O que é música instrumental?

Como não podia deixar de ser, a música popular brasileira moldou-se a partir de todas estas fontes, bem como das influências vindas da música africana, trazida por negros de vários lugares, e também da música indígena de diversas regiões.

Compartilhe:

A expressão música instrumental distingue toda música produzida exclusivamente por instrumentos musicais. Porém, ao contrário do que parece, a música instrumental não é necessariamente desprovida da voz e do canto. Em alguns casos, como “Taiane”, do brasileiro Hermeto Pascoal, ou “The Great Gig in the Sky”, da banda inglesa de rock progressivo< span class=”apple-converted-space”> Pink Floyd, a voz é usada como instrumento musical.

Até o início do século XVI, os instrumentos musicais eram usados apenas para acompanhar os cantos ou marcar ocompasso das músicas. A partir disso, as composições instrumentais foram ficando cada vez mais frequentes até que, durante o período barroco, a música instrumental passou a ter importância igual à vocal. Foi durante o período clássico (da música), porém, compreendido entre os anos de 1750 e 1810, que a música instrumental passou a ter importância maior do que a vocal, devido ao aperfeiçoamento dos instrumentos e ao surgimento das orquestras.

Como não podia deixar de ser, a música popular brasileira moldou-se a partir de todas estas fontes, bem como das influências vindas da música africana, trazida por negros de vários lugares, e também da música indígena de diversas regiões.

Historiadores da música afirmam que a modinha (da Europa) e o lundu (da África) são as grandes influências da música popular brasileira e, juntamente com o schottish, a valsa, o tango e a polca, são grandes influências também para o choro, que é essencialmente instrumental, e considerado primeiro gênero popular urbano do Brasil. Os principais instrumentos utilizados no choro são o violão de 7 cordas, violão, bandolim, flauta, cavaquinho e pandeiro, embora diversos outros instrumentos tenham sido utilizados.

 

  • “Luz”

Título do livro da Banda Placa, que conta a trajetória dos 35 anos de história do projeto criado pelos irmãos Álvaro Gomes e Carlitão.
O lançamento está agendado para antes do fim deste ano.

 

  • Estação Lunar

Na quinta, 26, o projeto Estação Lunar vai receber mais seis shows regionais, no balneário de Fazendinha, a partir das 19h.
Atrações: Zé Miguel, Sabrina Zahara, Cássio Pontes, Banda Suite Popular, Oneide Bastos e Arraial do Pavulagem.

 

  • “Bloco dos Máscaras”

Nome de mais um projeto da Banda Placa marcado para acontecer dia 29 (domingo) na comunidade de Mazagão Velho.
Vai sair em arrastão pelas ruas da vila.

 

  • Nacional

Está confirmado para acontecer em Macapá o Festival Nacional de Quadrilhas Juninas, dias 17, 18 e 19 de agosto. Local a confirmar.

 

  • Confirmado

Escola de samba Maracatu da Favela confirmou o show do sambista carioca Rangel, dia 18 de agosto, na quadra da verde rosa (av: Padre Júlio – Santa Rita).
Na oportunidade será apresentado o projeto do carnaval 2019.

 

  • Prêmio

Cantora Lia Sophia foi indicada a 29ª edição do Prêmio da Música Brasileira, na categoria Melhor Cantora Regional, com seu último disco “Não Me Provoca”. Parabéns.
A solenidade de entrega será no dia 15 de agosto, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, às 20h.

 

  • Novos talentos

Programa “O Canto da Amazônia” (Diário FM 90,9) já está trabalhando no projeto de um festival de música regional (linguagem amazônica).
O objetivo é a descobertas de novos artistas: compositores (música e letra), arranjadores, músicos etc. É a valorização da cultura amazônica amapaense.


 
Compartilhe: