O diamante arranhado

O evangelho de Lucas deste domingo nos apresenta a ida em missão e a volta dela de “outros” setenta e dois discípulos.

Compartilhe:

Um jovem príncipe do norte da Índia se apaixona, certo dia, por uma bela princesa do país vizinho. O casamento é decidido. Como sinal e penhor de amor eterno, ele lhe dá o mais belo diamante dos seus tesouros, a ser engastado no centro da preciosa coroa que ele pretende lhe oferecer na manhã de núpcias. Ele confia o diamante ao mestre dos joalheiros. Mas este, num instante de distração, deixa a ferramenta deslizar num momento delicado do engaste. Isso produz uma estria em toda a extensão da maravilhosa joia. Desespera-se o artista. E, mais do que ele, o príncipe. A notícia se espalha. Um velho artesão se apresenta ao palácio e diz: “Príncipe, soube da sua tristeza. Confiai-me por uma noite vosso diamante”. Ao amanhecer, o artesão leva ao príncipe maravilhado a mais bela joia já vista. Com habilidade e paciência, o talentoso lapidad or tinha feito da profunda ranhura o próprio talo de uma esplendida rosa desabrochada, que agora brilha deslumbrante.

O evangelho de Lucas deste domingo nos apresenta a ida em missão e a volta dela de “outros” setenta e dois discípulos. “Outros” porque Jesus já tinha enviado antes os doze (Lc 9). É fácil perceber que “12” e “72” (12×6) são números simbólicos. É o começo da nova Comunidade de Jesus; uma comunidade que é enviada em missão e cresce. Esta devia ser a experiência do evangelista e das suas comunidades, quando escreveu o evangelho. Algumas palavras chamam atenção. O campo da missão é muito grande (a messe!), será que os operários darão conta? O tamanho da missão, o chamado dos trabalhadores e a resposta deles, tudo é dom de Deus, o verdadeiro “dono” do “campo” (a história da humanidade). Ele sabe o que precisa e de quem precisa. O que cabe a nó s é rezar, pedir, para que não faltem cristãos, discípulos missionários do Reino. Ou seja: cada um de nós deve pedir sempre que o Divino Espírito Santo, o Espírito da missão, nos torne testemunha viva do evangelho. O Senhor da messe chamará alguns, do meio do seu povo, para servirem como padres, religiosos e religiosas, mas todo o Povo de Deus, todo batizado e batizada é, por si mesmo, enviado.

A Boa Notícia do Reino de Deus que chegou, pode ser acolhida ou não. Por ser o “reino” da liberdade e da gratuidade, por ser o reino do amor, nunca poderá ser uma obrigação ou uma imposição. É um dom oferecido e só pode ser acolhido livremente, com júbilo e gratidão. O Reino nunca será propriedade exclusiva ou monopólio de alguém. Terá que ser sempre anunciado e oferecido a todos e, de maneira especial, àqueles que ainda não o encontraram, “pobres” porque ainda não sabem quanto Deus Pai os ama.

Nos últimos versículos desse trecho evangélico, a missão é apresentada com resultados extraordinários. Os “missionários” voltam felizes e orgulhosos. Parece que tudo aconteceu rapidamente e uma vez por todas. Muitas vezes os Evangelhos antecipam o resultado “final”, iniciado com a vitória de Jesus ressuscitado sobre o mal e a morte. “Satanás” já cai do céu. O deus da mentira foi derrotado e deixa o lugar ao Deus Verdade e Amor. Mas nós ainda o colocamos lá, adorando-o em todas as formas dos ídolos deste mundo que nos fascinam, atraem e confundem. A vitória começou, mas deve ser levada ao comprimento com a nossa firme e fiel colaboração. Precisamos que o Reino comece em nossa vida e em nossa casa. Os nomes dos “santos” (os batizados) antes de estar no livro das paróquias estão escrito s no céu, no coração do Pai. Nós gostaríamos que tudo acontecesse de uma vez só, que nunca mais virássemos as costas ao amor do Senhor, que nunca mais o trocássemos com as falsas imagens dele fruto das nossas manias de grandeza e poder. Mas o Reino é mais um canteiro de obras que um monumento a ser admirado. É como a pérola preciosa que quem a encontra vende tudo (Mt 13,45-46)), mas nós a arranhamos e precisa de muita, muita, paciência para transformar em beleza o que nós deturpamos. Somos todos artesãos do Reino.


 
Compartilhe: