Brenda Zeni concorre no Festival de Música EDP Live Bands

comentários

A cantora Brenda Zeni está concorrendo, pela internet, no Festival de Música Energia de Portugal (EDP), com a música “Dublar”, de sua autoria, que estará em seu primeiro disco já intitulado “Quebra do Feitiço”, em processo de gravação.

São várias fases, mas nesse primeiro momento o internauta terá que votar pela internet no endereço www.edplivebands.edp.com.br. São artistas de todo o Brasil que estão na disputa, sendo procurados para trocar a garagem pelos grandes palcos. É uma oportunidade de gravar um álbum musical produzido pela Sony Music e tocar com sua banda no Festival Nos Alive’17, em Portugal. A primeira fase de votação encerra no dia 24 de março.

Brenda Zeni é paraense, e há 12 anos veio para Macapá (AP) estudar publicidade e música. Começou bem cedo a tocar violão e a cantar pelos bares da vida. Participou de vários festivais cantando canções de outros compositores. Ganhou seu primeiro festival de música, como melhor intérprete, em 2011, realizado pela Assembleia Lagislativa do Amapá, defendendo a música “Aquário das Marés”, de Osmar Júnior e Ademir Pedrosa.

Está gravando seu primeiro álbum “Dublar”, pela gravadora “Zarolho Records”, para lançar neste ano de 2017, e a música que disputa o festival, “Dublar”, e mais “Não mijei em você”, já estão liberadas no Soundcloud, alcançando mais de 700 audições em menos de 10 dias. Sua música tem por característica principal a crítica aliada à criatividade.

 

Deu águia
Depois de 33 anos sem vencer, Portela conquistou o título de campeã do carnaval carioca, de 2017. Parabéns.

Sanção
Governador Waldez Góes sancionou, na tarde de ontem (2), a Lei de criação do Sistema Estadual de Cultura do Amapá.
Com essa conquista os artistas terão suporte para garantir projetos. Parabéns.

Tempo
Agora, dirigentes das escolas de samba do Amapá tem tempo suficiente para trabalhar o carnaval de 2018.
Basta começar a partir de agora.

Garantia
O poder público estadual já deixou claro que não tem recurso financeiro para investir no carnaval.
Mas o sambódromo, sonorização, iluminação e mais a infra-estrutura das secretarias, essa está garantida.

Independência
Escolas de samba precisam sair da dependência do poder público e buscar outras maneiras de captação de recursos para seus carnavais.
O enredo comercial pode ser uma forma de buscar recursos em outras fontes. Esse modelo já existe, basta levantar da cadeira. Dica.

Crescimento
O carnaval de 2017 incentivou muitos bairros a criarem seus blocos e eventos carnavalescos.
A cidade ficou cheia de agendas nos finais de semana. Bom sinal pra 2018.

Características
No Amapá temos um modelo de fazer carnaval que não precisa se assemelhar ao do Rio de Janeiro e São Paulo. São referências, mas não cópia.
Com características próprias, construídas por nossos sambistas referências. Respeitem.

Credibilidade
A maioria das escolas de samba do Amapá deve e muito ao comércio local e de outros estados, e isso não é de hoje.
Sai carnaval, entra carnaval e só vai aumentando o débito. Um dos grandes problemas que precisa ser resolvido.


História do carnaval no Brasil

comentários

A história do carnaval no Brasil iniciou-se no Período Colonial. Uma das primeiras manifestações carnavalescas foi o entrudo, uma festa de origem portuguesa que, na colônia, era praticada pelos escravos.

Estes saíam pelas ruas com seus rostos pintados, jogando farinha e bolinhas de água de cheiro nas pessoas. Tais boli nhas nem sempre eram cheirosas. O entrudo era considerado ainda uma prática violenta e ofensiva, em razão dos ataques às pessoas, mas era bastante popular.

Isso pode explicar o fato de as famílias mais abastadas não comemorarem com os escravos, ficando em suas casas. Porém, nesse espaço, havia brincadeiras, e as jovens moças das famílias de reputação ficavam nas janelas jogando águas nos transeuntes.

Por volta de meados do século XIX, no Rio de Janeiro, a prática do entrudo passou a ser criminalizada, principalmente após uma campanha contra a manifestação popular veiculada pela imprensa.

Enquanto o entrudo era reprimido nas ruas, a elite do Império criava os bailes de carnaval em clubes e teatros. No entrudo, não havia músicas, ao contrário dos bailes da capital imperial, onde eram tocadas principalmente as polcas.
A elite do Rio de Janeiro criaria ainda as sociedades, cuja primeira foi o Congresso das Sumidades Carnavalescas, que passou a desfilar nas ruas da cidade. Enquanto o entrudo era reprimido, a alta sociedade imperial tentava tomar as ruas. (www.brasilescola.uol.com.br).

 

Copa Master
Dia 10 de março, 19h, inicia a Copa Master de Futebol, na arena da Praça da Conceição (Trem).
São 32 seleções inscritas, com atletas a partir de 40 anos de idade. A coordenação é do radialista Costa Filho. Informações: 99125-1555.

Sem folia
Presidente da Confraria Tucuju, Telma Duarte, informa que este ano não haverá a batalha de confete da instituição.
A falta de recurso para a folia é o impedimento para a realização do evento.

Carnaval Tucuju
Artistas amapaenses vão realizar o carnaval com temática bem regional amazônica.
Na segunda, 27, em frente ao Trapiche Eliezer Levy, às 16h. Como atração foram convidados: o Banzeiro do Brilho-de-Fogo Grupo Bandáia, Finéias Nelluty, Banda Negro de Nós e muitos outras atrações.
A coordenação é do cantor e compositor, João Amorim.

Guará Folia
Neste sábado, 25, tem o cortejo do Guará Folia de Boêmios do Laguinho, e a concentração acontece em frente ao Colégio Amapaense, às 16h, com saída, às 17h, até a sede da Universidade de Samba (Laguinho).
No cortejo terá o trio elétrico com Adail Júnior, bateria Pororoca e Banda Sakarolha. Compre o seu abadá na sede da escola, na av: Gal.Osório entre as ruas Gal. Rondom e Eliezer Levy.

Agenda
Cantores e compositores, Enrico Di Micele e Pedrinho Callado, tem show marcado para acontecer dia 10 de março.
Artistas convidados: Zé Miguel, Brenda Melo e Marcão Franco. No bar “O Barril”, esquina da av: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 22h. Informações: 99913-1818 e 99903-6440.

Cooperação
Representantes do Brasil e China reuniram, na quarta (22), em busca de maiores cooperações culturais.
Durante o encontro, foram tratados temas como economia da Cultura, literatura, audiovisual e maior intercâmbio entre museus e bibliotecas. (www.cultura.gov.br).

Novidade
O cantor e compositor, Zé Miguel e a cantora Ariel Moura, estão juntos realizando o projeto musical “Norteia”.
Mais uma novidade para o povo tucuju. Parabéns.

Futebol
São Paulo (tricolor da zona norte) vai comemorar aniversário jogando, dia 8 de março, jogando um amistoso com o Paysandu, de Belém (PA).
Às 20h, no estádio Zerão. Vamos lá.


Mudando a tradição histórica cultural

comentários

Com a chegada da modernidade, parece que tudo o que foi construído antes, não é o suficiente para a atual geração que sempre acha que tem que mudar ou construir alguma coisa da moda e, com isso, dando fim à memória da tradição histórica.

Com isso, quero me reportar às músicas que estão sendo tocadas e cantadas no carnaval, que não foram iniciadas hoje, mas sim no século próximo passado.

No carnaval de antigamente (e a nova geração odeia esse termo) o país delirava quando ouvia nos grandes bailes de salão as famosas marchinhas como: “Se você fosse sincera…” de Mário Lago, “Ó abre alas que eu quero passar…” de Chiquinha Gonzaga, e muito outros sucessos.

Sem nenhum problema com as observações críticas que recebo em defender a nossa história, mas a grande mídia querer nos obrigar a aceitar, dizendo que outros estilos e ritmos são também carnaval por causa da modernidade e que a juventude precisa “do novo”, é querer estuprar a tradição e o meu conhecimento, mesmo que minúsculo, do carnaval que o meu país me ensinou a amar e a adorar.

Não sou um conservador inveterado, mas com tais apelações, que considero, não posso aceitar calado que essa avalanche de modernidade chegue e ocupe o lugar de quem já estava, há muito tempo, nos acalentando e nos fazendo sonhar com o próximo ano e tomando um porre de felicidade no país do carnaval. Que seja bem vinda a novidade, mas que se respeite o gigante legado cultural, construído para viajar nos tempos.

 

Homenagem
Moradores da rua Henrique Galúcio (Centro) criaram o Bloco Carnavalesco Tio Ilan, em homenagem ao cantor, compositor e poeta, Ilan do Laguinho.
A brincadeira está agendada para o dia 26 de fevereiro, a partir das 16h. Informações: 98157-3210.

Imperdível
Cantores e compositores, Enrico Di Micele e Pedrinho Callado, tem show marcado para acontecer dia 10 de março.
Artistas convidados: Zé Miguel, Brenda Melo e Marcão Franco. No bar “O Barril”, esquina da av: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 22h. Informações: 99913-1818 e 99903-6440.

Gravando
Poetinha Osmar Júnior está em estúdio gravando seu próximo disco, e já avisou: “vem coisa nova na parada”.

“A Caboca”
Nome da cachaça de gengibirra, criada pela amiga Laura do Marabaixo. Ela que já assina sua marca na em outras obras, agora lacra nessa nova modalidade.
Aí é pavulagem.

Susto
Cantor e compositor, Nilson Chaves, sofreu um infarto no início da semana, mas foi rapidamente medicado e passa bem.
Está internado no Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, em Belém (PA). Boa recuperação a esse artista, considerado o maior divulgador da música amazônica no Brasil.

Registro
Há anos que pintou a ideia de escrever um livro com a biografia da música regional amapaense, essa com linguagem amazônica de cantar nossas coisas, mas não dei muito pra mim.
Com chegada do programa “O Canto da Amazônia”, na Diário FM, há 6 anos, de segunda à sexta, 16h, está mais presente a cobrança. Agora acho que agora vai rolar.

Futebol
São Paulo (tricolor da zona norte) vai comemorar aniversário jogando, dia 8 de março, jogando um amistoso com o Paysandu, de Belém (PA).
Às 20h, no estádio Zerão. Vamos lá.

Showzaço
Dia 8 de abril tem show do consagrado cantor e compositor, João Bosco, em Macapá.
Na Choperia da Lagoa. Informações: (96) 98137-3130 e 99142-2061.


O que é música instrumental?

comentários

A expressão música instrumental distingue toda música produzida exclusivamente por instrumentos musicais. Porém, ao contrário do que parece, a música instrumental não é necessariamente desprovida da voz e do canto. Em alguns casos, como “Taiane”, do brasileiro Hermeto Pascoal, ou “The Great Gig in the Sky”, da banda inglesa de rock progressivo Pink Floyd, a voz é usada como instrumento musical.

Até o início do século XVI, os instrumentos musicais eram usados apenas para acompanhar os cantos ou marcar o compasso das músicas. A partir disso, as composições instrumentais foram ficando cada vez mais frequentes até que, durante o período barroco, a música instrumental passou a ter importância igual à vocal. Foi durante o período clássico (da música), porém, compreendido entre os anos de 1750 e 1810, que a música instrumental passou a ter importância maior do que a vocal, devido ao aperfeiçoamento dos instrumentos e ao surgimento das orquestras.

Como não podia deixar de ser, a música popular brasileira moldou-se a partir de todas estas fontes, bem como das influências vindas da música africana, trazida por negros de vários lugares, e também da música indígena de diversas regiões. Historiadores da música afirmam que a modinha (da Europa) e o lundu (da África) são as grandes influências da música popular brasileira e, juntamente com o schottish, a valsa, o tango e a polca, são grandes influências também para o choro, que é essencialmente instrumental, e considerado primeiro gênero popular urbano do Brasil. Os principais instrumentos utilizados no choro são o violão de 7 cordas, violão, bandolim, flauta, cavaquinho e pandeiro, embora diversos outros instrumentos tenham sido utilizados.

 

Mudança
Ministério da Cultura apresentou, na segunda (20), propostas de alteração para regular pontos da Lei Rouanet a representantes da Associação dos Produtores de Teatro Musical.
A revisão será por meio de uma Instrução Normativa, visando aprimoramento. O novo regulamento será publicado pelo MinC em breve. (www.cultura.gov.br)

Futebol
São Paulo (tricolor da zona norte) vai comemorar aniversário jogando, dia 8 de março, jogando um amistoso com o Paysandu, de Belém (PA).
Às 20h, no estádio Zerão. Vamos lá.

Showzaço
Dia 8 de abril tem show do consagrado cantor e compositor, João Bosco, em Macapá.
Na Choperia da Lagoa. Informações: (96) 98137-3130 e 99142-2061.

“Meu Canto”
Título da música que fiz em parceria com Nathal Villar e Osmar Júnior, que está no repertório do novo disco de Villar, já em estúdio.

Quinteto.com
É o nome da nova banda musical do Amapá, já realizando show nas noites tucujus.
Formada pelos músicos, Taronga (baixo), Walber Silva (teclados), Coca (bateria), Rafael Boaventura (guitarra) e Liege Lorenzett (cantora).
Agenda de show marcada para o dia 4 de março, no bar “O Barril”, esquina da av: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 22h. Informações: 98136-3999.

Reforma
Teatro das Bacabeiras, maior casa de show de Macapá precisa passar por reforma.
As estruturas do lugar já estão comprometidas para atender os artistas.

Gravando
Cantora Brenda Zeni está em estúdio gravando seu primeiro disco. Um estilo bem pop que agrada a todos.

Blocos
A movimentação é grande, em toda cidade, com a chegada do carnaval. Parabéns aos blocos carnavalescos que estão realizando programações em todos os bairros.


Um teto para a Lei Rouanet

comentários

O ministro da Cultura, Roberto Freire, vai anunciar nos próximos dias uma instrução normativa para a Lei Rouanet. Sua principal ação será fixar um limite de valor para o proponente e para o patrocinador cultural. Com essa medida, pretende atacar duas distorções bastante criticadas da lei de incentivo: a concentração e a regionalização. Um projeto não poderá ultrapassar o limite de R$ 10 milhões, salvo as exceções previstas na lei, como construção e restauração de obras. Haverá também uma barreira de valor para o patrocinador, ainda não definida.

Se uma companhia quiser ultrapassar esse teto, terá de incentivar projetos em regiões que não têm tanto retorno de imagem. Se tenho R$ 1 bilhão de renúncia fiscal, se deixo que isso fique para poucos espetáculos, gero concentração, não democratizo o acesso”, diz Freire ao Valor.

A Lei Rouanet é a principal ferramenta de estímulo à cultura no Brasil, responsável por cerca de 80% dos recursos destinados ao setor. No ano passado, entretanto, houve uma redução de projetos aprovados e no valor de recursos aportados. A má fase já vinha de antes: em julho, iniciou-se a Operação Boca Livre, da Polícia Federal, que investiga desvio de recursos em projetos culturais com uso de isenção fiscal. Pouco antes, havia começado a abertura da CPI da Rouanet, que apura irregularidades na concessão de benefícios fiscais por meio da lei de incentivo.

Com a instrução, Freire pretende diminuir o passivo que a Lei Rouanet tem frente a opinião pública. “Estou querendo definir algo que corresponda à política de incentivo e, ao mesmo tempo, responda a alguma indignação por você olhar para um projeto que pede somas astronômicas. É o desperdício. Desperdício, porque o dinheiro é público”, comenta. (www.cultura.gov.br).

 

Rainha
Jéssica Pacheco, representante da escola de samba, Piratas da Batucada, foi eleita, sábado (18), a Rainha das Rainhas do Carnaval Amapaense.
Evento organizado pelo Trem Desportivo Clube, há 35 anos. Parabéns.

Comportamento
Quem se inscreve pra participar de um concurso, de qualquer natureza, precisa entender que existem regras e essas, avaliadas criteriosamente, por juízes.
É uma disputa e é preciso estar preparado para ganhar e perder.

Credenciamento
Coordenação do carnaval de Santana está credenciando jornalistas que irão trabalhar no evento, até esta terça, 21, até, às 17h. Informações:  (96) 98122-2335 e 99123-7267.

Ai vovó
Título da nova música do cantor e compositor, Adelson Preto, em homenagem à sua avó Tia Chiquinha. Bela música.

Quinteto.com
É o nome da nova banda musical do Amapá, já realizando show nas noites tucujus.
Formada pelos músicos, Taronga (baixo), Walber Silva (teclados), Coca (bateria), Rafael Boaventura (guitarra) e Liege Lorenzett (cantora).
Agenda de show marcada para o dia 4 de março, no bar “O Barril”, esquina da av: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 22h. Informações: 98136-3999.

“Dublar”
Título da nova música da cantora, Brenda Zeni, que já está no repertório de seu primeiro disco, em estúdio sendo gravado.
Logo será lançado. Parabéns.

Agenda
Dia 8 de abril tem show do consagrado cantor e compositor, João Bosco, em Macapá.
Na Choperia da Lagoa. Informações: (96) 98137-3130 e 99142-2061.

Folia
Semana de cair na folia com a chegada do carnaval. Vamos brincar na paz e com muita alegria.


Funarte disponibiliza livros para download gratuito

comentários

A Fundação Nacional de Artes (Funarte) disponibiliza suas publicações gratuitamente para download, oferecendo mais uma oportunidade para que o público tenha acesso aos livros lançados pela instituição. A cada ano, é disponibilizado o material publicado no ano anterior, sempre com temas relacionados às áreas de atuação da instituição, como Teatro, Dança, Música, Artes Visuais e Circo.

De acordo com a gerente de edições da Funarte, Filomena Chiaradia, ter os livros on-line é fundamental. “Em um país gigantesco como o nosso, a distribuição de livros ainda é tímida. Por isso, é importante disponibilizar as edições on-line, dando mais acesso ao público, inclusive aos deficientes visuais, que podem abrir os nossos livros usando os softwares de leitura que eles costumam utilizar para ler outras obras”, explica a gerente.

Segundo Filomena, já existem publicações agendadas para 2017. “Lançamos agora em fevereiro os quatro primeiros volumes dos Ensaios Brasileiros Contemporâneos, e vamos publicar os outros cinco ainda este ano. Temos ainda previsão de lançamento de seis volumes da obra teatral de Plínio Marcos, organizados pelo professor de Literatura e crítico Alcir Pécora”, adianta a gerente de edições.

Além do acesso on-line, é possível também comprar os livros, basta enviar e-mail para a Livraria Mário de Andrade (livraria@funarte.gov.br / tel. 2279-8071). (www.cultura.gov.br).

 

É hoje
A 35ª edição do maior concurso de beleza do carnaval amapaense, o Rainha das Rainhas 2017.
Na sede do Trem Desportivo Clube, a partir das 22h. sete candidatas estão na disputa.

Agenda
Neste sábado, 18, acontece o melhor baile de carnaval de salão do Amapá, Caia na Folia.
Na sede da Aseel, rodovia JK, a partir das 21h. A assinatura é do amigo radialista, Azevedo Picanço.

Ai vovó
Título da nova música do cantor e compositor, Adelson Preto, em homenagem à sua avó Tia Chiquinha. Bela música.

Homenagens
Artistas de vários segmentos continuam enviando suas mensagens, parabenizando o programa “O Canto da Amazônia” (Diário FM) pelos 6 anos no ar, dia 14 de março. Obrigado.

Votação
Encerra no domingo, 19, a votação para a cantora amapaense Patrícia Bastos, semifinalista ao Prêmio Profissionais da Música 2017, nas categorias “Artista Cultura Popular” e “Cantora”.
A votação é pelo site www.ppm.art.br e vai até 19 de fevereiro. Vamos votar na representante amapaense. Vamos votar.

Audiovisual
Associação Nacional de Cinema (Ancine) oferece programação inédita para 199 TVs públicas.
Resultado da primeira chamada pública da Linha de Produção de Conteúdos destinados às TVs Públicas do Programa Brasil de Todas as Telas. (www.cultura.gov.br).

Mestre
Direto da cidade de Barcarena (PA), o criador da Guitarrada paraense, Mestre Vieira, nos enviou mensagem parabenizando o programa “O Canto da Amazônia”, pelos 6 anos no ar (14 de março), na Diário FM 90,9.

Gravando
Novo CD do cantor e compositor, Marcelo Dias, já está em processo de gravação, no estúdio Tarumã.


Mestre Vieira: o criador da “Guitarrada”

comentários

A Guitarrada é um gênero musical paraense instrumental surgido da fusão do choro com carimbó, cúmbia e jovem guarda, entre outros. É também chamado de lambada instrumental. O seu criador é o Mestre Vieira. Neste estilo a guitarra elétrica é solista. Os principais representantes da atualidade são os grupos: Mestres da Guitarrada, Cravo Carbono e La pupuña.

Joaquim de Lima Vieira, o Mestre Vieira, nasceu em 29/10 de 1934, é um músico brasileiro, tem 20 discos solo gravados. A música “Lambada Jamaicana” (lançada em 82, vinil “Melô da Cabra”) é seu maior sucesso. Desde 2003 integra também o grupo Mestres da Guitarrada, tendo 2 cds lançados: Mestres da Guitarrada (2004, selo Funtelpa) e Música Magneta (2008, Selo Candeeiro Records). Em 2008 recebeu do Ministério da Cultura a medalha de Ordem ao Mérito Cultural pelo seu relevante serviço prestado à cultura brasileira.

É um gênero musical único no mundo. Criado por Mestre Vieira, natural de Barcarena, o ritmo musical surgiu em Belém (PA), a guitarra faz sempre o solo em ritmos como cúmbia, carimbó e merengue. A guitarrada tem como marco o lançamento do disco “Lambadas das Quebradas” (1978). A inovação do disco foi apresentar temas instrumentais para guitarra, sempre valorizando os ritmos amazônicos e caribenhos. Mestre Vieira, tem seu trabalho fortemente influenciado pelo choro e revelou-se virtuose ainda criança. Depois de ter tocado bandolim, banjo, cavaquinho, violão e instrumentos de sopro, ele só teve contato com a guitarra elétrica na década de 70.

 

Kids
Amapaense Luna Pietá (12 anos), que mora em Boa Vista (RR), entrou no The Voice Kids (TV Globo), no domingo, 12, no time de Victor e Léo.
Parabéns e boa sorte a promissora cantora.

Louvor
Programa “O Canto da Amazônia” recebeu Votos de Louvor na Câmara Municipal de Macapá, a pedido do vereador Marcelo Dias, ontem (16).
A iniciativa se deu pelos 6 anos no ar, na Diário FM 90,9. O programa é apresentado por mim, de segunda à sexta, às 16h. Obrigado.

Esclarecendo
O Programa de Cultura do Trabalhador, que criou o Vale-Cultura, foi instituído em Lei e não tem prazo de término.
O que tem previsão de término no exercício 2017, ano-calendário 2016, é o incentivo fiscal concedido às empresas que são tributadas com base no lucro real. (www.cultura.gov.br).

Votação
Continua a votação na cantora amapaense Patrícia Bastos, semifinalista ao Prêmio Profissionais da Música 2017, nas categorias “Artista Cultura Popular” e “Cantora”.
A votação é pelo site www.ppm.art.br e vai até 19 de fevereiro. Vamos votar na representante amapaense.

Gravando
Novo CD do cantor e compositor, Marcelo Dias, já está em processo de gravação, no estúdio Tarumã.

Caia na Folia
Baile de carnaval de salão de Macapá, marcado para acontecer, dia 18 de fevereiro, na Aseel (Rodovia JK), às 22h. Banda Sakarolha vai agitar os foliões.
A realização tem a marca da qualidade e competência do amigo radialista, Azevedo Picanço. Vamos cair nessa folia. Informações: 98114-0202.

Rainha
Sábado, 18, vai acontecer a 35ª edição do concurso Rainha das Rainhas do Carnaval Amapaense.
Na sede do Trem Desportivo Clube, esquina da av: Feliciano Coelho com a rua Gal. Rondon – Trem, às 22h.

6 anos
Programa “O Canto da Amazônia” (Diário FM 90,9) vai completar 6 anos no ar, sempre valorizando o que é nosso, dia 14 de março.
Durante esse tempo, muitos artistas passaram por lá.


A diversidade do samba no País continental

comentários

De Norte a Sul, tão diverso e peculiar como cada região brasileira é o jeito de tocar e celebrar o samba. A expansão do ritmo pelo território nacional seguiu caminhos similares ao da colonização europeia no Brasil: do litoral para o interior, primeiro pelo Nordeste e Sudeste, até chegar às demais regiões.

No Recôncavo Baiano, o samba de roda é considerado o berço do samba. Os milhares de escravos trazidos da África para trabalhar, sobretudo na produção de cana-de-açúcar, mesclaram suas tradições de uso de tambores e chocalhos com a dos portugueses, incluindo o uso da viola, do pandeiro e da poética lusitana. Ainda foram absorvidos elementos indígenas de celebração. As primeiras apresentações acompanhavam o calendário religioso católico e os rituais em terreiros de candomblé e umbanda. Ao longo dos anos, o samba foi se diversificando e ganhando espaço em bares, festas e festivais, recebendo novas formas de ser tocado.

Com presença marcante no Maranhão, o tambor de crioula envolve a dança circular com o canto e a percussão de tambores. A prática é feita em louvor a São Benedito, o chamado santo negro. Entre os milagres atribuídos a ele, está a multiplicação de alimentos. Em paralelo ao tambor de crioula, está o marabaixo amapaense, atração do evento “Encontro dos Tambores” desde 1996. A dança circular das mulheres é ritmada pelo som produzido nas caixas construídas com tronco de árvores e peles de animais tocadas por dois ou três homens, que ficam ao centro. Os versos “são jogados”, como dizem, por uma das mulheres ou um tocador e respondidos em coro. Juntos, cantam o “ladrão” – que são músicas ou trovas. As apresentações costumam acompanhar as homenagens & agrave; Santíssima Trindade e ao Divino Espírito. Durante as rodas, os homens e mulheres se vestem de forma alusiva às vestimentas dos antigos escravos: saias longas e anáguas para as mulheres e calça e camisa simples para os homens.

Já nas comunidades quilombolas do Pará, o sucesso é o samba de cacete, que ganhou esse nome pelo uso de dois pedaços de pau que, batidos no curimbó (tipo de tambor), cadenciam o ritmo. Ele surgiu no período da escravidão no País. “Era cantado e dançado numa espécie de ritual melancólico e saudosista, em que eram citadas as dores da escravidão e a saudade da terra natal. Porém, com o passar do tempo, o caráter saudosista e melancólico foi dando lugar a registros e fatos interessantes do dia a dia”, descreve Carmen Lucia Barbosa, em sua dissertação de mestrado pela Universidade Federal do Ceará, no trabalho Corpos no Samba de Cacete: Dança Ancestral, Tambores, Giras e Gingas na Educação Afrocametaense.

O samba de cacete é parte da realidade de populações do interior do Pará, na região do Alto Tocantins. Nas apresentações, as mulheres usam saias longas e rodadas, pulseiras e colares de contas. Os homens, também descalços, usam camisas coloridas, calças escuras ou brancas. São intensificadas no mês de novembro, quando se comemora o dia da Consciência Negra. (www.cultura.gov.br).

 

“Rodopiado”
Cantora carioca, Luisa Lacerda, ficou encantada quando ouviu o cantar de Patricia Bastos, num show na cidade maravilhosa, em janeiro deste ano.
“Fiquei encantada quando conheci Patricia Bastos cantando a música “Rodopiado”, de Ronaldo Silva, que também não conhecia. Foi tudo lindo”, disse a artista.

No ar
Programa “O Canto da Amazônia” vai completar 6 anos no ar, na Diário FM 90, 9, dia 14 de março.
E nesses 6 anos, Nonato Santos e Enrico Di Miceli, passaram por lá.

Banda Placa
Dia 9 de março a Banda Placa vai completar 34 anos de história. Parabéns aos irmãos artistas, Carlos Augusto (Carlitão) e Álvaro Gomes, criadores desse projeto musical.

Votação
Continua a votação na cantora amapaense Patrícia Bastos, semifinalista ao Prêmio Profissionais da Música 2017, nas categorias “Artista Cultura Popular” e “Cantora”.
A votação é pelo site www.ppm.art.br e vai até 19 de fevereiro. Vamos votar na representante amapaense.

Caia na Folia
Baile de carnaval de salão de Macapá, marcado para acontecer, dia 18 de fevereiro, na Aseel (Rodovia JK), às 22h. Banda Sakarolha vai agitar os foliões.
A realização tem a marca da qualidade e competência do amigo radialista, Azevedo Picanço. Vamos cair nessa folia. Informações: 98114-0202.

Rainha
Sábado, 18, vai acontecer a 35ª edição do concurso Rainha das Rainhas do Carnaval Amapaense.
Na sede do Trem Desportivo Clube, esquina da av: Feliciano Coelho com a rua Gal. Rondon – Trem, às 22h.

Fotografia
Exposição fotográfica “Nós e os Nus”, agendada para acontecer de 20 de fevereiro a 5 de março.
Na Galeria de Arte Trokkal, na Praça Veiga Cabral, 19h. Informações: 98137-2927 e 99198-8169.

Em Sampa
Cantora Patricia Bastos tem show agendado, em São Paulo, sábado (18), na reinauguração do Palacete Tereza.


Elementos do patrimônio cultural são destaques na Sapucaí

comentários

No silêncio da oração ou no entoar dos cantos, o sincretismo da fé no Brasil é um dos elementos marcantes que revelam uma nação construída a partir de sua miscigenação cultural. Dessa herança emerge o culto aos santos e orixás presentes em distintas crenças religiosas. Do catolicismo ao candomblé, os protetores espirituais – muitas vezes os mesmos – recebem veneração dos devotos com pedidos e agradecimentos com vela acesa no altar ou no Congá.

Só Com a Ajuda do Santo será o tema de enredo apresentado na Sapucaí pela Estação Primeira de Mangueira durante o carnaval de 2017. A ideia de abordar essa herança nacional representada na crença popular partiu do carnavalesco Leandro Vieira e contou com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que vem ajudando a Mangueira na pesquisa histórica, social e antropológica sobre o assunto, aproximando a escola de samba das comunidades tradicionais.

A parceria é uma das atividades em celebração aos 80 anos do Instituto, criado em 13 de janeiro de 2017. As ações conjuntas foram definidas pela presidente do Iphan, Kátia Bogéa, durante visita à Escola carioca Verde Rosa no mês de novembro. Para ela, é uma honra ter elementos do patrimônio cultural representados em uma das maiores festividades do Brasil.

“São 80 anos trabalhando na defesa, preservação, salvaguarda e fomento da memória nacional. Este esforço coletivo de décadas tem ganhado cada vez mais o reconhecimento da sociedade, sendo valorizado e difundido para o mundo em eventos internacionais, como olimpíadas e, agora, o carnaval”, destaca Kátia. (www.cultura.gov.br).

 

6 anos
Programa “O Canto da Amazônia” vai completar 6 anos no ar, na Diário FM 90, 9, dia 14 de março.
E nesses 6 anos, Amadeu Cavalcante e Cléverson Baía passaram por lá.

Votação
Continua a votação na cantora amapaense Patrícia Bastos, semifinalista ao Prêmio Profissionais da Música 2017, nas categorias “Artista Cultura Popular” e “Cantora”.
A votação é pelo site www.ppm.art.br e vai até 19 de fevereiro. Vamos votar na representante amapaense.

Caia na Folia
Baile de carnaval de salão de Macapá, marcado para acontecer, dia 18 de fevereiro, na Aseel (Rodovia JK), às 22h. Banda Sakarolha vai agitar os foliões.
A realização tem a marca da qualidade e competência do amigo radialista, Azevedo Picanço. Vamos cair nessa folia. Informações: 98114-0202.

Rainha
Sábado, 18, vai acontecer a 35ª edição do concurso Rainha das Rainhas do Carnaval Amapaense.
Na sede do Trem Desportivo Clube, esquina da av: Feliciano Coelho com a rua Gal. Rondon – Trem, às 22h.

Fotografia
Exposição fotográfica “Nós e os Nus”, agendada para acontecer de 20 de fevereiro a 5 de março.
Na Galeria de Arte Trokkal, na Praça Veiga Cabral, 19h. Informações: 98137-2927 e 99198-8169.

Projeto MPA
Projeto Música Popular do Amapaense deverá lançar DVD depois do carnaval, com show dos artistas que participaram da temporada 2016.

Homenagens
A partir desta terça, 14, artistas de diversos segmentos culturais prestam homenagem aos 6 anos do programa “O Canto da Amazônia”, que apresento na Diário FM 90,9, de segunda à sexta, 16h.
A data de 14 de março marca o inicio do programa na emissora, mas a contagem regressiva já iniciou. Obrigado.

Tradição
Banda Placa vai completar 34 anos de tradição musical no Amapá, dia 9 de março, e está organizando vasta programação para comemorar a data.


A Cantoria no Lago de Osmar Júnior

comentários

Criada em 1980, a reserva biológica do Lago Piratuba, entre o mar e o mangue, está localizada no município de Cutias do Araguari. Uma área de 395 mil hectares de vida, mas tudo isso pode acabar se suas “maravidas”, doadas pela natureza, continuarem recebendo a ignorância humana. É isso, que o poeta Osmar Júnior chama a atenção em seu projeto musical. Vida.

Esse projeto, que canta a vida, é resultado de anos de estudos (gravado em 2011), idealizado pelo autor, que resultou em um registro de um DVD, CD e um livro (escrito pelo poeta, escritor e parceiro de Osmar Júnior, Fernando Canto), sobre sua visão desse cantador de vidas. A idéia de construir esse projeto veio de estórias e “causos” contados pelo pai e avô de Osmar, ele quando menino ouvia histórias fantásticas sobre aquele santuário de encanto e beleza, chamado Piratuba, lugar onde eles nasceram, cresceram e amaram o lugar, as aventuras de uma vila que um dia existiu no lugar. Depois de anos ouvindo as boas histórias daquele paraíso, o poeta prometeu: “Um dia ainda vou cantar aqui. A minha canção, uma flor desse lugar, essa gente, esse lago são riquezas que precisam ser respeitadas, preservadas e conservadas. Porque de lugares como o iratuba, dependem grande parte da vida no planeta. É isso que eu sou e é isso que eu canto”. Disse o poeta.

“Piratuba: A Cantoria no Lago” revela ao mundo em sons e imagens, a beleza da Reserva Biológica do Piratuba, tendo como cenário um local incessível à maioria das pessoas. O resultado do projeto encanta aos olhos e aos sentidos, e emociona pela exuberância do cenário(água, mangue, pássaros, sol, noite, lua e poesia). O poeta doa ao público, mostrando em canções e imagens, para imortalizar seus mais de 30 anos de carreira, o lugar onde nasceram seus ancestrais.

Piratuba, A Cantoria no Lago é a Saga de um Poeta-Cantador em sua Nave-Troco, que canta a vida de seu planeta Amapá, chamando a atenção do mundo para a vida de quem vive naquele paraíso natural, ameaçado de destruição.

 

Votação
Cantora amapaense Patrícia Bastos, é semifinalista ao Prêmio Profissionais da Música 2017, e está recebendo votação expressiva, na categoria “Artista Cultura Popular”.
A votação é pelo site www.ppm.art.br e vai até 19 de fevereiro. Vamos votar na representante amapaense.

Nem aí
No geral, é impressionante o descaso dos órgãos de comunicação, principalmente, jornal, rádio e TV, com o artista amapaense. Não estão nem aí para a valorização do que é nosso.

Um exemplo é com a cantora Patrícia Bastos, que constantemente está sendo indicada e conquistando vários prêmios pelo Brasil. E nenhum dá uma linha falada e nem escrita.

Anote aí. Em 2013, em São Paulo, Patrícia foi premiada, com o CD “Zulusa”, pelo site www.embrulhador.com, um dos mais críticos do país, a melhor cantora regional do Brasil e a melhor música “Mal de Amor” (Val Milhomem e Joãozinho Gomes).

Em 2014, no Rio de Janeiro, ela foi premiada, no 25º Prêmio da Música Brasileira, o mais importante do país, em duas categorias: “Melhor Cantora Regional do Brasil” e o Melhor Álbum “Zulusa”.

Em 2016, o novo disco de Patrícia Bastos “Batom Bacaba”, foi selecionado pelo site www.embrulhador.com, entre os 100 melhores do Brasil e ficou em 4º lugar, concorrendo com mais de 1.400 álbuns, e a música “Mei Mei” (Joãozinho Gomes e Val Milhomem), foi a 2ª melhor do país, essa concorrendo com mais de 14.000 músicas.

Esta semana, ela está na semifinal da 3ª edição do Prêmio Profissionais da Música 2017, em duas categorias: “Melhor Cantora” e “Artista Cultura Popular”, do site www.ppm.art.br. A votação é pela internet, até dia 19 de fevereiro.

Um detalhe importante. Todas as músicas de Patrícia Bastos destacam o Amapá em suas temáticas, com uma linguagem bem amazônica de falar do nosso povo. Quem ama valoriza.

“Caia na Folia”
Nome do melhor baile de carnaval de salão de Macapá, marcado para acontecer, dia 18 de fevereiro, na Aseel (Rodovia JK), às 22h. Banda Sakarolha vai agitar os foliões.

A realização tem a marca da qualidade e competência do amigo radialista, Azevedo Picanço. Vamos cair nessa folia. Informações: 98114-0202.