A mente coletiva é uma conspiração

comentários

Observo agora as folhas e suas pequenas veias, enquanto formigas as carregam. Ao mesmo tempo sinto o vento em meu rosto, e bebo a água que já estava aqui quando o Espírito de Deus chegou; vejo a jaqueira e seu fruto enorme, sinto o sabor do açúcar e do sal da terra, quero dizer, sobre todas as coisas vivas existe uma arte única que é a semente e o embrião, o criador e a criação, e sua simples ação de desenvolver uma ordem e deixar tudo se expandir pelo mundo através da natureza, da ordem dos vegetais até à ordem do bicho homem, estranho homem que também cria da madeira uma canoa, do caroço um colar, do diamante um anel, e pegou o que aprendeu com o dom da palavra e o som de um instrumento e fez uma canção inteligente.

Mas é essa mesma mente que coletivamente cria coisas ruins, uma corrente de corrupção e vícios, de mortes e doenças, uma fábrica de coisas estranhas e ruins sempre criadas a partir da mente coletiva; a própria religião faz coisas estranhas.

E agora, país dos artesãos? Daremos um jeito na corrupção? Deixaremos em paz a máquina pública? Vamos consertar os desastres ecológicos e desmascarar a máfia que é a indústria farmacêutica? Criaremos soluções informais para a crise e consumiremos menos bosta musical? Vamos acabar de verdade com os podres poderes?

Desse mar de literária lama teremos que colher flores, e teremos que ser justos com a justiça, que também é injusta, e vamos para as ruas, um exército de artesãos desconstrutores descontentes com as suas últimas criações políticas.

Esse coletivo é um ser pensante; parece dois, um positivo outro negativo, então temos que ter fé que um vai superar a ação do outro e salvar o Brasil.

Que coletivo é esse que fez a juventude ficar tão distraída a peso de marcas que a televisão e os outros meios divulgam? Uma música de merda, umas atitudes burras, e não adianta falar, eles estão surdos, só ouvem o que esse coletivo diz, e esse coletivo diz: Sigam por ali, continuem rumo ao abismo capitalista que vai deixar vocês iguais a robôs obedientes e medíocres sem consciência política.

Bom, espero que a faxina continue, já que existe a mente coletiva.

Conheço um menino que fez de restos de madeira seu próprio violão.

Conheço gênios saídos da tal falida escola pública, e não das marcas educacionais caríssimas que distribuem diplomas atropelados.

Eu faço canções das quais não tenho as virtudes e nem a glória, sou falho, acordei cedo, mas mesmo assim fui preso pela corrente; tento me soltar, soltando a voz em canções que falam da vida e da preservação ambiental, quero fazer minha pequena parte.

Enquanto um homem velho, pai de família, rouba do país mais do que se pode gastar em uma vida inteira.
A mente coletiva é uma conspiração.

Bom domingo


O marginal que se foi de mim

comentários

Como um ser que andou comigo por tempos vividos em pequenos infernos. Levamos tiros, facadas, socos, entre drogas e amores, entre versos e dores existenciais.

Seu nome era o meu, sua voz era a minha, ele me falou que não éramos os piores bandidos do mundo.

Eu tipo por poesia procurava o submundo pra um dia subjugá-lo a um mundo bom; a música que eu fazia doía de alguma forma e ia bater nos corações feridos, entrava na mente de quem buscava algo real num mundo de fantasias exóticas.

Lavamos nossos rostos ensanguentados nas poças de água da chuva após as brigas, falamos com Yaohushua o tempo todo, e choramos por ele; não sabíamos como sofrer um pouco daquela dor, daquele medo que temperado com tanto amor sabia da morte certa e necessária para redimir um mundo de gente cruel. Quando entrávamos nas tavernas íamos aos fariseus, pois é nessa mesa que a palavra era melhor discutida.

Ficamos andando juntos por muito tempo, quase nos matamos.

Então numa noite quente de verão caiu uma estranha chuva, e ele se despediu de mim. Foi aí que percebi que era um anjo, muito ferido e com as roupas rasgadas e sujas; ele trocou seu tempo de estadia comigo com outro anjo que me chegou dizendo: “Agora vamos tomar banho num rio de água corrente, e vamos trabalhar”.

Passei a fazer poesia e vender pra Deus. Por cada poesia escrita com sangue ele me dava uma nota de vinte e um remédio que aliviava minhas dores.

Hoje fico escrevendo sobre esse tempo de ruas escuras; fico cantando coisas que aprendi nesse lado da vida que passei e sobrevivi, graças ao anjo.

Digo a meu filho, não ande sem Deus, nem sem os anjos, e aprenda que Yaohushua está para o mundo como a luz pra clarear o mais sombrio dos corações.

Bom domingo.


O amazonismo na música e na literariedade de Osmar Júnior

comentários

Osmar Junior Gonçalves de Castro nasceu em Macapá-AP, no dia 14 de junho de 1963. Autodidata, tornou-se poeta, compositor, cantor, cronista e produtor cultural em sua cidade situada no extremo norte do Brasil, na Amazônia brasileira. É um dos principais nomes da música ideológica preservacionista da região. Seus temas se tornaram conhecidos pelas letras com expressões regionais e suas mensagens de denúncia às agressões do meio ambiente e da identidade cultural da Amazônia.

Índiso, negros e caboclos são poeticamente citados em suas canções. Na déca dos anos 1980 fundou junto aos seus parceiros Amadeu Cavalcante, Val Milhomem e Zé Miguel o Movimento Costa Norte para investigação, divulgação e presrvação da música produzida no Amapá e consecutivamente na Amazônia, mudando, assim, o panorama de música local. Compôs, nessa época, um álbum com dez músicas que falam da ecologia e injustiças sociais sofridas pelo povo amazônico.

Era um novo tempo pós a ditadura militar no Brasil. O Álbum chamado Sentinela Nortente tornou-se referência na voz de Amadeu Cavalcante. Coproduziu o vinil Vida Boa de Zé Miguel e logo após lançou seu álbum solo Revoada, que traz o clássico Igarapé das Mulheres.

As fusões rítmicas universais trabalhadas em suas obras retratam a música amapaense de raiz com um toque bem popular, a partir do seu violão e canto.

Osmar Junior tem 18 álbuns lançados entre solos, coletâneas e parcerias. Seus múltimos trabalhos são audiovisuais. Os documentários musicais Piratiba, a Cantoria no Lago,em defesa dos rios e biomas do Amapá, e Indiera, que fala sobre a invasão do capitalismo na alma indígena.

Sua música perlustra as devastações, as extinções, a biopirataria e a morte das culturas tradicionais da Amazônia, mas também é compositor de baladas românticas famosas na região. Por sua insistência em manter a identidade do seu povo, por sua participação na fundação do movimento musical Costa Norte, por sua paixão pela sua terra, tornou-se conhecido como o “Poetinha do Amapá”.


No tempo em que o amor andou pelas calçadas

comentários

Era uma vez quando ainda existia fim de tarde e todos se sentavam nas calçadas em cadeiras de embalo para conversar olhos nos olhos sobre o dia que passou.
Sonhos eram narrados para construírem algo para o amanhã, eram conversas puras e divertidas, quando os anjos passavam pelas calçadas todos davam “bom dia”, as moças sorriam, os rapazes tiravam o chapéu, e os velhos abençoavam.

Para cada casa uma arvore na frente e varias outras no quintal, não havia grades nas janelas, ladrões somente de corações, e o canto dos passarinhos eram ouvidos tanto quanto o sino da igreja chamando para um sermão de paz, sem gritos, sem milagres profissionais.

A natureza era o brinquedo das crianças que tinham os olhos ávidos de uma certa igualdade perante os quintais sem cerca. Peões, carro de lata e cantiga de roda para ensinar poesia. Tempo de chuva era tempo de chuva, tempo de sol era tempo amansado por sombra e rio em verões de sorrisos.

Uma amizade solidaria andava pelos corações, comprava-se a retalho, emprestava-se do vizinho, pois vizinhos eram familia, as relações de confiança iam do médico ao prefeito, do policial ao dono da taberna. O rio era limpo e os garotos tomavam banho em seu leito, enchentes eram lançantes de março que deixavam a flor dágua transparente, a água vivia em paz com a gente.

Uma rosa por um beijo, um desejo mais desejo, uma moça interessada em romance, uma nudez bem vestida, uma carta bem redigida, o amor caminhava pelas calçadas e pisava sobre as flores de jambo num caminho tão rosado.

Um tempo onde a tecnologia era mais contida, havia muito mais vida, e conforme os ventos de dezembro traziam o natal éramos visitados durante a noite por um bom velho de barbas brancas chamado de papai Noel, na verdade era meu pai, meu amigo e herói das noites de febre e dos dias de espera.

Agora lembro das fadas, e do bicho papão, da mãe do mato, e da mãe dágua, tudo tinha no fundo uma historinha de minha mãe para que eu sossegasse de tanto sonho.
Tempo em que o amor andou pelas calçadas.


A era do regionalismo em nova ordem

comentários

Na arte sou um buscador da universalidade, a partir da região. Isso leva à criação do gênero que vai ser descoberto mais tarde por um público também buscador. O novo está por aqui, e isso me interessa, dá sentido à minha vida artística.

A nova era deve ser levada a sério pois em todos os setores sociais ela deverá influenciar filosoficamente, e dar à humanidade já cansada um novo horizonte de qualidade de vida. São diversas as transformações, que vão dos desastres naturais ao caos das grandes cidades, do uso consciente da água à substituição do combustível fóssil, da paz religiosa à evolução política e da educação ambiental ao coração do homem.

A nova era abrirá literalmente o cérebro humano e teremos longevidade, pois isso nos fará parecidos com os seres bíblicos que viviam centenas de anos, pois é comum a evolução do corpo humano. Através da ciência, perdemos a proximidade do divino, e os homens foram demais seduzidos pela tecnologia e as marcas supérfluas que as redes de comunicação nos atiram a todo segundo. O novo homem estará mais próximo da natureza e terá alimento mais saudável.

Por isso canto e faço do Amapá meu universo criativo, pois o futuro dessa qualidade de vida não está nas grandes metrópoles, e sim nesses santuários, onde o homem voltará a adorar o simples. Hoje, velhas bandeiras políticas de lutas populares são corrompidas pelo dinheiro e estragam o país. Esta é a hora de novas mentalidades. Mas o que nossa juventude anda vendo é corrupção, violência institucionalizada, sexo sem limites e muita banalização do respeito. Para muitos, o ceio familiar é o início da mudança. Como estará esta cultura dentro de casa?

Não é de hoje que ser pai ou mãe é dizer sim de forma desmedida. Isso é quase doentio, é transferir para os filhos seu ego insatisfeito, relações abaladas e sabe lá o que mais. A relação com os pais não pode ficar no materialismo. A televisão prega a violência e a cultura de massa com inclusão social e exclusão de qualidade; os aplicativos servem de fuga à solidão urbana e a religião é quase um franchising. O povo vê muita novela e nada de livros; as cidades estão no caos. Quem quer viver neste caos infernal?

Então aceite esta cultura regionalista como avistamento da nova era. Pode estar aí o nosso talento natural, futuro para o Amapá.
Bom domingo.


Do big bang à partícula de Deus, o tempo

comentários

Teoria das cordas, buraco de minhoca, possibilidade de viajar no tempo. Você pode não gostar deste assunto, mas, acredite, a ciência se empenha e gasta milhões nessas pesquisas. Será que a ciência humana sabe alguma coisa sobre os portais temporais? O que são esses sinais nas plantações? Os agroglifos. Não sabemos muita coisa do passado deste planeta, só sei que o tempo leva tudo, e que já conseguimos de alguma forma voltar no tempo. Giramos no Equador na velocidade de 2.666 km/h, e o universo se expande velozmente. Os mistérios aparecem a cada tempo, conforme a necessidade deste planeta que é simplesmente vida.

Deus é a vida.
Queremos ser testemunhas oculares daquilo que já aconteceu e foi contado. Lá vou eu de novo acender sua inteligência e minha imaginação de poeta para pensarmos juntos e sem buscar no google sobre nossa necessidade de descobrir uma palavra, um ser, um metal, uma cura, algo novo que nos mostre uma nova realidade. Será que pegamos o caminho certo com nossa mera tecnologia? A tecnologia é apenas uma extensão do corpo humano, a ciência decifrou o DNA humano, mas que descobertas fará sobre a partícula de Deus? O que seria de nós se não fôssemos religiosa e cientificamente inquietos. No momento em que nos preocupávamos com um superimpacto de um asteróide na Terra a ciência pousa uma sonda em um cometa, dizendo que temos condições de defesa contra esses cavaleiros apocalípticos de pedra. Mesmo que voltássemos no tempo não poderíamos modificar a história, é contra a lei universal. Os moais da Ilha de Páscoa nos alertam olhando para o céu, e dizem que não sabemos nada sobre tempo. Não seja tão providencialista, logo o mundo vai ensinar que estamos exagerando em achar que Deus é um Deus de coisas fúteis, mas não perca a fé, ela é necessária, somos a extensão de algo grande e inteligente, e o criacionismo é parte disso. O que Jesus pregou foi o amor, como forma de viver bem consigo e o próximo. A Mãe Terra também esconde segredos, e as pedras não foram decifradas. Quem sabe o acelerador de partículas nos dirá como Caetano Veloso disse, que tudo estava todo tempo aqui na nossa cara, era o óbvio. Somos de Deus a partícula viajando nessa nave mãe viva. Ela permanecerá seguindo seu destino com ou sem nós. Já sabemos de onde viemos e pra onde vamos: viemos do passado e vamos para o futuro, portanto escrevemos agora a história que um dia será passada.
Bom domingo.


O pó dos Sonhos

comentários

– Poeta angustiado, pretenso escritor de sucesso, autodidata, boêmio, viciado em tudo, do sexo as drogas, mais inexplicavelmente firme, matutino, e assíduo em suas atividades de conquistador de almas, figura muito popular.
Era José Razo de Castelo, um desses homens importantes da literatura que a humanidade perdeu de vista, como milhares e milhares de outros.
O que contarei sobre esse poeta é especifico, pois não posso biografa-lo.
– Carmem Teresa o conheceu, o seduziu e o conquistou com suas facilidades sexuais e sociais, além de algum e ilusório dinheiro.
Castelo , como era conhecido nas noites e também nos meios intelectuais, tinha o desapego que a maioria dos homens da arte tem, caminhava pelo mundo distraído, cheio de sonhos, era simpático e fácil de atrair companhias femininas.
Daremos agora um salto, pois isto aqui é apenas um ensaio.
_ Era primavera em Veneza, e os recursos financeiros e de saúde da linda Carmem agora se esgotavam, eram os pequenos trabalhos de tradução e artigos arranjados com amigos boêmios ricos e influentes que Castelo sustentava a vida difícil do casal nesse tempo. Então como de praxe Carmem começou a despejar sua ira em Castelo, chamando-o de vagabundo , inútil, que aquele sonho com aquele livro que nunca saía era idiotice.
– Arranje trabalho de homem, dizia ela, e quanto mais a doença lhe consumia , mais ela se tornava uma megera.
O expediente de um escritor é o pensar, o contemplar, a pesquisa e o escrever, podem chamar de vadiagem, pois é uma forma de expressar aqueles que trabalham com o prazer.
Eram essas brigas advindas da estupidez que implodiram um bloqueio criativo na mente de Castelo, mais ele não desistia de criar uma familia com Carmem, algo completo com dialogo, filhos, problemas e risos.
Então Carmem foi internada com graves problemas pulmonares, ele ficou ao lado de seu leito enquanto escrevia desesperadamente o romance, mais ele tinha que pagar a conta do hospital. Então recebe uma proposta de venda do titulo, ou seja vender sua ideia para um pseudo escritor rico e famoso.
Já em casa, ela pergunta como ele pagou a conta da internação , ele responde , com o pó dos sonhos.
– Mais o pó dos sonhos era o nome do seu romance.
– Ele responde , pois é.
Bate a porta e some pela noite veneziana.
Osmar jr


Gerações para um admirável mundo novo

comentários

As gerações têm seus conceitos estipulados por época.

Partimos da geração romântica, que vem da era do Iluminismo; depois vêm os “baby boomers”, após a Primeira Guerra; logo vieram as gerações X e Y, e no Brasil ainda tem a geração “nem nem”, nem trabalham nem estudam.

Mas estudar não significa ir todo dia à escola, tem que absorver e executar, e trabalhar é muitas vezes mais que um expediente, é criatividade e dedicação, ideias.

Alguns jovens se especializam tanto que passam quase a metade da vida nisso, e acabam por se tornar profissionais superespecializados sem experiência ou descoberta. A diferença entre as gerações não é uma guerra e sim um intercâmbio cultural que interessa muito à indústria, há interesses comercias nisso, e isso nos leva a vários assuntos que vão da moda à tecnologia. O que essa geração atual vai vender para a próxima?

A luz verde està acesa para essa geração Z que vem estabelecer uma nova sociedade, um novo parâmetro industrial, quem sabe um mundo mais vintage, mais acústico.

Um mundo mais palpável seria ideal, menos carros, mais espaços, novos meios de transporte e combustíveis, a preservação do oxigênio e da água com tecnologias que não degradam o meio ambiente, um novo sistema político, uma nova arquitetura.

Então os pais não podem errar. Temos que mostrar a diferença entre o que fazer com a informação da internet e a informação dos livros de papel. Esses ensinamentos estão a cada dia mais difíceis de passar para a juventude, pois com o computador piorou a receptividade que eles têm à experiência dos pais. Lembro de mim mesmo aos 17 anos.

É claro que eu “saco” do assunto, pois na música os instrumentos virtuais são uma piada – não têm a digitação necessária para alguém se transformar num virtuose em um instrumento real. O que vão produzir de bom para o mundo os gênios do videogame (gamer’s )? Guerras? Ou mais jogos?

Então não se pode copiar trabalhos escolares na internet e sim pequisá-los; a mente é mais eficiente quando inventa.

Quem criou o carro, o computador, o avião, a lâmpada e a maioria das coisas que a juventude de hoje curte foram as gerações de muitas décadas atrás. Nós só aperfeiçoamos e usufruímos. Precisamos mesmo é inventar um mundo melhor, a partir de um traço das mãos humanas.
Bom domingo.


Rogai por nós

comentários

Resolvemos publicar esta carta agora, depois do Círio.

O que anuncia a Igreja com a Imagem da Santa?

A inclusão da Deusa na história da religião humana, a aceitação da mulher na pregação do cristianismo, a remissão da culpa nos milênios de submissão e maus tratos à fêmea, o possível papel de Madalena ao lado de Jesus na seita cristã, a mãe imprescindível para a vinda do Cristo, a mulher em toda sua plenitude de geradora dos filhos, a tradição católica que o povo brasileiro cultua por influência portuguesa, e finalmente a força da oração que sempre ajuda esta nossa gente brasileira tão carente de alguém justo e generoso.

Na querida Belém do Pará, semana passada, as famílias reuniram-se, reviram-se, comeram as iguarias paraenses tão gostosas nesse clima, pois a comida traz o gosto das famílias.
Mas tem nisso tudo uma causa que é maior, que sempre me chamou a atenção: são as lágrimas, as lágrimas dos milagres, pernas, braços, cabeças, casinhas, pedaços de humanidade e graça de um povo que se apega a Deus através da Santa.

Ah! Como penso em minha santa, minha mãe Neusa e seu poder de compreender alguém tão fora do eixo como eu, minha santa que na velhice ainda manda na prole toda mostrando quão forte pode ser uma mulher, mesmo em sua fragilidade.

Que castigo, mãe, meu medo, minha solidão e minha vida estão em ti. Não consigo aprender a lição que a senhora tenta me ensinar sobre a verdade de que tudo tem início, meio e fim. Não posso resistir ao teu amor eterno, tenho medo desse desligamento, a morte é mais que toda esperança.

Parei de criticar quem segue imagens, quem segue a esperança, eu sei que o amor de mãe é irresistível, inclusive para Jesus, espero.

Desde de que vi minha mãe em uma velha fotografia tive respeito por aquela foto tão apagada me dizendo adeus. Talvez essa foto um dia seja algo que terei para me apegar na saudade, uma imagem.

Na verdade, parece que os judeus tinham medo dos faraós e seus ídolos egípcios que os escravizaram, mas Maria é um outro tipo de imagem, é brasileira, Nazaré, é Guadalupe, uma aparição, é misticismo de pescador, é Amazônia, é Nordeste, Norte, um símbolo feminino.

Enquanto precisarmos de amor, rezaremos assim com os olhos cheios de esperança para quem atravessou desertos, protegeu e deu à luz o Messias. A mulher na terra é um portal para o divino, não é à toa que oram, e oram todos os dias para Deus homem e mulher.

Peçam às mulheres que orem, pois quando rogam por nós elas são atendidas.

Então, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte, amém.

Sua bênção, mãe.

Bom domingo


O louco e o anjo

comentários

Há dias que conversamos e não tenho certeza de sua existência, mas acho que isso não faz diferença pra você , pois se seus poderes forem os tais poderes de criação, amor e justiça, minhas incertezas permitirão que eu te busque, mesmo às vezes achando que é um lado do meu cérebro conversando com o outro.

Mas não vou desistir de falar com você. Isso seria desconstruir dentro de mim uma antiga relação ou ideia. E as ideias se ligam no plano dimensional, como foi ensinado por Jesus. O que liga embaixo, liga em cima.

Sou motivado um pouco por vícios humanos, algum materialismo e outras coisas medíocres que esse corpo pede. É insignificante o que faço diante da loucura do mundo. Eu acho que não posso saber de toda verdade sobre as suas verdades, mas vou acreditar naquilo que meu coração sente, e chamar por você sempre que me sentir em desgraça ou quando eu ficar feliz e grato.

Dentro de mim imagino você, fora de mim te vejo nas árvores e nos pássaros, na música e nas estrelas. Às vezes creio na saudade, e ela fala em voltar pra você. Pedacinhos, mil pedacinhos de Deus somos. Seria ideal ou no minimo divino se fosse assim.

Nem todo mundo entende as mensagens, sinais, gravuras, acontecimentos. Sua linguagem além de midrash pra mim é puramente arte, e está em duo na fala das pessoas. Consigo ouvir você e consigo infelizmente ouvir outros que são sarcásticos.

Não quero ficar feito louco por aí achando que minha verdade é a única. Só quero uma fórmula de viver e morrer levemente, e quem sabe ser feliz com você até o fim dos tempos, se é que o tempo tem fim.
Bom domingo.