Conheça a viola caipira

As violas são descendentes diretas da guitarra latina, que, por sua vez, tem uma origem arábico-persa.

Compartilhe:

Viola caipira, também conhecida como viola sertaneja, viola cabocla e viola brasileira, é um instrumento musical de cordas. Com suas variações, é popular principalmente no interior do Brasil, sendo um dos símbolos da música popular brasileira.

Tem sua origem nas violas portuguesas, oriundas de instrumentos árabes como o alaúde. As violas são descendentes diretas da guitarra latina, que, por sua vez, tem uma origem arábico-persa. As violas portuguesas chegaram ao Brasil trazidas por colonos portugueses de diversas regiões do país e passou a ser usada pelos jesuítas na catequese de indígenas. Mais tarde, os primeiros caboclos começaram a construir violas com madeiras toscas da terra. Era o início da viola caipira.

Existem várias denominações diferentes para Viola, utilizadas principalmente em cidades do interior: viola de pinho, viola caipira, viola sertaneja, viola de arame, viola nordestina, viola cabocla, viola cantadeira, viola de dez cordas, viola chorosa, viola de queluz, viola serena, viola brasileira, entre outras.

A viola caipira tem características muito semelhantes ao violão. Tanto no formato quanto na disposição das cordas e acústica, porém é um pouco menor. Existem diversos tipos de afinações para este instrumento, sendo utilizados de acordo com a preferência do violeiro. As mais conhecidas são Cebolão, Rio Abaixo, Boiadeira e Natural. É comum a utilização da afinação Paraguaçu pelos repentistas nordestinos, apesar de também ser encontrada na região do Vale do Paraíba.

A disposição das cordas da viola é bem específica: 10 cordas, dispostas em 5 pares. Os dois pares mais agudos são afinados na mesma nota e mesma altura, enquanto os demais pares são afinados na mesma nota, mas com diferença de alturas de uma oitava. Estes pares de cordas são tocados sempre juntos, como se fossem uma só corda.

Uma característica que destaca a viola dos demais instrumentos é que o ponteio da viola utiliza muito as cordas soltas, o que resulta um som forte e sem distorções, se bem afinada.

 

  • Forró

No sábado (4) tem Forró da Matriz, na Casa de Eventos Dona Antônia, na av: Gal. Gurjão, entre as ruas Cândido Mendes com São José – Centro, às 21h.
Atrações: Chico Boa e Trio Raízes do Nordeste (zabumba, sanfona, baixo e triângulo).

 

  • Descobrindo

Programa “O Canto da Amazônia” (Diário FM 90,9) está em busca de novos artistas amapaenses, de vários segmentos.
Nossa caçada aos talentos está aguardando o seu contato pelo 98132-8231 (Whatsap) e pelo e-mail: heraldocalmeida@bol.com.br.

 

  • Cadastro

O Sistema de Apoio às Leis de Incentivo à Cultura está aberto para cadastramento de novos projetos.
Pessoa física e microempreendedor individual pode cadastrar até quatro propostas, desde que não ultrapassem R$ 1 milhão. Empresários individuais podem cadastrar até oito propostas. (www.cultura.gov.br).

 

  • Baile

Sábado (4) será o baile da saudade da quadrilha junina, “Renovação Junina”, na sede do Império Solidariedade (av: Marcílio Dias – Jesus de Nazaré, 22h.)
Com o DJ Wcar e a dupla Paulinho e Marcelo dos Teclados. Informações: 99158-1744 e 99111-8985.

 

  • Em Sampa

Cantora amapaense, Patrícia Bastos, está com o show “Vozes da Amazônia”, em São Paulo, dia 10 de maio, no Sesc Belenzinho (rua Padre Adelino), às 21h.

 

  • Museus

De 13 a 19 de maio vai acontecer a 17ª edição da Semana dos Museus, com a temática “Museus Como Núcleos Culturais o Futuro das Tradições.
Em Macapá, a programação acontecerá no Museu Sacaca, de 16 a 19 de maio, com diversas atividades. (av: Feliciano Coelho – Trem).


 
Compartilhe: