A importância do livro


A grande importância do livro, desde os antigos papiros, tábuas de argilas e outros suportes se estende até os dias de hoje, quando novas mídias digitais colocam ao alcance de qualquer pessoa com acesso a dispositivos eletrônicos (smartphones, tablets, PCs) bibliotecas imensas.

Vivenciamos, hoje, uma verdadeira avalanche de publicações, tanto impressas como digitais, o que requer dos leitores, bibliotecários, professores e demais leitores critérios para selecionar e filtrar o que realmente vale a pena ser lido e até ser arquivado. Por incrível que pareça, apesar dos avanços tecnológicos, da expansão das editoras e bibliotecas (estas fazem poucas aquisições), muita gente está excluída desse universo das letras.

Quando no mundo inteiro se faz esta reflexão sobre a importância do livro, nós brasileiros deveremos também questionar as políticas públicas para o livro e a leitura, que ao menor sinal de crise são imediatamente penalizadas. Os municípios brasileiros dão pouca ou nenhuma atenção ao livro. As informações que temos é de que em todo o Brasil as bibliotecas públicas, que deveriam ser o centro irradiador de cultura e conhecimento, estão sempre relegadas, sem aquisição de novos livros e publicações informativas, sem equipamentos modernos de informática e internet, mobiliários e espaços de convivência adequados para que se adaptem ao imenso fluxo de cultura e arte que existe por todas as cidades brasileiras.

O livro, seja impresso ou digital, é possivelmente a invenção mais genial do homem. Fico com o grande escritor argentino Jorge Luis Borges: “O livro é a grande memória dos séculos. Se os livros desaparecessem, desapareceria a história e, seguramente, o homem”.

, como Borges, sempre digo: tenho mais orgulho dos livros que li dos que dos livros que escrevi! (Texto: Paulo Tarso Barros – escritor, professor e editor. Autor, dentre outros livros, de ‘Poemas de Aço’, ‘O Benzedor de Espingardas’, ‘História de um Sino’ e ‘Os Silêncios da Eternidade’). (www.opiniaoepalavras.com).

 

*******************************************************************

Na beira do rio
Me apareceu
Uma linda mulher
Que me enlouqueceu

Mauro Guilherme

*******************************************************************

 

Guarás

Poetinha Osmar Júnior é autor da música ‘Quando Voltam os Guarás’, do disco que tem o mesmo nome.
“Olha meu bem, os guarás que voltaram do sul esvoaçam e dançam alegres, porque o céu do norte ainda é azul…”.

 

Novidade

São José está trabalhando um novo e grandioso projeto para retornar às atividades esportivas, em todas as modalidades.
Em breve, a nova diretoria estará apresentando à imprensa esportiva, as novidades.
Aguardem!

 

Alterações

Equipe jurídica da Fumcul está trabalhando para incluir no Edital 001, as alterações com as proposituras apresentadas pelos representantes dos segmentos, na reunião de sexta (16).

 

Antologia poética

Em breve o professor e poeta, Ivaldo Souza, vai lançar o livro ‘A Beleza De Ser Negro – Elevando a Autoestima e a Subjetividade do Ser’.
A obra traz uma rica seleção poética com composições de vários autores, que utilizam a poesia como um veículo para ajudar a vencer o preconceito.
A obra é patrocinada pelo governo federal, através da Lei Aldir Blanc.

 

Aprovado

Secretaria Especial de Cultura aprovou o Plano Anual do Programa Nacional de Apoio à Cultura 2021.
O objetivo é estimular a produção e a difusão de conteúdos culturais do país.
O Pronac é o instrumento que informa os critérios e as formas de aplicação dos recursos dos mecanismos de fomento cultural.

 

Identidade

Cantor e compositor, Osmar Júnior vem produzindo canções que lhe identifica e aproxima da nova geração, mas sem perder a essência de suas obras.
O poetinha é bem aceito pela juventude.

 

‘Açaí Fruta Mãe’

Título da poesia cantada de Negra Áurea, já disponível em seu canal no YouTube.
“Uma referência ao açaí, dando a ele a importância de fruta mãe, por ser responsável pela base alimentar da população nortista”, disse a artista.


Gratidão às Nossas Raízes


Em breve será o lançamento do livro ‘Gratidão às Nossas Raízes’, que é uma obra com características do Movimento Afrologia Tucuju, projeto que valoriza as temáticas negras amapaenses, coordenado pelo escritor, poeta e doutor, Ivaldo Souza.

 

A obra foi escrita por alunos da escola Joaquim Caetano da Silva, do município de Oiapoque e pertence ao projeto ‘Jovens Escritores’, coordenado pela professora Iranilda da Silva Souza.

 

Professora Iranilda Sousa, com 29 anos de magistério, continua irrequieta e seu espírito literário está cada dia mais sedento de novos desafios. Após o sucesso da obra que teve sua coordenação e foi voltada para seu público favorito, seus alunos. Pois eles escreveram a obra ‘Histórias Que Ainda Não Foram Contadas’, e ela a lapidou e os alunos confessam.

 

A obra foi produzida em 2018 e seu lançamento aconteceu em 2019. E de repente o planeta parou com a pandemia, mas a professora Iranilda, não. ‘Gratidão às Nossas Raízes’ chegou e traz textos suaves às vezes, outras mais ‘encorpados’, mas sempre muito envolventes. Uma miscelânea de poemas que farão o leitor certamente tentar adivinhar a alma dos autores, enquanto se deleita nos textos. Com uma linguagem quase sempre refinada, há textos bilíngues, e o objetivo da obra, não passará desapercebido: despertar os talentos que embora adormecidos, eclodem repentinamente como as flores, na chegada da primavera.

 

Iranilda já trilhou quase todas as etapas da vida acadêmica e já levou a luz de seu conhecimento para os mais distantes rincões do Amapá quando exerceu o magistério no Sistema Modular. Mais uma vez ela nos surpreende com essa rica e tão bem elaborada obra, escrita por seus nobres alunos.

 

******************************************************************

Meu coração menino
Trás no peito um beija flor
A procura de ninho
Voando atrás do teu amor

Beto Oscar e Helder Brandão

******************************************************************

 

Edital

Por reivindicação de artistas em reunião, o diretor presidente da Fumcult, DJ Alan Christofer, vai alterar alguns itens do Edital 001 da Fundação.

Na semana que vem a instituição apresenta a chamada publica com novidades em seu conteúdo. Sensatez.

 

Diálogo

Em entrevista ao programa “O Canto da Amazônia” (Diário FM 90,9), na sexta (16), o diretor presidente da Fumcut, DJ Alan Christofer afirmou: “É orientação do prefeito Furlan o diálogo com os artistas para construirmos, juntos, os projetos para os segmentos, e eles sempre terão abertura na nossa administração”.

 

Pesquisa

Produtora cultural e pesquisadora brasileira, Cris Rangel está realizando uma pesquisa de levantamento sobre programadores, radialistas, rádios educativas e rádios web que pautem a música independente produzida no Brasil.

O projeto é uma proposta da Feira Internacional da Música do Sul, com o objetivo de conhecer os espaços de radiodifusão que falam de música independente. Mais informação acesse https://www.fims.com.br/.

 

Novo enredo

Carnavalesco Paulo Barros apresentou em live (semana passada) o enredo da escola de samba Paraíso do Tuiuti (RJ), para o próximo carnaval.

Com o tema ‘Ka Ríba Tí Ye – Que Nossos Caminhos Se Abram’, a escola vai exaltar as histórias de luta, sabedoria e resistência negra.

 

‘Eletrocarimbó’

Título do novo disco da cantora Lia Sophia, já disponível em todas as plataformas digitais. Um repertório refinado e uma rítmica que só a Amazônia sabe oferecer.

 

‘Poesia de Rio’

Título de um dos livros do poeta, escritor, compositor e cantor, Mauro Guilherme.

É um artista que tem respeito e reconhecimento pelas inúmeras obras literárias. Parabéns.

 

Pirataria

Pirataria, também chamada de ‘Pirataria Moderna’, é a prática de reproduzir, distribuir, ou mesmo vender produtos sem autorização de seus autores. Pela legislação vigente no país, a pirataria é crime e a pena pode chegar a quatro anos de reclusão ou multa.

A Secretaria de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual do Ministério da Cidadania Para o Combate a Pirataria, está promovendo ações que fortalecem o sistema de proteção aos direitos autorais e de combate à pirataria. (www.cultura.gov.br).


Joãozinho Gomes: poeta orgulho da Amazônia


Música, canto, poesia, literatura, pássaros, rios, viagens, sons, ritmos e gente se juntam num grande caldeirão cultural pra saudar um dos maiores letristas do Brasil, Joãozinho Gomes.

Poeta, compositor, escritor e cantor Joãozinho Gomes é filho da Amazônia paraense, nascido na capital Belém em 20 de outubro de 1957. Bem cedo, aos 12 anos de idade já escreveu algo que “imaginei ser um poema”. Diz. E logo descobriu sua vocação para a poesia. Seu caminho foi guiado para a Música popular Brasileira, e hoje é autor de mais de quinhentas músicas compostas ao lado de parceiros, muitos deles já consagrados no cenário musical brasileiro, como: Chico Cézar, Lecy Brandão, Nilson Chaves, Jean Garfunkel, Jane Dubc, Enrico Di Miceli, Val Milhomem, Amadeu Cavalcante, Jane Duboc, Eudes Fraga, Walter Freitas e tantos outros artistas da nossa regi& atilde;o amazônica. Assim como parceiros de letra, muitos intérpretes consagrados, também cantaram suas obras.

Joãozinho Gomes assinou muitos CD’s com parceiros filhos dessa imensa Amazônia musical, diferente de outras partes do país, com um tempero vindo da floresta, capaz de encantar a quem por aqui pisa e prova desse sabor da terra santa da arte.

De tantas canções espalhadas no leito musical do cancineiro brasileiro, o poeta Joãozinho Gomes assina, pelo menos duas, como suas expressões mais próximas do coração, Jeito Tucuju, em parceria com o amigo Val Milhomem, que declara amor e sentimento eterno com o rio Amazonas, “Quem avistar o Amazonas nesse momento e souber transbordar de tanto amor, esse terá entendido o jeito de ser do povo daqui”, e Pérola Azulada, com Zé Miguel, com expressiva declaração de amor a terra, como nação e como morada, “eu amor você, terra minha amada, minha oca meu iglu, minha casa, à bênção minha mãe”.

Recentemente em um CD, ainda não lançado, com Patrícia Bastos, Enrico Di Micele e o próprio Joãozinho Gomes, batizado de ‘Timbres e Temperos’, foi gravado e estamos aguardando a sua chegada.

 

*****************************************************************

A bênção tia Venina
Sacaca e mestre Bolão
A bênção tia Dica Congó
Tia Vilsa e mestre pavão

Ilan do Laguinho

*****************************************************************

 

Memória

De 20 de abril a 19 de junho, no barracão da Tia Gertrudes (Favela), vai acontecer o projeto ‘Memória Cultural do Marabaixo’, com roda de conversas, oficinas diversas, exposições fotográficas, premiações, etc.
A realização é do Instituto Tarumã e da Associação Cultural berço das Tradições amapaenses, organizadores do evento.
Esse projeto foi aprovado pela Lei Federal Aldir Branc.

 

Homenagem ao Rei

Na segunda (19), dia do aniversário de 80 anos do rei Roberto Carlos, o Itaú Cultural presta homenagem ao cantor.
Depoimentos feitos especialmente para essa data, os cantores Tom Zé, Zeca Baleiro, Odair José, Iara Rennó, Erika Martins e Ronnie Von, revelam suas músicas favoritas do cantor e as lembranças marcantes que têm dele.
Confira na página do Itaú Cultural.

 

Grito de Liberdade’

Título da música da cantora e compositora Rose Show, com produção do saudoso músico Walber Silva.

 

Destaque

Já com 25 anos de carreira, o cantor Albe Matos, nascido em Almerim (PA) tem uma voz privilegiada que interpreta o fino da boa música popular brasileira.
O artista reside em Santana, no Amapá, há mais de duas décadas.

 

‘O Negro’

O professor, poeta escritor, Ivaldo Souza, vai lançar mais uma obra literária.
O livro ‘O Negro e o Preconceito Ético Racial – Visão Científica Política e Religiosa’.
A obra foi contemplada no Edital da Lei Federal Aldir Blanc.

 

‘Choro Antigo’

Título da obra musical de Eudes Fraga em parceria com Gonzaga Blantez, gravada por Eudes.
Mais uma bela canção para acalantar nossos ouvidos.
Parabéns!

 

‘Formigueiro’

Título do primeiro disco do cantor e compositor Val Milhomem, em homenagem ao lugar onde mora e nasceu, atrás da catedral de São José, centro de Macapá.
O local é conhecido como Formigueiro.


Iphan restaura prédio do Solar da Beira, em Belém


Com investimento de R$ 2,5 milhões, as obras de restauração do prédio do Solar da Beira, complexo do Ver-o-Peso, em Belém (PA), foram concluídas no mês de novembro. O prédio abre as portas à população com uma exposição que reúne parte de objetos encontrados durante as escavações para a construção da cisterna e da estação de t ratamento de esgoto da obra.

O prédio é tombado como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia federal vinculada ao Ministério do Turismo e à Secretaria Especial da Cultura. O Solar da Beira também é tombado pela prefeitura de Belém.

Dentre os vestígios descobertos durante a reforma, estão fragmentos de louças, porcelanas, garrafas de vidro e de barro, talheres, latas, moedas e outros objetos metálicos, como ferraduras e rodas. Objetos que remontam ao século XX e ficarão sob a responsabilidade do Iphan por integrar o patrimônio arqueológico brasileiro.
O Solar da Beira, de propriedade da Prefeitura Municipal de Belém, foi construído no início do século XX. É um Conjunto Arquitetônico e Paisagístico, tombado pelo lphan em 1977. No início do século XX serviu à Recebedoria de Rendas. Já nos anos 1980, abrigou restaurante e, na década de 2000, lojas de artesanato. Após a revitalização, o prédio tornou-se um espaço de exposições, contando com banheiros públicos destinados aos usuários e trabalhadores da feira do Ver-o-Peso.

A revitalização do Solar da Beira é uma parceria entre o Iphan e a Prefeitura de Belém, que executou a reforma. O valor investido pela União, por meio do Iphan, foi de R$ 2,5 milhões. (Adriana Araújo – Comunicação Iphan)

 

*********************************************************************

Sou mãe preta e sonhei com Zumbi
Dizendo pra mim que meus ancestrais
Nasceram das caravelas
De remos que vinham para cá…

Mayara Braga/Zé Maria Cruz

*********************************************************************

 

Prêmio nacional

O jovem poeta paraense, Elson Monteiro teve duas obras selecionadas na antologia ‘Meu Nome é Poesia’, que oportuniza novos autores nacionais.
As obras ‘Decreto de Amor’ e ‘Pelo Fim do Preconceito’ estarão no livro que será lançado em maio, pela Editora Versejar.
Parabéns!

 

Documentário

Em 2015, os jornalistas Cláudio Rogério e Alessandro Brandão (quando acadêmicos) apresentaram o documentário ‘Dubai-Lique – A Vida De Um Povo’.
O projeto mostra a vida e os costumes do povo que vive na região do Bailique (AP).

Confira no Youtube.

 

Live Solidária

Dia 30 de abril, às 19h, a Banda Sakarolha vai realizar a Live Solidária em prol da saúde do cantor Taysson Tyassu, que está hospitalizado, vítima da Covid-19.
Ao vivo pelos canais da banda, no Facebook e Youtube.

 

Novo presidente

A Beija-Flor de Nilópolis tem novo presidente. Almir Reis que ocupava a vice-presidência da escola, desde 2018, assume como presidente da instituição.
Reis é um profissional que, há 25 anos, conta com a confiança e o carinho de todos os setores da escola.

 

‘Tocando em Frente’

Título de um dos maiores clássicos da boa música popular brasileira, autoria de Almir Sater.
“É preciso amor pra poder pulsar, é preciso paz pra poder sorrir, é preciso a chuva para florir…”.

 

‘Monte Dourado’

O talentoso cantor e compositor paraense, Jerry Santos, é autor da música ‘Monte Dourado’.
Ele gravou com participação especial de Ronys Vale.
“Hoje trago marcado no peito um monte dourado, um monte cravado no meio da floresta…”.

 

‘Mordaça’

Cantora e compositora, Samantha Mainine lançou seu novo single ‘Mordaça’, já nas plataformas digitais da artista e vídeo clipe, no YouTube.
A canção traz um lado mais denso da artista, uma letra que aborda as diversas amarras sociais e afetivas que uma pessoa carrega no seu íntimo.
#ConfereLá.


Macapá: a capital do meio do mundo


Macapá é um município brasileiro, capital do meio do mundo (monumento Marco Zero do Equador), e a maior cidade do estado do Amapá. Situa-se no sudeste do estado e é a única capital estadual que não possui interligação por rodovia a outras. Além disso, é a única cortada pela linha do Equador e que é localizada às margens do Rio Amazonas, o maior rio de água doce do planeta. Macapá pertence à mesorregião do Sul do Amapá e à microrregião homônima. É localizada no extremo norte do país, a 1.791 quilômetros de Brasília.

O município é o 98º maior PIB da nação, e a quinta cidade mais rica do norte brasileiro, respondendo por 2,85% de todo o Produto Interno Bruto (PIB) da região. Na Amazônia, é a terceira maior aglomeração urbana, com 3,5% da população de toda a Região Norte do Brasil, reunindo em sua região metropolitana mais de 519 mil habitantes. Aproximadamente 60% da população do estado está na capital. Sua área é de 6.407 km² representando 4,4863 % do estado, 0,1663 % da Região e 0,0754 % de todo o território brasileiro.

Os dados de 2012 do IBGE revelam que a população da cidade é de 415. 554 habitantes, sendo a 53ª cidade mais populosa do Brasil e a quinta cidade mais populosa do norte. Atualmente, vive um momento de crescimento tanto econômico quanto populacional, o que vem mudando o seu cenário e atraindo investimentos externos para o estado.

A toponímia é de origem tupi, como uma variação de “Macapaba”, que quer dizer lugar de muitas bacabas, uma palmeira nativa da região (Oenocarpus bacaba Mart.). Antes de ter o nome de “Macapá”, o primeiro nome concedido oficialmente às terras da cidade foi “Adelantado de Nueva Andaluzia”, em 1544, por Carlos V de Espanha, numa concessão a Francisco de Orellana, navegador espanhol que esteve na região.

Macapá é uma cidade que tem o ritmo contagiante do Marabaixo e do Batuque, principais identidades musicais desse lugar que tem a cara e o jeito do seu povo, que mora nessa imensa floresta amazônica. Uma cidade vigiada pela exuberante Fortaleza de São José, patrimônio tucuju. Um lugar de gente feliz.

 

********************************************************************

Não, nunca mais
Eu vou querer uma paixão assim
A gente briga, a gente sofre, a gente cresce
Por amar, eu sei

Osmar Júnior

********************************************************************

 

Entrevista

Nesta quinta (15) o programa ‘Morena Raiz do Norte do Brasil’, na rádio Amazon Mix, no Facebook, vai entrevistar o cantor e compositor, Naldo Maranhão.
Às 19h, com apresentação de Fabíola Santos.

 

‘Senhora Inspiração’

Título da nova música do cantor e compositor, Naldo Maranhão, com lançamento agendado para o dia 21 de abril, no programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9).
“Te quero de manhã cheia de manha. Saindo à francesa ou chegando da Espanha…”.

 

Lançada

Música ‘Val de Cans de Amor’, lançada nesta quarta (14), no programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9).
Composição de Carlo Orlando e interpretação da paraense, Conca Saavedra.

 

‘Um Bom Amigo’

Cantor Meio Dia da Imperatriz lançou seu novo samba, “Um Bom Amigo é Igual a Você’, e está no repertório do novo disco do artista.
“Que o bom da vida é ter um amigo, que o bom amigo é igual a você…”.

 

‘Abaladora’

Título de uma música de Thamires Tannous, Marina Peralta e Makely Ka, em homenagem a todas as mulheres.
“Eu sou a matriarca mãe, gaia na fogueira pagã. Uma cunha tchucarramãe, mulher que cuspiu a maçã…”.

 

Fortalecimento

Segmentos artístico-cultural de Santana precisam se unir para fortalecer seus projetos e expandir para o mundo.
Tem muitos bons artistas no anonimato, mas sem atitude fica mais difícil. #Dica.

 

Novos talentos

Muitos artistas estão no anonimato e precisam de uma oportunidade para mostrar suas obras.
Entre em contato com a produção do programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9), 96 99141-8420.


Eu sou da Amazônia


O poetinha Osmar júnior conta como foi a inspiração para compor a música ‘Eu Sou da Amazônia’.

Uma história ocorreu comigo em uma viagem de barco.

O cidadão dizia ao telefone:

– Manda um beijo pro meu pai, mês que vem eu vou por aí.

– Com licença, eu disse. O senhor é caixeiro viajante? Perdão, não pude deixar de escutar o fim da sua conversa ao telefone. O senhor passa muito tempo longe de casa?

– Sim. Sou representante comercial de uma fábrica de alimentos; a minha área de trabalho são as localidades ribeirinhas; passo um bom tempo longe da família.

Estendemos o papo e assim a viagem foi agradável.

Olhei ao redor e vi rostos viajantes, viajantes de rio, viajantes da Amazônia. O barco motor do Norte chega aos festivais do interior, que são muitos, tocando alto um som de festa, um som que essa minha gente gosta.

Eu fiz ‘Os passa vida’ em parceria com o Rambôlde Campos, que foi um grande sucesso, gravada por Alcyr Guimarães, Lucinha Bastos e Sayonara, e também por Fafá de Belém.

‘Fiz coração tropical’, gravada por Amadeu Cavalcante.

Agora mando mais algumas dessas receitas de salão, através de Dani Li, uma cantora que vai dar o que falar. A voz poderosa, o ritmo, o carisma e uma mensagem vinda do fundo do coração de sua terra. A receita certa para fazer sucesso na região.

Às margens, o povo, a dança, esses caminhos de rio, essas cidadezinhas de interior, essas meninas da Amazônia me encantam, fazem compor. Quero ser nortista, quero ser habitante do coração dessa gente, dos capitães de barcos que são bons de alma. Eu sou da Amazônia. (Osmar Júnior).

 

***************************************************************

Olha meu amor
O que eu quero é te beijar
Seja onde for
Ou aqui ou acolá

Joãozinho Gomes/Amadeu Cavalcante

***************************************************************

 

Luto

A arte musical amapaense perde um grande militante, que foi o cantor, compositor, produtor e radialista, Ivo Canuty, falecido na segunda (12), vítima da Covid-19. Descanse em paz, ‘negão’.

 

‘Eu Sou da Amazônia’

Título da música do poetinha amapaense, Osmar Júnior, gravada pela cantora Dani Li e que é um sucesso. “Quando eu disser que estou partindo, você pode acreditar que o meu coração navega nos rios, que a minha canção voa por aqui…”.

 

Melhorias

Modernizar os procedimentos de licenciamento no Iphan e implementar o controle dos prazos de atendimento ao cidadão, foram temas da reunião entre a presidente do Instituto, Larissa Peixoto e o Ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, na semana passada. (iphan.gov.br).

 

Teatro

De 15 a 18 de abril o Itaú Cultura estreia a programação virtual ‘Cena Agora’, projeto do Núcleo de Artes Cênicas que exibe cenas criadas para o programa a partir de alavancas poéticas provocadas por questões atuais.

Nessa edição, a temática Encruzilhada Nordeste(s): (contra)narrativas Poéticas, conduz uma programação de bate-papos e seis apresentações de artistas de cinco diferentes estados da região. (itaucultural.org.br).

 

‘Flor Morena’

Cantora e compositora carioca, Aline Calixto divulga mais uma música do DVD de seus 10 anos de carreira. A música ‘Flor Morena’ é um presente de Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho para a cantora. Confira em todas as plataformas digitais.

 

Tempos Remotos’

Título da primeira parceria musical do poeta Joãozinho Gomes com o músico e cantor, Thiago K. A obra está disponível em todas as plataformas digitais.

 

Referência

Músico percussionista amapaense, Nena Silva (da comunidade de Curiaú) é referência quando o assunto é tocar caixa de Marabaixo e tambor de Batuque.

Já gravou e fez shows com vários artistas da Amazônia e em muitas cidades do país. É dono de uma técnica refinada e original. #Respeito.


Gaby Amarantos: Uma fábrica de novidades


Nascida e criada na periferia de Belém, bairro do Jurunas, Gabriela Amaral dos Santos já cresceu com a música. Suas origens são de uma família de sambistas, onde desde pequena já cantava e dançava nas rodas de samba da família. Antes de cantora profissional, a Gabriela foi coreógrafa de quadrilha junina, fez cursos de teatro e chegou a fazer pequenas apresentações na comunidade.

Canta desde os 15 anos, na paróquia de Santa Terezinha do Menino Jesus (Jurunas), mas apenas quando completou 18 anos, teve permissão para cantar nos bares da cidade, e assim começou a se apresentar cantando clássicos da MPB.

A rainha do Tecnobrega foi influenciada por cantoras como Clara Nunes, Ella Fitzgerald e Billie Holiday e pelos bregas Francis Dalva e Reginaldo Rossi, mas deixa claro que a sua maior influência está no bairro em que nasceu, onde tudo toca ao mesmo tempo.
Gaby Amarantos se autodefine como uma ‘fábrica de novidades ambulante’. Mesmo egressa de uma cena regional inserida em um contexto alternativo. A melhor parte desse sucesso é o fato de sua originalidade permanecer intacta, sem interferência do mercado. Ela avança sem desviar um milímetro de seu som, batizado de tecnobrega.

A ‘Beyoncé do Pará’ é a rainha dos terreiros high-tech de Belém, onde tudo começa com a guitarrada, gênero que, por si só, concentra boa parte da soma de sonoridades que caracterizam o tecnobrega, que inclui ritmos latinos como a cúmbia, e africanos como o zouk, além do tradicional carimbó, de ecos da Jovem Guarda e das batidas eletrônicas.

 

 

MORAL: Do latim moralis “maneira, caráter, comportamento próprio”, é a diferenciação de intenções, decisões e ações entre aquelas que são distinguidas como próprias e as que são impróprias. Seria importante referir, ainda, quanto à etimologia da palavra “moral”, que esta se originou a partir do intento dos romanos traduzirem a palavra grega êthica.

 

Estrela natureza precisamos demais
De ter sempre por perto
Na calma e santa paz
Nos morros e nos campos
Sá/Guarabyra

 

Oficina
Professora Laura do Marabaixo está realizando oficinas com o tema: Marabaixo – História, Cultura e dança como ferramenta da prática pedagógica. Informações: 99152-6894.

 

Atenção especial
Vereador Dudu Tavares, em entrevista ao programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9), na sexta (9), disse que seu mandato dará uma atenção especial às comunidades quilombolas e ao povo negro do município de Macapá.
“Estou ouvindo as pessoas e vamos construir juntos projetos que valorizem a riqueza artística e as potencialidades do nosso povo negro”, disse.

 

‘Açucena’
Título da música do poetinha, Osmar Júnior, gravada pelo grupo de samba Gente de Casa no seu novo disco. O lançamento da obra, no ritmo do samba, está agendada para o dia 30 de abri, no programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9).

 

‘Eu Me Apaixonei’
Titulo da nova música da Banda Afro Brasil, lançada no programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9) e que já está fazendo sucesso.
“Eu me apaixonei, não vejo mal nenhum. O coração dilacerado e um pouco acelerado, na tristeza eu sou mais um…”.

 

‘Poesia de Rio’
Título de um dos livros do poeta, escritor, compositor e cantor, Mauro Guilherme.
É um artista que tem respeito e reconhecimento pelas inúmeras obras literárias. Parabéns.

 

Pirataria
Pirataria é a prática de reproduzir, distribuir ou mesmo vender produtos e obras sem autorização de seus autores. Pela legislação vigente no país, a pirataria é crime e a pena pode chegar a quatro anos de reclusão ou multa.
A Secretaria de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual do Ministério da Cidadania Para o Combate à Pirataria, está promovendo ações que fortalecem o sistema de proteção aos direitos autorais e de combate à pirataria. (www.cultura.gov.br).

 

‘Qual a Novidade’
É assim mesmo, sem o ponto de interrogação, o nome do novo disco do poetinha Osmar Júnior, já em faze de conclusão.
“Ele trás a maior reunião que eu, Osmar Júnior, já fiz de parceiros: Nilson Chaves, Negro de Nós, Faces da Vida, Rock, Movimento Costa Norte”, disse o artista.

 


Conheça a música instrumental


A expressão música instrumental distingue toda música produzida exclusivamente por instrumentos musicais. Porém, ao contrário do que parece, a música instrumental não é necessariamente desprovida da voz e do canto. Em alguns casos, como ‘Taiane’, do brasileiro Hermeto Pascoal, ou ‘The Great Gig in the Sky’, da banda inglesa de rock progressivo Pink Floyd, a voz é usada como instrumento musical.

 

Até o início do século XVI, os instrumentos musicais eram usados apenas para acompanhar os cantos ou marcar o compasso das músicas. A partir disso, as composições instrumentais foram ficando cada vez mais frequentes até que, durante o período barroco, a música instrumental passou a ter importância igual à vocal. Foi durante o período clássico (da música), porém, compreendido entre os anos de 1750 e 1810, que a música instrumental passou a ter importância maior do que a vocal, devido ao aperfeiçoamento dos instrumentos e ao surgimento das orquestras.

 

A música popular brasileira moldou-se a partir de todas estas fontes, bem como das influências vindas da música africana, trazida por negros de vários lugares, e também da música indígena de diversas regiões.

 

Historiadores da música afirmam que a modinha (da europa) e o lundu (da África) são as grandes influências da música popular brasileira e, juntamente com o schottish, a valsa, o tango e a polca, são grandes influências também para o choro, que é essencialmente instrumental, e considerado primeiro gênero popular urbano do Brasil. Os principais instrumentos utilizados no choro são o violão de 7 cordas, violão, bandolim, flauta, cavaquinho e pandeiro, embora diversos outros instrumentos tenham sido utilizados.

 

******************************************************************

Enquanto os homens exercem seus podres poderes
Motos e fuscas avançam os sinais vermelhos
E perdem os verdes
Somos uns boçais

Caetano Veloso

******************************************************************

 

‘Abraça Santana’

Nome de um projeto criado para contribuir com famílias carentes do município de Santana, afetadas economicamente pela pandemia.

A ideia é arrecadar alimentos, material de limpeza, higiene pessoal ou através de vaquinha. O material arrecadado será doado às famílias do município. Contato pelo Instagram e Facebbok Abraça Santana.

 

Ficou top

Parabéns ao grupo de samba amapaense, Gente de Casa, pela gravação da música ‘Canção do Equador’, no ritmo do samba, lançada na quinta (9), no programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9).

Com a participação especial de Amadeu Cavalcante. A autoria da obra é de Zé Miguel e Osmar Júnior. #FicouTop.

 

Dia municipal

Por iniciativa do vereador, Dudu Tavares (PDT), o Marabaixo ganha um dia especial no calendário de Macapá.

O parlamentar apresentou, na quinta (8), o projeto de Lei (aprovado) tornando o 16 de junho, o Dia Municipal do Marabaixo, além de elevá-lo a Patrimônio Cultural Imaterial de Macapá.

Em 2018 o Iphan reconheceu o Marabaixo como Patrimônio Cultural do Brasil, e existe uma Lei estadual do Dia Estadual do Marabaixo, em 16 de junho, de autoria do deputado Dalto Martins, falecido em 2012.

 

Teatro

O Itaú Cultural apresenta, de 15 a 18 de abril, a programação virtual Cena Agora, que convida artistas a criarem cenas teatrais curtas a partir de alavancas poéticas provocadas por questões atuais.

A programação de estreia tem como temática ‘Encruzilhada Nordeste(s): (contra)narrativas poéticas’. Confira no site do Itaú Cultural.

 

‘Tom nas Escolas’

O Instituto Antonio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro, disponibiliza o acervo do cantor e compositor com imagens, fotos e manuscritos. As obras do artista estão à disposição nas mídias digitais.

 

União

Poeta Joãozinho Gomes e o cantor e compositor, Amadeu Cavalcante, são os autores da bela música ‘União’. Visite o canal de Amadeu (YouTube). “Um homem só faz verão, imaginai um milhão…”.

 

Música

O pianista, compositor e arranjador brasileiro Ricardo Bacelar, lançou o single ‘Nada Será Como Antes’ (música de Milton Nascimento/Ronaldo Bastos).

 

Participação especial da pianista, cantora e compositora, Delia Fischer. Baixe o álbum e ouça pelo: http://ricardobacelar.com.br/discografia/ao-vivo-no-rio.


Costumes do povo tucuju


Folclore é o conjunto de tradições, lendas, crenças e costumes populares. Cada Região possui costumes próprios de seu povo, sejam na alimentação, nas danças ou nas crenças.

 

Na alimentação destacam-se: a maniçoba, o vatapá, o caruru, o pato no tucupi, a caldeirada de tucunaré, o camarão no bafo, a farofa de pirarucu, o pirarucu, etc. A Castanha-do-Brasil está presente nos doces, bolos, biscoitos, tortas, sorvetes, cremes, etc.

 

Dentre as bebidas podemos citar o açaí, bacaba, tacacá, refresco de cupuaçu, de graviola, de maracujá, de taperebá, etc.

 

A dança típica do povo amapaense é o Marabaixo, que é dançado durante a festa do divino espírito santo e Santíssima Trindade. Um mastro é levantado e as pessoas dançam em torno, ao som de caixas e tambores. Durante a festa são servidas certas iguarias típicas como: beijo-de-moça, quindim, rosquinha, beijus, mingau de banana e de farinha de tapioca, etc.

 

Na localidade de Igarapé do Lago, no município de Macapá, é dançado o batuque. Existem locais onde as comunidades conservam as tradições que são apresentadas nas festas religiosas.

 

Em Macapá a principal festa é a do padroeiro São José, seguindo-se o Círio de Nazaré. No Curiaú, comemoram a Festa do Divino e São Joaquim. No Igarapé do Lago, festejam o Divino e Nossa Senhora da Piedade. Em Mazagão Velho é comemorada a Festa de São Thiago. Na maioria das festividades dos santos padroeiros locais é dançado o Marabaixo, dança que caracteriza o povo amapaense.

 

Na quadra junina são apresentados os cordões de pássaros, do boi e quadrilhas juninas. São notáveis as participações das comunidades nesse entretenimento folclórico. Os cordões consistem em representações teatrais, na maneira típica do povo. Durante o desenvolvimento da história, as personagens dialogam e cantam no linguajar local.

 

No Amapá existem lendas interessantes como do Manganês, do João de Gatinha, da Pedra do Guindaste e uma enorme quantidade de fantasias, como a do Boto, importante peixe do Amazonas.

 

******************************************************************

Meu coração tropical
Amanheceu batucando por você
Eu não sou anormal
Aqui do outro lado do Brasil

Osmar Júnior

******************************************************************

 

Cemitério

“Tenho horror a hospitais, os frios corredores, as salas de espera, ante-salas da morte, mais ainda a cemitérios onde as flores perdem o viço, não há flor bonita em campo santo…”. (Jorge Amado – do livro Navegação de Cabotagem).

 

Lançamento

Programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9) lança nesta sexta (9), a música ‘Canção do Equador’, no ritmo do samba.

Música gravada pelo grupo Gente de Casa, com participação especial de Amadeu Cavalcante. A composição é de Osmar júnior e Zé Miguel.

 

‘Bateu Saudade’

Título do álbum da cantora paraense, Joelma (ex Banda Calypso), disponível em todas as plataformas digitais.

Ela escolheu um repertório especial repleto de canções românticas que fazem parte de seus 25 anos de carreira.

 

Olhar futuro

Com a não realização do carnaval em 2021, devido a pandemia do novo coronavírus, os dirigentes das instituições (escolas de samba, blocos, etc), deveriam iniciar um grande debate para discutir o futuro dessa festa popular. #Dica.

 

Avançar

Agentes do carnaval amapaense, mais os investidores, têm tempo suficiente para um belo debate sobre o futuro dessa tradicional festa popular.

Precisa avançar urgente, mas com o pensamento do tamanho de um caroço de pupunha, dos que, hoje, dirigem as instituições, é difícil. #AvançarÉPreciso.

 

Tambor

Cantor e compositor amapaense, Zé Miguel nos deu de presente mais uma bela obra musical, ‘Tam Tam do Tambor’.

“O Tam Tam do Tambor que não se cala, é testemunho vivo da história…”.

 

‘Tempos Remotos’

Título da primeira parceria musical do poeta Joãozinho Gomes com o músico e cantor Thiago K. A música está disponível em todas as plataformas digitais.


Cantoras de Brasília regravam clássico de John Lennon


Uma música mundialmente conhecida, cinco cantoras de Brasília e um só objetivo: ajudar ao próximo. Inspiradas pela letra da imortalizada canção Imagine, de John Lennon, o grupo feminino de cantoras brasilienses “Elas cantam clássicos” resolveu apoiar a Central Única de Favelas (Cufa) da capital federal oferecendo o que elas têm de mais precioso em troca de doações para a instituição.

“Vamos lançar o cover da música e pedir a todos que a ouvirem e se sentirem tocados pela nossa versão a fazerem um gesto de amor e doação. A verba arrecadada será destinada a essa organização que necessita de ajuda”, explicou a cantora Ana Lélia, uma das integrantes do projeto.

“A ideia é fazer exatamente o que a letra prega: um mundo de paz, sem fome, sem guerras com todo mundo compartilhando e vivendo em paz”, salientou. “Dessa música, que se parece com uma oração, vamos fazer uma ação, que é ajudar alguém de forma prática. Escolhemos ajudar, desta vez, a Central Cufa- DF, que vai direcionar a verba para o projeto Cufa Natal Escolar”, completou Ana Lélia, que também é empresária do Girassol Studios e ao lado do produtor Jonathas Pingo.

Além dela, participam desse cover as cantoras Daniela Firme, Nathalia Cavalcante, Ana Clara Hayley e Carol Melo. “A música ficará disponível no Youtube da Cufa-DF e lá terá um link para PicPay em que as pessoas poderão ajudar”, finalizou. O grupo formado por cantoras autorais e independentes de Brasília surgiu com a finalidade de se ajudarem como artistas independentes, além de ajudarem ao próximo através de parcerias com projetos sociais. O grupo foi criado no ano passado, e até hoje, em razão da pandemia, só se apresentou ao público por duas vezes. (Jennifer da Silva – Suporte MF Press Global ).

 

************************************************************

“Aqui distante de ti fica tudo esquisito
Feito café com sal
Leite com pimenta, andiroba no mingau
Eu preciso voltar pra perto deste olhar bonito…”

Zé Miguel

************************************************************

 

Lugar sagrado

Cantor e compositor amapaense, Roni Moraes acaba de receber a gravação de seu novo disco, ‘Amazônia Lugar Sagrado’, com 10 músicas regionais com linguagem amazônica na temática. O CD já está disponível em todas as plataformas digitais.

 

Lançamento

Programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9) lançou, nesta quarta (7), a música ‘Lugar Sagrado’, do novo disco de Roni Moraes ‘Amazônia Lugar Sagrado’. “Um sentimento de pertencer salta da gente. Bicho, planta, todo ser é uma estrela…”.

 

‘Canção do Equador’

Música de Zé Miguel e Osmar Júnior, ‘Canção do Equador’ será lançada na sexta (9), no ritmo do samba, pelo grupo Gente de Casa.

A versão terá a participação especial de Amadeu Cavalcante, quem gravou a música original.

 

‘Live as Mãos’

Na sexta (9) tem mais uma edição do projeto ‘Live As Mãos Com Música’, às 21h30, no canal @marcoandre_musicine, no Instagram. Marco André vai entrevistar as cantoras Patrícia Bastos, Vanessa Moreno e Anna Setton.

 

Mudança

Direção de carnaval da Paraíso do Tuiuti decidiu mudar seu enredo para o próximo carnaval. Não será mais o ‘Soltando os Bichos’.

O carnavalesco Paulo Barros vai apresentar o novo enredo no sábado (10), a partir das 13h, em uma live comemorativa dos 69 anos de fundação da escola.

 

‘Vitória do Jarí’

Título da música do cantor e compositor paraense Jerry Santos, que morou naquela cidade durante 26 anos e gravou um disco em homenagem ao lugar.

“O teu povo, tua história estão presentes na memória. Vitória da floresta, do rio Jarí e da castanha. Vitória pulsa, Vitória canta, Vitória pro Amapá és grande herança…”.

 

‘Canto de Casa’

Nome do projeto da Associação dos Músicos e Compositores do Amapá – Amcap, que valoriza os artistas da música regional tucuju, que em breve estará de volta.