Prazo do Cnart vai até 31 de março

comentários

Os comerciantes de obras de arte e antiguidade terão até o dia 31 de março para entrar no Cadastro Nacional de Negociantes de Obras de Arte e Antiguidades (Cnart). A decisão de prorrogar o prazo foi publicada no dia 9 de dezembro, no Diário Oficial da União, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), responsável pelo cadastro. Os comerciantes não cadastrados até essa data estarão sujeitos a multa.

A obrigação de cadastro no Cnart para todos os negociantes de obras de arte e antiguidades foi definida pela Portaria Iphan 396-2016, assinada em 15 de setembro, que regula os procedimentos a serem observados pelas pessoas físicas ou jurídicas que comercializem esses bens. O objetivo é garantir maior proteção às atividades de compra e venda de obras de arte e antiguidades. A norma fortalece os mecanismos de controle sobre essas operações, pelo Poder Público, e esclarece aos comerciantes e leiloeiros quais as situações são consideradas indícios de envolvimento com atividades ilegais.

A medida complementa as atribuições previstas no Decreto-Lei nº 25/1937, principal marco legal relativo à preservação do patrimônio cultural no país, e vem regulamentar a Lei nº 9.613/1998, que dispõe sobre os crimes de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores, e cria o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). A elaboração da portaria contou com a participação da sociedade por meio de consulta pública realizada pelo Iphan entre junho e julho deste ano.

O Iphan elaborou um conjunto de manuais para orientar os administradores que deverão atuar na fiscalização dos procedimentos a serem observados por pessoas físicas e jurídicas, além do uso do Cadastro por negociantes e usuários externos pertencentes a outros órgãos do governo, fornecendo informações para utilização correta do sistema que respondam às principais dúvidas do público, durante o primeiro contato com o Cnart. (www.portal.iphan.gov.br).

 

CANDACE: Era um título atribuído a uma espécie de dinastia de rainhas guerreiras, mulheres guerreiras que detinham o poder do reino de Meroé, no sul do Egito, pouco tempo antes da era cristã, formando uma sociedade matrilinear. Em Atos 8, no Novo Testamento da Bíblia, o título é citado quando Filipe, o Evangelista, encontra um chefe dos tesouros de “Candace, rainha dos etíopes”, cujo nome não foi mencionado no texto.

 

O sol brilha forte no horizonte

No fim do Brasil

E clareia nossa condição

Nossa miscigenação.

Osmar Júnior

 

  • Novos talentos

Programa “O Canto da Amazônia” (Diário FM 90,9) já está trabalhando no projeto de um festival de música regional (linguagem amazônica).

O objetivo é a descobertas de novos artistas: compositores (música e letra), arranjadores, músicos etc. É a valorização da cultura amazônica amapaense.

 

  • Posse

Novo diretor presidente da Fumcult (Fundação de Cultura), Sérgio Lemos (Teco), está convidando todos os militantes culturais para prestigiarem sua posse.

Nesta quarta, 11, no auditório do Sebrae , às 9h.

 

  • Alternativa

Com a notícia de que não haverá desfiles das escolas de samba em 2017, muita gente já procurando alternativas pra brincar a quadra momesca.

Pro interior do estado, Rio de Janeiro e São Paulo, são as opções.

 

  • Samba

Sexta, 13, inicia o projeto “Pagode da Nação, na sede de Boêmios do Laguinho, a partir das 21h.

Para abrir a temporada o Grupo de Samba Tirando Onda e Thiaguinho, mais a bateria Pororoca. Informações: 99149-1672.

 

  • 80 anos

A Política de preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro completa 80 anos, na sexta, 13.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), uma das mais longevas instituições públicas brasileiras e a primeira dedicada à preservação do patrimônio cultural na América Latina.

 

  • Agenda

Juntos, o rei da Zankerada, Finéias Nellutty e o rei do Carimbó, Pinduca, farão dois shows no Amapá.

Em Macapá, dia 10 de fevereiro, no Clube do Arrocha (antigo Biroska) e em Santana, na Dimpu’s Club, às 23h. Informações:  98137-3130 e 99142-2061.

 

  • De volta

O popular “Pitico” está de volta no cenário do carnaval e é o novo presidente da verde e rosa Maracatu da Favela.

Ele já presidiu a escola. Boa sorte.

 

  • Essência

Maestro Elias Sampaio promete grandes projetos para 2017, com a Orquestra Essência. No aguardo.


Nivito Guedes: “Eu Tô em Macapá”

comentários

Nascido às margens do gigante rio Amazonas, o macapaense da gema, Hernani Vitor Carrera Guedes, artisticamente conhecido como Nivito Guedes, é cantor, compositor e violinista com um estilo musical diferenciado no modelo de cantar e tocar o violão, que para quem ouve pensa que tem outro instrumento lhe acompanhando.

Nivito possui um swing e estilo amazônico que retratam uma diversidade de gêneros musicais que abarca desde características rítmicas (indígena), Marabaixo, Batuque, Zimba, o Carimbó(PA), Merengue e outros locais(regionais) do estado tucuju. Essas diversidades extrapolam a fronteira do extremo norte Brasil-Guiana, pela forte influência do swing caribenho, e chegam ao estilo romântico. Mais especificamente, nesta diversidade, dentre as composições de Nivito Guedes encontramos a música regional em si, reggae, pop-rock, xotes, baladas românticas, etc.

Nivito Guedes gravou três CD’s com composições próprias e com outros parceiros, o primeiro foi Todas as Luas, o segundo Tô em Macapá e o terceiro foi uma coletânea com canções defendidas em festivais no Amapá e fora do estado. Suas composições, sempre marcadas pela irreverência rítmica de suas melodias, na qual mistura a cultura Amazônica ( Marabaixo, Batuque – folclore Amapaense) com estilos e gêneros da música brasileira, e uma forte influência do swing caribenho, o diferenciam e caracterizam um estilo próprio e único criado por esse artista para cantar a nossa música popular brasileira. Ele está preparando seu próximo projeto musical.

 

 

GAFIEIRA: É o local onde, por volta do fim do século XIX e início do século XX em diante, tradicionalmente as classes mais humildes podiam freqüentar para praticar as danças de casal, ou danças de salão. Não chegava a ser um clube e sim uma alternativa para essas pessoas e, pelo que consta a história, as gafieiras sempre existiram no município do Rio de Janeiro.

 

Voa pássaro feito de poesia

Leva nas tuas asas

A palavra escrita, bendita

A palavra que também tem asas como o dia

Aroldo Pedrosa/Willian Cardoso

 

  • Parabéns

Nesta terça, 10, a Banda Negro de Nós está completando 18 anos de história musical.

E tem muito pra comemorar: 11 CD’s, 1 DVD e o título de melhor banda de Zouk do Brasil. Isso é Negro de Nós.

 

  • O melhor

Samba antológico de Boêmios do Laguinho, “Fortaleza o Atalaia do Norte” (1975), venceu o festival “O Melhor de Todos os Tempos”, sábado, 7, na quadra do colégio Azevedo Costa.

A autoria do samba é de Francisco Lino da Silva, há 43 anos. É o samba mais conhecido da história do carnaval amapaense. A realização do evento foi de Piratas Estilizados. Parabéns.

 

  • Alternativa

Com a notícia de que não haverá desfiles das escolas de samba em 2017, muita gente já procurando alternativas pra brincar a quadra momesca.

Pro interior do estado, Rio de Janeiro e São Paulo, são as opções.

 

  • Crise

A crise que se instalou no carnaval amapaense, principalmente nas escolas de samba, já vem de anos.

Muita gente atribui a culpa aos dirigentes que deixaram a política partidária entrar nas escolas, pra satisfazer seus interesses.

 

  • Gestão

A solução para tentar salvar o carnaval das escolas de samba do Amapá não está na mudança de período, mas sim na gestão e planejamento das instituições.

Falta tratar esse segmento com profissionalismo, começando com os dirigentes que pensam e agem como amadores.

Mudando de fevereiro para qualquer outro mês do ano não vai resolver a problemática instalada, vai agravar o desenvolvimento.

 

  • Eleito

Carnavalesco Disney Silva é o novo presidente da Embaixada de Samba Cidade de Macapá.

Seu vice é o jovem Adriano Leitão. Boa sorte.

 

  • Interesse

Outros interesses ultrapassaram o limite do carnaval das escolas de samba do Amapá e prejudicaram a administração e o espetáculo.

Cargos de presidente e diretor de qualquer coisa, ficaram mais importantes do que o pavilhão da agremiação.

 

  • Reis

Juntos, o rei da Zankerada, Finéias Nellutty e o rei do Carimbó, Pinduca, farão dois shows no Amapá.

Em Macapá, dia 10 de fevereiro, no Clube do Arrocha (antigo Biroska) e em Santana, na Dimpu’s Club, às 23h. Informações:  98137-3130 e 99142-2061.

 


Saiba o que é Patrimônio Imaterial

comentários

Os bens culturais de natureza imaterial dizem respeito àquelas práticas e domínios da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer; celebrações; formas de expressão cênicas, plásticas, musicais ou lúdicas; e nos lugares (como mercados, feiras e santuários que abrigam práticas culturais coletivas). A Constituição Federal de 1988, em seus artigos 215 e 216, ampliou a noção de patrimônio cultural ao reconhecer a existência de bens culturais de natureza material e imaterial.

Nesses artigos da Constituição, reconhece-se a inclusão, no patrimônio a ser preservado pelo Estado em parceria com a sociedade, dos bens culturais que sejam referências dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira. O patrimônio imaterial é transmitido de geração a geração, constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade, contribuindo para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) define como patrimônio imaterial “as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas – com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados – que as comunidades, os grupos e, em alguns casos os indivíduos, reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural.” Esta definição está de acordo com a Convenção da Unesco para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, ratificada pelo Brasil em março de 2006.

Para atender às determinações legais e criar instrumentos adequados ao reconhecimento e à preservação desses bens imateriais, o Iphan coordenou os estudos que resultaram na edição do Decreto nº. 3.551, de 4 de agosto de 2000 – que instituiu o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial e criou o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI) – e consolidou o Inventário Nacional de Referências Culturais (INCR).

Em 2004, uma política de salvaguarda mais estruturada e sistemática começou a ser implementada pelo Iphan a partir da criação do Departamento do Patrimônio Imaterial (DPI). Em 2010 foi instituído pelo  Decreto nº. 7.387, de 9 de dezembro de 2010 o Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL), utilizado para reconhecimento e valorização das línguas portadoras de referência à identidade, ação e memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira. (www.portal.iphan.gov.br).


PUPUNHEIRA
: É uma planta da família Arecaceae (antiga Palmae). Pode crescer até 20 m e é originária das florestas tropicais do continente americano. É muito conhecida e consumida pelas populações nativas da América Central até a Floresta Amazônica, sendo há séculos utilizada na sua alimentação. Os frutos são frequentemente consumidos depois de cozidos em água e sal ou na forma de farinha ou óleo comestíveis. Contudo, também podem ser matéria-prima para a fabricação de compotas e geleias.

 

Vem me banhar minha nação

Na essência da fé que contagia

Deixa eu invadir teu coração

Eu sou Boêmios, sou Laguinho todo dia

Ilan do Laguinho

 

  • Fumcult

Sérgio Lemos (Teco) deixa a Macapatur e assume a Fundação Municipal de Cultura (Fumcult).

Ele já esteve administrando a pasta quando João Henrique era prefeito de Macapá, já conhece a política da instituição e dos segmentos culturais. Boa sorte.

 

  • Popularizar

MinC realizou, quarta 4, em BH, a 43ª edição da Campanha de Popularização Teatro e Dança.

O projeto, que teve início da década de 70, é realizado todos os anos entre os meses de janeiro e fevereiro, com os espetáculos teatrais e de dança que foram apresentados nos palcos mineiros no ano anterior.

É a maior ação de popularização das artes cênicas do país. (www.cultura.gov.br).

 

  • Campeão dos campeões

É assim que se chamará o samba vencedor do festival que vai eleger o melhor samba de enredo de todos os tempos, do carnaval amapaense.

Vai acontecer neste sábado, 7, na quadra do colégio Azevedo Costa (Laguinho), 21h. A realização é da escola de samba Piratas Estilizados.

Além do espetáculo dos sambas, ainda terá o show nacional de um dos maiores e melhores intérpretes do carnaval brasileiro, Dominguinhos do Estácio. Vai bombar.

 

  • Boa notícia

Recebo a informação de que o novo prefeito de Santana, Ofirney Sadala, vai recuperar o Teatro Municipal da cidade, esquecido e abandonado pelos antecessores.

Em dezembro de 2012, na administração de Antônio Nogueira, o teatro foi inaugurado, mas sem condições de funcionar.

 

  • Poço?

Com a não realização dos desfiles das escolas de samba pelo segundo ano consecutivo (2016/2017), parece que estamos caminhando para trás ou caindo num poço sem fundo?

É lamentável concordar com a decadência e que estamos assistindo o final de um filme que começou bem lá atrás.

 

  • Permanece

Maykom Magalhães continua como diretor presidente do Instituto Municipal de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Improir).

Fez um bom trabalho e merece continuar. Boa sorte.

 

  • Compromisso

Claudiomar Rosa assumiu a Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística de Macapá (Semur). Boa sorte.


Brasil de Todas as Telas apoio cinema e TV

comentários

A Agência Nacional do Cinema (Ancine) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) divulgaram lista com 11 projetos para cinema e TV, inscritos em chamadas públicas de fluxo contínuo, que serão contemplados com investimentos do Programa Brasil de Todas as Telas. O anúncio inclui dois longas-metragens de ficção para as salas de cinema e nove projetos para a TV, sendo seis séries e três telefilmes documentais. O investimento total é de R$ 17,4 milhões em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

Na seara da produção para a TV, nove projetos foram selecionados entre os inscritos na Chamada Pública Prodav 01/2013. Três deles são telefilmes com caráter documental: Hackers x crackers, de Mauricio de Souza Dias, com exibição na Play TV; Somos o que perdemos, de Heloisa Passos, com exibição no canal Cinebrasil TV; e Pessoas, de Marcelo Machado, Lais Bodanski, Viviane Ferreira, João Jardim e Marco del Fiol, a ser exibida pelo Canal Curta!.

Também documentais são as séries Expedição Nordeste, de Vânia Alves Smith Lima, Rodrigo de Luna Vieira e Matheus Vianna (TV Aratu); Outras brasileiras, de Diego Dadalt (Globosat); Sonho americano, de Paulo Nascimento (Travel Box Brazil); e Matizes do Brasil, de José Belisário Franca (Canal Curta!). Duas séries de ficção com primeira exibição prevista para o SBT, na TV aberta, completam a lista: a segunda temporada de A garota da moto, de João Daniel Tikhomiroff, e Z4, de Alexandre Boury.

Pela Chamada Pública Prodecine 02/2016, na qual distribuidoras apresentam projetos de produção de longas-metragens, dois filmes de ficção com destinação inicial para as salas de exibição receberão recursos: Jovens polacas, de Alex Levy-Heller, apresentado pela Pipa Produções; e DAS – Divisão Antisequestro, de Vicente Amorim, apresentado pela Downtown Filmes. (www.cultura.gov.br).

 

TRADIÇÃO: É uma palavra com origem no termo em latim “traditio”, que significa “entregar” ou “passar adiante”. A tradição é a transmissão de costumes, comportamentos, memórias, rumores, crenças, lendas, para pessoas de uma comunidade, sendo que os elementos transmitidos passam a fazer parte da cultura. Para que algo se estabeleça como tradição, é necessário bastante tempo, para que o hábito seja criado.

 

Distante dela
eu chorava sofrendo
de mal de amor
faz tanto tempo

Ronery

 

  • Pois é!

Com a proposta da Liga das Escolas de Samba, de realizar o desfile em setembro, cinco, das dez agremiações, não concordam e ameaçam não desfilar.

E a confusão está formada.

 

  • Expectativa

Todos no aguardo do relatório do secretário de cultura, Carlos Matias, que está há mais de seis meses gerenciando a Secult, fazendo um balanço geral da real situação da instituição.

O gestor informou que mais de 200 convênios estão sem a prestação de contas.

 

  • Renovação

MinC vai renovar a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, que receberá novos comissários para o biênio 2017/2018, em fevereiro.

No último biênio, os membros da comissão analisaram mais de 10 mil projetos que buscaram apoio via mecanismo de incentivo fiscal da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei 8.313/91), conhecida como Lei Rouanet. (www.cultura.gov.br).

 

  • Politicagem

Não é de agora, mas desde quando outros interesses (fora do carnaval) entraram na administração das escolas de samba e da instituição que realiza os desfiles, muitos problemas apareceram.

Isso também colaborou com a crise atual.

 

  • “De Volta Pra Casa”

Cantor e compositor, Nivito Guedes, está de volta pra casa 100% recuperado, depois da cirurgia no olho direito.

O título é o  nome de uma das canções do artista.

 

  • Reeleito

Amadeu Cavalcante foi reeleito presidente da Associação dos Músicos e Compositores do Amapá (Amcap), no último dia 28 de dezembro.

O cantor e compositor vai administrar a instituição no Biênio 2017-2018. Parabéns e boa sorte.

 

  • Cinema

A Ancine (Agência Nacional) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, divulgaram lista com 11 projetos para cinema e TV que serão contemplados com investimentos do Programa Brasil de Todas as Telas.

O investimento total é de R$ 17,4 milhões em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual. (www.cultura.gov.br).

 

 

 

 


Artistas realizam Show Solidário

comentários

Músicos e amigos do fotojornalista Chico Terra decidiram se unir e produzir um show filantrópico para que o endereço eletrônico não saia do ar por falta de recursos para manutenção. O site foi criando há 16 anos por Chico Terra, também músico, para divulgar a música e a cultura da Amazônia, e que com o tempo incorporou à sua programação, a Amazônia Brasil Rádio Web, única com repertório musical e notícias exclusivas da região Norte. O show será no bar Barril, quinta-feira, 5 de janeiro, com direção musical de Joaquim França. Esquina da av: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva – Centro, às 21h. Ingresso R$ 15,00.

O maestro amapaense Joaquim França, que mora e trabalha em Brasília, veio ao Amapá com esta intenção, de não deixar o chicoterra.com acabar, e reuniu outros artistas para participarem do show. Humberto Moreira, Cléo Araújo, Deize Pinheiro, Neivaldo Santos, Cleverson Baía,  Astor Barros, Finéias Nellutty, Paulo Bezerra e Grupo Pilão , sob a coordenação de Jucicleber Castro, que assumiu a direção executiva do evento, apoiaram a campanha e confirmaram a participação no show.

Chico Terra tem uma intensa atuação na imprensa amapaense, e o reconhecimento de internautas, produtores culturais, assessores de comunicação e artistas, que têm no site, um espaço alternativo para divulgar a arte e cultura regional. Com passagem por assessorias institucionais na função de fotógrafo, Chico decidiu abdicar da estabilidade temporária de cargos para se dedicar ao site e  manter o espaço para quem faz e promove cultura na Amazônia. Da sua casa, ele atualiza o site, faz transmissão ao vivo dos eventos que realiza, e vende CDs de artistas amapaenses.

“Todos reconhecem a importância do site chicoterra.com, e aplaudem a determinação em mantê-lo, mas isso não basta, é preciso arcar com os custos de um site, e dar o mínimo de condições para o Chico se mantenha e dedique-se integralmente à este projeto, que é um suspiro para a nossa cultura. Com a crise nacional,  poucos empresários e gestões investem em cultura e jornalismo, por isso resolvemos unir amigos e parceiros para não deixar que o site não saia do ar, ou perderemos um suporte de grande importância para a Amazônia”, explica Jucicleber Castro. (Mariléia Maciel – Jornalista Colaboradora).

 

ESPERANÇA: É também uma das três virtudes teologais do Cristianismo. Por meio desta virtude, os cristãos desejam e esperam, de Deus, a vida eterna e o Reino de Deus como a felicidade última para eles, colocando a suas confianças nas promessas de Cristo.

 

No novo tempo, apesar dos castigos

Estamos crescidos, estamos atentos, estamos mais vivos

No novo tempo, apesar dos perigos

Da força mais bruta, estamos na luta pra sobreviver

Ivan Lins

 

  • Esperança

O novo ano chegou e com ele a esperança de dias melhores para os artistas amapaenses.

Muitas belas produções estão no forno. No aguardo.

 

  • Prorrogação

O Iphan prorrogou o prazo, até 31 de março de 2017, para os comerciantes de obras de arte e antiguidade, para o Cadastro Nacional de Negociantes de Obras de Arte e Antiguidades. (www.portal.iphan.gov.br).

 

  • Cultura

Os artistas esperam que no ano que está se iniciando, se faça mais cultura e que a politicagem não prejudique o processo de evolução dos projetos. Tomara.

 

  • Novidade

Vários projetos culturais estão sendo finalizados e logo serão lançados.

É a produção artística amapaense dando seu recado.

 

  • Reforma

Teatro das Bacabeiras passará por reforma em breve. O prédio está funcionando com parte da estrutura e equipamentos já comprometidos.

 

  • No ar

Programa “O Canto da Amazônia” (Diário FM 90,9) renovando o seu compromisso de valorizar e divulgar a cultura artística tucuju, neste ano novo.

 

  • Chico Terra

Amazônia Brasil Rádio Web (www.chicoterra.com) está precisando de nossa contribuição para se manter no ar.

Há 16 anos esse projeto do amigo Chico Terra vem divulgando a cultura amapaense, mas necessita de recurso para continuar.

Na quinta (5) será realizado um show com artistas regionais, no bar “O Barril”, esquina da av: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 21h. Ingresso R$ 15,00. Vamos contribuir.


Saiba o que é cultura de massa

comentários

Público – Importância

A expressão “Cultura de Massa”, posteriormente trocada por “indústria cultural”, é aquela criada com um objetivo específico, atingir a massa popular, maioria no interior de uma população, transcendendo, assim, toda e qualquer distinção de natureza social, étnica, etária, sexual ou psíquica. Todo esse conteúdo é disseminado por meio dos veículos de comunicação de massa .

Antes do advento da cultura de massa, havia diversas configurações culturais – a popular, em contraposição à erudita; a nacional, que entretecia a identidade de uma população; a cultura no sentido geral, definida como um conglomerado histórico de valores estéticos e morais; e outras tantas culturas que produziam diversificadas identidades populares.

Mas, com o nascimento do século XX e, com ele, dos novos meios de comunicação, estas modalidades culturais ficaram completamente submergidas sob o domínio da cultura de massa. Veículos como o cinema, o rádio e a televisão, ganharam notório destaque e se dedicaram, em grande parte, a homogeneizar os padrões da cultura.

Como esta cultura é, na verdade, produto de uma atividade econômica estruturada em larga escala, de estatura internacional, hoje global, ela está vinculada, inevitavelmente, ao poderoso capitalismo industrial e financeiro. A serviço deste sistema, ela oprime incessantemente as demais culturas, valorizando tão somente os gostos culturais da massa.

Esta cultura é hipnotizante, entorpecente, indutiva. Ela é introjetada no ser humano de tal forma, que se torna quase inevitável o seu consumo, principalmente se a massa não tem o seu olhar e a sua sensibilidade educados de forma apropriada, e o acesso indispensável à multiplicidade cultural e pedagógica. (Ana Lúcia Santana)

 

Voa pássaro feito de poesia
Leva nas tuas asas
A palavra escrita, bendita
A palavra que também tem asas como o dia

Aroldo Pedrosa/Willian Cardoso

 

  • Findou

Neste sábado, 31, é o último dia do ano de 2016. Podemos dizer que os doze meses findaram muito bem para as produções artísticas cultural.

Mas, como sempre, faltou o aporte financeiro do poder público para os artistas escoarem suas obras.

  • Esperança

Que o novo ano de 2017 venha e traga, na bagagem, muita esperança para os artistas tucujus.

Pois, competência na qualidade, já foi comprovado que eles tem.

  • Vai passar

“Dormia a nossa pátria mãe tão distraída, sem perceber que era subtraída em tenebrosas transações.

E um dia, afinal, tinham direito a uma alegria fugaz. Uma ofegante epidemia que se chamava carnaval…”. (Chico Buarque).

  • 4- Decisão

É difícil decidir e ter a certeza que uma determinada decisão vai lhe trazer beneficio. Por isso, é difícil decidir.

Assim que você decide algo e isso não lhe traz o esperado, logo você diz que decidiu errado e alguém vai sentir o resultado negativo. Por isso, é difícil decidir.

  • Boêmios

Festa de aniversário dos 63 anos de Boêmios do Laguinho, dia 2 de janeiro, na quadra da escola, às 21h.

Av: Gal. Osório entre as ruas Eliezer Levy e Gal. Rondon (Laguinho).

  • Prorrogação

O Iphan prorrogou o prazo, até 31 de março de 2017, para os comerciantes de obras de arte e antiguidade, para o Cadastro Nacional de Negociantes de Obras de Arte e Antiguidades (Cnart). (www.portal.iphan.gov.br).

  • “Mal de Amor”

Título do novo CD do cantor e compositor amapaense, Val Milhomem, já gravado e no aguardo de sua chegada.

“Mal de amor” é o nome da primeira parceria musical de Val Milhomem e Joãozinho Gomes, em 2001.

  • Festival

Grandes festivais de música aconteceram e com eles surgiram novos compositores, músicos e cantores amapaenses.

Seria uma boa retornar com esses projetos. Fica a dica.


Sociologia

comentários

Aguardente no bom samba canção

Uisquinho da bossa nova

Caspa do diabo no ronck’n roll

Erva do amor no reggae nitht

Felipe Cordeiro

 

Maravilha

Foi maravilhoso o show “Voz e Cordas” de Lia Sophia, ontem (23), no Vitruviano.

São 15 anos de carreira e um repertório refinadíssimo que encantou a todos. Parabéns.

 

Agenda

Dia 30 de dezembro tem agenda musical com o show “As Meninas da Amazônia” (Brenda Melo, Lucinhas Bastos e Juliele).

No bar “O Barril”, esquina da AV: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 22h. Informações: 98137-3130 e 99113-9341.

 

“Capim Rosa Chá”

Nome do 1º projeto musical que a jovem cantora amapaense, Deize Pinheiro, está preparando pra lançar em 2017.

Blues, samba, jazz e a temática amazônica, estarão no repertório. Parabéns.

 

Internacional

Cantora amapaense Taty Taylor, de malas prontas para fazer seu primeiro show em Zurich (Suiça).

Viagem agendada para o dia 27 (terça). Na bagagem, as músicas suas músicas autorais e interpretações consagradas do universo brasileiro e internacional.

 

Samba

Dia 2 de janeiro tem festa pra comemorar os 63 anos da maior do samba do norte brasileiro. Boêmios do Laguinho.

Na sede da Universidade. Av: Gal. Osório entre as ruas Gal. Rondon e Eliezer Levy, a partir das 20h.

 

Natal

Já antecipando um feliz natal a todos os artistas parceiros do programa “O Canto da Amazônia”, da Diário FM 90,9.

De segunda à sexta, às 16h. Ele toca a música feita em casa, com uma linguagem bem amazônica de cantar e valorizar o que é nosso.

 

Penta

Time feminino de futebol do Oratório Recreativo Clube conquistou o penta campeonato amapaense.

Na quinta, 22, no estádio Zerão. Parabéns.

 

Conquista

A Agência Nacional do Cinema (Ancine) investe mais R$ 70 milhões no projeto Brasil de Todas as Telas.

Os recursos serão para as produções de conteúdo para televisão e na complementação de recursos para obras de longa-metragem. (www.cultura.gov.br)

 

 

Movimento – Reconhecimento

Joinville é a capital nacional da dança

Agora é oficial e a cidade catarinense de Joinville é a Capital Nacional da Dança. O título, sancionado pelo presidente da República, Michel Temer, e pelo ministro da Cultura, Marcelo Calero, só confirma a vocação da região que promove, há mais de 30 anos, o Festival de Dança considerado pelo Guiness Book como o maior no mundo em número de participantes – em torno de 4,5 mil bailarinos. A cidade ainda abriga a única Escola do Balé Bolshoi fora da Rússia.

A entrega simbólica do título ocorreu na noite de abertura do 34ª Festival de Dança de Joinville, na quarta-feira (20), e o título foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta (21). Há mais de 30 anos, Joinville promove o evento e, em paralelo, acontecem também a Mostra de Dança Contemporânea, o Festival Meia Ponta – voltado para crianças –, a Feira da Sapatilha, o Encontro das Ruas, a Rua da Dança, além do Palcos Abertos e da Passarela da Dança. O festival segue até sábado (30), com diversas companhias nacionais de dança.

Para o presidente do Instituto Festival de Dança de Joinville, Ely Diniz da Silva Pinto, o título concedido oficialmente à cidade já tem o reconhecimento dos participantes. “A diferença é que agora é oficial, é lei. Culturalmente é inquestionável, pois sediamos um festival considerado o maior do mundo em número de participantes e abrigamos a única escola do Balé Boshoi fora da Rússia”, salientou. O ministro da Cultura, Marcelo Calero, reforçou que a dança conferiu um outro status à cidade: “O título de capital da dança concedido a Joinville reflete a riqueza da produção artística brasileira e a importância econômica da atividade cultural”.

A edição deste ano do Festival reúne mais de 400 grupos de escolas de dança do país. Segundo ele, a maioria dos estados está representada.  “Joinville é um “brasileirão da dança”, diz, ao acrescentar que a média de público nos espetáculos é de 4,2 mil pessoas, entre turistas e a comunidade local, apenas no palco principal. Mas mais 230 mil pessoas circulam pelos palcos espalhados pela cidade. A realização do evento só é possível porque o Festival está na lista dos beneficiados com incentivo fiscal da Lei Rouanet. “O mecanismo é de extrema importância para a produção cultural no país e por isso é muito importante entender que o que se faz em cultura não seria possível sem essa fonte de financiamento. (www.cultura.gov.br).


Natal

comentários

 

Eu amo você terra minha amada

Minha oca meu iglu, minha casa

Eu amo você pérola azulada conta

No colar de Deus, pendurada

Zé Miguel/Joãozinho Gomes

 

 

É Hoje

Show de Lia Sophia “Voz e Cordas”, nesta sexta, 23, no Vitruviano, às 22h. Um presente de natal.

Av: Machado de Assis, entre as ruas Hamilton Silva e Leopoldo Machado (atrás da Assembleia Legislativa. Informações: 98122-4919. (mesas limitadas).

 

Presentão

Dia 30 de dezembro tem agenda musical com o show “As Meninas da Amazônia” (Brenda Melo, Lucinhas Bastos e Juliele).

No bar “O Barril”, esquina da AV: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 22h. Informações: 98137-3130 e 99113-9341.

 

Natal

Nesta sexta, 23, às 16h, o Projeto MPA em parceria com a Amcap realiza ação natalina com as crianças do chamado “bairro da Piçarreira”. Entrega de brinquedos e brincadeiras com as crianças.

Na av: Professor Tostes esquina com a rua José Tupinambá (antiga Nações Unidas). Sede da Associação.

 

Habilitados

Minc anuncia habilitados nos Editais do programa IberCultura Viva 2016.

A relação definitiva dos contemplados, que passarão pela a etapa de avaliação, você confere no portal www.cultura.gov.br.

 

Abandono

Município de Serra do Navio, que já foi vitrine de organização e grandeza, vive dias agonizando por nova vida.

Algo precisa ser feito para tirar aquela cidade do abandono. Quem se habilita?

 

Internacional

Cantora amapaense Taty Taylor, de malas prontas para fazer seu primeiro show em Zurich (Suiça).

Viagem agendada para o dia 27 (terça). Na bagagem, as músicas suas músicas autorais e interpretações consagradas do universo brasileiro e internacional.

 

Samba

Dia 2 de janeiro tem festa pra comemorar os 63 anos da maior do samba do norte brasileiro. Boêmios do Laguinho.

Na sede da Universidade. Av: Gal. Osório entre as ruas Gal. Rondon e Eliezer Levy, a partir das 20h.

 

Natal

Já antecipando um feliz natal a todos os artistas parceiros do programa “O Canto da Amazônia”, da Diário FM 90,9.

De segunda à sexta, às 16h. Ele toca a música feita em casa, com uma linguagem bem amazônica de cantar e valorizar o que é nosso.

 

 

Organização – Necessária

A importância da Lei de incentivo à cultura

 

O desmantelo praticado pelo governo anterior em diversas áreas, com uma sucessão de escândalos de corrupção e desvios, só fez agravar na sociedade brasileira o sentimento de descrença generalizada em relação à administração dos recursos públicos. Como resultado de tamanho descrédito, até mesmo algumas boas instituições existentes há muito tempo passaram a ser duramente criticadas por parcela significativa da opinião pública. É o caso, por exemplo, da Lei nº 8.313, de 23 de dezembro de 1991, a Lei Rouanet, uma importante iniciativa para fomentar a atividade cultural no país.

Ao contrário do que muitos brasileiros imaginam, a lei de incentivo à cultura é um avanço que deve ser preservado. É evidente que vários ajustes são necessários para que se corrijam distorções, mas a legislação tem uma importância inquestionável. Nesse curto período à frente do Ministério da Cultura, constatamos que os mecanismos de fiscalização e controle em relação aos projetos viabilizados pela lei estão desatualizados e precisam ser aperfeiçoados com urgência. É exatamente a partir de tal deficiência que surgem os maiores problemas envolvendo irregularidades ou desvios de finalidade dos mais variados tipos. Entretanto, é possível corrigir os rumos sem acabar com a Lei Rouanet, o que só prejudicaria a cultura brasileira.

Há algumas semanas, o Ministério da Cultura divulgou uma lista com 96 projetos realizados via Lei Rouanet que tiveram suas prestações de contas aprovadas e outros 31 reprovados. Esse último grupo terá de devolver aos cofres públicos, por meio de um depósito na conta do Fundo Nacional da Cultura (FNC), mais de R$ 4,7 milhões, o que corresponde ao valor total reprovado acrescido da atualização pelos índices da caderneta de poupança. Entre os motivos para a reprovação, estão o descumprimento do objeto ou do objetivo do projeto, omissão na prestação de contas, falha na análise financeira, entre outros. (www.cultura.gov.br)


BATACLAN

comentários

História – Construção

Tradição nas escolas de samba

Uma das escolas de samba mais tradicionais do Rio de Janeiro e berço de alguns dos maiores nomes do samba no Brasil, a Portela também atua como Ponto de Cultura. Na avaliação do Diretor Cultural da Escola, Rogério Rodrigues, é feito um trabalho dentro de uma perspectiva pedagógica, no sentido de fazer com que a memória da Portela e do samba sejam difundidas. “Fazemos pesquisas constantes com o objetivo de resgatar e, depois, divulgar através de diferentes linguagens, como a música, a dança, o audiovisual. É importante também que nossas atividades possam promover a interação entre gerações, fazendo com que os mais jovens conheçam esse legado dos mais velhos, dos mais antigos”, destacou.

Rodrigues acredita que é indispensável que a comunidade conheça a própria escola e seus fundamentos. “Isso contribui inclusive para que possamos mapear uma geografia cultural do Rio de Janeiro. É uma chance também de difundirmos personagens relevantes para a escola e para o samba, mas que são pouco conhecidos do grande público”, completou. O centenário do samba foi lembrado durante todo o ano, segundo Rogério Rodrigues, em exposições realizadas no Centro de Memória da Escola.

Dentro dessa perspectiva, a Portela mantém algumas atividades regulares como o Cine Samba Candeia, com a apresentação de filmes sobre personagens da escola e de outras agremiações, e o Portela de Asas Abertas, uma roda de samba acústica que acontece a cada dois meses com grupos e sambistas de todo o País. A ideia deste último evento é recordar obras de grandes compositores da “Majestade do Samba”, apelido carinhoso da Portela. (www.cultura.gov.br).

 

Música

Ei você

Aqui também é meu país

Sei que um dia serei feliz

Vou ter a paz

Osmar júnior

 

  • Lançamento

Dia 29 de dezembro a Nação Marabaixeira, realizadora do 1º Festival Cantando Marabaixo, vai lançar o CD e o DVD do evento.

Na Maloca da Tia Chiquinha (Centro Cultural Raízes do Bolão), às 19h.

 

  • Agenda

Show de Lia Sophia “Voz e Cordas”, dia 23 de dezembro, no Vitruviano, às 22h. Um presente de natal.

Av: Machado de Assis, entre as ruas Hamilton Silva e Leopoldo Machado (atrás da Assembleia Legislativa. Informações: 98122-4919. (mesas limitadas).

 

  • Doutor

O amapaense Fernando Canto recebeu graduação de doutor em sociologia. Já assina, há anos, trabalhos nos segmentos da poesia, escritor, compositor, músico, cantor e jornalista. Parabéns.

 

  • Solidariedade

Sexta, 23, às 16h, o Projeto MPA em parceria com a Amcap realiza ação natalina com as crianças do chamado “bairro da Piçarreira”.

Na av: Professor Tostes esquina com a rua José Tupinambá (antiga Nações Unidas). Sede da Associação.

 

  • Respeito

Quando você não consegue êxito em seus projetos, reconheça e respeite quem consegue avançar nos seus.

São essas atitudes de grandeza que fazem com que seu coração fique menos amargo.

 

  •  “Felizão”

Ano de 2016 indo embora e já agradecendo a Deus por me proporcionar momentos que me tornaram maior e feliz.

Superando pequenos obstáculos e de cabeça erguida enfrentando os ciscos nos olhos. Tô Felizão.

 

  • Cantando

Cantadores Osmar Júnior e Zé Miguel estão em turnê  pelo estado, levando ao conhecimentos de todos suas belas composições.

Belo projeto. Parabéns.

 

  • Presentão

Dia 30 de dezembro tem agenda musical com o show “As Meninas da Amazônia” (Brenda Melo, Lucinhas Bastos e Juliele).

No bar “O Barril”, esquina da AV: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 22h. Informações: 98137-3130 e 99113-9341.

 

 


Resultado

comentários

Lembrança

Cantor e compositor, Lemos Coiê, nascido em Serra do Navio (AP), destacava sua terra em suas canções.
O CD “O Trem Partiu” é um exemplo.

 

Agenda

Show de Lia Sophia “Voz e Cordas”, dia 23 de dezembro, no Vitruviano, às 22h. Um presente de natal.
Av: Machado de Assis, entre as ruas Hamilton Silva e Leopoldo Machado (atrás da Assembleia Legislativa. Informações: 98122-4919. (mesas limitadas).

 

Presentão

Dia 30 de dezembro tem agenda musical com o show “As Meninas da Amazônia” (Brenda Melo, Lucinhas Bastos e Juliele).
No bar “O Barril”, esquina da AV: Procópio Rola com a rua Hamilton Silva, às 22h. Informações: 98137-3130 e 99113-9341.

 

Reflexão

Ano de 2016 “findando” e a classe artística refletindo sobre projetos realizados e a falta de fomento e incentivo para a realização de muitos outros. Expectativa para o novo ano que está bem aí.

 

Abandono

É triste ver a situação em que se encontra o tradicional Trapiche Eliezer Levy, em total abandono.
Se não cuidarem daquele patrimônio, qual o objetivo de sua permanência ali.

 

Destaque

Cantor Amadeu Cavalcante é uma das maiores referências da música amazônica.
Com mais de 35 anos de carreira e vários discos gravados. Merece o destaque e o registro da coluna.

 

Parabéns

Minha querida mãe, dona Elza, está de aniversário nesta terça (20), completando 76 anos de muita vida.
O amor, admiração e respeito que sinto por ela ainda é pouco diante de tudo o que ela me proporciona. Feliz aniversário, minha “veia”.

 

Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular

O Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular tem atuação nacional e sua missão consiste na pesquisa, documentação, difusão e execução de políticas públicas de preservação e valorização dos mais diversos processos e expressões da cultura popular.

Sua estrutura abriga: o Museu de Folclore Edison Carneiro, a Biblioteca Amadeu Amaral e os setores de Pesquisa e de Difusão Cultural, além da área administrativa.

Criado em 1958 e vinculado ao Iphan desde 2003, o Centro atua em diferentes perspectivas com o objetivo de atender as demandas sociais que se colocam no campo da cultura popular. Entre suas principais ações destacam-se os projetos de fomento da cultura popular, desenvolvidos pelo Programa de Promoção do Artesanato de Tradição Cultural (Promoart) e Sala do Artista Popular (SAP); programas de estímulo à pesquisa, como o Concurso Sílvio Romero de monografias, o Etnodoc (edital de filmes etnográficos), o Dedo de Prosa (fórum de debates) e o Projeto Memórias dos Estudos de Folclore.

Na área de difusão e formação de público, destacam-se o programa de exposições, o programa educativo, o Curso Livre de Folclore e Cultura Popular e os programas de edições e intercâmbio.

E na área de documentação, o tratamento, atualização e disponibilização dos acervos museológico (14 mil objetos – MFEC), bibliográfico e sonoro-visual (300 mil documentos – BAA), parte deles disponibilizada em suas coleções digitais. (www.portal.iphan.gov.br)