Memorial antropológico-cultural do Amapá

Depois de ter sido aprovado na Assembléia Legislativa, o projeto foi encaminhado ao governador Waldez Góes para ser sancionado.

Compartilhe:

O propósito de construir um memorial para Janary Gentil Nunes volta a ganhar força. Há quase dez anos, o falecido deputado Dalton Martins concebeu um projeto relativo à construção de um memorial para homenagear o primeiro governador do Território Federal do Amapá. Depois de ter sido aprovado na Assembléia Legislativa, o projeto foi encaminhado ao governador Waldez Góes para ser sancionado.

Do Palácio do Setentrião a documentação seguiu para a Fundação Estadual de Cultura do Estado do Amapá-FUNDECAP, a fim de ser analisada e receber parecer técnico, que respaldasse a decisão do chefe do executivo. Na época, ocupando o cargo de assessor cultural do citado órgão recebi a incumbência de emitir o importante parecer e o fiz em breve período de tempo. Julguei que, em vez de prender-se exclusivamente a enaltecer os feitos de Janary Nunes, o memorial deveria ter a responsabilidade de recolher, catalogar, registrar e manter sob sua guarda e preservação, objetos e documentos referentes a costumes, crenças, comportamento, organização social, linguística, sociologia, economia, história e geografia humana dos grupos em que se distribuiu o homem amapaense através das épocas. Até uma minuta de projeto-de-lei foi elaborado, mas os poderosos de então preferiram ignorar a propositura. Naquela oportunidade não houve vontade política na sanção do projeto de Dalton Martins, que havia participado da campanha eleitoral do governador. Atualmente, a vontade política existe e tudo parece caminhar para um desfecho feliz.

O lançamento da pedra fundamental do memorial deverá ocorrer na Fazendinha, dia 1º de junho, data do natalício de Janary Nunes. O trabalho desenvolvido por este brilhante amazônida precisa ser mostrado aos amapaenses, sem fantasias e disfarces. Os fatos históricos gerados por ele são suficientemente fortes para reconhecê-lo como gestor de incontestável liderança e ferrenha autoridade na defesa de um ideal, que ele preferiu rotular como “A Mística do Amapá”.

Os amapaenses natos e os que vieram de outras plagas precisam conhecer a história dos pioneiros que fizeram vingar a criação do Amapá como unidade federada. Muitos são os relatos de ilustres brasileiros que conheceram Macapá antes da década de 1940. Boa parte destes relatos ainda está preservada, como o que foi escrito pelo magistrado Inácio de Souza Moita, em 1951. Ele havia atuado como Juiz de Direito da Comarca de Macapá em 1931 e voltava a rever Macapá 20 anos depois: “Estou entusiasmado com o que vi em Macapá. Conheci esta cidade em 1931, quando lá fui como Juiz de Direito da Comarca.

A cidade não era mais que um burgo pobre, abandonado de Deus e dos homens, com uma população mal passando de mil habitantes, duas dezenas talvez de velhos prédios, resto de uma época, já longínqua, de fartura e opulência; no mais, tugúrios, marasmo e miséria, onde tudo atestava tristeza, desânimo e apatia. Aquele burgo pobre de há 20 anos, é hoje um centro de civilização e cultura que se expande, tentacular e ruidoso, em bairros residenciais, ruas largas, praças de esportes, com serviço de luz elétrica que não tem colapsos, quer de dia quer de noite, água encanada e esgotos, estes últimos ainda não terminados, a cargo do Serviço Especial de Saúde Pública-SESP, mediante contrato com o Governo.” Outro testemunho significativo foi dado pelo então Deputado Juscelino Kubitschek, mediante discurso pronunciado no Cine-Teatro Territorial em 1947: “ Há um sentido profundo de brasilidade na obra que aqui se realiza. O homem desta jungle bravia não é um apático e menos ainda um desinteressado pelos destinos de sua terra. Luta, pelo contrário, contra vicissitudes inúmeras e, batido pela desventura da enfermidade e do desconforto, reage com bravura, extraindo de suas forças periclitantes lições heróicas de amor e devotamento à causa da grandeza de nossa Pátria”.

O trabalho que Janary Nunes fez no Amapá deve ser analisado com os olhos da história, sem espaço para revanchismo. Presidindo a PETROBRAS, Janary Nunes mostrou que ela era viável. A primeira refinaria da importante estatal, erguida em Volta Redonda, ocorreu em sua gestão. Antes disso, os abutres políticos não se interessavam pela instituição. Depois deste feito, eles pressionaram Juscelino Kubitschek para alijar o Coronel Janary Nunes. Lhe foi dado, como prêmio de consolação, a nomeação como Embaixador Plenipotenciário do Brasil, na Turquia.


 
Compartilhe: