima, em 1891. Isso era comum para uma mulher nascida na escravidão, mas notável para alguém tão talentosa como Biddy. Após tornar-se livre judicialmente em 1856, ela combinou suas habilidades de enfermagem com sábios empreendimentos e fez fortuna. Ao observar a situação dos imigrantes e dos prisioneiros, ela lhes estendeu a mão, investiu em caridade com tanta frequência que as pessoas começaram a fazer fila em sua casa em busca de ajuda. Em 1872, apenas 16 anos após ser livre, ela e seu genro financiaram a fundação da Primeira Igreja Metodista Episcopal Africana em Los Angeles, EUA.

Ela praticou as palavras de Paulo: “Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é mister socorrer os necessitados e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar que receber” (v.35). Paulo era privilegiado, homem livre, mas optou por uma vida que o levaria à prisão e martírio para servir a Cristo e outros.

Em 1988, os benfeitores a homenagearam com uma lápide na presença de autoridades e de 3 mil membros da pequena igreja que tinha começado em sua casa cerca de um século antes. Biddy disse certa vez: “A mão aberta é abençoada, pois dá em abundância ao mesmo tempo que recebe”. A mão que doou generosamente recebeu um rico legado… é mister socorrer os necessitados e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus.— Tim Gustafson


Felicidade

comentários

Ao chegar no jornal, abri meu e-mail e deparei com duas preciosidades. A primeira, das Edições Paulinas, que diz: ‘A automotivação é um processo diário. Sua força beira a magia’. A outra, do ‘Pão Diário’, com o título ‘Como ser feliz’. Fala sobre a felicidade, alinhando dez dicas para se viver mais contente. Vou partilhar estas dicas: 1ª – Doe algo; 2ª – Faça uma gentileza; 3ª – Agradeça sempre; 4ª – Trabalhe com disposição e vigor; 5ª – Visite os idosos e aprenda com as experiências deles; 6ª – Olhe com atenção para o rosto de um bebê e maravilhe-se; 7ª – Ria com frequência — é o lubrificante da vida; 8ª – Ore para conhecer o caminho de Deus; 9ª – Planeje como se você fosse viver para sempre — você viverá; 10ª – Viva como se hoje fosse seu último dia de vida na Terra. Essas são excelentes ideias para se ter uma vida feliz. Reforce cada uma dessas dicas com louvor, e sua felicidade será completa. ‘Aleluia! Louva, ó minha alma, ao Senhor. Louvarei ao Senhor durante a minha vida…’ (Salmo 146:1,2).

 

Boa recepção

Assunção Lumancil, vice prefeito de Vitória do Jari, esteve nessa semana em Brasília, ciceroneado pelo ‘embaixador’ Elpídio Amanajás, percorrendo a Caixa Econômico, gabinetes de ministros e em contato com os parlamentares do estado em nível federal. Veio de lá empolgado. A empolgação ele mostrou no programa radiofônico ‘Bate Coração, do doutor Brasil. Anunciou recursos de R$ 1,7 milhão provenientes de emendas parlamentares – R$ 1 milhão de Roberto Góes, R$ 200 mil de Marcivânia Flexa e R$ 500 mil do deputado Cabuçu Borges. Boa notícia para o município que em agosto fará 22 anos de criado. Lumancil também conseguiu, em Brasília, uma ambulância pra o setor de saúde, e um ônibus, para a educação. Na Caixa Econômica, Assunção Lumancil recebeu garantia de dinheiro para construção de habitações em Vitória do Jari. O vice prefeito ainda exaltou a boa recepção que teve de Cabuçu Borges, o qual disponibilizou o seu gabinete com a ordem de que aquele espaço ficava à disposição da Prefeitura Municipal de Vitória do Jari.

 

Inesperado
No calor do meio dia do Verão, numa viagem à América do Sul, minha esposa e eu paramos para tomar um sorvete. Na parede atrás do balcão, lemos um aviso que dizia: “Proibido patinar no gelo”. Teve graça porque foi bem inesperado.

Às vezes, dizer o inesperado tem o maior efeito. Pense nisso em relação a uma declaração de Jesus: “Quem acha a sua vida perdê-la-á; quem, todavia, perde a vida por minha causa achá-la-á” (Mateus 10:39). Em um reino onde o Rei é um servo (Marcos 10:45), perder sua vida torna-se a única maneira de encontrá-la. Esta é uma mensagem surpreendente para um mundo concentrado na autopromoção e autoproteção.

Em termos práticos, como podemos perder a nossa vida? A resposta é resumida na palavra sacrifício. Quando sacrificamos, colocamos em prática o estilo de vida de Jesus. Em vez de nos agarrarmos aos nossos próprios desejos e necessidades, respeitamos as necessidades e o bem-estar dos outros.

Jesus não apenas ensinou sobre o sacrifício, mas também o viveu, entregando-se a si mesmo por nós. Sua morte na cruz tornou-se a expressão final do coração do Rei que praticou Suas palavras: “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos” (João 15:13). Nada está realmente perdido para uma vida de sacrifício – Bill Crowder


Lá e cá

comentários

Assisti, há alguns dias, a um vídeo sobre o Pará. Fiquei impressionado com o desenvolvimento desse estado, no qual nasci, hoje tendo o coração entregue ao Amapá.

Sobre a vizinha unidade federativa, o vídeo mostra a pujança da mineração, do agronegócio, do aproveitamento dos recursos naturais pela indústria, o incremento do turismo.

Lá, no Pará, tudo flui a contento. Os paraenses se dão ao luxo de avionar para a Guiana Francesa. Nós, aqui na fronteira com o departamento franco, não podemos fazer isso.

Tirando o vídeo, vi noticiário da Sudam informando que a autarquia liberou cem milhões de reais para a Amazônia. Dessa importância, apenas R$ 1,2 milhão para o Amapá.

Que a crise existe, isso é fato, mas o marasmo em que vivemos também é fato, sabe por quê? Por falta de liderança política.

De repente chego a pensar que o Amapá precisa, mesmo, é de uma liderança de choque, para sair da falta de oportunidade de emprego, renda, riqueza e melhores condições de vida.

 

Confissão

Vou falar de confissão. Para mim, a confissão, na essência do termo, é a que mais se aproxima da verdade. Nela, na confissão pura, a pessoa extravasa as suas culpas, portanto, fala a verdade, e a verdade, por sua vez, muda de significado de acordo com a civilização, a cultura e a sociedade. Mas na confissão ela é manifestada mais propriamente, porque se torna a busca de um alívio para o ego, independente de onde a pessoa se encontra. Existem várias formas de confissão. Há a confissão feita na justiça dos homens; a professada entre pessoas que se ferem física ou moralmente; há até a confissão meio que inocente de errinhos banais, mas que mexem com os mais sensíveis. Para a maioria do mundo, no entanto, a confissão na essência da palavra é aquela feita ao sacerdote, na busca de consolo espiritual. Busquemos essa confissão. Ela é importante na caminhada da vida, principalmente para aqueles que não esperam a morte, mas a Vida Eterna, a Vida no Reino de Deus. Entre as confissões, também há aquela travestida em delação, hoje muito em voga no Brasil, no curso da Operação Lava Jato. A pessoa confessa o crime que cometeu, porém cita todos os que com ele transgrediram. Quer dizer, é um alcaguete, bandido que quer livrar a própria cara, não se garante, e põe os outros na mesma barca da corrupção.

 

Do pranto à alegria
“Estamos cortando a sua função”. Uma década atrás, essas palavras me fizeram cambalear quando a empresa onde eu trabalhava me demitiu. Na época, me senti arruinada, em parte porque a minha identidade estava entrelaçada ao meu papel como editora. Senti, recentemente, uma tristeza parecida ao saber que meu trabalho temporário tinha terminado. Mas desta vez não me senti abalada, pois com os anos, vi a fidelidade de Deus e como Ele pode transformar meu pranto em alegria.

Apesar de vivermos num mundo decaído onde enfrentamos dor e decepções, Deus pode nos levar do desespero ao louvor, como vemos na profecia de Isaías sobre a vinda de Jesus (Isaías 61:1-3). Ele nos dá esperança quando não a temos; nos ajuda a perdoar quando pensamos não poder; ensina que nossa identidade está nele e não no que fazemos. Ele nos dá coragem para enfrentar o futuro incerto. Ao vestirmos os trapos de “cinzas”, nos dá vestes de louvor.

Ao enfrentarmos perdas, não devemos fugir da tristeza, mas também não queremos nos tornar amargos ou inflexíveis. Ao pensarmos sobre a fidelidade de Deus, sabemos que Ele está disposto e pode transformar o luto em alegria novamente — nos dar graça suficiente nesta vida e plena alegria no céu. Deus pode trazer crescimento a partir dos nossos momentos de sofrimento.— Amy Boucher Pye


Mal e bem

comentários

Eva traiu Adão; os dois traíram Deus. Caim traiu Abel e até o matou. Jacó, traidor, fez gato e sapato de Esaú. É clássica a traição de Judas Iscariotes. Madame de Bovary é uma traidora inveterada. Iago trai Otelo e Desdêmona. Lúcifer traiu o Divino. Dizem que os anjos têm inveja do homem porque eles não desfrutam do livre arbítrio, e que quando se travestem em pessoas terrestres traem os seus semelhantes. Leocádia trai João; João trai Quitéria; Quitéria trai Hermógenes, e assim vai. Em suma, o mundo é traidor! Não, só parece que é, mas não é, porque no contraponto existe a fiel Maria, mãe de Jesus; a Penélope de Ulisses; a Suzana bíblica. Seu Florindo não trai dona Raimunda. Joana é incapaz de trocar o seu amor Gustavo por uma aventura. A traição, sem dúvida, está na ordem do dia, cotidianamente. E se ressalta porque o mal prevalece! Isso também não é verdade. O bem é que sempre vence. Eduardo Cunha vinha traindo o povo brasileiro há muito tempo, veja onde ele está. Assim aconteceu com José Dirceu e outros grandes traidores da Nação verde-amarela. Todos os célebres traidores citados aqui tiveram um fim infeliz. E o Livro Sagrado ensina: ‘Feliz é todo aquele que não anda conforme os conselhos dos perversos; que não entra no caminho dos malvados, nem junto aos zombadores vai sentar-se; mas encontra seu prazer na Lei de Deus e a medita, dia e noite, sem cessar”.

 

Até quando?

O mundo roda, roda, e volta para o mesmo lugar. O próprio planeta Terra, onde estamos, é assim. Aliás que todos os planetas do sistema heliocêntrico têm os seus movimentos de rotação e translação. Quer dizer, sempre passam pelo mesmo lugar ou lugares. Ao girar ao redor do Sol, a terra atravessa 365 dias, e em torno de si mesma consome 24 horas ou um dia. Nela, seguidamente, há dia e noite. A Bíblia mostra que Moisés, quando conduzia o povo de Deus pelo deserto, a ele cabia a solução de todas as questões, até que o sogro Jetro o chamou e orientou-o a designar pessoas para julgar as pendências. O Livro Santo também mostra a época dos juízes, quando apenas um homem, geralmente o mais velho, dirimia todos os problemas vividos em sua comunidade. Depois vieram os reis. Já nesse tempo, o rei mandava, mas tinha muita gente para auxiliá-lo no atendimento às demandas do povo e do próprio reino. No Brasil, houve época em que tudo o que acontecia tinha que passar pelo olhar e decisão do padre. O juiz de direito também muito fez isso, em milhares de localidades, num tempo mais recente. Da briga por furto de galinha a um crime de morte, lá estava o juiz a decidir. Agora, nos dias atuais, pasmem, em plena era tecnológica e num momento em que o homem se diz altamente civilizado, com o discurso da igualdade social predominando, eis que em todas as esferas o Ministério Público é chamado para mediar. Até quando, hem? Será até outros setores da vida nacional voltarem a se ajustar moral e eticamente? Ou não?

 

Há algo que eu deveria saber?
O cantor e compositor David Wilcox respondeu a uma pergunta da plateia sobre como ele compõe músicas. E disse que há três aspectos nesse processo: um quarto silencioso, uma página em branco, e a pergunta: “Há algo que eu deveria saber?”. Pareceu-me uma abordagem maravilhosa para os cristãos que buscam o plano do Senhor para o andar diário.

Em Seu Ministério Público, Jesus separou tempo para ficar sozinho em oração. Após alimentar cinco mil pessoas com cinco pães e dois peixes, enviou os Seus Discípulos para atravessar o mar da Galileia de barco, enquanto Ele despedia a multidão (v.22). “E, despedidas as multidões, [Jesus] subiu ao monte, a fim de orar sozinho. Em caindo a tarde, lá estava ele, só” (v.23).

Se Jesus viu a necessidade de estar a sós com o Pai, quanto mais nós precisamos de um tempo diário de solitude para derramar o nosso coração a Deus, refletir sobre Sua Palavra, e nos prepararmos para seguir Suas orientações.

Um ambiente silencioso — qualquer lugar que possamos nos concentrar no Senhor sem distrações.

Uma página em branco — uma mente receptiva, uma folha inescrita, disposta a ouvir. Há algo que eu deveria saber? “Senhor, fale comigo por Seu Espírito, Sua Palavra escrita, e pela garantia de Sua direção”.

Dessa tranquila encosta na colina, Jesus desceu para uma tempestade violenta, sabendo exatamente o que Seu Pai queria que Ele fizesse (vv.24-27).Separar tempo para estar com Deus é a melhor maneira para encontrar forças nele. — David C. McCasland


De poder, corrupção e dificuldades

comentários

Brasília mostra para o mundo a sujeira que a política é capaz de fazer, neste caso da denúncia contra o presidente Michel Temer em trâmite no Congresso Nacional. O chamado ‘rolo compressor’, expressão bastante usada quando poderosos querem conseguir algo, tornou-se novamente corriqueira entre gente do governo, Senado e Câmara dos Deputados. A troca de favores mais que nunca pesa na balança entre o Palácio do Planalto e parlamentares. Armações, conchavos, negociatas e afins também predominam na capital federal em torno das démarches envolvendo o Presidente. O Ministério Público jura por todos os juros que Temer é culpado, corrupto e danoso à Nação. A defesa dele diz que não, que é um poço de honestidade, como Lula, agora condenado a nove anos e meio de cadeia, ainda diz sobre si próprio. Enquanto tudo isso acontece, o Brasil fica parado, vendo milhões de seus filhos no desemprego; com o dinheiro sumido; a educação em apuros; a segurança, insegura; a moral lá embaixo; a saúde, doente. Paro por aqui, pra não cansar muito e acabar, ao cabo, dizendo Ufa!

 

Estudo do Discipulado

A Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) está lançando a Bíblia de Estudo do Discipulado. Totalmente voltada àqueles que querem vivenciar os ensinamentos sagrados, a obra traz sete cursos, cada um com oito módulos, com oito estudos cada. O primeiro curso, que trata sobre O Discipulado, está no Novo Testamento. E foi justamente esse o conjunto de livros escolhido pela SBB para apresentar o conteúdo rico e diferenciado desta publicação, que deverá ter seu conteúdo integral publicado em 2018.

A Bíblia de Estudo do Discipulado traz notas e estudos voltados especialmente para pequenos grupos e introdução ao discipulado de Jesus. As anotações, reflexões e estudos têm a finalidade de fazer com que o discípulo cresça a cada dia em seu propósito e possa discipular outras pessoas. O foco principal dessa Bíblia está nos relacionamentos, seja em seu conteúdo, seja em sua estrutura.

 

O caminho mais fácil
O caminho da vida muitas vezes é difícil. Assim, se esperarmos que Deus sempre nos dê um caminho fácil, podemos ficar propensos a virar as costas para Ele quando a estrada ficar difícil.
Se você já pensou em fazer isso, pense no povo de Israel. Ao receber a liberdade dos egípcios após centenas de anos de escravidão, partiu para a Terra Prometida. Mas Deus não os enviou direto para casa. Ele “…não o levou pelo caminho da terra dos filisteus, posto que mais perto…” (Êxodo 13:17). Em vez disso, o Senhor enviou o povo pelo caminho difícil através do deserto. Naquele momento, isto os ajudou a evitar guerras (v.17), mas, no decurso do tempo, algo maior estava por acontecer.

Deus usou esse tempo no deserto para instruir e amadurecer aqueles a quem Ele tinha chamado para segui-lo. O caminho mais fácil os teria levado à calamidade. O longo caminho preparou o povo de Israel para a sua entrada bem sucedida na Terra Prometida.

Deus é fiel, e podemos confiar nele para conduzir e cuidar de nós, seja o que for que enfrentarmos. Podemos não compreender a razão para o caminho em que estamos, mas podemos confiar nele para nos ajudar a crescer em fé e maturidade ao longo da jornada. O tempo de Deus está sempre certo. Espere pacientemente por Ele.— Dave Branon