Quando o samba vai ao cinema

O maior elo entre os universos do cinema e do samba foi sem dúvida a cantora Carmem Miranda. Ao ir para Hollywood, Carmem ajudou a disseminar a música popular brasileira mundo afora.

Compartilhe:

O samba foi personagem de momentos gloriosos do cinema nacional. Do bom humor das chanchadas às dramáticas tramas do realismo do Cinema Novo, o gênero musical teve papel de protagonista, tanto na composição de personagens quanto na ambientação de tramas passadas no País.

O maior elo entre os universos do cinema e do samba foi sem dúvida a cantora Carmem Miranda. Ao ir para Hollywood, Carmem ajudou a disseminar a música popular brasileira mundo afora. Muitos foram os sambistas que viram suas carreiras deslancharem depois de tocarem na sala escura. A lista de notáveis inclui Ary Barroso, Vinicius de Moraes, Dorival Caymmi e Zé Keti.

Com a popularização do rádio e a chegada dos filmes sonoros ao cinema, nos anos 30, o samba ganhou de vez as casas e a vida dos brasileiros. Os dois novos meios de comunicação ajudaram a fomentar a indústria da música no país. Com enorme popularidade, os filmes produzidos por estúdios como Cinédia e Atlântida deram visibilidade a cantores, compositores e temas de sambas e de gêneros carnavalescos, como as marchinhas. Artistas, técnicos, músicos e sambistas conseguiram se estabelecer profissionalmente com seus trabalhos artísticos. Nesta época áurea da música, o desfile das escolas de samba foi incluído no calendário de festas oficiais do Distrito Federal.

O cineasta, crítico e professor de cinema Sérgio Moriconi destaca o papel das comédias musicais brasileiras como primeiro espaço ocupado pelo samba no cinema. “Nesses primórdios, esse estilo ainda nem era conhecido como chanchada. Chamavam de filmes carnavalescos. Abriam espaço para as marchinhas, mas também traziam sambas, como os de Ismael Silva e Ataulpho Alves. Mário Reis era figura constante nas telas”, conta.
Após conquistar o território brasileiro, o samba ganhou o mundo e muito disso se deve à projeção de Carmen Miranda no exterior, após chegar à Broadway, em 1939, e, em seguida, a Hollywood, consagrando-se como estrela das telas. “No plano internacional, Carmen Miranda legitimou o samba como expressão da nossa cultura”, observa Moriconi.

A relação que Carmem estabeleceu entre o Brasil e os Estados Unidos foi tão forte que levou o empresário Walt Disney a criar o personagem Zé Carioca, apresentado na animação Você Já Foi a Bahia? (www.cultura.gov.br).

 

  • “Murta”

A programação do Ciclo do Marabaixo marca para, hoje (29), a “Quarta-Feira da Murta”, a partir das 17h, até o romper da aurora, com a levantação do mastro do Divino Espírito Santo.
No Centro Cultural Tia Biló (rua Eliezer Levy – Laguinho). A realização é da Associação Cultural Raimundo Ladislau. Eita.

 

  • Conselheiros

Os Conselheiros de cultura do Amapá, eleitos e reeleitos no domingo (26), são: Money Marcos (Artes Visuais), Darlan Pimenta (Audiovisual), Michel Nascimento (Capoeira), Urielson Duarte (Cultura Popular), Cleide Façanha (Dança), Maria José (Literatura) e Josivan dos Santos (Música).
Os eleitos para o Conselho de Pauta do Teatro das Bacabeiras, são: Jorge Ferreira (Cultura Popular), Pablo Sena (Dança) e José Eduardo (Música).

 

  • “Pleta”

Nesta quarta (29) tem o projeto “Arte da Pleta” com: poesia, música, cinema, dança teatro e artes visuais, na casa de shows Sankofa (rua Beira Rio – Orla do Santa Inês, às 17h.
Música: Vitrola Cultural, Jorginho do Cavaco, Erick Pureza, Fernanda Conora, Wendel Cordeiro, Ozy Rodrigues, Wellem Monte e Barca do Iraguany. Poesia: Kássia Modesto e Hayam Chandra.

 

  • Barca

Na sexta (31) tem a Barca do Ricardo Iraguany e Laura do Marabaixo com participação de vários artistas: Enrico Di Miceli, Eloá Cyrus, Nena Silva, Ronaldo Gomes, Joatan Santarém, Alan Iared, Peterson Assis, Mujoca, Andréia Lopes, Neilton Pezão, Banzeiro do Brilho-de-Fogo e Genival Pinheiro.
Na casa de shows Sankofa (rua Beira Rio – Orla do Santa Inês, às 20h.

 

  • Comunicação

Jornalista Ilziane Launé é a nova coordenadora de comunicação da Prefeitura de Macapá, empossada na segunda (27). Boa sorte.

 

  • Esclarecimentos

Na quinta (30) haverá uma roda de conversa na Biblioteca Elcy Lacerda, às 18h, com técnicos da Secretaria de Cultura (Secult), esclarecendo sobre o edital de credenciamento de artistas. Todos os segmentos estão convidados.

 

  • Macapá Verão

Até 5 de junho os artistas locais, de vários segmentos, podem se inscrever para participarem do Macapá Verão 2019 (grupos, companhias, trupes, bandas, coletivos e outros.
O edital está disponível no site www.fumcult.macapa.ap.gov.br.


 
Compartilhe: