O mal será derrotado

comentários

Quantos desesperos e gritos de dor se elevam todos os dias na vida das pessoas! O mal circunda o ser humano e o deixa ainda mais fragilizado na sua existência. Por que a maldade domina a vida? O salmo 38, das Sagradas Escrituras, fala-nos a respeito:

“Disse comigo mesmo: Velarei sobre os meus atos, para não mais pecar com a língua. Porei um freio em meus lábios, enquanto o ímpio estiver diante de mim. Fiquei mudo, mas sem resultado, porque minha dor recrudesceu.Meu coração se abrasava dentro de mim, meu pensamento se acendia como um fogo, então eu me pus a falar: Fazei-me conhecer, Senhor, o meu fim, e o número de meus dias, para que eu veja como sou efêmero.A largura da mão: eis a medida de meus dias, diante de vós minha vida é como um nada; todo homem não é mais que um sopro. De fato, o homem passa como uma sombra, é em vão que ele se agita; amontoa, sem saber quem recolherá.E agora, Senhor, que posso esperar? Minha confiança está em vós. Livrai-me de todas as faltas, não me abandoneis ao riso dos insensatos.Calei-me, já não abro a boca, porque sois vós que operais. Afastai de mim esse flagelo, pois sucumbo ao rigor de vossa mão.Quando punis o homem, fazendo-lhe sentir a sua culpa, consumis, como o faria a traça, o que ele tem de mais caro. Verdadeiramente, apenas um sopro é o homem. Ouvi, Senhor, a minha oração, escutai os meus clamores, não fiqueis insensível às minhas lágrimas. Diante de vós não sou mais que um viajor, um peregrino, como foram os meus pais.Afastai de mim a vossa ira para que eu tome alento, antes que me vá para não mais voltar.”

Surge inevitável a questão de querermos compreender de onde vem todo o mal, sofrimento e dor que fazem parte da vida da humanidade. Se tudo o que Deus fez é bom, como então? Para isso, remontamos à Bíblia. Seus vários livros se preocupam com o mal. Neles se encontra uma multiplicidade de imagens para falar do tema. Não se encontra neles uma resposta simples, racional, mas uma resposta de fé. Razão e fé (confiança) estão presentes nesse salmo. Por isso a Bíblia é diferente de outros livros. E esse salmo nos ajuda a fazer essa profissão de fé.

Deus não criou o mal. Ele se preocupa em libertar os seres humanos do mal. Para combater o mal, é preciso confiar em Deus. Resgatar nossa ligação direta com Deus, pela qual fomos criados, e que desfrutávamos no Jardim do Éden. Lembremos o prólogo do Evangelho de João, que nos chama filhas e filhos de Deus, para acentuar nossa dependência a Deus. E a dependência a Deus, a confiança em Deus, é uma liberdade total, para os seres humanos, pois também significa sua liberdade perante os esquemas do mundo, com sua lógica limitada, opressora, que reproduz muitas vezes o mal, que afasta Deus. Significa viver mirando as “coisas do alto”, o que tem consequências muito profundas em nosso mundo, em nosso modo de viver e conviver com os demais filhos e filhas.

Nós, seres humanos, não somos geradores do mal, mas aderimos a ele. Porém, procuramos dar uma razão a toda essa desgraça que vivemos no dia a dia, no mundo todo, com violências, guerras, fomes, injustiças, desigualdades brutais. Muitos se fazem a pergunta ou justificam sua falta de fé assim: por que Deus permite tudo isso? Quem tem de responder a essa questão somos nós. O problema não é Deus. Ele não criou o mal!

A Bíblia trata do problema do mal. Tenta compreender a relação entre Deus e o mal. Qual é a ligação entre Deus e o mal? A fonte do conhecimento é conhecer Deus. Já na origem, havia a preocupação sobre o mal. O ser humano, por si só não era capaz. Ele se apega a Javé, que vai lhe explicar, como nos mostra o fiel desse salmo. Deus é o ator principal. Não é a humanidade. A fonte do conhecimento é, portanto, Deus. Se não queremos fazer a experiência de Deus, ficamos com nossos conhecimentos limitados, pois restritos ao conhecimento da criatura.

Sabemos que os seres humanos são vítimas do mal e, também, aderem ao mal. Mas, temos a certeza de que Deus reverte essa situação. Na medida em que nos deixamos conduzir por Deus, conseguimos vencer o mal. Deus respeita sua criatura, seu livre arbítrio, mas não a abandona. Então, a realidade que o profeta Isaías descreve é a que vai triunfar.

Onde há intimidade com Deus, tudo é possível, o mal não prolifera. Temos uma relação com a terra que, de hostil e penosa, torna-se na nova criação, uma relação de reconciliação: “… serão plantadas vinhas cujos frutos comerão” (Is 65, 21). O trabalho se torna resposta à graça de Deus e instrumento para uma vida feliz: “não trabalharão mais em vão, não darão mais à luz filhos voltados a uma morte repentina” (Is 65, 23). Quantas promessas! Que destino de plenitude nos é reservado na aposta no nosso Deus! E o último mal a ser derrotado é a morte.


Entrar no santuário do senhor

comentários

Uma questão que ouço constantemente na vida das pessoas é esse tipo de queixa: “Deus, por que permite essa violência, essas atrocidades no meio de nós? Morte de crianças, sequestros, homicídios, imoralidades, deturpação da realidade, corrupção…” As pessoas querem entender a difícil convivência da humanidade. Mas parece que não conseguem dar uma razão. Lendo o salmo 72, das Sagradas Escrituras, pode-se tentar dar uma resposta.

“Oh, como Deus é bom para os corações retos, e o Senhor para com aqueles que têm o coração puro! Contudo, meus pés iam resvalar, por pouco não escorreguei, porque me indignava contra os ímpios, vendo o bem-estar dos maus: não existe sofrimento para eles, seus corpos são robustos e sadios. Dos sofrimentos dos mortais não participam, não são atormentados como os outros homens. Eles se adornam com um colar de orgulho, e se cobrem com um manto de arrogância. Da gordura que os incha sai a iniquidade, e transborda a temeridade. Zombam e falam com malícia, discursam, altivamente, em tom ameaçador. Com seus propósitos afrontam o céu e suas línguas ferem toda a terra. Por isso se volta para eles o meu povo, e bebe com avidez das suas águas. E dizem então: Porventura Deus o sabe? Tem o Altíssimo conhecimento disto? Assim são os pecadores que, tranquilamente, aumentam suas riquezas. Então foi em vão que conservei o coração puro e na inocência lavei as minhas mãos? Pois tenho sofrido muito e sido castigado cada dia. Se eu pensasse: Também vou falar como eles, seria infiel à raça de vossos filhos. Reflito para compreender este problema, mui penosa me pareceu esta tarefa, até o momento em que entrei no vosso santuário e em que me dei conta da sorte que os espera. Sim, vós os colocais num terreno escorregadio, à ruína vós os conduzis. Eis que subitamente se arruinaram, sumiram, destruídos por catástrofe medonha. Como de um sonho ao se despertar, Senhor, levantando-vos, desprezais a sombra deles. Quando eu me exasperava e se me atormentava o coração, eu ignorava, não entendia, como um animal qualquer. Mas estarei sempre convosco, porque vós me tomastes pela mão. Vossos desígnios me conduzirão, e, por fim, na glória me acolhereis. Afora vós, o que há para mim no céu? Se vos possuo, nada mais me atrai na terra. Meu coração e minha carne podem já desfalecer, a rocha de meu coração e minha herança eterna é Deus. Sim, perecem aqueles que de vós se apartam, destruís os que procuram satisfação fora de vós. Mas, para mim, a felicidade é me aproximar de Deus, é pôr minha confiança no Senhor Deus, a fim de narrar as vossas maravilhas diante das portas da filha de Sião.”

Esse hino inicia louvando o Senhor porque Ele é bom com aqueles que são transparentes na vida. Não são duplos, isto é, que se comportam dizendo uma coisa e fazendo outra. Porém, o fiel fica irritado e amargurado vendo esses ímpios malvados tendo uma existência esbanjando riqueza e felicidade e, no entanto, ele lutando para sobreviver. Ele rezando manifesta toda essa preocupação, porque o ímpio se enche de orgulho, estufa o peito e pratica a violência.

O coração do malvado é um vaso cheio de loucuras e a sua boca desafia céu e terra: “dizem então: Porventura Deus o sabe? Tem o Altíssimo conhecimento disto?” No entanto, o justo é colocado à prova e sofre todos os dias a diferença do sucesso do malvado. A segunda parte dos versículos 17 a 20 marca a mudança do salmo. O fiel desse salmo muda de opinião: aquela posição fatalista do infiel que é mais feliz do justo se inverte. Por que? É entrando no santuário que lhe permite de fazer uma experiência mística em que descobre o destino último dos ímpios e dos justos.
Nessa experiência de oração, consegue discernir a verdadeira realidade da humanidade: o malvado não tem futuro e será destruído. Aquela felicidade inicial foi só uma ilusão, um sonho que termina o quanto antes. O justo, no entanto, vive a grande esperança da imortalidade pela comunhão com Deus, Senhor de tudo e de todos. Portanto, é a proximidade com Deus que ajuda compreender a preciosidade da vida dos justos.

E o papa Francisco nos convida a entrar nessa lógica da contemplação no templo com a oração persistente: “Jesus exorta a rezar sem jamais se cansar. Todos experimentamos momentos de cansaço e desânimo, principalmente quando nossa oração parece ineficaz. Mas Jesus nos garante que Deus ouve prontamente seus filhos, mesmo que isso não signifique que o faça nos tempos e nas maneiras que nós queremos. A oração não é uma varinha mágica! Ela ajuda a conservar a fé em Deus e a confiar n’Ele mesmo quando não compreendemos a Sua vontade.”


Bendito seja o senhor! Só ele faz maravilhas!

comentários

Todos somos sedentos de justiça, desde o menor deste país até o maior. Encontro a toda hora gente que reclama de uma convivência entre as pessoas marcada pela desconfiança, corrupção e, sobretudo, queixando-se dos governantes e políticos. Aqueles que conduzem o país são continuamente alvo de críticas e queixas que não têm fim. Mas, eu me pergunto: por que chegamos a essa perturbada realidade? Não será essa situação que gera cada vez mais violência? A vida do povo está ameaçada! Será que há solução para isso? As Sagradas Escrituras, como sempre, nos iluminam. O Salmo 71 nos mostra que a justiça é construída com uma relação entre Deus e governante. É essa ligação que nos permite discernir e viver uma realidade de paz. Leia atentamente esse Salmo.

“Ó Deus, confiai ao rei os vossos juízos. Entregai a justiça nas mãos do filho real, para que ele governe com justiça vosso povo, e reine sobre vossos humildes servos com equidade. Produzirão as montanhas frutos de paz ao vosso povo; e as colinas, frutos de justiça. Ele protegerá os humildes do povo, salvará os filhos dos pobres e abaterá o opressor. Ele viverá tão longamente como dura o sol, tanto quanto ilumina a lua, através das gerações. Descerá como a chuva sobre a relva, como os aguaceiros que embebem a terra. Florescerá em seus dias a justiça, e a abundância da paz até que cesse a lua de brilhar. Ele dominará de um ao outro mar, desde o grande rio até os confins da terra. Diante dele se prosternarão seus inimigos, e seus adversários lamberão o pó. Os reis de Társis e das ilhas lhe trarão presentes, os reis da Arábia e de Sabá oferecer-lhe-ão seus dons. Todos os reis hão de adorá-lo, hão de servi-lo todas as nações. Porque ele livrará o infeliz que o invoca, e o miserável que não tem amparo. Ele se apiedará do pobre e do indigente, e salvará a vida dos necessitados. Ele o livrará da injustiça e da opressão, e preciosa será a sua vida ante seus olhos. Assim ele viverá e o ouro da Arábia lhe será ofertado; por ele hão de rezar sempre e o bendirão perpetuamente. Haverá na terra fartura de trigo, suas espigas ondularão no cume das colinas como as ramagens do Líbano; e o povo das cidades florescerá como as ervas dos campos. Seu nome será eternamente bendito, e durará tanto quanto a luz do sol. Nele serão abençoadas todas as tribos da terra, bem-aventurado o proclamarão todas as nações. Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, que, só ele, faz maravilhas. Bendito seja eternamente seu nome glorioso, e que toda a terra se encha de sua glória. Amém! Amém! Aqui terminam as preces de Davi, filho de Jessé.”

Esse salmo foi interpretado na figura do grande rei Salomão, qual exemplo de rei sábio, perfeito e ideal para a condução do povo. É com Salomão que se faz a verdadeira justiça. Quanto seria interessante que os governantes se espelhassem nesse grande rei. Assim sendo, o salmo focaliza, em primeiro lugar, a questão social qual a justiça e a defesa dos pobres. A defesa do pobre é um lugar comum no elogio monárquico oriental, mas em Israel a motivação é de natureza teológica: Deus protege o pobre, qual seu advogado defensor e o rei, como representante de Deus, deve ser garantia dessa proteção.

O rei também é mostrado conforme as estratégias de guerra, o grande triunfador, isto é, o triunfo do rei-messias, o consagrado, que, segundo a lógica do monarquismo, adquiria elementos cósmicos. Todas as nações se dobram ao rei de Israel e no mundo se abre uma nova realidade ascensional de riqueza: “Haverá na terra fartura de trigo, suas espigas ondularão no cume das colinas”. Imagino nos nossos tempos em que os governos buscam praticamente fazer o contrário, isto é, a riqueza está na exploração dos pobres e indefesos. Exatamente ao contrário do que o salmo nos prega.

Por isso, queremos afirmar com o salmo que o reino do rei ideal não tem nenhuma autonomia, mas se funda em Deus. O rei depende de Deus. O rei deve ser assim servidor tanto do Senhor quanto do povo. E a partir dessa realidade que podemos esperar novos rumos dos países e dos governos. Os novos ‘reis’ da terra, portanto, não podem fazer “uma economia idolátrica que precisa sacrificar vidas humanas no altar do dinheiro e da rentabilidade”, disse o papa Francisco. De fato, a idolatria nos afasta de Deus e, assim, não se consegue compreender e viver a maravilha da nossa vida.


I° dia mundial dos pobres

comentários

A Igreja católica apostólica romana celebra no dia 19.11.2017 o ‘1° dia mundial dos pobres’. Portanto, todas as igrejas devem celebra-la. O objetivo é motivar, estimular os cristãos a “amar não em palavras, mas com obras e com verdade”. Assim sendo, não podemos viver a nossa vocação cristã com palavras vazias, isto é de boca pra fora. Aqui segue parte do texto de sua Santidade papa Francisco a respeito: “«Quando um pobre invoca o Senhor, Ele atende-o» (Sl 34/33, 7). A Igreja compreendeu, desde sempre, a importância de tal invocação. Possuímos um grande testemunho já nas primeiras páginas do Atos dos Apóstolos, quando Pedro pede para se escolher sete homens «cheios do Espírito e de sabedoria» (6, 3), que assumam o serviço de assistência aos pobres. Este é, sem dúvida, um dos primeiros sinais com que a comunidade cristã se apresentou no palco do mundo: o serviço aos mais pobres. Tudo isto foi possível, por ela ter compreendido que a vida dos discípulos de Jesus se devia exprimir numa fraternidade e numa solidariedade tais, que correspondesse ao ensinamento principal do Mestre que tinha proclamado os pobres bem-aventurados e herdeiros do Reino dos céus (cf. Mt 5, 3).(…)

Vendiam terras e outros bens e distribuíam o dinheiro por todos, de acordo com as necessidades de cada um» (At 2, 45). Esta frase mostra, com clareza, como estava viva nos primeiros cristãos tal preocupação. O evangelista Lucas – o autor sagrado que deu mais espaço à misericórdia do que qualquer outro – não está a fazer retórica, quando descreve a prática da partilha na primeira comunidade. Antes pelo contrário, com a sua narração, pretende falar aos fiéis de todas as gerações (e, por conseguinte, também à nossa), procurando sustentá-los no seu testemunho e incentivá-los à ação concreta a favor dos mais necessitados. E o mesmo ensinamento é dado, com igual convicção, pelo apóstolo Tiago, usando expressões fortes e incisivas na sua Carta: «Ouvi, meus amados irmãos: porventura não escolheu Deus os pobres segundo o mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que O amam? Mas vós desonrais o pobre. Porventura não são os ricos que vos oprimem e vos arrastam aos tribunais? (…) De que aproveita, irmãos, que alguém diga que tem fé, se não tiver obras de fé? Acaso essa fé poderá salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e precisarem de alimento quotidiano, e um de vós lhes disser: “Ide em paz, tratai de vos aquecer e matar a fome”, mas não lhes dais o que é necessário ao corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se ela não tiver obras, está completamente morta» (2, 5-6.14-17).(…)

Contudo, houve momentos em que os cristãos não escutaram profundamente este apelo, deixando-se contagiar pela mentalidade mundana. Mas o Espírito Santo não deixou de os chamar a manterem o olhar fixo no essencial. (…)

Não pensemos nos pobres apenas como destinatários duma boa obra de voluntariado, que se pratica uma vez por semana, ou, menos ainda, de gestos improvisados de boa vontade para pôr a consciência em paz. Estas experiências, embora válidas e úteis a fim de sensibilizar para as necessidades de tantos irmãos e para as injustiças que frequentemente são a sua causa, deveriam abrir a um verdadeiro encontro com os pobres e dar lugar a uma partilha que se torne estilo de vida. Na verdade, a oração, o caminho do discipulado e a conversão encontram, na caridade que se torna partilha, a prova da sua autenticidade evangélica. E deste modo de viver derivam alegria e serenidade de espírito, porque se toca com as mãos a carne de Cristo. Se realmente queremos encontrar Cristo, é preciso que toquemos o seu corpo no corpo chagado dos pobres, como resposta à comunhão sacramental recebida na Eucaristia. O Corpo de Cristo, partido na sagrada liturgia, deixa-se encontrar pela caridade partilhada no rosto e na pessoa dos irmãos e irmãs mais frágeis. Continuam a ressoar de grande atualidade estas palavras do santo bispo Crisóstomo: «Queres honrar o corpo de Cristo?Não permitas que seja desprezado nos seus membros, isto é, nos pobres que não têm que vestir, nem O honres aqui no tempo com vestes de seda, enquanto lá fora O abandonas ao frio e à nudez» (Hom. in Matthaeum, 50, 3: PG 58).(…)

Portanto somos chamados a estender a mão aos pobres, a encontrá-los, fixá-los nos olhos, abraçá-los, para lhes fazer sentir o calor do amor que rompe o círculo da solidão. A sua mão estendida para nós é também um convite a sairmos das nossas certezas e comodidades e a reconhecermos o valor que a pobreza encerra em si mesma.(…)

Convido a Igreja inteira e os homens e mulheres de boa vontade a fixar o olhar, neste dia, em todos aqueles que estendem as suas mãos invocando ajuda e pedindo a nossa solidariedade.(…)

Aos irmãos bispos, aos sacerdotes, aos diáconos – que, por vocação, têm a missão de apoiar os pobres –, às pessoas consagradas, às associações, aos movimentos e ao vasto mundo do voluntariado, peço que se comprometam para que, com este Dia Mundial dos Pobres, se instaure uma tradição que seja contribuição concreta para a evangelização no mundo contemporâneo.

Que este novo Dia Mundial se torne, pois, um forte apelo à nossa consciência crente, para ficarmos cada vez mais convictos de que partilhar com os pobres permite-nos compreender o Evangelho na sua verdade mais profunda.”Franciscus

 


Ó meu deus, vós sois o meu auxilio pra toda hora

comentários

“Doutor, a minha vida acabou!” Era de manhã cedo quando um senhor procurou a residência de seu médico, todo desesperado. Estava sujo e mal vestido. Chorando, fala para o medico, entregando-lhe uma carta do laboratório: eis aqui a minha condenação! O doutor abre o envelope e vai folheando o resultado das análises do laboratório. Conclusão: detectado um câncer. Então, o paciente, com voz aflita e desesperada, quis entregar mais uma carta das suas últimas vontades. Porém, o sábio médico começou a lhe dizer que tudo isso não era o fim, mas sim que se podia combater com os recursos que a medicina sabia lhe propor. Tentou acalma-lo e devagar conseguiu lhe fazer entender que hoje em dia é possível vencer tudo isso. Imagino quantas pessoas se encontram nessas situações de vida e entram no desespero total. O que fazer perante uma situação como essa? A Palavra de Deus nos ajuda a respeito. O salmo 70 das Sagradas Escrituras nos diz:

“É em vós, Senhor, que procuro meu refúgio; que minha esperança não seja para sempre confundida. Por vossa justiça, livrai-me, libertai-me; inclinai para mim vossos ouvidos e salvai-me. Sede-me uma rocha protetora, uma cidadela forte para me abrigar: e vós me salvareis, porque sois meu rochedo e minha fortaleza. Meu Deus, livrai-me das mãos do iníquo, das garras do inimigo e do opressor, porque vós sois, ó meu Deus, minha esperança. Senhor, desde a juventude vós sois minha confiança. Em vós eu me apoiei desde que nasci, desde o seio materno sois meu protetor; em vós eu sempre esperei. Tornei-me para a turba um objeto de admiração, mas vós tendes sido meu poderoso apoio. Minha boca andava cheia de vossos louvores, cantando continuamente vossa glória. Na minha velhice não me rejeiteis, ao declinar de minhas forças não me abandoneis. Porque falam de mim meus inimigos e os que me observam conspiram contra mim, dizendo: Deus o abandonou; persegui-o e prendei-o, porque não há ninguém para o livrá-lo. Ó Deus, não vos afasteis de mim. Meu Deus, apressai-vos em me socorrer. Sejam confundidos e pereçam os que atentam contra minha vida, sejam cobertos de vergonha e confusão os que procuram minha desgraça. Eu, porém, hei de esperar sempre, e, dia após dia, vos louvarei mais. Minha boca proclamará vossa justiça e vossos auxílios de todos os dias, sem poder enumerá-los todos. Os portentos de Deus eu narrarei, só a vossa justiça hei de proclamar, Senhor. Vós me tendes instruído, ó Deus, desde minha juventude, e até hoje publico as vossas maravilhas. Na velhice e até os cabelos brancos, ó Deus, não me abandoneis, a fim de que eu anuncie à geração presente a força de vosso braço, e vosso poder à geração vindoura, e vossa justiça, ó Deus, que se eleva à altura dos céus, pela qual vós fizestes coisas grandiosas. Senhor, quem vos é comparável? Vós me fizestes passar por numerosas e amargas tribulações para, de novo, me fazer viver e dos abismos da terra novamente me tirar. Aumentai minha grandeza, e de novo consolai-me. Celebrarei então vossa fidelidade nas cordas da lira, eu vos cantarei na harpa, ó Santo de Israel. Meus lábios e minha alma que resgatastes exultarão de alegria quando eu cantar a vossa glória. E, dia após dia, também minha língua exaltará vossa justiça, porque ficaram cobertos de vergonha e confusão aqueles que buscavam minha perdição.”

O fiel que aqui faz a sua oração manifesta toda a sua tristeza e amargura das provas da vida presente e revela, ao mesmo tempo, sua saudade ao passado de paz e tranquilidade. A situação que ele está passando parece uma catástrofe total, mas tem um único fio de esperança que lhe resta: a confiança em Deus. Por isso, não se cansará nunca de louva-Lo. Esse poder ninguém pode lhe tirar. Nenhum opressor ou perseguidor da sua vida. Portanto, a confiança em Deus é o seu refúgio que lhe resta, para sempre. O fiel aqui nos dá um testemunho da espiritualidade da velhice, uma velhice, porém, não tanto cronológica, mas quanto uma fase existencial.

O que é importante em tudo isso é a descoberta de valores que marcam a vida pessoal. E quais são os valores a serem perseguidos? Como nos testemunha esse hino, o primeiro valor é a confiança em Deus, nosso verdadeiro refúgio. Tudo dependemos Dele. O segundo valor é ter essa capacidade de mantermos fiéis a Ele não obstante as provas da vida, por quanto duras sejam. O terceiro valor é a esperança em que se deposita toda a certeza que Deus não abandona as suas criaturas. E por último tem o valor da música, do louvor, da beleza que resplandece a vida. E a velhice nos ensina muita coisa a respeito, pela sua experiência de vida. E o papa Francisco nos garante que “A velhice é a sede do conhecimento.”


Dia mundial das missões

comentários

Nesse domingo, 22.10.2017, a Igreja celebra o dia mundial das Missões. É uma data de extrema importância que marca o nosso ser cristão e o nosso pertencer à Igreja. Aproveito resgatar aqui uma boa parte da mensagem para o dia mundial das Missões do papa Francisco para refletir melhor sobre a Missão. Devemos meditar e contemplar quanto é importante a vocação missionária da própria Igreja e de todos nós que fazemos parte dela.Na ‘Redmptoris Missio’ descreve uma das características do missionário: ‘Viver as Bem-aventuranças’. “O missionário experimenta e demonstra concretamente que o Reino de Deus já chegou, e ele já o acolheu. A característica de qualquer vida missionária autêntica é a alegria interior que vem da fé. Num mundo angustiado e oprimido por tantos problemas, que tende ao pessimismo, o proclamador da « Boa Nova » deve ser um homem que encontrou, em Cristo, a verdadeira esperança.” E o papa Francisco continua: “A Igreja é, por sua natureza, missionária; se assim não for, deixa de ser a Igreja de Cristo, não passando duma associação entre muitas outras, que rapidamente veria exaurir-se a sua finalidade e desapareceria.”(…)

“A missão da Igreja não é a propagação duma ideologia religiosa, nem mesmo a proposta duma ética sublime. No mundo, há muitos movimentos capazes de apresentar ideais elevados ou expressões éticas notáveis. Diversamente, através da missão da Igreja, é Jesus Cristo que continua a evangelizar e agir; e, por isso, aquela representa o kairós, o tempo propício da salvação na história. Por meio da proclamação do Evangelho, Jesus torna-Se sem cessar nosso contemporâneo, consentindo à pessoa que O acolhe com fé e amor experimentar a força transformadora do seu Espírito de Ressuscitado que fecunda o ser humano e a criação, como faz a chuva com a terra. «A sua ressurreição não é algo do passado; contém uma força de vida que penetrou o mundo. Onde parecia que tudo morreu, voltam a aparecer por todo o lado os rebentos da ressurreição. É uma força sem igual» (Exort. ap. Evangelii gaudium, 276).

Lembremo-nos sempre de que, «ao início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo» (Bento XVI, Carta. enc. Deus caritas est, 1). O Evangelho é uma Pessoa, que continuamente Se oferece e, a quem A acolhe com fé humilde e operosa, continuamente convida a partilhar a sua vida através duma participação efetiva no seu mistério pascal de morte e ressurreição. Assim, por meio do Batismo, o Evangelho torna-se fonte de vida nova, liberta do domínio do pecado, iluminada e transformada pelo Espírito Santo; através da Confirmação, torna-se unção fortalecedora que, graças ao mesmo Espírito, indica caminhos e estratégias novas de testemunho e proximidade; e, mediante a Eucaristia, torna-se alimento do homem novo, «remédio de imortalidade» (Inácio de Antioquia, Epistula ad Ephesios, 20, 2).

O mundo tem uma necessidade essencial do Evangelho de Jesus Cristo. Ele, através da Igreja, continua a sua missão de Bom Samaritano, curando as feridas sanguinolentas da humanidade, e a sua missão de Bom Pastor, buscando sem descanso quem se extraviou por veredas enviesadas e sem saída. E, graças a Deus, não faltam experiências significativas que testemunham a força transformadora do Evangelho. Penso no gesto daquele estudante «dinka» que, à custa da própria vida, protege um estudante da tribo «nuer» que ia ser assassinado. Penso naquela Celebração Eucarística em Kitgum, no norte do Uganda – então ensanguentado pelas atrocidades dum grupo de rebeldes –, quando um missionário levou as pessoas a repetirem as palavras de Jesus na cruz: «Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonaste?» (Mc 15, 34), expressando o grito desesperado dos irmãos e irmãs do Senhor crucificado. Aquela Celebração foi fonte de grande consolação e de muita coragem para as pessoas. E podemos pensar em tantos testemunhos – testemunhos sem conta – de como o Evangelho ajuda a superar os fechamentos, os conflitos, o racismo, o tribalismo, promovendo por todo o lado a reconciliação, a fraternidade e a partilha entre todos.(…)

A missão da Igreja é animada por uma espiritualidade de êxodo contínuo. Trata-se de «sair da própria comodidade e ter a coragem de alcançar todas as periferias que precisam da luz do Evangelho»
A missão adverte a Igreja de que não é fim em si mesma, mas instrumento e mediação do Reino. Uma Igreja autorreferencial, que se compraza dos sucessos terrenos, não é a Igreja de Cristo, seu corpo crucificado e glorioso. Por isso mesmo, é preferível «uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças» (Papa Francisco)

 


As novidades estimulam as crianças

comentários

Desde muito cedo, as crianças têm uma própria representação do mundo, um jeito de perceber e entender a realidade existente. Os pequenos são capazes de notar quando um objeto se comporta de maneira natural ou completamente imprevista. Isto nos confirma pesquisas e estudos sobre o mundo infantil. Portanto, bebês com menos de um ano são capazes de fazer previsões do mundo que os circundam. E quando essas previsões não correspondem às perspectivas deles, ficam surpreendidos. Como? Os olhos se arregalam, fixam o objeto e depois mudam de expressão. E como reagem as crianças quando são atordoadas por esses conhecimentos?

Quando isso ocorre, elas aproveitam para apreender mais sobre o objeto em questão e também explorar mais o mundo que está ao redor delas. Praticamente, comportam-se como minis pesquisadores, tentando confirmar suas expectativas. No final das contas, poderíamos dizer: as hipóteses que se formularam no próprio mundo intelectual buscam próprias confirmações. As crianças escondem nos cérebros segredos que são instrumentos de aprendizagem. Um estudo feito por duas pesquisadoras americanas, Aimee E. Stahl e Lisa Feigenson, e publicado na prestigiada revista científica ‘Science’, confirma tudo isso.
Ligadas à Universidade Johns Hopkins, elas observaram o processo do conhecimento das crianças, que têm uma pequena bagagem de experiência, mas que ainda não aprenderam a falar. De fato, essa curiosidade existe em todos nós adultos em saber até que ponto a criança compreende ou quer compreender. Até que ponto entende as coisas. Em suma, todos nós queremos nos colocar no mundo da compreensão da criança para ter uma interatividade mais completa. Assim declarou a pesquisadora Lisa Feigenson: “Para as crianças, o mundo é um lugar incrivelmente complexo e cheio de estímulos dinâmicos. Como eles sabem o que focar e o que mais aprender e, no entanto, o que ignorar?”

Mais adiante, a pesquisadora diz: “A nossa pesquisa nos sugere que as crianças usam o que já sabem do mundo para elaborar as previsões. Quando estas previsões se demonstram erradas, as crianças usam esta surpresa como uma especial oportunidade de aprendizagem.” Ela esclarece se as crianças têm dificuldades de descrever o mundo, o que as circundam, porém, têm um modo próprio delas comunicarem aquilo que conhecem e aquilo que não conhecem, através do olhar. É o olhar delas que revela o conhecimento. De fato, os cientistas, há muito tempo, sabem que as crianças olham por mais tempo e com mais insistência algo que os adultos julgam surpreendente e que se comporta de maneira inesperada.

Uma surpresa, nesse sentido, é ser tudo isso que contradiz as expectativas, como por exemplo, dizem os cientistas, uma bola que cai numa descida de um morro e que, no entanto, no lugar de ser bloqueada por um muro parece atravessa-lo. A partir dessa imagem, Stahl e Feigenson tentaram entender o que ia acontecer ao nível de conhecimento depois de um evento surpreendente no cérebro das crianças de apenas 11 meses. Resposta: algumas crianças mostraram uma sequencia esperada, isto é, que a bola que desce se bloqueia quando alcança um muro; porém, outras, o evento inesperado, isto é a bola que parecia atravessar o muro.
Depois disso, as pesquisadoras ensinaram às crianças que a bola emitia também um som se sacudida, observando que as crianças que foram surpreendidas aprenderam mais que as outras. Quando as pesquisadoras no lugar de ensinar deixavam livres as crianças de brincar com a mesma bola e foram surpreendidas pelo evento (atravessar, por exemplo, o muro) se entretinham mais com a bola quase a querer perscrutar os tais secretos, o fenômeno. No entanto, as crianças que tinham visto o evento típico da bola bloqueada pelo muro não mostravam preferência pela bola, não davam muita atenção a ela, contrariamente daquelas ficaram surpreendidas.

O que quer dizer tudo isso? As pesquisadoras Stahl e Feigenson chegaram à conclusão que os eventos que contradizem as previsões, as surpresas, são uma oportunidade para as crianças apreenderem, e não em maneira reflexiva, mas com comportamentos que buscam de compreender os aspectos que estão em desacordo com as expectativas. Doutora Feigenson afirma: “Quando as crianças são surpreendidas aprendem muito melhor, como se quisessem compreender algo melhor.” Creio que isto nos ajude como melhor nos relacionar com as crianças em relação à educação como um todo.


Viva o Círio!

comentários

Maria, “estrela da evangelização”, ajuda-nos a discernir o verdadeiro poder dos filhos e filhas de Deus que não podem confundi-lo com o dos ‘homens’, porque o poder de Deus é misericórdia, é amor infinito. O Círio 2017 quer testemunhar como a Virgem Nazaré é a verdadeira e grande servidora desse poder de Deus. Essa grande manifestação religiosa paraense testemunha a perfeita sintonia com a Virgem de Nazaré.
E por essa proximidade do povo paraense com Maria leva a contagiar todo o povo amazônico. É uma festividade que congrega e une as pessoas. É uma maneira de expressar sua religiosidade, rica em emoções e gestos heroicos de solidariedade. Nessa prodigiosa manifestação, o paraense se sente povo de Deus que busca adesão ao seu Senhor, e se percebe livre para transbordar tudo aquilo que tem na vida e no seu coração. Mesmo que alguns devotos expressem sua fé de modo estranho ao catolicismo tradicional, essa vontade de se abrir a Deus é considerada rica de valores para serem exploradas. Por meio da devoção à Virgem de Nazaré, vejo nas pessoas uma grande sede de Deus. De fato, cada povo manifesta esse desejo do seu modo e de acordo com sua maneira de ser. Assim sendo, não podemos tentar catalogar a festa religiosa como sendo de classe ‘A’ ou classe ‘B’. Antes, contém, com frequência, um profundo sentido de Deus e dos seus atributos como a paternidade, a providência, a presença amorosa e a misericórdia. O Círio é de todos, também daqueles que, às vezes, nem frequentam a Igreja ou de outras denominações que não pertencem à Igreja Católica Apostólica Romana.

Segundo os “Padres da Igreja”, depois de Jesus, é Maria a pessoa mais importante. Jesus revela o Pai, mas quem ajuda a chegar a Jesus é Maria. Ela é uma pessoa como nós, mas foi preservada do pecado por Deus. Essa grandeza pode explicar a devoção popular a Maria.

E a devoção e o amor à Maria é um incentivo constante do culto divino para fazermos a experiência da nossa condição de filhos e filhas de Deus. Círio é fazer uma experiência de fé. Essa religiosidade tão rica, mas ao mesmo tempo vulnerável, acolhe com grande sensibilidade os valores inegáveis que ajudam a fazer um verdadeiro encontro com Deus, em Jesus Cristo. Círio, isto é, Nossa Senhora de Nazaré, é uma imensa oportunidade de realizar tudo isso. O ser humano precisa de mediações e, sobretudo, daquelas que lhes são mais concernentes com a sua realidade. Maria de Nazaré foi como uma de nós. Por seu exemplo, os devotos recebem incentivos para imita-la em como ser bons cristãos. É verdade também que há pessoas, nessas circunstâncias, qual do Círio, que podem se deixar levar ao perigo das superstições, a se limitar a uma manifestação cultural e nada mais, e a outras deformações. Mas é também verdade que o Círio pode ajudar a uma verdadeira evangelização através do desejo ardente de Deus, capacidade de incentivar a fraternidade com gestos abnegados e alimentar processos de despojamento e abertura aos outros.

Portanto, essa manifestação de fé no Círio de Nazaré não exclui nem sequer ofusca a mediação universal e insubstituível de Cristo, o qual permanece sempre o caminho por excelência para o encontro com Deus, como ensina o Concílio Vaticano II. Celebrar mais um Círio é uma extraordinária oportunidade de resgatar e estimular a nossa condição de filhos e filhas de Deus. Com Maria, “Estrela da Evangelização”, temos mais sensibilidade para abrir-nos ao Deus de Jesus Cristo. Assim sendo, a devoção mariana nos alimenta a sermos uma Igreja cada vez mais viva e corajosa. “Hão de chamar-me bem-aventurada todas as gerações (Lc 1, 48)”, disse Maria, no seu cântico profético. “Bendita sois entre as mulheres, e bendito o fruto do vosso ventre, Jesus”, lhes respondem os cristãos paraenses e do mundo todo.

Concluindo, o papa Francisco nos diz: “A alegria plena se exprime com a voz de Maria na estupenda oração do Magnificat: É o canto de louvor a Deus que opera grandes coisas por meio das pessoas humildes, desconhecidas para o mundo, como é a própria Maria, como é o seu esposo José, e como é também o local onde vivem, Nazaré. As grandes coisas que Deus fez com as pessoas humildes! As grandes coisas que o Senhor faz no mundo com os humildes, porque a humildade é como um vazio, que deixa espaço para Deus. O humilde é poderoso, não porque é forte. E esta é a grandeza do humilde, da humildade”. E acrescentou o Santo Padre: “Gostaria então de perguntar a cada um de vós e também a mim mesmo: Como está a minha humildade?”
Feliz Círio!


Feliz aquele cujo pecado foi perdoado

comentários

Quem realmente acredita e tem fé em Deus reconhece que o maior perigo da vida é o pecado. Infelizmente, a sociedade que parece dar preferência ao puro materialismo, à ganância, ao poder como verdadeiras opções de garantias de vida nem percebe a presença do pecado nem sabe o que é ou não o reconhece. Faz de conta que não existe. Pensamentos como esses refletem uma sociedade concentrada na materialidade. Tudo em função daquilo que se consome. E a felicidade consiste somente em ter cada vez mais para consumir. Uma ótica como essa não permite discernir a vida como um todo, na sua objetividade. É difícil, assim, fazer uma experiência além da matéria, reconhecer a vida como além daquilo que enxergamos. Deus, assim, não tem lugar na ‘nossa mesa’. Mas aquele que busca a sua vida em Deus reconhece o quanto estamos longe Dele ou falhamos com Ele. E aí sente o peso do pecado. Não por acaso, os santos se acham os maiores pecadores do mundo, porque justamente experimentam o quanto é grande a incapacidade de seguir a Deus. A leitura do salmo 31 das Sagradas Escrituras nos ilumina a respeito disso:

“Feliz aquele cuja iniquidade foi perdoada, cujo pecado foi absolvido. Feliz o homem a quem o Senhor não argui de falta, e em cujo coração não há dolo. Enquanto me conservei calado, mirraram-se-me os ossos, entre contínuos gemidos. Pois, dia e noite, vossa mão pesava sobre mim; esgotavam-se-me as forças como nos ardores do verão. Então, eu vos confessei o meu pecado, e não mais dissimulei a minha culpa. Disse: Sim, vou confessar ao Senhor a minha iniquidade. E vós perdoastes a pena do meu pecado. Assim também todo fiel recorrerá a vós, no momento da necessidade. Quando transbordarem muitas águas, elas não chegarão até ele. Vós sois meu asilo, das angústias me preservareis e me envolvereis na alegria de minha salvação. Vou te ensinar, dizeis, vou te mostrar o caminho que deves seguir; vou te instruir, fitando em ti os meus olhos: não queiras ser sem inteligência como o cavalo, como o muar, que só ao freio e à rédea submetem seus ímpetos; de outro modo não se chegam a ti. São muitos os sofrimentos do ímpio. Mas quem espera no Senhor, sua misericórdia o envolve. Ó justos, alegrai-vos e regozijai-vos no Senhor. Exultai todos vós, retos de coração.”

O fiel desse salmo reconhece que o pecado, que ameaça a vida, pesa fortemente na consciência da pessoa e esgota as suas forças. O pecado atinge até o físico. Mas aquilo que o autor dessa oração quer evidenciar é o aspecto positivo do perdão, e por isso aconselha qual é o verdadeiro rumo que o ser humano deve percorrer: “vou te mostrar o caminho que deves seguir”. Assim sendo testemunha o suplicante que é oportuno agradecer constantemente a Deus e convida ao mesmo tempo o ser humano a não se entregar a ação selvagem do pecado: “não queiras ser sem inteligência como o cavalo”. O salmo nos mostra o sentido do pecado por três verbos: absolvido, perdoado e não argui de falta.

O primeiro verbo ‘absolvido’ significa que Deus nos tira um peso que nós carregamos permitindo assim respirar na nossa vida. O segundo verbo ‘perdoado’ quer dizer que o pecado foi cancelado, anulado pela ação eficaz de Deus. E o terceiro ‘não argui de falta’ diz que o pecado não faz mais parte da lista das obras do ser humano. Estamos perante uma remissão plena da culpa. Assim sendo, o ser humano que se converte e é perdoado se torna um verdadeiro fiel, um testemunho para os outros. Por isso todo fiel, nas trevas do pecado, suplica o Senhor para ser liberto. É essa experiência de libertação que leva o perdoado a aclamar com profunda alegria: ‘Alegrai-vos e regozijai-vos no Senhor’.

Os puros de coração poderão se associar aos justos para louvar e agradecer a Deus por ter-lhes perdoados, libertando-os do mal e assim proporcionando-os como umas criaturas novas. Este salmo é um incentivo para todos a confiarmos na invocação constante do Senhor, qual verdadeira nossa esperança de vida. E, para nós cristãos, o santo padre papa Francisco nos orienta: “Jesus nos ensina sobre o perdão. Primeiro: pedir perdão não é um simples pedido de desculpas, é ter consciência do pecado, da idolatria que eu fiz, das tantas idolatrias. Segundo: Deus sempre perdoa, sempre. Mas pede que eu perdoe. Se eu não perdoo, fecho as portas ao perdão de Deus. ‘Perdoai-nos os nossos pecados assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido’”. Portanto, essa libertação do pecado por Deus depende também de nós desejarmos ardentemente tudo isso. É nisso que consiste a nossa alegria.


Salvai-me, ó Deus !

comentários

Porque somos peregrinos estamos sujeitos a tantas provas. Às vezes, são demais pesadas. A leitura do salmo 68, das Sagradas Escrituras, pode ajudar compreender a nossa condição de seres humanos.
“Salvai-me, ó Deus, porque as águas me vão submergir. Estou imerso num abismo de lodo, no qual não há onde firmar o pé. Vim a dar em águas profundas, encobrem-me as ondas. Já cansado de tanto gritar, enrouqueceu-me a garganta. Finaram-se-me os olhos, enquanto espero meu Deus. Mais numerosos que os cabelos de minha cabeça são os que me detestam sem razão. São mais fortes que meus ossos os meus injustos inimigos. Porventura posso restituir o que não roubei? Vós conheceis, ó Deus, a minha insipiência, e minhas faltas não vos são ocultas. Os que esperam em vós, ó Senhor, Senhor dos exércitos, por minha causa não sejam confundidos. Que os que vos procuram, ó Deus de Israel, não tenham de que se envergonhar por minha causa, pois foi por vós que eu sofri afrontas, cobrindo-se-me o rosto de confusão. Tornei-me um estranho para meus irmãos, um desconhecido para os filhos de minha mãe. É que o zelo de vossa casa me consumiu, e os insultos dos que vos ultrajam caíram sobre mim. Por mortificar minha alma com jejuns, só recebi ultrajes. Por trocar minhas roupas por um saco, tornei-me ludíbrio deles. Falam de mim os que se assentam às portas da cidade, escarnecem-me os que bebem vinho. Minha oração, porém, sobe até vós, Senhor, na hora de vossa misericórdia, ó Deus. Na vossa imensa bondade, escutai-me, segundo a fidelidade de vosso socorro. Tirai-me do lodo, para que não me afunde. Livrai-me dos que me detestam, salvai-me das águas profundas. Não me deixeis submergir nas muitas águas, nem me devore o abismo. Nem se feche sobre mim a boca do poço. Ouvi-me, Senhor, pois que vossa bondade é compassiva; em nome de vossa misericórdia, voltai-vos para mim. Não escondais ao vosso servo a vista de vossa face; atendei-me depressa, pois estou muito atormentado. Aproximai-vos de minha alma, livrai-me de meus inimigos. Bem vedes minha vergonha, confusão e ignomínia. Ante vossos olhos estão os que me perseguem: seus ultrajes abateram meu coração e desfaleci. Esperei em vão quem tivesse compaixão de mim, quem me consolasse, e não encontrei. Puseram fel no meu alimento, na minha sede deram-me vinagre para beber. Torne-se a sua mesa um laço para eles, e uma armadilha para os seus amigos. Que seus olhos se escureçam para não mais ver, que seus passos sejam sempre vacilantes. Despejai sobre eles a vossa cólera, e os atinja o fogo de vossa ira. Seja devastada a sua morada, não haja quem habite em suas tendas, porque perseguiram aquele a quem atingistes, e aumentaram a dor daquele a quem feristes. Deixai-os acumular falta sobre falta, e jamais sejam por vós reconhecidos como justos. Sejam riscados do livro dos vivos, e não se inscrevam os seus nomes entre os justos. Eu, porém, miserável e sofredor, seja protegido, ó Deus, pelo vosso auxílio. Cantarei um cântico de louvor ao nome do Senhor, e o glorificarei com um hino de gratidão. E isto a Deus será mais agradável que um touro, do que um novilho com chifres e unhas. Ó vós, humildes, olhai e alegrai-vos; vós que buscais a Deus, reanime-se o vosso coração, porque o Senhor ouve os necessitados, e seu povo cativo não despreza. Louvem-no os céus e a terra, os mares e tudo o que neles se move. Sim, Deus salvará Sião e reconstruirá as cidades de Judá; para aí hão de voltar e a possuirão. A linhagem de seus servos a receberá em herança, e os que amam o seu nome aí fixarão sua morada.”

Esta cumprida oração foi muita usada na tradição cristã. Por exemplo, Santo Hilário de Poitiers (IV séc. França) discernia nessa oração toda a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo. Esta oração se pode subdividir em duas protestas: a Deus e aos inimigos. A Deus pelo mal pessoal que é descrito através da tradicional interação entre o campo biológico e o campo ético. Uma pessoa destruída pela dor, pelo sofrimento, manifesta também uma profunda solidão e, ao mesmo tempo, uma grande humilhação. A ícone de tudo isso é o dilúvio. O mal é como se fosse aguas profundas que tudo submergem e levam para o abismo. No entanto, o mal que vem de fora é representado pelos inimigos, aos quais o autor desse salmo lhes dirige uma violenta imprecação e maldição.

De fato, desde os primeiros versículos aparecem tramando acusações contra o fiel em oração. Como se comportar perante tanta maldade? O fiel aposta no julgamento de Deus. É Ele que o vingará e o protegerá. Interessante notar que a maldição que mais se destaca é: “Puseram fel no meu alimento, na minha sede deram-me vinagre para beber”. Os inimigos tinham tentado envenenar o alimento do fiel e dar-lhe vinagre por bebida. Este salmo termina com um agradecimento comunitário, porque embora o presente seja marcado pela dor e sofrimento, o futuro será glorioso e libertador. Realmente, na oração bíblica, a confiança em Deus que liberta e socorre tem sempre a última palavra. Assim sendo, a nossa vida por quanto seja oprimida e sofredora é sempre cheia de esperança de um Deus que não nos abandona.