Quanto vale a nossa história?

Confesso que não sei responder a essa indagação, pois sempre imaginei que nossa memória histórica não tivesse preço e muito menos estaria em prateleiras para medir seu valor cultural. Afinal, em se tratando de patrimônio cultural adotado por um povo, não tem valor financeiro que pague. Pois é, só que aqui no Amapá, única capital […]

Compartilhe:

Confesso que não sei responder a essa indagação, pois sempre imaginei que nossa memória histórica não tivesse preço e muito menos estaria em prateleiras para medir seu valor cultural. Afinal, em se tratando de patrimônio cultural adotado por um povo, não tem valor financeiro que pague.
Pois é, só que aqui no Amapá, única capital brasileira banhada pelo rio Amazonas (o maior do mundo), rica em cultura regional, bem no meio do mundo, as leis são diferentes e o desrespeito com a história é visível. É o que está acontecendo com o Macapá Hotel, que no início de sua vida fora chamado de Hotel Macapá, situado bem em frente à cidade, um lindo cartão postal que recebe um vento norte que abana nossa gente.

Não tem como não lembrar as belas tardes de domingo quando nossos pais nos levavam para passear em frente àquele lugar, e enquanto eles conversavam com amigos, nós, crianças, brincávamos. Um mar de pureza tomava conta do nosso mundo. Agora essas e outras contações estão ameaçadas e próximas a ficar somente nas boas lembranças.

A existência dessa casa é bem antes do Amapá ser transformado em estado, e nem isso sensibiliza nossos representantes políticos. E se uma pergunta me coubesse, poderia fazê-la sem nenhum problema: Qual o impedimento desse patrimônio continuar embalando nossa história?

O Macapá Hotel está na lista dos preferidos do poder público estadual para ser vendido ou leiloado, como queiram. Essa notícia choca os amapaenses apaixonados por esta cidade que um dia foi chamada “Jóia da Amazônia”, mas que hoje, com tristeza, lista mais um patrimônio da história tucuju que se despede de seu povo.

Será que existe autoridade maior de um poder para decidir pela extinção de uma casa que abrigou, durante décadas, um mundo de histórias? Será que o povo, verdadeiro proprietário do lugar, não poderia ser contemplado com a permanência de algo que venha garantir sua morada cultural?
Se a venda do Macapá Hotel é a única saída encontrada para resolver certos problemas causados, então qual o valor de nossa história?

 

  • Rainha

A jovem Maiane Nunes é a nova Rainha das Rainhas do carnaval amapaense, eleita no sábado, 16. Ela representou a escola de samba Império da Zona Norte. Parabéns.

 

  • “Brega Bacana”

Título do novo disco do cantor e compositor, Mauro Guilherme, já lançado e à disposição, nas plataformas digitais do artista.

 

  • “Pensei”

Esse é o título da nova música de Paulinho Bastos, que acaba de ser gravada e produzida pelo músico Hian Moreira. Parabéns.

 

  • Homenagem

Cantora amapaense Patrícia Bastos é homenageada com a música “Mana”, da cantora e compositora, Thamires Tannus, de Mato Grosso.

 

  • Da Guiana

Cantor guianense passando por Macapá e deixando um pouco de sua arte musical contemporânea.
Parabéns, ao jovem artista Lova Jah e obrigado pelo presente (disco).

 

  • Viagem

Cantor e compositor amapaense, Cley Luna, já está em Lisboa (Portugal), onde vai passar dois anos por lá.
Boa sorte a esse cantador tucuju, em busca de conquistas em novos horizontes.

 

  • Ensaios

A quadrilha junina Simpatia da Juventude já iniciou sua agenda de ensaios 2019, ontem (18), na sede de Boêmios do Laguinho.
Quem quiser somar com o projeto dá uma passada por lá, a partir das 21h.


 
Compartilhe: