A ponta do rabo preta

comentários

Um cachorro, branco com a ponta do rabo preta, estava morto à margem da estrada. Alguns moleques o olhavam com os olhos marejados de lágrimas. Um homem parou e disse: – Deve ter sido um bom cão de caça. – Quem? Spot? Não! Ele não era nada de especial. – Era um cão de guarda? – Não. Respondeu outro. – Era um bom corredor? – Não…- Mas, se não era nada de extraordinário, porque tinha tantos amigos? O rapaz olhou para o cachorro com tristeza e disse: – Está vendo o rabo dele? Spot, mexia o rabo quando nos encontrava na rua. Talvez não fosse o melhor cachorro que se poderia desejar, mas era bom e nós brincávamos felizes com ele!

Desculpem o caso bem banal de crianças, mas é justamente sobre isto que devemos refletir: mudar os critérios com os quais avaliamos situações e pessoas. Também não quero faltar de respeito ao assunto tão precioso do evangelho deste domingo. Passar do “alimento que se perde” àquele que “permanece para a vida eterna e que o Filho do homem vos dará” (Jo 6,27) não é nada fácil. Devemos treinar muito. Ou seja, precisamos aprender a arte dificílima de olhar mais no interior dos fatos e das pessoas que ficar simplesmente nas aparências exteriores, naquilo que nos satisfaz imediatamente. O povo que seguia a Jesus queria fazê-lo rei, por causa da fartura do alimento. Tinham esquecido que tudo era “sinal” de algo mais. Sinal da bondade de Deus e do seu projeto de uma nova criação, de uma nova e mais feliz humanidade.

Os bens materiais, desde a comida até o necessário para uma existência digna para todos, são importantes, já dissemos. Mas não conseguem preencher totalmente a vida e o coração humano. Nós fomos feitos para algo maior e que vai além da materialidade das coisas. No mínimo, precisamos de afetos, de atenção e carinho. Tudo isso se chama de relacionamentos amorosos, de amizade e confiança. Qualquer ser humano que não tenha o coração endurecido pela ganancia, a violência ou o poder, em qualquer lugar do mundo e em qualquer situação, sabe que isto é verdade. No entanto, onde e com quem podemos aprender a amar e a fazer o bem sempre? No meio de tanto mal, de tanta desumanização, não faltam, está claro, bons exemplos, que nos vêm, às vezes, de onde menos esperamos.

Todos conseguimos ser bons vez por outra. A questão é fazer de tudo isto o sentido da nossa vida, o segredo mais profundo que motiva qualquer gesto de bondade e faz de nós pessoas boas sempre, que acreditam e promovem o bem. Nós cristãos ensinamos que, sozinhos, não damos conta de conseguir fazer isto, mas não é porque não acreditamos nas possibilidades do ser humano de mudar. Se buscamos a ajuda do próprio Deus, que é amor, é porque queremos mudar de verdade, e não só algumas vezes. Somente ele pode refazer o nosso coração, a nossa maneira de pensar, os valores que motivam a nossa vida.

É por isso que a “obra” que Jesus pede de fazer para mudar a nossa vida é antes de tudo aquela de “crer” nele, o “verdadeiro pão do céu”. Isto significa acolher e arriscar sobre a sua pessoa. Quem se “alimenta” de amor, aprende a amar. Quem acompanha Jesus e se deixa transformar por ele, aprende e treina gestos e palavras de vida e de esperança. Por sua vez se torna um comunicador de consolação e fraternidade. Não precisamos de ações clamorosas. Quando temos um coração bom – habitado pelo Espírito de Amor, o Espírito Santo – tudo muda. Aprendemos a ter compaixão, a ver a bondade dos outros, a ser felizes e esperançosos até nas contrariedades da vida. Temos fome e sede de amor. Pagamos caro por isso, empolgados com as novidades e a badalação da propaganda. Perdemos tanto tempo porque os procuramos onde, ou com quem, nunca irá nos saciar plenamente. Não acreditamos e desistimos da gratuidade do amor infinito do Pai, do Filho e do Espírito que “habita em nós”, se o deixamos (Rom 8,9).

É difícil aprender, mas basta pouco para ser felizes e fazer felizes os outros. As lagrimas de moleques por um cachorro morto, nos lembram disso: – Era bom e nós brincávamos felizes com ele. Nada mais. Porque era bom.


Aprendendo com as mulheres

comentários

O exército de Alexandre, o Grande, preparava-se para tomar uma cidade da África, mas as portas se abriram, sem resistência. A população era quase toda feminina, já que os homens haviam morrido nos combates contra o conquistador. No banquete da vitória, Alexandre pediu que lhe trouxessem pão. Uma das mulheres trouxe uma bandeja de ouro, coberta de pedras preciosas, com um pedacinho de pão ao centro.

– Não posso comer pedras preciosas e ouro; o que pedi foi pão! – bradou o soberano. E a mulher respondeu:

– Alexandre, não tem pão em seu reino? Precisava vir buscá-lo tão longe?

Alexandre continuou suas conquistas, mas, antes de partir dali, mandou gravar numa pedra: “Eu, Alexandre, vim até a África para aprender com estas mulheres”.

A partir deste domingo começamos a ler o capítulo 6 do Evangelho de João. Aparentemente, o assunto será sempre o mesmo: Jesus se apresenta como o Pão da Vida, descido do céu. No entanto, a cada trecho que iremos ler, daremos um passo para frente. Assim é o Evangelho de João; mais vamos nos adentrando nele, mais novos horizontes se abrem. O capítulo inicia com um “sinal”: cinco pães e dois peixes satisfazem a fome de, “aproximadamente”, cinco mil homens. Não adianta imaginar de qual misterioso forno vieram os pães e em qual mar celestial foi apanhado tanto peixe. O que vale para o evangelista &eacu te; que “todos ficaram satisfeitos” (6,12) e que foram recolhidos doze cestos com as sobras dos cinco pães, “deixadas pelos que haviam comido” (6,13). O recado do sinal, portanto, deve estar no pouco que se torna muito, na satisfação do povo e nas sobras juntadas para que “nada se perca”. O sucesso também não interessa a Jesus. Ele escolhe continuar a ser “o profeta”; não quer ser um rei aclamado por interesseiros de barriga cheia. Jesus se retira, sozinho, para o monte.

No cap. 4 do seu evangelho, durante o diálogo com a samaritana, João apresentou Jesus como a Água Viva. No cap. 6, um pouco mais a frente, Jesus será o Pão Vivo. Todas imagens simbólicas para nos ajudar a acreditar em Jesus. Ele não quer nos dar somente coisas materiais, pão ou bem-estar. Ele quer dar a si mesmo. Quer que, recebendo os seus dons, não esqueçamos o doador. Água e pão são bens necessários para a vida. Sem água e sem alimento, morremos. Tem, porém, grandes diferenças. A água já existe em nosso planeta, é gratuita e ninguém a fabrica. O pã o não. É fruto da terra, é dom de Deus. Mas também do trabalho humano. O pão não se faz sozinho. Desde a semeadura no campo até a massa levedada assada no forno, é o resultado de muitas colaborações. Esse envolvimento humano faz parte do sinal. Jesus será apresentado como o Filho, enviado do Pai, mas precisa ser reconhecido e acolhido pelas pessoas que o encontram. Quem acolhe Jesus fica “satisfeito”, como acontece após qualquer fadiga humana que produza mais vida, mais alegria, mais partilha e fraternidade. No pão repartido, dado e recebido, tem algo a mais do simples comer. Tem uma “sobra” de sentido no gesto de comer juntos “o fruto da terra e do trabalho humano” que somente pode vir da gratuidade do encontro, da amizade e do valor de sermos família-grupo-comunidade. Somos humanos. Nos alimentamos também com o sentido que damos ao no sso agir, trabalhar, servir e amar. Precisamos encher a nossa vida de sorrisos, abraços, cantos e danças. Se não fosse assim, seriamos como os animais de engorda, cada um vidrado no seu prato, brigando para defender o que é seu. Quantos de nós passam a vida assim. Incapazes de levantar o olhar acima dos seus interesses e privilégios. Barrigas e cofres cheios, mas vidas vazias de paz e de bondade. O que parece inútil, a sobra, o que não é mais só comida, é essencial. É a alegria de estarmos juntos que faz de qualquer refeição um banquete.

Poderosos e dominadores, como Alexandre Magno, poderão roubar pratos cheios de ouro e de riqueza, mas o pão da acolhida e da fraternidade sempre será pouco. Porque não se compra e nem se conquista com a força. Só é farto quando é doado livremente, oferecido e partilhado com generosidade. Vale demais para ser jogado fora.


O Papa é gordo

comentários

Conta-se que o bom Papa João XXIII, hoje santo, era muito espontâneo e brincalhão. Certo dia, quando ele visitava uma paróquia da cidade de Roma, andando pelo meio do povo, escutou uma senhora dizer à outra:

– Nossa, como o Papa é gordo!

João XXIII ouviu, mas não ficou desapontado e nem envergonhado. Parou, pediu licença às senhoras, e disse:

– Minhas filhas, o Conclave (que é a reunião dos Cardeais para eleger um novo Papa) não é um concurso de beleza. E continuou o seu caminho sorrindo.

Uma simples anedota para dizer que a missão do Papa – e podemos dizer de todo cristão e cristã – não depende do conjunto das aparências exteriores. Bem sabemos que o Senhor olha o coração, ou seja, o amor das pessoas. De outra forma, não entenderíamos aqueles que são enviados e, também, quem acolhe ou rejeita os mensageiros.

No evangelho deste domingo, encontramos Jesus enviando os doze em missão. Os envia na pobreza e na simplicidade. Devem ir sem nada, no maior despojamento, e a mensagem é somente um convite à conversão. Deve ficar claro a todos que o que vale não são os missionários em si, mas a Boa Notícia que eles levam e querem comunicar.

O evangelho de Marcos nos relata bastantes palavras de Jesus, mas quando diz que ele “ensinava” não explica, nos detalhes, todo este ensinamento. Já vimos que ele usava parábolas e essa maneira de falar convidava os ouvintes a enxergar o Reino, além das situações apresentadas. Isso valia, também, com as devidas diferenças, para os que chamamos de gestos e milagres. Expulsar os demônios, curar os doentes e ungir com óleo, foram alguns dos sinais do novo que estava chegando e foram interpretados de maneiras diferentes. Ainda hoje, muitos são tocados por um discurso, um gesto ou uma cura de Jesus, mas ficam presos por aí. Acabam discutindo à exaustão sobre cada questão. Isso fizeram, também, os adversários dele, que se pegaram a alguma palavra e o condenaram. No fundo, aqueles e aquelas que encontravam Jesus deviam decidir se acolhiam ou não a pessoa dele, toda inteira, e não somente alguma parte que podia confirmar as suas ideias ou os seus interesses. Os Evangelhos não são o relato das façanhas do Mestre, mas um convite a acreditar nele e a segui-lo no mesmo caminho difícil da cruz que leva à vitória sobre o mal, o pecado e a morte. É ele o Caminho que conduz à Verdade e à Vida.

Luxo, organização, estruturas, dinheiro e mais coisas exteriores, que sempre tanto nos atraem e fascinam, tornam-se perigosas quando nos afastam da pessoa de Jesus. Quando elas substituem a fé e a confiança nele, acabam sendo um obstáculo à evangelização. Ao contrário, a pobreza dos enviados, em lugar de ser um empecilho ou uma desculpa para desistir da missão, torna-se um verdadeiro sinal: é somente a Boa Notícia que os move e motiva. Outro detalhe que deve chamar a nossa atenção é o fato dos missionários serem enviados “dois a dois”. As duplas são o início de uma comunidade que deve alimentar-se com a amizade e a fraternidade. No Evangelho de Mateus, dois é o número mínimo de discípulos para que o Pai acolha o pedido deles e Jesus esteja no meio (Mt 18,19-20). Por fim, é importante a permanência dos doze nas casas que os acolhem. A convivência, a generosidade e a partilha são parte da mensagem.

A primeira conversão para todos é aquela de querer entender, mais profundamente, o sentido da nossa vida. Isso exige tempo e a experiência de caminhar juntos. Se a questão fosse vender um produto, Jesus teria proposto algo mais atrativo que a simplicidade. A propaganda sempre quer nos convencer da conveniência do negócio e da pressa de decidir para não perder a oportunidade. Já sabemos tudo isso, no entanto sempre caímos no consumo e na descoberta seguinte que, desfeita a emba lagem, talvez não valia a pena comprar aquele objeto. A fé e a opção de seguir a Jesus envolve toda a nossa vida, dá sentido ao nosso amar, sofrer, servir, esperar. O testemunho do mensageiro não depende do tamanho ou da beleza dele ou dela. Depende somente da sua entrega amorosa à missão. Ao resto pensa o Espírito Santo.


O filho do sapateiro

comentários

Quando Abraão Lincoln tomou posse como presidente dos Estados Unidos, foi um choque para a aristocracia americana. Um proletário assumir a liderança do país? O senador que coordenou seu juramento à pátria fez um comentário irônico: “Vamos ver se o filho de um sapateiro tem condições de dirigir um país”. Ao que Lincoln respondeu: “Que bom que o senhor lembrou de meu pai. Eu gostaria de ser um presidente tão bom quanto meu pai foi como um sapateiro. Aliás, estou vendo que o senhor está usando um par de sapatos que ele fabricou. Eu aprendi a consertar sapatos com meu pai e, se algum dia os seus apresentarem algum problema, me procure que eu os consertarei. Não importa o que esteja fazendo, sempre tenha orgulho e crie sempre algo de especial, porque é nos detalhes que você deixa a sua assinatura”.

Neste domingo, e nos próximos dois, voltamos a proclamar o evangelho de Marcos. Depois de algumas andanças por outras cidades da Galileia, Jesus retorna para a cidade de Nazaré, a sua terra. Por lá tinha parentes e conhecidos. No mundo pequeno do interior, a convivência e os laços familiares aproximam sem querer. Não tem como se esconder dos olhares dos vizinhos, dos amigos e inimigos. Ninguém escapa das conversas amenas e das fofocas maldosas. Hoje, chamamos isso de “controle social”. Ser ou fazer algo diferente significava, e em muitos lugares ainda significa, ser objeto de juízos e comparações. Podem ser elogios ou críticas impiedosas. Contudo, é muito difícil para todos não querer saber das últimas novidades da vida…dos outros.

Acompanhamos o evangelho e aprendemos que Jesus cumpria as obrigações de todo bom judeu e participava das reuniões religiosas na sinagoga. A diferença é que ele “ensinava” e, pelo jeito – sabemos disso por outras páginas dos evangelhos – o fazia com uma autoridade incomum. Os ouvintes reconhecem nele uma sabedoria maior que de outros pregadores. Por isso, se perguntam de onde lhe vinha tamanha sabedoria. Logo lembram das suas origens humildes, dos familiares e demais parentes. Podemos até pensar em inveja ou algo semelhante, por parte deles, mas o evangelista fala de “falta de fé”. Marcos quer nos preparar a reconhecer algo que acontecerá com os discípulos que Jesus enviará em missão. A questão é sempre aquela de confundir a mensagem com o mensageiro ou reparar a pessoa que fala e não o que ela diz. Se isso acontecia com Jesus, que além de ensinar, também fazia “grandes milagres realizados por suas mãos”, o que dizer dos pobres evangelizadores desprovidos de tudo? Esse será o assunto do evangelho do próximo domingo. Por enquanto, refletimos sobre a atualidade da questão: não é o saber em si que está em jogo, mas a sabedoria. O saber se adquire estudando nos livros, passando nas provas, alcançando diplomas e reconhecimentos oficiais. No entanto, isso não significa que os &ldqu o;doutores” passem pelas inevitáveis e reveladoras provas da vida: a convivência fraterna e, sobretudo, o amor humilde e solidário.

O trato gentil com as pessoas, a gratidão, a paciência e a generosidade, só para lembrar algumas virtudes das quais sentimos falta, muitas vezes, não se aprendem nos livros, mas nas nossas famílias, no trabalho honesto, no meio do povo simples e singelo. Talvez essas pequenas luzes de vida se encontrem mais nas crianças, nos jovens e idosos do que em adultos orgulhosos em busca do seu sucesso pessoal. As coisas não mudaram muito. Se uma pessoa famosa fala ou faz uma bobagem muitos ba tem palmas e se desdobram para interpretar a grandeza da mensagem ou do gesto dela. Todos os dias os pais, as mães, os avós ensinam mil coisas boas, verdadeiras e sensatas para os seus filhos, incluindo aqueles e aquelas que já se consideram donos do seu nariz, mas quem escuta mais? A missão de ensinar continua difícil e desafiadora, mas Jesus não desiste. Os profetas não podem calar, porque estão a serviço da Palavra que acolheram de Deus. Com Jesus é diferente: ele mesmo é a Palavra, a Boa Notícia. Nele, mensageiro e mensagem coincidem. Devem ser acolhidos juntos. Até a sua origem humilde é lição para nós!


As duas ilhas

comentários

Certa vez, tinha duas pequenas ilhas, divididas somente por um pequeno canal de água no imenso Oceano.

– Eu sou a mais bonita – dizia uma.
– Eu sou muito maior – dizia a outra.
– Eu tenho a maior praia – afirmava uma.
– As minhas palmeiras são maiores – replicava a outra.
– Você já viu as frutas das minhas árvores? – continuava uma.
– Eu tenho os pássaros mais coloridos do mundo – respondia a outra. A briga durou anos e anos. Com o passar do tempo, as ondas do Oceano, com o seu movimento incessante, trouxeram areia para as duas ilhas que, assim, aumentaram cada vez mais um pouquinho. O canal que as dividia ficou bem pequeno e um belo dia desapareceu de vez. As duas ilhas não ficaram nem um pouco contentes, mas o vento, que movia as ondas disse:

– Antes vocês eram duas pequenas ilhas tristes e briguentas. Agora vocês são a mais bela Ilha do mundo!

Todo ano temos um domingo no qual celebramos a Solenidade de São Pedro e São Paulo apóstolos. É sempre a festa da Igreja firme e corajosa, capaz de abrir caminhos novos e de ir ao encontro da humanidade, que se renova a cada geração. Como é possível que a Igreja de Jesus Cristo, e dos Apóstolos que ele enviou, tenha atravessado todos esses séculos? Quantos homens e mulheres tão diferentes já passaram por ela. O que nos deve encantar é a capacidad e da Igreja de caminhar junto com a humanidade na sucessão das épocas. Nunca foi e nem será um caminho fácil. A Igreja é tanto pecadora como tudo o que é humano, mas, ao mesmo tempo, tem algo que a torna capaz de mudar, converter-se, reformar-se sempre. Nunca será perfeita, mas nunca deixará de cumprir a missão de evangelizar, também em tempos de silêncio, perseguições e martírios. Essa força, que está no íntimo de cada batizado, mas que também anima a organização visível da Igreja, nós acreditamos que seja o próprio Espírito Santo, último dom de Jesus aos seus amigos.

Outras explicações não resistem ao transcorrer do tempo. A Igreja é memória viva, com raízes profundas no passado, mas é também profecia do futuro, capaz de apontar os rumos para cheg ar ao mundo novo de alegria e paz, iniciado com a vitória de Jesus sobre a morte.

São Pedro e São Paulo são exemplos de vidas doadas, seguidores destemidos do único Mestre Jesus. Cada um com sua personalidade, suas fraquezas e virtudes. Sem dúvida Papa Francisco, hoje, nos ajuda a acreditar numa Igreja que sempre se renova. Papa João XXIII abriu “as janelas” para que entrasse ar novo; os Papas seguintes, um já santo e outro que o será daqui a alguns meses, fizeram a parte deles. No entanto, um pouco de Pedro e Paulo deve estar presente na vida de ca da batizado. Cabe a cada cristão reconhecer que é enviado e falar do “Deus desconhecido” lá onde vive e trabalha, luta e faz festa. Ao mesmo tempo, cada um deve saber que não está sozinho; temos laços de fé, de esperança, de amor-comunhão, tão profundos que superam qualquer distância ou obstáculo. As divisões, as disputas, também se para parecer melhores que os outros, não ajudam a Igreja na sua missão. Jesus rezou muito pela unidade dos seus. Hoje, Papa Francisco está nos repropondo um projeto antigo e sempre novo: aquele da “sinodalidade”, que significa simplesmente “caminhar juntos”.

Caminhar! Ninguém pode ficar parado. Mas “juntos”, na contramão dos individualismos e particularismos modernos. Os cristãos podem contribuir muito para unir a inteira humanidade. A unidade, tão almejad a entre as Igrejas ainda separadas, e entre os tantos projetos de sociedade, não se fará ao redor de ideias, mas com a superação da miséria e da fome de tantos povos, através da partilha dos bens e de um maior respeito pelo planeta, a nossa casa comum. Uma nova humanidade, de irmãos e amigos, desponta no horizonte. É evangelho vivo! Precisamos unir mais os esforços para o bem e não brigar para ser melhores de outros. Na comunhão, não importa ser a Igreja mais bonita. Seremos a única verdadeira Igreja que Jesus queria. Bela, “sem mancha e sem rugas” (Ef 5,27). Para a alegria e a esperança da humanidade toda.


A jabuticabeira

comentários

Um senhor, já de idade avançada, estava cuidando de uma plantinha no jardim da sua casa. De repente chegou um dos seus vizinhos com o qual tinha familiaridade. Era um jovem de 20 anos. Aproximou-se dele e perguntou:

– Que planta é esta que o senhor está cultivando?

– É uma jabuticabeira – respondeu.

– E quanto tempo demora para dar frutos? – continuou o jovem.

– Mais ou menos quinze anos – respondeu o homem. Com um sorriso sarcástico no rosto, o jovem provocou:

– E você espera viver tanto tempo assim?

– Não, não espero viver tanto. Já estou perto do fim da minha vida.

– E então, por que está fazendo isso? Que vantagem você terá? – insistiu o jovem.

– Nenhuma. O que me deixa feliz é que as pessoas vão continuar a comer jabuticabas, assim como eu como, sem saber quem cuidou das plantas onde as colho.

Após ter respondido às duras acusações dos adversários, no evangelho de Marcos deste domingo, Jesus inicia a falar do “reino de Deus” e o faz com parábolas, ou seja, com casos, semelhanças e comparações. Lemos: “Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas…conforme eles podiam compreender” (Mc 4,33) e logo em seguida o evangelho diz que “quando estava sozinho com os discípulos, expl icava tudo” (Mc 4,34). Dessa maneira, entendemos que é possível compreender o sentido da Palavra de Deus em si e, também, como isso acontece. Com efeito, a Palavra vai se clareando com certa gradualidade, aos poucos, dentro de nós, ao longo do caminho da fé.

Voltando ao assunto do “reino de Deus” explicado em parábolas. Ele é tão grande, bonito, surpreendente, dinâmico, que não cabe em nenhuma definição. O ‘reino” começa pequeno, como qualquer semente, mas é algo que cresce, envolve a natureza (plantas e pássaros), as pessoas (a colheita) e, assim, alimenta a todos! Como a semente, o “reino” tem uma força e um desenvolvimento própr ios: germina e cresce. “Primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga” (Mc 4,28). O agricultor não sabe como tudo isso acontece, é a terra que o faz por si mesma. Tudo é dom! Verdade, mas entram também a colaboração, a criatividade, a iniciativa e o esforço humano! Sempre rezamos nas Missas, no momento do Ofertório: “Bendito sejas Senhor, Deus do universo, pelo pão que recebemos de vossa bondade, fruto da terra e do trabalho humano”. Terra e trabalho, são dois dos “Ts” do Papa Francisco; o terceiro T é o de “teto, a casa!” para que toda pessoa possa viver com liberdade e dignidade.

É justamente essa consciência de não ser donos, mas colaboradores de uma grande obra, o “reino de Deus”, que faz a diferença em tudo. Deus, através da natureza e a presença generosa do Espírito Santo, está sempre pronto a fazer a sua parte, no entanto ele quer a nossa colaboração na administração dos bens que nos entregou. Precisamos acreditar mais na bondade do projeto do “reino”. Q uando tiramos “Deus” do meio, o “projeto” fica somente nosso. Nos enchemos de orgulho, egoísmo, ganância e corrupção. Mas quando acolhemos o sentido maior do “reino de Deus” trabalhamos, suamos, sofremos, caímos e levantamos, mas pela justiça, a paz, a fraternidade, o bem de todos e não somente o nosso ou de alguns poucos privilegiados. Esse é o equívoco de sempre. Confundir o “reino de Deus” com o “nosso” poder e domínio. Também Jesus precisou explicar isso muitas vezes aos apóstolos, sobretudo quando, ainda, disputavam os primeiros lugares entre si.

Tudo isso Jesus ensinava em “parábolas”. Explicava sim, mas deixava também imaginar as consequências. Falava, mas deixava entender, com liberdade, para que cada um fizesse a sua parte conforme as suas possibilidades e capacidades. Algumas parábolas não têm final, outras conduzem a mais interrogações que a respostas já prontas. Às vezes o Senhor nos dá a graça de ver os frutos do nosso trabalho e de participar da colheita. Na maiori a das vezes, outros colherão e desfrutarão dele. O que vale é mesmo a felicidade de ter colaborado com o Projeto de Deus. Os frutos da Palavra são certos e sempre gostosos. Mas, claro, com os tempos de Deus


Quero me divorciar

comentários

Uma senhora foi ter com um consultor muito famoso pela sua experiência em causas matrimoniais.

– Quero me divorciar e quero fazer o maior mal possível a meu marido – disse a mulher.

– Então, comece a elogiá-lo de todas as formas – sugeriu o consultor – Quando ficar indispensável para ele, quando ele pensar que o ama e o estima muito, aí sim, estará na hora de dar início à ação legal. Essa é a maneira mais segura para feri-lo o mais possível.

Alguns meses depois, aquela senhora voltou para dizer ao consultor que tinha seguido todos os seus conselhos.

– Muito bem! – disse o homem – agora chegou o momento de iniciar as práticas do divórcio.

– Divorciar? – respondeu a mulher com decisão – Não estou mais pensando nisso. Acabei me apaixonando por meu marido!

Após a primeira disputa de Jesus com os seus adversários sobre o assunto da observância da Lei do sábado, encontramos, no evangelho deste domingo, a segunda grande acusação contra ele. A questão agora é de onde vem o poder com o qual Jesus cura os doentes e expulsa os demônios. Mais uma vez, são os mestres da lei que buscam motivos para desmoralizar o Mestre e fazer que o povo não o procure mais. Excluindo qualquer inter venção divina, eles admitem só uma explicação: Jesus está possuído por Belzebu, o príncipe dos demônios. Também os parentes dele entram na conversa e querem agarrá-lo. Fizeram isso talvez para protegê-lo e resguardá-lo da multidão, que não lhe deixava mais tempo nem para se alimentar. Ou, mais simplesmente, porque queriam controlar e, quem sabe, explorar os poderes dele. No entanto o povo humilde e doente não desiste, continua a se reunir e não precisa de grandes investigações. O que vale é a intuição dos pobres, que percebem em Jesus a manifestação de uma força boa que cura corpos e espíritos. Uma força ainda misteriosa, mas, certamente, superior a todas as razões e conversas complicadas dos intelectuais e poderosos. Na prática, a explicação que Jesus dá a os adversários sobre o seu agir segue a lógica mais simples da sabedoria popular: é a união que faz a força, nunca a divisão! Qualquer reino dividido, sucumbe! Por isso, a estratégia de todo poder sempre foi, e será, aquela de dividir o povo, de colocar uns contra outros. É mais fácil derrotar um inimigo por vez que tentar vencê-los todos juntos.

Nessa altura, o evangelista Marcos coloca o pecado contra o Espírito Santo, uma culpa tão grave de ser imperdoável. Com efeito, a força que motiva e sustenta Jesus no seu agir bondoso é justamente do Espírito Santo. Recusar esta força corresponde a negar a missão e a pessoa divina de Jesus. Fica difícil para Deus perdoar quem não acredita e não confia nele, quem prefere apelar a Belzebu – ou a qualquer outra coisa – em lugar de reconhecer a misericórdia do Pai. Dito isso, entendemos também a resposta de Jesus sobre a sua família. Somente quem se dispõe a fazer a vontade de Deus, ou seja, a amar, perdoar e fazer o bem, pode ser considerado familiar, íntimo de Deus. É justamente quando ama que o ser humano revela a sua natureza divina, o seu ser imagem e semelhança de um Deus Amor. Ainda hoje, alguns cultuam Satanás e outros o chamam demais para explicar os mais simples contratempos da vida. Se algo dá errado, será que temos que incomodar o príncipe dos demônios ou achar que ele se mete em tudo? Não seria melhor invocar o Nome do Senhor e confiar mais na bondade dele? Devemos aprender a reconhecer os nossos erros e os nossos pecados. Somente assim pediremos a Deus a graça da conversão, em lugar de jogar as culpas sobre o demônio e pensar de sermos melhores daquilo que somos na reali dade. Como cristãos, devemos acreditar que é possível transformar o mal em bem, as lágrimas em sorrisos e a tristeza em esperança. Na Igreja também, a união fraterna é uma força invencível para superar divisões, invejas e disputas. Em lugar de nos “divorciarmos” das nossas comunidades, vamos aprender a elogiar o bem e as qualidades dos irmãos e das irmãs. Esse foi o conselho do consultor matrimonial. Esperamos que aconteça, também, a nós de nos apaixonarmos de novo pela nossa Igreja-família.


Santa obediência!

comentários

Certo dia, o Menino Jesus apareceu à Santa Teresinha. A santa, porém, não hesitou um instante em abandoná-lo, quando tocou o sino do Mosteiro que chamava à oração. A regra falava claro! Durante o noviciado, contaram à Santa Bernadete esse edificante exemplo de obediência e lhe perguntaram o que ela achava disso. A humilde vidente de Lourdes respondeu que ela teria agido diferentemente. As colegas ficaram surpresas e indignadas, mas a santa acrescentou: “Sem dúvida alguma, eu também teria ido logo para a oração, mas…teria levado comigo o Menino Jesus. Afinal, não devia ser muito pesado para carre gar”. Santa obediência das Santas!

Para o Ano Litúrgico, já estamos no tempo chamado Comum. Voltamos a ler de forma continuada o evangelho de Marcos. Ao menos para os próximos três domingos. Ainda estamos no segundo capítulo e encontramos logo uma das maiores disputas entre Jesus e os seus adversários. O que está em jogo é a obediência à Lei do Sábado. A questão é tão grave que, imediatamente, os fariseus e os partidários de Herodes começam a tramar como matar Jesus. Vamos dar uma primeira explicação. No tempo de Jesus, pouco tinha sobrado da estrutura judaica. Somente o Templo ainda ficava de pé e algun s dos ritos sagrados que os romanos permitiam. Herodes administrava bem pouco e sempre sob o controle das autoridades do Império. A Lei do Sábado representava, portanto, algo mais que uma norma, a qual ensinavam os mestres da Lei, o próprio Deus criador tinha obedecido descansando naquele dia. O Sábado representava uma brecha de liberdade e até de orgulho nacional contra os pagãos romanos. Isso explica o furor tão grande dos seus ferrenhos seguidores.

Na realidade, quando uma Lei e a sua rigorosa obediência passa por cima das necessidades básicas e da dignidade das pessoas, perde o seu maior sentido e acaba se tornando desumana. Com efeito, o descanso do sábado, lembra Jesus, devia ser em favor do ser humano e não contra ele. Deus nunca podia querer os seus filhos e filhas humilhados pela fome ou pela exclusão social. A vida digna e respeitada das pessoas vale mais do que todas as leis. Por isso, nesta página do evangelho de Marcos, Jesus escolhe uma situação de fome do rei Davi e dos seus companheiros e de desprezo de um homem aleijado de uma das mãos. O questionamento de Jesus &eacu te; também sem saídas. Pode ser justa uma lei que impeça de fazer “o bem”? Se, depois, a obediência tivesse como consequência “o mal”, que é também “o bem” não feito, ou seja a omissão do bem, com certeza seria uma lei perversa. Pior ainda se esta Lei é respaldada pela autoridade divina. Pode Deus ter dado uma lei contra as suas próprias criaturas? Não era só questão de interpretação dos textos sagrados. Estava em jogo a autoridade dos que se consideravam guardiões da vontade de Deus, os fariseus, os observantes, e a autoridade de Herodes, do político de fachada respaldado pelo Império.

Nada espanta mais “as autoridades”, em qualquer momento, incluindo as religiosas, do que o povo livre, capaz de buscar algo mais sério e maior que um preceito a ser observado. Mais, ainda, quando essa lei acaba sendo um jugo opressor e é distorcida ao ponto de passar por cima da fome do povo e da dignidade de cada ser humano. Nesse caso, a liberdade a ser defendida, não é só de uma nação ou da autoridade que, temporariamente, está no comando. Está em perigo o próprio ser humano, machucado, desprezado, escravizado. Para Jesus e nós, seus discípulos, existe uma lei bem maior de todas, a lei do amor, a única que não pode ser imposta e sempre deve ser lembrada e escolhida antes das outras. Quando acontece o contrário, as leis acabam sendo parciais, injustas ou defensoras de privilégios de alguns. Esse será sempre um grande desafio para qualquer legislador. Pensando bem, acredito que nem Santa Teresinha desobedeceu e nem Santa Bernadete teria desobedecido às leis do mosteiro. Bastava levar o Menino Jesus no coração. E isso, com certeza, elas fizeram sempre. E foi bem leve e agradável!


Somos bastante criativos

comentários

Li numa revista que, pelo mundo a fora, existe um site que ajuda os maridos a encontrar uma boa desculpa para ter uma vida dupla ou viver uma aventura extraconjugal. O site foi criado, especialmente, para vender aos clientes “provas” do seu bom comportamento. São álibis como: a conta de restaurante, uma passagem de uma viagem de avião (não realizada), um convite, um pequeno recorte de jornal e assim por adiante. Os idealizadores do site afirmam: “So mos bastante criativos, não há problema que não se possa resolver”. O site ainda oferece três opções de idiomas: inglês, francês e alemão, e a garantia de que as provas serão bem sólidas, sem deixar brechas para dúvidas. Na propaganda, não estava especificado o preço do serviço. Também não dizia se já atendem mulheres e, o mais importante, em português. Só vale lembrar que, às vezes, pensamos que uma mentira contada para encobrir outra, afinal, se torne, ou se pareça, com a verdade. Será mesmo?

No domingo seguinte à Solenidade de Pentecostes, a liturgia sempre nos convida a refletir sobre aquele que nós, cristãos, chamamos de “mistério” da Santíssima Trindade: um único Deus, em três Pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Nós acreditamos que foi dessa maneira que, aos poucos, o nosso Deus se fez conhecer. Na Bíblia, já no Antigo Testamento, Deus foi apresentado, no seu jeito de agir e querer, c omo o Deus libertador, o Deus da Aliança com o povo eleito. Raramente, o Todo Poderoso recebeu o título de “pai”. Foi o Filho, que assumiu a natureza humana em Jesus de Nazaré que nos falou de Deus Pai, um pai bondoso, providente e misericordioso. Pai de todos, ao ponto que podemos rezar chamando-o de “Pai nosso”.

O evangelista João elaborou uma trabalhada apresentação do relacionamento do Pai com o Filho. Jesus repetia que vinha do alto, que estava obedecendo ao Pai e dizendo aquilo que tinha ouvido dele. Deviam acreditar. Os judeus, porém, pediam, ao menos, duas “testemunhas” como em qualquer depoimento jurídico. Era o mínimo necessário para confirmar a verdade das afirmações. Jesus respondia que, além dos sinais que fazia, era o Pai a dar te stemunho dele. Em certas ocasiões, como no batismo no Rio Jordão e na Transfiguração, foi a voz do Pai que disse: “Este é o meu Filho amado”. Jesus também fala do Espírito Santo que virá, quando ele voltar para o Pai. O Espírito Santo, o Consolador e Defensor, lembrará as coisas que ele, Jesus, o Filho, ensinou e conduzirá os fiéis no conhecimento da verdade.

Podemos chegar à conclusão que entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo não têm segredos, tudo é em comum, também se cada um tem uma missão própria. A Igreja, comunidade dos cristãos, que anuncia a fé trinitária, deve mostrar algum traço visível do mistério trinitário. O faz quando vive e pratica a unidade e o relacionamento construtivo entre as pessoas. É fácil entender a necessidade da comun hão. Com certeza, divisões e disputas não ajudam a manifestar a beleza da nossa fé. A nossa união deve ser reflexo da Trindade, não o fruto de ideias, projetos ou seguimento cego de alguns líderes mais ou menos carismáticos. Mais difícil é a partilha da nossa experiência de fé, esperança e caridade. Fazemos muitas atividades e celebramos muitas missas, juntos, mas poucas vezes trocamos os nossos sentimentos e a nossa vivência espiritual. Ainda não aprendemos a fazer isso ou temos receio que os outros zombem da nossa contemplação, da alegria de servir, da paciência que temos sabendo que os tempos das pessoas e de Deus não são os nossos, apressados ou demorados que sejam. Além de brigar entre nós, de desistir após a primeira crítica, parecemos estranhos que, pelas circunstâncias acabaram fazendo parte do mesm o grupo que se encontra na tal igreja. Bem pouco, porém, temos em comum. Desse jeito é difícil convencer os que olham para nós, com curiosidade ou crítica, que acreditamos no mesmo Deus, Uno e Trino. Somos sempre muito criativos para desculpas e justificativas. Precisamos melhorar a nossa imaginação e a nossa prática para vivermos mesmo a fraternidade e a comunhão.


Os pecados serão perdoados

comentários

Após uma grande assembleia, uma delegação de demônios foi ter com Deus para apresentar-lhe uma gravíssima reclamação.

– Veja, Senhor – iniciou o porta-voz – nós, antigamente cometemos um único pecado e fomos condenados a sofrer eternamente no inferno. Olhamos para a terra e vemos os homens cometerem milhares de pecados. Nós tentamos e eles facilmente nos obedecem. É moleza. Contudo, se eles dão um pequeno sinal de arrependimento, são perdoados, não uma, mas milhares de vezes. Nós erramos uma vez e fomos condenados. Eles o fazem tantas vezes e se salvam. Onde está a justiça?

– Deus respondeu: É verdade, Perdoo e perdoarei milhares de vezes. Vocês foram condenados, porque nunca pediram perdão e nem deram sinal de arrependimento. Seria suficiente reconhecer que fizeram o mal, arrependerem-se e seriam perdoados sem demora. De fato, os homens me ofendem muito. Eles pecam, mas se arrependem. Recorrem ao meu coração e eu jamais poderei negar o perdão a quem se arrepende. Os mensageiros do inferno não quiseram mais conversa. Saíram enraivados e foram explicar aos seus colegas o que Deus lhes tinha dito. Continuaram e intensificaram as suas artimanhas para afastar os homens da misericórdia do Pai, mas alguns dizem que formaram uma equipe para estudar a negociação do arrependimento. Quem sabe?

A celebração do domingo de Pentecoste, cinquenta dias após a Páscoa, acompanha o livro dos Atos dos Apóstolos. A forte ventania e o fogo, a superação do medo e a coragem dos apóstolos de saírem para anunciar a ressurreição de Jesus, sinalizam o dom do Espírito Santo. Para o evangelista João, desde quando Jesus morreu na cruz, ele “entregou o espírito” e ao anoitecer do dia de Pás coa, o dia da Ressurreição, soprou sobre eles e disse: “Recebam o Espírito Santo”. Logo em seguida, encontramos as palavras: “A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos” (Jo 20,23). Surge a pergunta: qual a ligação entre o dom do Espírito Santo e o perdão dos pecados? É bom entender isso porque está em jogo o sentido do dom do Espírito Santo e a própria missão da Igreja, animada pelo mesmo Espírito até a volta do Senhor Jesus no fim dos tempos.

Vou dizer logo que por “pecado” entendo tudo aquilo que contraria o projeto do Reino de Deus. Nesse sentido, temos os pecados facilmente reconhecíveis, aqueles que destroem a vida e a dignidade das pessoas, as escravizam e afastam do amor de Deus e dos irmãos. Não precisa, porém, sermos declaradamente adversários de Deus; é suficiente excluí-lo da nossa vida e colocar em primeiro lugar a nós mesmos, os nossos projetos, o nosso orgulho. Muitas vezes, reconhecer essa indiferença é mais difícil do que admitir erros e maldades. Nos arrependermos de não ter feito nada é mais complicado que lamentar as consequências do mal praticado. O dom do Espírito Santo quer nos ajudar a enxergar e a não praticar o mal, mas, muito mais, a nos tornarmos “santos”, ou seja, cristãos que praticam o bem, vivem o mandamento do amor, gastam a vida a serviço do Reino de Deus. O fogo não queima somente, ele também aquece e ilumina.

Todos nós, batizados e crismados, continuamos pecadores, ainda estamos a caminho da santidade. Caímos, manchamos a veste branca do nosso batismo. No entanto, apesar dos pecados e das falhas, não desistimos de levantar e continuar na missão de testemunhar a beleza e a grandeza do amor de Deus para com todos. O perdão dos pecados, a prática do sacramento da Reconciliação, é para isso: não ficar caídos, nunca perder a esp erança de poder ser melhores. No nosso batismo unimos a nossa vida à vida daquele que venceu o mal e a morte: Jesus, o Filho. Mas também à vida do Pai e do Espírito Santo. Desistir de recomeçar, desistir de pedir perdão, seria como dizer que Jesus morreu na cruz por nada, que nada mudou, que ainda é o mal que domina o mundo e a morte tem a última palavra. Talvez o demônio ainda acredite nisso. Nós cristãos não mais.