O mercado e a importância do Porto de Santana

Do ponto de vista geográfico é visível e óbvio a proximidade do nosso porto santanense para a América do Norte, América Central, Caribe, África e Europa.

Compartilhe:

Os saudosos jornalistas Alcy Araújo, escritor, poeta e decano do jornalismo amapaense, e o poeta e escritor Carlos Cordeiro Gomes, assim como este humilde escriba, já escreveram bastante sobre a importância estratégica do Porto de Santana para o Brasil e o mundo.

Do ponto de vista geográfico é visível e óbvio a proximidade do nosso porto santanense para a América do Norte, América Central, Caribe, África e Europa. A empresa Industria e Comércio de Minérios S/A (Icomi) soube enxergar os vantajosos cenários geográfico, econômico e político, com a extração e comercialização do nosso manganês.

Para qualquer empresa, do ponto de vista econômico, o custo benefício de transporte por via marítima de qualquer matéria prima, produtos, eletroeletrônicos, etc, saídos do Porto de Santana para a América do Norte, América Central, México, África ou Europa, é muito mais em conta do que transportado de diversos e importantes portos do Brasil.

A redefinição ou novo desenho da geopolítica mundial, após a guerra fria, com seus avanços políticos e tecnológicos, oportunizou cenários para uma nova mentalidade mundial:

A globalização!

Durante o processamento da globalização novos acordos comerciais e consequentemente novos mercados foram surgindo, estreitando laços de negócios entre países, fundindo empresas, unindo forças, para um mercado cada vez mais competitivo. O tempo passou e o Amapá não aproveitou exatamente o exato momento crucial deste processo de mudança, ou seja, politicamente intuir para fazer um grande contraponto perante o governo federal, através de um projeto de base sólido, consistente, convincente, a fim de que o Porto de Santana realmente viesse a ser um grande ponto de referência para o livre mercado nacional e internacional.

Hoje, agosto de 2021, é salutar ver o Prefeito Bala Rocha, do município de Santana, altamente empenhado no processo de desenvolvimento do chamado Centro de Logística da Amazônia, justamente, o Porto de Santana.

Nesta sexta-feira, 13, Bala Rocha acompanhou na Bolsa de Valores de São o concorrido leilão de arrendamento de área delimitada dentro da poligonal do porto de Santana. A empresa vencedora do leilão terá o direito de usar a referida área leiloada por 25 anos.

Portanto, que o Centro de Logística da Amazônia traga crescimento econômico, geração de emprego e renda, boa arrecadação municipal e em geral melhoria da qualidade de vida da sociedade santanense.


 
Compartilhe: