Samaúma: a rainha da floresta

Essa árvore consegue retirar a água das profundezas do solo amazônico e trazer não apenas para abastecer a si mesma, mas também pra repartir com outras espécies. De crescimento relativamente rápido, pode alcançar os 40 metros de altura.

Compartilhe:

Samaúma ou Sumaúma (Ceiba pentranda) é uma árvore encontrada na Amazônia. É considerada sagrada para ao antigos povos “maia” e os que habitam as florestas. A palavra samaúma é usada para descrever a fibra obtida dos seus frutos. A planta é conhecida também por algodoeiro. Cresce entre 60–70m de altura e o seu tronco é muito volumoso, até 3 m de diâmetro com contrafortes. Alguns exemplares chegam a atingir os 90m de altura, sendo, por isso, uma das maiores árvores da flora mundial.

Essa árvore consegue retirar a água das profundezas do solo amazônico e trazer não apenas para abastecer a si mesma, mas também pra repartir com outras espécies. De crescimento relativamente rápido, pode alcançar os 40 metros de altura.

Em determinadas épocas “estrondam” irrigando toda a área em torno dela e o reino vegetal que a circunda.

A samaumeira é tipicamente amazônica, conhecida como a “árvore da vida” ou “escada do céu”. Os indígenas consideram-na “a mãe” de todas as árvores. Suas raízes são chamadas de sapobemba. Estas raízes são usadas na comunicação pela floresta, que é feita através de batidas em tais estruturas. Possui uma copa frondosa, aberta e horizontal.

Além disso, a árvore apresenta propriedades medicinais e é considerada pelos povos da floresta, uma árvore com poderes mágicos, protegendo inclusive as demais árvores e os habitantes da floresta.

A fibra é muito leve, altamente inflamável e resistente à água. O processo de separação da fibra é manual. É usada como uma alternativa ao algodão para encher almofadas, colchões (antigamente) e para isolamentos. Na atualidade, a sumaúma foi substituída por materiais sintéticos. As sementes produzem um óleo usado para fabricar sabão e também são usadas como o fertilizante. (www.caliandradocerrado.com.br).

Cinco ponto um
Hoje estou registrando, em meu calendário, mais um dia de vida. A gente diz que não percebe a idade andar.
Já se passaram 51 setembros e estou aqui firme e forte pra continuar cumprindo a missão que a mim foi delegada por Deus.

Ignorância
A música feita no Amapá com essa linguagem amazônica de cantar o que é nosso, falando bem das riquezas daqui, é muito forte e prazeroso acreditar na viabilidade desse produto.
Pena que nossos representantes não reconhecem tanta riqueza, mas prefiro dizer que ignoram, pois já passou da hora de andar com o “pires na mão”, como se nossa arte fosse eternamente sobreviver como “pedinte”.

Projeto MPA
Está de volta o projeto Música Popular Amapaense, cantando a cultura artística tucuju, com nossa linguagem amazônica.
No bar “O Barril”, na esquina da av: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva – Centro. Dia 9 de setembro, a partir das 21h.
Mais de 20 artistas já confirmaram que vão cantar a nossa aldeia.

De olho
“O que vai acontecer, o que você tem pra dizer desses suicídios animais, dos litorais e das beiras de rio. Não pense só em você…” (Osmar Júnior).
Estamos de olhos bem abertos. Não vale do engana.

“Pêndulo”
Titulo da nova música do cantor e compositor Paulinho Bastos, que já está em estúdio gravando seu 1º CD.
Já estamos no aguardo.

Agenda
Movimento Unificado dos Grupos e Companhias de Dança do Amapá, que será lançado neste sábado, 3, e domingo, 4, no Teatro das Bacabeiras, 19h.

Amapá Jazz
A 8ª edição do Amapá Jazz Festival já tem data para acontecer. Dias 20, 21 e 22 de outubro, no Norte das Águas (Araxá), Complexo Marlindo Serrano.
A produção é do artista Finéias Nelluty.

Destaque
Cantor e compositor amapaense Amadeu Cavalcante, que com suas inúmeras obras musicais gravadas, continua nos proporcionando momentos maravilhosos, há mais de 30 anos.
Merece o destaque e o registro da coluna.

Oficina
O Sesc Amapá está com inscrições abertas para as oficinas “Interpretação Cinematográfica” e “Produção de Curta Metragem”.
De 7 a 10 de outubro, no Sesc Araxá, ministradas por Tomé Azevedo e Ana Vidigal.


 
Compartilhe: