Um grão de arroz

Qualquer administrador entende muito bem destas coisas. Errar significa prejuízo certo.

Compartilhe:
rice stalks and rice grain

Os plantadores de arroz sabem. A cada grão semeado na terra nascem 24 plantinhas. Por sua vez elas se tornarão 24 espigas. 24 espigas de arroz vão produzir cerca de 300 grãos. Na hora da colheita serão 7200 grãos. Se plantados, na colheita seguinte serão 58.140.000 grãos de arroz. E assim por adiante. Quantos quilos? Quantas toneladas de arroz serão produzidas? Quando nos interessa, sabemos fazer bem todos os cálculos. Conhecendo o investimento, já imaginamos o lucro. Qualquer administrador entende muito bem destas coisas. Errar significa prejuízo certo.

No evangelho de Lucas deste domingo, Jesus fala de muitas coisas. Fala de administradores honestos e prudentes e outros… aproveitadores. Lembra empregados atentos e zelosos como também de funcionários dorminhocos e preguiçosos. Neste caso o ladrão arromba facilmente a casa. Têm portas que se abrem imediatamente e outras não. Tem uma mesa o nde os empregados sentarão e o dono os servirá. O trecho inicia com o conselho de juntar tesouros no céu e encerra com a cobrança de mais frutos por parte de quem muito recebeu. Uma página evangélica cheia de atividades e alertas. Com certeza, um convite a agir com presteza e atenção obedecendo de maneira inteligente e generosa à vontade do senhor da casa.

Parece de ver a sociedade de hoje com suas visíveis contradições. Tem pessoas muito atarefadas que quase não dormem, executivos atrás de negócios dia e noite. Para alguns não bastam as 24 horas de cada dia. Se parar, perdem dinheiro e prestígio. Alguns são honestos, outros não sabem mais o que inventar para enga nar gente. Será que são felizes assim? Do lado oposto, têm muitos irmãos e irmãs que também perambulam o tempo todo, mas atrás de serviço para sobreviver. Cansam de encontrar portas fechadas e corações indiferentes; vivem decepcionados pelas promessas vazias. Esperam um amanhã que nunca chega. Milhões de seres humanos migram para outros países, mas só têm muros, campos de refugiados e prisões para acolhê-los. Não falarei dos ladrões. Os piores nem precisam mais arrombar a porta porque já tem as chaves da casa. Infelizmente, mandam e desmandam. Fazemos parte de uma humanidade sempre em movimento, um vaivém que nunca acaba. Quando alguns saem de cena, outros logo vêm atrás, no mesmo trilho. Fica a pergunta: para onde vai esta nossa sociedade?

Apesar de tudo contínuo otimista, não só porque acredito em Deus, mas também porque confio no ser humano criado a imagem dele. Por que não seguimos o conselho de Jesus? O importante é ficar alerta, manter o foco, e não nos deixar encantar ou entorpecer pelas mil distrações que nos são oferecidas. O projeto do Reino de Deus, que Jesus veio iniciar, é de longo prazo. Precisamos aprender a agir corretamente e a esperar vigilantes. Queremos ver resultados imediatos, grandes coisas, talvez algo mais fácil e cômodo. No entanto, mudar o coração e os pensamentos nossos e dos nossos irmãos não é nada fácil. O alerta não vale só para aqueles que correm atrás do lucro e do sucesso. Vale também para as atividades da Igreja.

Muitas vezes trabalhamos mais para a afirmação pessoal ou do nosso grupo que, de fato, para o Reino de Deus, para os pobres, em prol da justiça e da fraternidade. Todo dia rezamos: “venha a nós o vosso Reino”, mas parece que acreditamos pouco nos pequenos passos ou nos “processos” que só acontecem com o tempo na vida das pessoas e não simplesmente num lugar limitado. Isso exige paciência e confiança. Estamos sempre “ligados”, atrás de informações, novidades e emoções. Talvez cochilemos na hora do sermão ou da oração pessoal. Dificilmente o fazemos ouvindo música ou vidrados nas telas do smartphone, do computador ou da TV. Pode servir a lição do grão de arroz. Todos recebemos ao menos um para plantar no chão da nossa vida. Ele cresce e se multiplica também quando descansamos. Tem força própria. Como a nossa esperança. O mais importante é ficar atentos para que não sejamos roubados dela.


 
Compartilhe: