História do carnaval e suas origens

A palavra carnaval é originária do latim, “carnis levale”, cujo significado é “retirar a carne”.

Compartilhe:

O carnaval é a festa popular mais celebrada no Brasil e que, ao longo do tempo, tornou-se elemento da cultura nacional. Porém, o carnaval não é uma invenção brasileira, nem tampouco realizado apenas neste país. A História do Carnaval remonta à antiguidade, tanto na Mesopotâmia quanto na Gr écia e em Roma.

A palavra carnaval é originária do latim, “carnis levale”, cujo significado é “retirar a carne”. O significado está relacionado com o jejum que deveria ser realizado durante a quaresma e também com o controle dos prazeres mundanos. Isso demonstra uma tentativa da Igreja Católica de enquadrar uma festa pagã. Na antiga Babilônia, duas festas possivelmente originaram o que conhecemos como carnaval. As Saceias eram uma festa em que um prisioneiro assumia durante alguns dias a figura do rei, vestindo-se como ele, alimentando-se da mesma forma e dormindo com suas esposas. Ao final, o prisioneiro era chicoteado e depois enforcado ou empalado.

O outro rito era realizado pelo rei nos dias que antecediam o equinócio da primavera, período de comemoração do ano novo na região. O ritual ocorria no templo de Marduk, um dos primeiros deuses mesopotâmicos, onde o rei perdia seus emblemas de poder e era surrado na frente da estátua de Marduk. Essa humilhação servia para demonstrar a submissão do rei à divindade. Em seguida, ele novamente assumia o trono. O que havia de comum nas duas festas e que está ligado ao carnaval era o caráter de subversão de papéis sociais: a transformação temporária do prisioneiro em rei e a humilhação do rei frente ao deus. Possivelmente a subversão de papeis sociais no carnaval, como os homens vestirem-se de mulheres e vice-versa, pode encontrar suas origens nessa tradição mesopotâmica. (www.brasilescola.uol.com.br)

 

  • “Viagem a Macapá”

Título da música do cantor e compositor paulista, Fernando Pessoa, que homenageia a cidade de Macapá através dessa canção.
Ele conheceu o Marabaixo em uma oficina que a marabaixeira e atriz amapaense, Suane Frazão, realizou com o esposo em São Paulo.
Pela primeira vez veio a Amazônia conhecer o Amapá, se encantou com nossa ambientação, e compôs a música.
“Macapá cada esquina uma mangueira, taperebá, cupuaçu, açaí aqui do norte nem se compara com o sul…”

 

  • Cortejo

O Cortejo do Banzeiro do Brilho-de-Fogo vai acontecer dia 4 de fevereiro, aniversário de 261 anos da cidade de Macapá.
A saída será da frente da Igreja São José (ao lado do Teatro das Bacabeiras), av: Mário Cruz – Centro, às 9h, com chegada na Praça Floriano Peixoto onde terá apresentação artística.

 

  • Ensaios

Essa semana os ensaios do Banzeiro do Brilho-de-Fogo iniciaram, ontem (30), e irão até sábado (2), na Praça Floriano Peixoto, às 19h.

 

  • Quadrinhos

Diferentes retratos da pobreza brasileira e heróis nacionais, como Anita Garibaldi e Zumbi dos Palmares, começam a ser difundidos mundo afora de forma lúdica.
Tudo por meio de Histórias em Quadrinhos brasileiras traduzidas para diversas línguas. Dezoito títulos de histórias em quadrinhos brasileiras são traduzidos para nove países. (www.cultura.gov.br).

 

  • Na rampa

Em comemoração aos 261 anos da cidade de Macapá (4 de fevereiro), no sábado, 2, ao amanhecer, o cantor e compositor Finéias Nelluty ( e convidados) fará show na Rampa do Açaí, na orla do bairro Santa Inês, às 5h.

 

  • Reta final

Até sábado (2) tem ensaio do Banzeiro do Brilho-de-Fogo, na Praça Floriano Peixoto, às 19h.
Faz parte da preparação para o Cortejo do dia 4 de fevereiro, aniversário de 261 anos da cidade de Macapá.

 

  • “Cantando Macapá”

Nome do show que vai acontecer no Museu Sacaca, dia 8, em homenagem aos 261 anos da cidade de Macapá.
Atrações: Osmar Júnior, Brenda Melo, Amadeu Cavalcante, Nivito Guedes e Loren Cavalcante. A partir das 18h. Entrada franca.


 
Compartilhe: