O corte perfeito

A informação é importante – continuou o alfaiate – porque quando o mandarim é um recém-nomeado, ele fica tão deslumbrado com o cargo que anda com o nariz empinado. Nesse caso, eu preciso fazer a parte de frente maior do que a de trás.

Compartilhe:

Certo homem foi nomeado mandarim na China, uma espécie de conselheiro. Envaidecido, pensou em mandar confeccionar roupas novas. Para isso, um amigo lhe recomendou um alfaiate que sabia dar o corte perfeito à roupa de cada cliente. Depois de tomar nota de todas as medidas necessárias para o serviço, o homem perguntou:

– Há quanto tempo o senhor é mandarim?

– Ora, o que tem a ver isso com a medida da minha roupa? – respondeu o mandarim.

– A informação é importante – continuou o alfaiate – porque quando o mandarim é um recém-nomeado, ele fica tão deslumbrado com o cargo que anda com o nariz empinado. Nesse caso, eu preciso fazer a parte de frente maior do que a de trás. Depois de alguns anos, ele ocupa-se cada vez mais com seu trabalho. Torna-se sensato e olha para frente para ver o que vem na sua direção. Para esse eu costuro um manto de maneira que fiquem iguais a parte de frente e a de trás. Mais tarde, o corpo dele fica encurvado pela idade e pelos trabalhos cansativos. Sem falar da humildade que adquiriu ao longo da vida. Esse é o momento de fazer a parte de trás mais longa.

O mandarim saiu da loja pensando muito nas palavras daquele sábio alfaiate.

No evangelho de domingo passado, Jesus declarava Simão Pedro “feliz”, porque o Pai o tinha ajudado na resposta à pergunta sobre a sua identidade. Em seguida, no evangelho deste domingo, Jesus diz ao mesmo apóstolo para ficar longe dele e o chama de “satanás”. O que foi que aconteceu para ele usar palavras tão pesadas? Foi só Jesus falar de sofrimento e de morte que todas as ideias, que circulavam anteriormente entre os discípulos, de um “messias” poderoso e triunfador, desmoronaram. Ainda pensavam que o “reino” do “messias” vindouro era mais ou menos semelhante aos reinos deste mundo. Com isso, Mateus quer nos dizer que não bastou proclamar Jesus Senhor, Cristo, Salvador e tudo o mais. O que importava mai s era entender como ele realizaria aquela “salvação”.

O evangelista – que escreveu anos depois dos acontecimentos – não esconde a dificuldade dos discípulos de todos os tempos de entender as provações que estavam aguardando Jesus no seu caminho rumo a Jerusalém. Tudo, palavras, gestos e sinais davam a entender que ele era o grande esperado. Então, por que demorava tanto a instaurar o novo “reino”? Por que os anciãos, os sumos sacerdotes e os mestres da Lei o matariam em lugar de aclamá-lo rei? Justamente agora, que começavam a sonhar com poder e grandeza, Jesus foi falar de sofrimento, morte e de uma ressurreição tão inacreditável e incerta. O que tinha de errado em desejar uma vida mais cômoda e confortável? Será que tinham deixado t udo em troca de nada? Esta era e sempre será a maior e mais difícil questão que, pessoalmente e como Igreja também, qualquer um que queira ser discípulo de Jesus deve resolver.

O “tesouro” da parábola ou “a vida” da qual fala o evangelho deste domingo, não são coisas materiais e vantajosas do ponto de vista “mundano”. Jesus aponta para outras riquezas e outras alegrias. Segundo ele, esses “outros” bens valem mais do que a própria vida temporal. Essa, iremos perder com a nossa morte. Mas o “sopro” de vida divina, que está em nós, continuará junto de Deus Pai, aquele que é a Vida, mas também é o Amor, a Paz, o Bem único e mais precioso que a posse do mundo inteiro.

Quem aprendeu a não desejar alegria somente para si, mas a doar amor e vida mais digna aos irmãos desprezados, pobres, sofredores e esquecidos, experimentará, já neste mundo, um pouco da própria “vida” de Deus. Todos, sempre, teremos a tentação de estar do lado de Jesus para ter alguma vantagem imediata. Numa sociedade que exalta os ricos e os poderosos, quem se dispõe a seguir um “mestre” pobre que morreu crucificado? Ele foi um perdedor ou o único que pode nos salvar das loucuras do poder e da ganância humana, sempre causa de injustiça, exploração, escravidão, corrupção e morte? Nem para Pedro foi fácil aprender a lição. Acreditar que a vitória d o amor de Deus passa pela derrota da cruz sempre será um dom que devemos pedir ao próprio Jesus.


 
Compartilhe: