CBF e o VAR

Presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Leonardo Gaciba apresentou os números do árbitro de vídeo (VAR) no auditório da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Segundo o chefe dos árbitros, houve 98% de acerto dos lances nas decisões capitais (gols, expulsões, erros de identificação e pênaltis) com a ajuda do novo sistema até a 14ª rodada […]

Compartilhe:

Presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Leonardo Gaciba apresentou os números do árbitro de vídeo (VAR) no auditório da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Segundo o chefe dos árbitros, houve 98% de acerto dos lances nas decisões capitais (gols, expulsões, erros de identificação e pênaltis) com a ajuda do novo sistema até a 14ª rodada da Campeonato Brasileiro.

De acordo com Gaciba, sem o VAR, 77,4 % dos lances capitais foram acertados no mesmo período. O chefe da arbitragem informou que os árbitros erraram apenas em 10 lances capitais neste ano com a ajuda do vídeo contra 88 em 2018. Os jogos do último fim de semana do Brasileiro não entraram no levantamento da entidade.

– Isso é uma melhora de 90%. Eu enxergo o copo meio cheio. O auxílio do VAR é indispensável hoje em dia. A reclamação dos clubes diminuiu muito. Os acertos da arbitragem brasileira crescem, disse Gaciba

Na apresentação desta segunda, o chefe da arbitragem afirmou que o índice de acertos em situações de pênaltis foi de 91,76 % com o VAR, sendo 27 erros corrigidos, ante 68,23% no ano anterior. O VAR ainda acertou 93,5% nos impedimentos.

– O VAR mostra que a velocidade do jogo acabou vencendo o olho humano.

A análise usou 139 jogos para contabilizar os números do VAR. Segundos os dados apresentados, foram 764 checagens e 87 revisões, com uma média de 6,12. Em 90% das ocasiões, o árbitro de vídeo concordou com a decisão de campo.

– Queria agradecer ao clubes brasileiros pela aprovação do árbitro de vídeo. Eles estavam certos. O que parece fácil na TV não é tão fácil no campo de jogo, explicou.

O maior número de checagens foi para a marcação ou não de gol: 385, o que equivale a 50,4% do total. Em 255 oportunidades, houve checagem de pênaltis (33,4%). Os outros itens checados foram cartão vermelho (15,2%) e erro de identidade (1%).

Em 69 das 87 revisões, o árbitro mudou sua decisão depois da análise, o que corresponde a 78% do total. Gaciba disse que existe a consciência da necessidade de melhorar no tempo de tomada de decisão. No Brasileiro, a média é de um minuto e 54 segundos.


 
Compartilhe: