Mourão e a Amazônia Legal

comentários

Nesta terça-feira, 21, o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Bolsonaro, anunciou em Davos, Suíça, durante a realização do Fórum Econômico Mundial, a necessária criação do Conselho da Amazônia e da Força Nacional Ambiental. Quem ficará diretamente responsável pela coordenação dos trabalhos de planejamento e funcionalidade do Conselho e da Força Nacional Ambiental será o Vice-Presidente da República, general Hamilton Mourão, idealizador da proposta.

Baseado numa visão de sustentabilidade ambiental, Mourão prevê para março o início das atividades do Conselho com foco na conservação do meio ambiente, defesa e desenvolvimento. O conselho deverá ser composto por representantes de alguns ministérios tais como do meio ambiente, infraestrutura e desenvolvimento regional.Sob a guarda do Conselho ficará a questão da regularização fundiária e a agenda da bioeconomia.

 

Qual o objetivo do Conselho da Amazônia?

Ajudar na economia e atrair investimentos para o Brasil de acordo com o que preconiza os princípios da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico-OCDE, ou seja, a democracia representativa e as regras da economia de mercado.

De acordo com o Vice-Presidente, Hamilton Mourão“faltam hoje ao governo comando, controle e coordenação de políticas públicas voltadas para a região amazônica. O problema do meio ambiente é transversal – saúde, defesa, educação. Ele não pertence só ao ministério do meio ambiente, infraestrutura ou desenvolvimento regional. Tem que ter um organismo que controle isso e coordene as atividades. Temos de dar respostas corretas ao que está ocorrendo no mundo”!

A Força Nacional Ambiental poderá ser acionada, sempre que necessário,para ações de segurança pública mediante solicitação de governadores ou ainda em atividades operacionais de apoio à Polícia Federal ea outros órgãos federais. A estrutura da Força Nacional Ambiental será semelhante à Força Nacional de Segurança Pública, apenas com um diferencial específico voltado à proteção da Amazônia.Poderá ser usado parte dos R$ 430 milhões resultantes da Operação Lava-Jato, para criação da Força Nacional Ambiental. Os nove estados que compõe a Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) deverão obrigatoriamente utilizar o recurso para a preservação da região.

Na avaliação do cientista político Rodrigo Prando, “ Mourão conhece bem a região amazônica e será capaz de fazer um bom trabalho no cargo. É um militar de alta patente. Tem capacidade intelectual diferenciada e consegue administrar e organizar um grupo de conselho interdisciplinar”, enfatiza.

A Amazônia Legal foi criada através da Lei 1.806, de 06 de janeiro de 1953.

Infelizmente, a teoria preservacionista, que defende na Amazônia a intocabilidade da floresta e nega a miséria humana e o atraso econômico das comunidades ribeirinhas, agrícolas, afrodescendentes e indígenas, historicamente só deixou um legado perverso de atraso e o aumento no índice de pessoas abaixo da linha de pobreza.

Conservar de forma sustentável, a Amazônia Legal, através de projetos sustentáveis, com selo de qualidade, gerando emprego e renda para as comunidades tradicionais, agrícolas e ribeirinhas, com certeza é o caminho mais inteligente para um salutar desenvolvimento regional amazônico.

Deste grande território nacional amazônico, solo fértil, e de imensos tesouros, bravos guerreiros brasileiros já expulsaram franceses, holandeses, ingleses, aventureiros e traidores. A Amazônia jamais será internacionalizada! Ele continuará sendo, através de gerações e gerações, um espaço territorial de domínio público brasileiro e de total soberania nacional.


O Brasil e a OCDE

comentários

O Brasil já é considerado prioridade da fila para integrar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE, isso se depender do apoio governamental dos Estados Unidos da América que já não vê com bons olhos o governo recentemente eleito,da Argentina, antes considerada uma séria concorrente ao estado brasileiro.

A promessa americana de que a nação brasileira entraria na OCDE ocorreu em março do ano passado, na Casa Branca, dita pelo próprio presidente americano, Donald Trump, ao presidente da República Federativa do Brasil, Jair Bolsonaro. A consolidação dessa promessa vem ultimamente ocorrendo após vários entendimentos mantidos entre o Itamaraty e a diplomacia americana.

De acordo com o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, “ a inflexão política na Argentina ajudou a acelerar o processo de apoio dos americanos à candidatura brasileira.Todas as suas sinalizações de política pública parecem se afastar dos princípios que são preconizados pela OCDE. É natural que a maior economia da OCDE tenha que priorizar outro candidato, que no caso é o Brasil.

Marcos Troyjo avalia três grandes vantagens na adesão:

“ Acelera as reformas ao fortalecer as instituições, vira a chave do cofre de fontes de liquidez que hoje enfrentam restrições para aplicar o dinheiro no Brasil e permite a participação em acordos em outras esferas além de tarifas e cotas”.

Mas a pergunta que não quer calar é:

Porque o Brasil, um país de dimensão continental, rico em riquezas naturais, somente agora pleiteia e com sucesso conquista apoio para seu ingresso na OCDE?

Essa pergunta, caros leitores, deve ser feita ao Luizinho, dona Dilma e antecedentes que não tiveram a competência para entrar neste bonde. E perdemos esse bonde, durante muito tempo. O mais hilário nessa história toda é justamente nós, residentes de um país rico e de dimensão continental, concorrermos com o Peru, Romênia, Colômbia, Cazaquistão e Costa Rica, por exemplo. Mas, ao que tudo indica, pelo andar da carruagem, estamos dentro!

A Organização para a Cooperação Econômica Europeia – OECE foi criada em 1948, três anos após o fim da Segunda Grande Guerra Mundial (1938/1945). Financiada pelos Estados Unidos, seu objetivo inicial era reconstruir o continente destruído pela guerra. Devido ao sucesso da organização em promover ações de resultados, Estados Unidos e Canadá uniram-se aos membros pertencentes a OECE e criaram a OCDE no dia 30 de setembro de 1961.

Atualmente, a organização conta com 36 membros, que economicamente se ajudam após identificar, discutir e analisar problemas, promovendo assim políticas capazes, com bons resultados.  São eles: Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, Coreia do Sul, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, México, Nova Zelândia, Noruega, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia, Suíça e Turquia.

 

Objetivo principal da OCDE:

Discutir políticas públicas e econômicas que os orientem.

 

Princípios da OCDE:

Os países integrantes da OCDE apoiam os princípios da democracia representativa e as regras da economia de mercado.

Sua sede, até hoje, é localizada em Paris, França, no Château de laMuette, epossui um histórico de relevantes serviços prestados a diversos países.

 


O Divino Mestre, Madalena e o Porta dos Fundos

comentários

Não bastassem as maluquices do senhor Olavo, Sérgio Camargo e Mantovani, eis que inesperadamente e não mais que de repente resolve aparecer um grupo de malucos sensacionalistas com a intenção de chamar a atenção pública e tentar ganhar fama e dinheiro com um festival de bobagens intitulado “ A Primeira Tentação de Cristo”, um especial de Natal do grupo Porta dos Fundos, com apoio da Netflix, que pegou muito mal perante a opinião pública.

Independentemente da liminar expedida nesta quarta-feira (08/01) pela 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, assinada pelo desembargador Benedicto Abicair, proibindo a exibição do especial, e dos diversos protestos populares também contrários a exibição do tal especial, ela, a produção dita especial, por si só, já é um atestado de ignorância explícita e burrice histórica contra as últimas pesquisas históricas, antropológicas e arqueológicas sobre Jesus e Maria Madalena. Portanto, tudo não passa de um produto altamente apelativo!

Estamos ultimamente cercados de malucos! E por favor, não me venham chamar de homofóbico!

Sou membro dos Grupos Liberdade Religiosa e Diversidade Amapá e idealizador do I e II Encontro da Diversidade Cultural e Religiosa no Estado do Amapá, eventos realizados no Museu Sacaca em 2016 e 2017. A questão aqui é bem outra, pois trata-se de uma puta desinformação e aberração que depõe contra a pesquisa científica sobre estas duas Grandes Luzes idealizadores e propagadores do cristianismo primitivo: Jesus e Maria Madalena!

Não bastasse a aberração histórica mantida por séculos, de que Maria Madalena era prostituta, e as últimas descobertas ou pesquisas científicas apontam que não, aparece mais esta aberração:

Jesus não gostava de mulher!

Olhem e observem a Santa Ceia, de Leonardo da Vinci, obra negada pela Igreja Católica, e verão que quem realmente está do lado direito do Divino Mestre é nada mais e nada menos que Maria Madalena, que exercia forte influência cultural em sua época, também negado pela Igreja. E basta observar os traços finos no desenho do rosto, que obviamente não são masculinos. Da Vinci, além de gênio, sabia perfeitamente o que fazia.

Leiam e interpretem a Carta de Públio Lentulus, Legado na Galileia, intitulada atualmente como O Retrato de Jesus. É um documento histórico, cientificamente incontestável, pela sua própria natureza, que realmente remete à época de Jesus. O documento desmascara mais uma mentira mantida por séculos, através das imagens de barro, de que Jesus tinha olhos azuis e era branco. E o que fez Jesus Cristo dos treze aos trinta anos? Foi iniciado em doutrinas esotéricas? Teve dotes paranormais como evidentemente a Bíblia mostra através de figuras de linguagem? Viveu na Índia até a velhice, com mulher e filhos?

Estas e outras respostas você pode encontrar pesquisando no History Channel, National Geographic Society, Wikipédia, etc. São documentários sérios e bem elaborados que mostram claramente quão avançadas estão as pesquisas quando a apaixonante temática é Jesus e Maria Madalena.

O nome Jesus também significa Sol da Justiça e ele não nasceu no dia 25 de dezembro. Simplesmente a data coincide com o Solstício de Inverno do Hemisfério Norte, quando uma série de festas pagãs, muito anteriores ao nascimento de Cristo, já aconteciam em homenagem a divindades ligadas ao Sol e a outros astros. Ao que tudo indica, o dia foi adotado pelos católicos primitivos na esperança de cristianizar uma festa pagã.Portanto, todo este acervo de pesquisa, por si só, já daria um excelente roteiro de filme.

Em que fonte vocês acham que Dan Brown (Daniel Gerhard Brown) bebeu para produzir o grande e premiadíssimo sucesso de bilheteria, O Código da Vinci?

Então senhores, parem de produzir merda!

Procurem combater de forma inteligente e criativa a intolerância cultural, religiosa e de gênero evidenciando as formas brutais de violência que vem ultimamente ocorrendo no Brasil e no mundo, principalmente contra a cultura e religiões de matriz africana.Querer forçosamente e graciosamente impor uma falsa imagem de Jesus, de forma irresponsável e desrespeitosa, a séria pesquisa histórica atual, é o mesmo que querer brincar com a história de um homem que revolucionou e mudou a história da humanidade.

E por favor, saiam de mansinho pela porta dos fundos!


Reflexões sobre o Projeto Anticrime

comentários

Na avaliação de muitos especialistas no assunto o Projeto Anticrime aprovado pela Câmara e Senado Federal e recentemente sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro não é 100% ideal mas apresenta alguns avanços no combate a corrupção e ao crime organizado, tais como a necessária proibição de progressão de regime ao membro de crime organizado, a execução imediata dos veredictos do Júri e a tão necessária aplicação de regras mais duras de cumprimento de penas para condenados por crimes hediondos com resultado de morte.

Em seu twitter, o Ministro da Justiça, Sérgio Moro, assim se manifestou:

“ Não é o projeto dos sonhos, mas contém avanços. Sempre me posicionei contra algumas inserções feitas na Câmara no texto originário, como o juiz de garantias. Apesar disso, vamos em frente”.

Mas, afinal de contas, o que é esse tal Juiz de Garantias repentinamente e inesperadamente criado, e com que propósito?

A melhor definição para essa cria seria a de juiz da impunidade!

E por que?

Evidentemente porque no frigir dos ovos o juiz de garantias terá de desenvolver o papel jurídico de defensor bem ampliado ou amplificado do pleno direito de defesa do réu já julgado e condenado, mesmo que isso vá de encontro aos seus princípios.

E qual o objetivo final disso tudo:

Com as benesses da nova legislação fatalmente será protelar, postergar, enfim, enrolar ao máximo possível a condenação final do réu que bem poderia resultar em prisão, manutenção da prisão ou ampliação de pena, mas, caso o condenado tenha “docinhos” nos bolsos e uma boa banca de advogados, o final feliz para ele todos já sabem ou imaginam.

É por essas e por outras que já estamos vendo na mídia figurinhas carimbadas e fichadas livres, leves e soltas, para aprontarem novamente, rindo na telinha. É o começo do começo da negação da condenação da prisão em segunda instância, recentemente aprovado, somada a absurda criação da figura do tal “ juiz de garantias”.

O que particularmente me impressiona é o lobby de advogados favoráveis a figura do juiz de garantias e outros mais contrários a condenação ou manutenção da prisão em segunda instância, evidentemente mais preocupados com clientes ricos ou endinheirados corruptos, e conveniências pessoais, do que com o bem-estar público e da sociedade brasileira, no geral.

A grande preocupação de vários magistrados reside no simples fato da nova legislação aprovada acabar culminando no retardamento do andamento de casos que tramitam na Justiça, abrindo assim brechas para a anulação de processos por conta de uma regra jurídica criada denominada “cadeia de custódia”.

E o que é isso?

São ações para manter e documentar vestígios jurídicos coletados no local da ocorrência do crime.

Para um ministro o capítulo relativo à cadeia de custódia é algo “inacreditável” e apresenta uma sucessão de formalidades e exigências que “permitirão a anulação de quase todos os processos nos quais tenha havido prova documental ou pericial”.

E durma-se num barulho desses!

Uma confusão dos diabos!

 

 

 

 

 

 


O necessário Pacote Anticrime

comentários

Imaginem e dimensionem a nossa realidade, justamente a de um país de dimensão continental como o Brasil com uma legislação de combate ao crime caduca, ultrapassada e muita das vezes absurdamente branda com a ilicitude ou com o crime?

Lamentavelmente, é esta a nossa dura realidade, o que de tabela vinha colocando sociedade e instituições públicas à mercê de uma velha prática nociva, corrupta, da mais completa inversão de valores que já se viu na história deste país.

O necessário Pacote Anticrime, bandeira de luta já consagrada com êxito, idealizada pelo Juiz Sérgio Moro, Ministro da Justiça, recentemente aprovado na Câmara Federal, vem em boa hora, justamente na hora H, no Dia D, para dar um basta em boa parte desta aberração jurídica que engessa a justa ação policial e de justiça.

O texto do projeto segue agora para avaliação do Senado Federal.

Entre os principais pontos do projeto, aprovado na Câmara Federal, destacamos a necessária proibição de progressão de regime ao membro de crime organizado, a execução imediata dos veredictos do Júri e a tão necessária aplicação de regras mais duras de cumprimento de penas para condenados por crimes hediondos com resultado de morte.

É exatamente isto ou mais ou menos isto que a população brasileira tanto ansiava, cansados que estamos de diariamente assistirmos na mídia tantos absurdos, crimes e velhas práticas lesivas aos cofres públicos.

A Câmara Federal já fez a sua parte, virando uma página muito ruim na história do nosso rico Brasil Varonil!

Em seu twitter o Ministro Sérgio Moro comentou que houve “avanços importantes” e manifestou “congratulações aos deputados”.

O que particularmente me impressiona é o lobby de advogados contrários a condenação ou manutenção da prisão em segunda instância, evidentemente mais preocupados com seus clientes e conveniências pessoais do que com o bem-estar público e da sociedade brasileira, no geral.

E o que é esse lobby e qual seria sua extensão política?

É um grupo de pessoas, físicas e jurídicas, organizadas em torno de um objetivo comum a fim de tentar interferir nas decisões do poder executivo e legislativo para que estas coincidam com seus interesses. Esse grupo também vem se manifestando contrário ao chamado “ pleabargain” (barganha, acordo de delação premiada), que antes criava plenas condições de melhor elucidação de casos escabrosos de corrupção, por exemplo.

Mas, no frigir dos ovos, a sociedade brasileira espera que o Senado Federal faça a sua parte e encaminhe e APROVE em plenário este tão necessário projeto legal de alto interesse público, até para imprimir maior confiabilidade do mundo perante nosso rico Brasil Varonil, e assim finalmente virar mais uma página ruim da história deste país.


A Maçonaria, os negadores da história e os sectários da fé

comentários

Sinceramente, nunca vi tanta agressividade como estamos atualmente vivendo no campo religioso, ideológico e de gênero. A intolerância religiosa, ideológica e de gênero estão virando campo de batalha nas redes sociais, pessoalmente e juridicamente, nos tribunais. Por conta da ignorância na falta de leitura, pesquisa, observação e da óbvia conclusão, cada vez mais vejo pessoas induzidas ao pré-julgamento, ao erro e ao radicalismo exacerbado, culminando em níveis emocionais de agressividade.

Recentemente, a Maçonaria brasileira e no particular a amapaense foram alvos de grosseiros ataques partidos de um bando de malucos radicais que envergonham a Igreja Católica e o Protestantismo e vão de encontro ao Ecumenismo tão bem iniciado e desenvolvido pelo Papa João Paulo II e por lideranças religiosas e protestantes do Brasil e do mundo. Enquanto vários encontros, congressos, fóruns e seminários já foram e continuam sendo promovidos entre culturas e atividades religiosas, visando uma aproximação fraternal, malucos radicais tentam inverter todos os valores de paz já construídos entre religiões e culturas diversas. A estes o nosso mais profundo repúdio e a permanente aplicação dos rigores da lei para que saibam e entendam de uma vez por todas que jamais estarão acima de tudo e de todos ao cuspir e vomitar asneiras como cães loucos de rua, espumando uma raiva medieval incontrolável e insensata.

Se hoje existe liberdade no mundo, e as liberdades individuais e coletivas estão mais ativas do que nunca, agradeçam as históricas e duras lutas da Maçonaria. Se o Movimento Protestante conseguiu sobreviver ao caos, e conseguiu emergir com Martinho Lutero ao traduzir em 1534 os textos sagrados bíblicos do grego para o alemão, agradeçam a Maçonaria operativa Católica e Protestante. O ano de 1534 representa o começo do fim do monopólio da Igreja Inquisitorial sobre os textos sagrados, já que a Inquisição queria queimar Lutero na fogueira. Entenderam?Entenderam porque tanta perseguição caluniosa contra a Maçonaria?

Se a Maçonaria é um espaço de culto para bafomet, o coisa ruim, o bicho feio, o tuíra, porque então Frei Caneca e Padre Feijó, grandes intelectuais e pensadores de seu tempo, e tantos outros clérigos, frades, bispos e etc, pertenceram as suas fileiras na luta pela Independência e Proclamação da República Federativa do Brasil? Não admitimos covardes e tagarelas em nossas fileiras, e muito menos cães interesseiros.

E por falar em espaço de culto, novamente exponho neste espaço que um templo Maçônico nada mais é do que a réplica do Templo de Salomão, o mais sábio dos homens, eleito por Deus. Basta ler seus salmos! O patrono da Maçonaria brasileira é São João Batista, para nós um exemplo histórico de retidão moral. Por ser uma sociedade eclética, filosófica, que somente admite homens livres e de bons costumes, a Maçonaria ao longo dos séculos vez por outra é alvo das mais aberrantes especulações e ataques. Mas ela continuará sendo, no presente e no futuro, a guardiã e o Grande Exercício das liberdades individuais e coletivas, da Igualdade e da tão necessária Fraternidade entre os homens.

Qual o lema do maçom?

Templos à virtude e masmorras ao vício!

Que necessidade une maçons de diversas culturas, credos e atividades profissionais?

A Busca Permanente da Verdade!

O que quer dizer a palavra maçom?

Free-maçom, pedreiro livre, construtor do edifício moral, trabalhador à serviço da evolução…

Qual o significado do compasso e do esquadro na Maçonaria?

São as ferramentas de Deus, o Supremo Arquiteto do Universo, o Grande Geômetra, Onisciente, Onividente e Onipresente.

E porque?

Porque de um ponto a outro ele criou tudo, e criou os quatro elementos da natureza: Ar, Terra, Fogo e Água, e depois criou o Quinto Elemento: O Homem! Para crescer, multiplicar e moralmente evoluir…


Empurrado para o crime

comentários

Mergulhados em nossos afazeres diários e na correria do cotidiano por vezes não nos damos conta da grandeza histórica, ruim e perversa de um sistema nocivo que drasticamente vem prejudicando nossa juventude e sutilmente empurrando-a para o ócio e, por conseguinte, para o crime. Falo de um conjunto nacional de regras e medidas legais que absurdamente impedem o adolescente e o jovem de trabalhar, produzir, conquistar o pão nosso de cada dia e ajudar sua família.

Diante da dimensão continental de nosso Brasil varonil, com 210.847,062 milhões de habitantes (Fonte: IBGE 2019, última leitura) e um índice percentual de 7,2% de jovens de 15 a 29 anos e de 49,2% de pessoas abaixo de 30 anos, chega a ser espantoso e preocupante a herança de despreocupação de governos passados com o desemprego e com as barreiras de impedimento para uma atividade de trabalho produtiva ao menor de idade. Idealizaram um sistema de dependência, o Bolsa Família, e não se preocuparam com o desemprego e basicamente com a questão do menor, sua ociosidade e sua educação profissionalizante.

Me chamou profundamente a atenção uma narrativa da vida real exposta pelo Repórter Policial Alison Maia,de um garoto de 14 anos, que tinha sido interpelado por ele. Aproximando-se do garoto, o Repórter Policial falou:

– Sai dessa vida rapaz! Você vai morrer! A vida das drogas e do crime não compensa!

O adolescente, que estava caladão, de repente assim se manifestou para expressar sua revolta:

– Seu Alison, esse papo do senhor eu já cansei de ouvir! Estava armado porque vendo drogas e ganho muito fazendo isso. Mas antes de ser vendedor de drogas trabalhava numa oficina! Sabe o que fizeram!? Denunciaram o dono da oficina porque eu estava trabalhando lá. Pô, ele me pagava legal, tinha minhas coisas, meu tênis, tinha tudo! Mas ele teve que me mandar embora para não ir preso. Acho que até hoje ele está respondendo na justiça por ter dado emprego a um menor. Depois fui trabalhar na Feira da Avenida Antônio Sanches. Trabalhei lá sete meses! E sabe o que aconteceu lá? A mesma coisa que aconteceu na oficina! Então tive que sair! Não sei quem é meu pai e minha mãe é uma coitada. Eu tentei, seu Alison, trabalhar honestamente, e até trabalhava e estudava direito, mas não deixaram eu continuar. Achei no tráfico o sustento meu e da minha casa. Então seu Alison, guarde seus conselhos para esses safados que vocês votam e acham que menor não pode trabalhar mas pode roubar, traficar e matar. Entrei nessa vida porque quero um tênis e não posso; quero comer um sanduíche do Bob´s mas também não posso; quero ir no cinema e também não posso! Então, já que não posso trabalhar como gente, vou traficar! Pelo menos assim tenho dinheiro!

E o repórter ficou mudo e saiu calado, reflexivo e impactado pelas fortes expressões do adolescente, um forte choque da vida real.

Aos 16 anos de idade eu já trabalhava e isso não me tirou pedaço algum. Assim como velhos amigos de minha saudosa época de juventude quase todos nós trabalhávamos, estudávamos e andávamos de bicicleta. Em 1983, aos 19 anos de idade, já tinha meu próprio automóvel, um Maverick 6 cilindros.

Se o trabalho dignifica o homem, gera renda e qualidade de vida, o menor brasileiro da atualidade merece um melhor destino, um novo amparo legal trabalhista e total apoio dos setores público e privado. Só assim, unidos, pensando e agindo, conseguiremos mudar o velho e perverso destino de adolescentes que são atraídos para o tráfico de drogas, para o crime e para a barbarie.


O negador de si mesmo e o fanático deprimente

comentários

Não existe coisa mais indigna e deprimente do que você negar ou renegar suas próprias origens, identidade cultural, cultura e ancestralidade em nome de um radicalismo teológico extremista.

A pergunta é:

O que leva determinadas pessoas chegarem ao cúmulo do ridículo e do absurdo a incorrerem em graves infrações penais ou agressões verbais pelo simples prazer de agredir a sua e a nossa identidade cultural?

Fanatismo político e religioso?

Após pronunciamento insensato divulgado na mídia e redes sociais o senhor Sérgio Camargo do Nascimento teve sua nomeação suspensa como Presidente da Fundação Palmares por estar incluso em uma série de violações legais por conta de práticas de intolerância religiosa. O ato foi imediatamente expedido pelo Juiz da 18ª Vara Federal do Ceará, Emanuel José Matias Guerra, em acatamento a uma ação popular. Gravem bem o nome dele, do juiz: Emanuel, que quer dizer, Deus conosco!

A Auditoria Geral da União estuda recurso para manter Sérgio Camargo no cargo, o que pega muito mal perante a opinião pública nacional. Está muito claro para todos que a questão não é ideológica

Mas temos também o Senhor Mantovani, uma outra absurda aberração a destilar tolices e bobagens sobre o rock, John Lennon e grandes ícones da Música Popular Brasileira. Está muito claro para todos que a questão não é mais ideológica e sim de pura intolerância tanto da parte de Sérgio Camargo como de Mantovani. E ao que parece, a intenção de Mantovani está muito clara: tentar atrair holofotes na mídia e redes sociais para propositalmente confundir e gerar pura desinformação. Somente uma pessoa muito desinformada e fanatizada, do ponto de vista político e religioso, seria capaz de aceitar este festival de tolices e bobagens que ele diz, tais como: “ o rock leva ao aborto e ao satanismo; John Lennon era satanista; os Beatles surgiram para implantar o comunismo no mundo, e down, down, down! Tudo down! Em declive…

Primeiro que as canções dos Beatles foram terminantemente proibidas de serem tocadas na velha China comunista dos anos 60/70, na extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, em Cuba e em outros países totalitários. Anualmente a canção Imagine e Happy Cristmas (Feliz Natal), escritas e musicalizadas pela genialidade incomparável de John Lennon, são as mais tocadas no mundo, véspera de Natal e Ano Novo, e dispensam comentários, justamente pela mensagem reflexiva de Paz e Amor com profunda Iluminação Superior na composição da letra e melodia.  Mas, apenas para lembrar, o gênio Beatle previu perseguições na antológica canção A Balada de John e Yoko, quando escreveu:

“ Cristo, você sabe que não é fácil! Você sabe como pode ser difícil! Do jeito que as coisas vão indo, eles vão me crucificar…”

Durante a sua manifestação de protesto pela Paz no Mundo, em New York, quando entrou em jejum, e lançou a antológica canção Give Peace a Chance (Dê uma Chance a Paz) um intolerante e deprimente jornalista americano o perseguiu e o atacou injustamente. Qual o nome dele? E a quem interessa saber o nome deste radical e pobre infeliz, diante da biografia de Lennon? Assim será o destino do senhor Olavo, Sérgio e Mantovani. Não passarão de poeiras ao vento, esquecidos no tempo e no espaço…

Enquanto isso, a genialidade dos Beatles e a de John Lennon continuarão sendo admiradas no mundo todo, geração após geração, e sempre serão objeto de estudo de músicos, filósofos, historiadores, sociólogos e sociedades esotéricas assim como todo o nosso universo cultural ameríndio e afrodescendente, tais como o tradicional batuque, herdado da Mãe África, inspiração para criação do samba e do nosso carnaval, a maior festa popular do planeta.

 


Profissão de fé, identidade cultural e intolerância religiosa

comentários

Infelizmente, algumas pessoas se deixam levar pela ignorância e confusão mental através de uma visão radical distorcida sobre o que é profissão de fé e identidade cultural, atitude emocional radical que lamentavelmente culmina no que chamamos de intolerância religiosa.

Profissão de fé é exatamente a nossa crença no Sagrado, em algo Superior a tudo e a todos, naquilo que para nós é Divino, Excelso, Onisciente, Onividente e Onipresente.

Identidade Cultural é exatamente a expressão artística e histórica de um povo ou de uma determinada comunidade. Ela pode se dar através da memória oral ou de registros históricos e por vezes se manifestar em forma decânticos e dança com a utilização de instrumentos harmonizados em ritmos cadenciados, criando assim uma atmosfera nostálgica de memória e respeito a sua ancestralidade.

O processo criativo e ritualístico das danças indígenas e do nosso tradicional Marabaixo, assim como o batuque aos Orixás e aos Guias,herança cultural de resistência e tradição no Brasil, advinda da Mãe África, historicamente e academicamente atualmente são objetos de estudo nas universidades e faculdades públicas e privadas.O batuque afro foi a grande inspiração para a criação do samba, um registro vivo danossa identidade cultural.

A identidade cultural de um povo ou de uma comunidade também pode se dar por outras formas de expressão cultural tais como o artesanato, escultura, pintura, literatura e teatro. A Arte Maracá e Cunani, por exemplo, no campo do artesanato e da pintura, mesclam-se numa beleza ímpar como elementos criativos da ancestralidade paraense e amapaense, ou tucuju. No Nordeste temos a tradicional Literatura de Cordel e toda a genialidade e força da expressão poética e musical de Luiz Gonzaga.

Lamentável é constatar que a ignorância humana não saiba ou não queira separar o joio do trigo, ou seja, visualizar sua profissão de fé de amor ao próximo como função de respeito à identidade cultural de nosso povo, nossos costumes, ritos e tradições seculares.

Todo o universo cultural e processo histórico criativo de matriz africana e ameríndia representam a identidade cultural do Estado do Amapá e no geral do Brasil, quer uns malucos radicais queiram aceitar ou não. Isto está bem explícito na Constituição da República Federativa do Brasil, na Constituição do Estado do Amapá e no Estatuto da Igualdade Racial. O artigo 292 da Constituição do Estado do Amapá, que nada mais é do que uma leitura da Carta Magna do País,é bem claro ao esclarecer que “o Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e o acesso às fontes de cultura nacional, estadual e municipal, protegendo, apoiando e incentivando a valorização e difusão das manifestações culturais, através: III- Da proteção às expressões culturais populares e de grupos participantes do processo cultural.”

 


República e federalismo

comentários

Teoricamente todos nós fazemos parte deste imenso gigante de dimensão continental denominado de República Federativa do Brasil.

Mas será que é isso mesmo?

Somos verdadeiramente uma república federativa?

O federalismo no Brasil surgiu através da Proclamação da República, em 1.889.

E o que é um Estado Federal?

É uma forma de organização e de distribuição de poder onde o governo central não cria barreiras jurídicas centralizadoras que impeçam a divisão de competências e responsabilidades entre ele e os entes da federação.

Historicamente o federalismo experimentou seu melhor momento no Brasil no período da Primeira República, entre 1889 e 1930, época em que os estados dominantes tiveram grande autonomia em relação ao poder central.

No período de 1964 a 1985, o Governo Central amplia os poderes da União e sua capacidade de arrecadação, controlando assim os recursos obtidos pela cobrança de impostos. Na prática, o federalismo enfraquece e coloca os estados na posição de acentuada dependência do governo federal. Daí em diante, esta realidade não muda, e constrói cenários desiguais para muitos estados, principalmente aos das regiões Norte e Nordeste.

Se no estado democrático de direito todo poder emana do povo e em seu nome todo poder deve ser exercido, nada mais natural que Sua Excelência o povo participe deste debate.

A Carta Magna do País, em seu Título I, Dos Princípios Fundamentais, Art.1°, diz textualmente:

“A República Federativa do Brasil é formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constituindo-se em Estado Democrático de Direito, e tem como fundamentos a soberania, cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa, e o pluralismo político”.

Em seu artigo 3°, afirma o seguinte:

“Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil construir uma sociedade livre, justa e solidária; garantir o desenvolvimento nacional; erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”.

A pergunta atual é:

Como construir uma República Federativa do Brasil forte, soberana, independente, sustentável, justa e solidária com a aplicação da velha teoria de centralização de poder?

Só iremos garantir o desenvolvimento nacional se promovermos a descentralização de poder e a justa distribuição de recursos aos estados, principalmente aos mais carentes, reduzindo assim as desigualdades sociais no Brasil com acompanhamento, avaliação e controle do recurso público.