A importância do livro

A grande importância do livro, desde os antigos papiros, tábuas de argilas e outros suportes se estende até os dias de hoje, quando novas mídias digitais colocam ao alcance de qualquer pessoa com acesso a dispositivos eletrônicos (smartphones, tablets, PCs) bibliotecas imensas. Vivenciamos hoje uma verdadeira avalanche de publicações, tanto impressas como digitais, o que […]

Compartilhe:

A grande importância do livro, desde os antigos papiros, tábuas de argilas e outros suportes se estende até os dias de hoje, quando novas mídias digitais colocam ao alcance de qualquer pessoa com acesso a dispositivos eletrônicos (smartphones, tablets, PCs) bibliotecas imensas.
Vivenciamos hoje uma verdadeira avalanche de publicações, tanto impressas como digitais, o que requer dos leitores, bibliotecários, professores e demais leitores critérios para selecionar e filtrar o que realmente vale a pena ser lido e até ser arquivado. Por incrível que pareça, apesar dos avanços tecnológicos, da expansão das editoras e bibliotecas (estas fazem poucas aquisições), muita gente está excluída desse universo das letras.
Geralmente trabalham nas bibliotecas escolares aqueles professores com problemas de saúde, prestes a se aposentar e raramente esses ambientes conseguem atender à demanda e contribuir de forma eficaz na formação de leitores. E essa falha se mostra contundente, como por exemplo nos exames do Enem e nos concursos de redações! Já em muitas casas, mesmo de classes mais privilegiadas, se prioriza os espaços de jogos e lazer, com equipamentos eletrônicos sofisticados, mas bem poucos possuem livros ou têm o hábito de comprá-los ou frequentar bibliotecas.
Quando no mundo inteiro se faz esta reflexão sobre a importância do livro, nós brasileiros deveremos também questionar as políticas públicas para o livro e a leitura, que ao menor sinal de crise são imediatamente penalizadas. Os municípios brasileiros dão pouca ou nenhuma atenção ao livro. As informações que temos é de que em todo o Brasil as bibliotecas públicas, que deveriam ser o centro irradiador de cultura e conhecimento, estão sempre relegadas, sem aquisição de novos livros e publicações informativas, sem equipamentos modernos de informática e internet, mobiliá rios e espaços de convivência adequados para que se adaptem ao imenso fluxo de cultura e arte que existe por todas as cidades brasileiras.
O livro, seja impresso ou digital, é possivelmente a invenção mais genial do homem. Fico com o grande escritor argentino Jorge Luis Borges: “O livro é a grande memória dos séculos. Se os livros desaparecessem, desapareceria a história e, seguramente, o homem”. E, como Borges, sempre digo: tenho mais orgulho dos livros que li dos que dos livros que escrevi! (Texto: Paulo Tarso Barros – escritor, professor e editor. Autor, dentre outros livros, de “Poemas de Aço”, “O Benzedor de Espingardas”, História de um Sino” e “Os Silêncios da Eternidade”). (www.opiniaoepalavras.com).

 

  • “Saudade”

É o título da nova música do escritor, cantor, compositor e paraense, Alcyr Guimarães, citando o amazonas como o rio que separa nossas saudades. Parabéns, amigo.

 

  • Decisão

Nesta sexta (5) é a final do Arraial no Meio do Mundo, com seis quadrilhas juninas na disputa: Revelação, Simpatia da Juventude, Luar do Sertão, Sorriso Cristalino, Reino de São João, Flor Junina, Tradição Junina e Pequena Dama.
Na quadra do Super Fácil, rua Jovino Dinoá – Beirol, a partir das 20h.

 

  • No ar

Programa “O Canto da Amazônia” (Diário FM 90,9) será transmitido direto de Fazendinha, nesta sexta (5), na programação de lançamento do Macapá Verão 2019, a partir das 16h. Sintonize.

 

  • Cortejo

Domingo (7) o Banzeiro do Bilho-de-Fogo vai participar da programação de abertura do Macapá Verão, em Fazendinha, às 15h, saindo em cortejo pela rua da praia.

 

  • “Último Chá”

Título da música de Paulinho Bastos gravada em seu 1º disco (CD), “Batuqueiros”, com participação especial do cantor e compositor, Nico Cadena, sobrinho do artista. Uma bela canção.

 

  • “Ilhas Que Bailam”

Título de uma das músicas de Osmar Júnior e Fernando Canto, que está no disco “Piratuba a Cantoria no Lago”, de Osmar Júnior, e que será gravada por Cléverson Baía em seu novo álbum. Bela música.

 

  • Banzeiro

Nesta sexta (5) vai acontecer o último ensaio do Banzeiro do Brilho-de-Fogo, para o cortejo de domingo (7), no balneário de Fazendinha, às 15h.
Na Praça Floriano Peixoto, das 19h às 20h.


 
Compartilhe: