Brasilidade

Dizendo-se ‘impactado’ com tudo o que viu e ouviu a respeito do Vale do Jari, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto (foto) voltou à Brasília com um mergulho nas inúmeras desigualdades de nosso país. Ele deu garantias de empenhar esforços para retomar a obra da ponte que liga o Amapá ao Pará.

Compartilhe:

Dizendo-se ‘impactado’ com tudo o que viu e ouviu a respeito do Vale do Jari, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto (foto) voltou à Brasília com um mergulho nas inúmeras desigualdades de nosso país. Ele deu garantias de empenhar esforços para retomar a obra da ponte que liga o Amapá ao Pará.

Tapume
Quem passa pela Av. Nações Unidas já percebe como está ficando o novo aeroporto internacional de Macapá. É que para a conclusão dos serviços de urbanização do entorno, foi necessário se retirar o tapume, o que acabou por “revelar” como será o terminal.

Visual
Foi uma grata surpresa para a população conhecer pelo menos um pouco do novo layout do terminal de passageiros, uma das obras públicas mais aguardadas dos últimos tempos no Amapá.

Demora
A obra, avaliada em mais de R$ 160 milhões, foi iniciada em 2004, com seguidas paralisações e processos judiciais, até a eliminação de um consórcio liderado pela construtora Gautama.

Comercial
O projeto atende à padronização dos terminais de passageiros da Infraero, o conceito de aeroshopping, tanto que estão sendo abertos 70 espaços comerciais no novo aeroporto da capital.

Futuro
O aeroporto terá ainda três pontes de embarque, chamados “Finger”. Além disso, todo o complexo foi projetado para o atendimento de 5,5 milhões de passageiros/ano, folga de pelo menos dez, quinze anos.

Sambas
Para muitos, um resgate. O samba no pé e a alegria contagiaram a noite de carnaval no domingo, na edição especial do Festival de Samba Enredo, realizado pela Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesap), com apoio do Governo do Amapá e da Prefeitura de Macapá. Dez, nota dez!

Rei
Já para quem foi ao “Sacaca na Folia”, voltado às famílias, também não teve do que reclamar. Foi um resgate também dos tradicionais bailes carnavalescos infantis. Centenas de pessoas – especialmente crianças – aproveitaram o último dia da programação, destaque para a presença do Rei Momo, no Museu Sacaca.

Banda
Este ano, cerca de 200 mil brincantes foram às ruas da capital. E para garantir a segurança e tranquilidade desse exército da irreverência e alegria, um outro bloco entrou em cena. Organizado pelo Governo, o Bloco da Responsa fez um balanço muito positivo da “brincadeira”.


 
Compartilhe: