Última hora Polícia Política Cidades Esporte

Heraldo Almeida

O Canto da Amazônia ganha poesia

O jovem talentoso poeta amapaense, Pedro Stkls, presenteou o programa ‘O Canto da Amazônia’, da Diário FM 90,9, com uma bela poesia batizada com o mesmo nome do programa.

 

Uma das revelações regionais do Brasil, Pedro carrega em sua bagagem artística todo um sentimento de amor à região Amazônia, em especial às terras tucujus. Seus poemas são recheados com o bom tempero que delicia o sabor de seu povo.

 

Rebuscados da linguagem de sua gente, o poeta viaja em cada canto nosso e transforma em arte o que ver, o que sente e o que existe de belo entre nós. E foi assim que construiu essa bela obra, brincando com as letras até encontrar as palavras certas para compor, e isso ele faz como ninguém.

 

O poema ‘O Canto da Amazônia’ está no livro ‘A Cidade Submersa”, que Pedro Stkls vai lançar em breve. Eis a poesia:

 

O Canto da Amazônia

Aqui dou nomes ao meu canto meu caso de amor. Essa vontade louca, rítmica, mística, solar. Essa vontade de desaguar o rio que veio com tamanha devoção parar aqui dentro e bate vezenquando forte no casco da alma. É um regatão feito da palavra navegar. É por onde se diz uma reza, do encontro do corpo das folhas que seguem o caminho das águas barrentas. É a canção sobre as tardes do norte, é a chuva que se mistura com a maré, é um lampião no olho do sol só para fazer a água evaporar, é o que vem do verde. O sagrado instante quando o silêncio é abençoado pelas árvores tempestiando seus galhos e suas raízes. O silêncio é sobre o que guarda o canto que sonda a mãe do mundo e como quem debulha o vento. Sigo como quem carrega mil andorinhas nas costas e pousa no sopro no garrancho das açucenas encarnadas, de terreiro de rodado de beleza. É carregar no colo a casa onde mora o misticismo da poesia.

 

**********************************************************

Quem nos espera na curva do rio
Nos encanta
E manda as canções nos ventos
De verão

Osmar Júnior

**********************************************************

 

Positiva

Embora a pandemia do novo coronavírus tenha impedido de realizar 100% os projetos, mas artistas afirmam que seus trabalhos tiveram saldos positivos, em 2021.

 

O Avesso

A poeta Pat Andrade lançou, essa semana, o livro ‘O Avesso do Verso, Poemas De Mim’.  O livro traz poemas selecionados para contemplar o subtítulo “poemas de mim”. Calmarias e tempestades permeiam suas páginas.

 

 ‘Talentão’

Jovem cantora amapaense nascida em Santana, Ariel Moura é uma artista com um ‘talentão grandão’ (rs) na arte de interpretar músicas. Parabéns pelo sucesso e boa sorte sempre.

 

‘Belém’

Título da nova música do cantor e compositor paraense, Edilson Moreno, já no repertório do próximo disco. O artista tem muitos clássicos gravados por outros cantores.

 

Poesia e música

Poeta amapaense, Pedro Stkls, tem um belo projeto que une poesia e música com muita qualidade.

O talentoso artista tem uma linguagem regional em suas obras com pitadas do tempero amazônico. Em breve o lançamento de seu primeiro livro.

 

Qualidade

Produtor musical amapaense, Alan Flexa, coordena o Studio de Produção Artística Zarolho Records, que oferece serviços de produção musical, gravação, edição e masterização. Confira em sua página, no Facebook.

 

‘Rizoma da Mani’

Título da nova música de Naldo Maranhão em parceria com Afonso Sabão. A canção faz parte do próximo disco do artista e logo será lançado.

Piratas Estilizados te convida a festejar seus 48 Anos, no sábado (8)

“A mais querida sua história vem contar…”, neste sábado (8), mais um show alaranjado será realizado nos campos do Laguinho em comemoração aos 48 anos do Grêmio Recreativo Escola de Samba Piratas Estilizados. Com o enredo “Estilizado de Alegria te Convido a Festejar” preparado para o próximo Carnaval, a diretoria sob a coordenação do presidente Maurício Correa e do vice-presidente Domingos Flávio Picanço está preparando uma grande apresentação para receber a comunidade do samba.

 

Uma estrutura coberta, com 50m de comprimento e 18m de largura, será montada em frente à Escola Estadual Azevedo Costa, na Avenida José Antônio Siqueira, entre as ruas General Rondon e Eliezer Levy. Será montado o palco, área de mesas e de evolução, bem como bar e setor de alimentação, com espaço amplo e arejado, tudo visando proporcionar um local seguro para os participantes da festa que somente terão acesso apresentando, obrigatoriamente, a carteira de vacinação (física ou digital do Conecte-SUS).

 

No palco da “Arena Estilizado” estão confirmadas como atrações nacionais: os intérpretes cariocas Bakaninha, da Beija-Flor, e Tinga, da Vila Isabel, assim como a Musa da Viradouro, Luana Bandeira, rainha da Orquestra de Bambas de Piratas Estilizados. Para acompanhar a rainha, participam a Candidata no Concurso Rainha do Carnaval do Rio de Janeiro, Thai Rodrigues (Portela), e as passistas Thais Ferreira (Beija Flor), Larissa Bandeira (Viradouro) e Roberta Fragoso (Vila Isabel), além de Marcos Bandeira (Tuiuti) e Cristofer Oliveira (Império Serrano) trazendo muito samba no pé.

 

O show alaranjado é garantido pelo intérprete oficial Aureliano Neck, Nivito Guedes, Nilson Estilizado, Dom Eládio, Glauber Estilizado, Vlad e Junhão acompanhados pela Ala Musical Alaranjada e os ritmistas da Orquestra de Bambas Luiz Tostes. Conta ainda com a apresentação dos pontos técnicos da Mais Querida do Carnaval Amapaense, primeiro e segundo casais de mestres-salas e porta-bandeiras, baianas e ala de passistas com madrinha e musas irão desfilar no ritmo dos sambas de enredo que contam a história da agremiação.

 

Haverá um momento especial com atrações surpresas do segmento cordas, uma referência musical do carnaval brasileiro e um músico amapaense que inovou nessa arte se tornando lendária no carnaval amapaense. A festa, que inicia às 17h, terá ainda como atrações os grupos “Vou Vivendo de Samba e Chorinho”, “Pegada de Gorila” e “Samba News”.

 

O passaporte do samba pode ser adquirido com os diretores de Piratas Estilizados. Informações: (96) 98111-2374. (Gilvana Santos/Assessora de Imprensa – Diretoria de Comunicação).

 

**************************************************************

No Curiaú tem tambor marabaixo
São José é minha fé na beira mar
Isso é o Amapá
Ver nossas tradições rio acima  e abaixo

Ivo Canuty

**************************************************************

 

‘Poxa’

Título da nova música da Banda Afro Brasil, composição de Adelson Preto, líder do grupo. Parabéns.

 

‘Ai Vovó’

A banda Afro Brasil está finalizando a gravação do álbum ‘Ai Vovó’, também título de uma das músicas do projeto.

 

Atrações

Programação de aniversário de Piratas Estilizados, marcada para acontecer no sábado (8), a partir das 17h, na Arena Estilizada, em frente ao colégio Azevedo Costa (Laguinho), vai contar com dez (10) atrações nacionais, diretamente de algumas escolas de samba do Rio de Janeiro.

 

Musical

Músico Hygor do Cavaco é o diretor musical de Piratas Estilizados. É um grande profissional que coordena a Ala Musical da agremiação, além de ser o cavaco 01 da escola.

 

Empolgação

Cantor e compositor amapaense, Nivito Guedes é autor do samba de empolgação de Piratas Estilizados, cantado na concentração da escola, antes de cada desfile.

 

Confirmado

Mais uma vez o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, confirmou os desfiles das escolas de samba do grupo especial, na Sapucaí, nos dias 27 e 28 de fevereiro deste ano. Dia 5 de março será o desfile das seis primeiras classificadas.

 

‘A Pausa’

Título da música campeã do 1º Festival de Música realizado pela Assembleia Legislativa do Amapá, em 2011, quando aquela casa completou 20 anos de criação.

A canção vencedora é de composição de Serginho Salles, com bela interpretação de Ingrid Sato.

Conheça a canção ‘Saga da Amazônia’

O cantador e compositor brasileiro, Vital Farias, que nasceu no sítio Pedra D’Água, município de Taperoá, estado da Paraíba, expressa na canção Saga da Amazônia, todo seu sentimento de amor à Amazônia e conta para o mundo, através de música, o sofrimento daquele povo com o crime causado pelo homem sobre a natureza.
Era uma vez na Amazônia a mais bonita floresta, mata verde, céu azul, a mais imensa floresta, no fundo d’água as Iaras, caboclo lendas e mágoas e os rios puxando as águas.Papagaios, periquitos, cuidavam de suas cores, os peixes singrando os rios, curumins cheios de amores, sorria o jurupari, uirapuru, seu porvir era: fauna, flora, frutos e flores.

Toda mata tem caipora para a mata vigiar, veio caipora de fora para a mata definhar e trouxe dragão-de-ferro, prá comer muita madeira e trouxe em estilo gigante, prá acabar com a capoeira. Fizeram logo o projeto sem ninguém testemunhar, prá o dragão cortar madeira e toda mata derrubar: se a floresta meu amigo, tivesse pé prá andar eu garanto, meu amigo, com o perigo não tinha ficado lá.

O que se corta em segundos gasta tempo prá vingar e o fruto que dá no cacho prá gente se alimentar? Depois tem o passarinho, tem o ninho, tem o ar, igarapé, rio abaixo, tem riacho e esse rio que é um mar.

Mas o dragão continua a floresta devorar e quem habita essa mata, prá onde vai se mudar? Corre índio, seringueiro, preguiça, tamanduá, tartaruga: pé ligeiro, corre-corre tribo dos Kamaiura.

No lugar que havia mata, hoje há perseguição. Grileiro mata posseiro só prá lhe roubar seu chão, castanheiro, seringueiro já viraram até peão, afora os que já morreram como ave-de-arribação.

Zé de Nata tá de prova, naquele lugar tem cova, gente enterrada no chão: Pois mataram índio que matou grileiro que matou posseiro, disse um castanheiro para um seringueiro que um estrangeiro roubou seu lugarFoi então que um violeiro chegando na região ficou tão penalizado que escreveu essa canção e talvez, desesperado com tanta devastação, pegou a primeira estrada, sem rumo, sem direção, com os olhos cheios de água, sumiu levando essa mágoa dentro do seu coração.
Aqui termina essa história para gente de valor, pra gente que tem memória, muita crença, muito amor, pra defender o que ainda resta, sem rodeio, sem aresta, era uma vez uma floresta na linha do equador.

 

************************************************************

 

Esperança

O ano de 2022 iniciou e os artistas estão esperançosos de dias melhores para os seus projetos.
Que o novo ano seja de sucesso para as artes e seus militantes.

 

Níver

Piratas Estilizados completa 48 anos de história, na quarta (5), mas a comemoração será no sábado (8), em grande estilo, em frente ao colégio Azevedo Costa – Laguinho, a partir das 17h.
Shows de artistas locais e nacionais vão alaranjar a festa.

 

Filhão

Nesta terça (4), meu filhão Leandro Almeida completou 23 anos de muita vida.
Que Deus lhe abençoe sempre. Parabéns, ‘professor’.

 

Destaque

Jornalista Rodney Santos é um dos melhores apresentadores de palco, quando o assunto é show artístico.
Quando o ‘preto velho’ abre o gogó pra anunciar a atração, sua potente voz ecoa longe. Nosso reconhecimento.

 

‘Tucupizeiro’

’Título do novo disco do cantor e compositor amapaense, Nivito Guedes, lançado semana passada nas plataformas digitais. Parabéns.

 

Primaveras

O livro ‘Minhas Três Primaveras’ de Renata Christiny, publicada pela 3DEA Editora, mostra o árduo caminho que uma mulher passou desde sofrer a primeira agressão até seus últimos suspiros.
Um paradoxo com o nome da personagem principal, Luz, para mostrar que sua vida é uma profunda escuridão, em que a luminosidade mais próxima é a morte.
À venda na Loja Virtual 3DEA.

 

‘Festa Temporã’

Título do novo projeto do cantor e compositor amapaense, João Amorim, também nome da música que fez em parceria com Zé Miguel.
Lançamento em breve.

Mais três bens são reconhecidos como Patrimônio Cultural

O Tambor de Crioula do Maranhão (MA), o Frevo (PE) e o Ofício das Paneleiras de Goiabeiras (ES) tiveram revalidados seus títulos de Patrimônio Cultural do Brasil.

“É com grande alegria que aprovamos a revalidação de mais esses três bens como Patrimônio Cultural do Brasil. Agradeço o empenho do DPI [Departamento do Patrimônio Imaterial] e dos conselheiros na luta para garantir esse direito aos detentores”, destacou a presidente do Iphan, Larissa Peixoto. “Além dos registros e revalidações, também temos trabalhado a todo vapor no planejamento das ações de salvaguarda para que possamos concluir esse processo de proteção e valorização dos 50 bens registrados em todo o Brasil”, acrescenta.

O Tambor de Crioula do Maranhão (MA) é registrado como Patrimônio Cultural Imaterial desde 2007. Tradição em grande parte dos municípios maranhenses, a manifestação envolve dança circular, canto e batuque de tambores. Tem origem afro-brasileira e é dançada em louvor a São Benedito, em praças, terreiros e festas. O ponto alto da dança é a punga ou umbigada – ato em que as dançadeiras se cumprimentam batendo barriga com barriga.

O Frevo (PE), tradicional em Recife e Olinda (PE), é expressão musical, coreográfica e poética. Foi registrado como Patrimônio Cultural do Brasil em 2007 e tem origem no final de século XIX. A manifestação reúne melodia e criatividade vindas de outros gêneros. Inicialmente, era praticado por bandas militares, escravos recém-libertos, capoeiras e a nova classe operária de Recife do começo do século XX. O Frevo também está na lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco.

Já os saberes relacionados à fabricação artesanal das panelas de barro estão incluídos no Livro de Registro de Saberes desde o ano 2002. Foi o primeiro bem registrado pelo Iphan como Patrimônio Imaterial. A produção, realizada no bairro de Goiabeiras Velha, em Vitória (ES), envolve técnicas tradicionais e matérias-primas naturais. O trabalho é realizado principalmente por mulheres, que repassam seus conhecimentos às filhas, netas, sobrinhas e vizinhas. As panelas são feitas de argila e modeladas à mão. Depois de secas ao sol, são polidas, queimadas ao ar livre e impermeabilizadas com tinta de tanino. A técnica é herança cultural Tupi-guarani e Una.

 

 

MESTIÇO: É a pessoa descendente de duas ou mais raças humanas diferentes, possuindo características de cada uma das “raças” de que descendem. Pode-se citar como exemplo, pessoas que tenham antepassados negros e brancos, asiáticos e brancos ou negros e ameríndios, mistura muito comum nos países da América Latina.

 

Quem nos espera na curva do rio
Nos encanta
E manda as canções nos ventos
De verão
Osmar Júnior

 

 

Positiva
Embora a pandemia do novo coronavírus tenha impedido de realizar 100% os projetos, mas artistas afirmam que seus trabalhos tiveram saldos positivos, em 2021.

 

O Avesso
A poeta Pat Andrade lançou, essa semana, o livro ‘O Avesso do Verso, Poemas De Mim’. O livro traz poemas selecionados para contemplar o subtítulo “poemas de mim”. Calmarias e tempestades permeiam suas páginas.

 

‘Talentão’
Jovem cantora amapaense nascida em Santana, Ariel Moura é uma artista com um ‘talentão grandão’ (rs) na arte de interpretar músicas. Parabéns pelo sucesso e boa sorte sempre.

 

Reconhecimento
Aqui parabenizo o secretário da Secult, Evandro Milhomem, pelo trabalho realizado na pasta em 2021. Ele soube conduzir com conhecimento, sabedoria e equilíbrio as situações em prol dos artistas. Reconhecimento.

 

‘Belém’
Título da nova música do cantor e compositor paraense, Edilson Moreno, já no repertório do próximo disco. O artista tem muitos clássicos gravados por outros cantores.

 

Poesia e música
Poeta amapaense, Pedro Stkls, tem um belo projeto que une poesia e música com muita qualidade.
O talentoso artista tem uma linguagem regional em suas obras com pitadas do tempero amazônico. Em breve o lançamento de seu primeiro livro.

 

Qualidade
Produtor musical amapaense, Alan Flexa, coordena o Studio de Produção Artística Zarolho Records, que oferece serviços de produção musical, gravação, edição e masterização. Confira em sua página, no Facebook.

 

Quando o samba vai ao cinema

O samba foi personagem de momentos gloriosos do cinema nacional. Do bom humor das chanchadas às dramáticas tramas do realismo do Cinema Novo, o gênero musical teve papel de protagonista, tanto na composição de personagens quanto na ambientação de tramas passadas no País.

O maior elo entre os universos do cinema e do samba foi sem dúvida a cantora Carmem Miranda. Ao ir para Hollywood, Carmem ajudou a disseminar a música popular brasileira mundo afora. Muitos foram os sambistas que viram suas carreiras deslancharem depois de tocarem na sala escura. A lista de notáveis inclui Ary Barroso, Vinicius de Moraes, Dorival Caymmi e Zé Keti.

Com a popularização do rádio e a chegada dos filmes sonoros ao cinema, nos anos 30, o samba ganhou de vez as casas e a vida dos brasileiros. Os dois novos meios de comunicação ajudaram a fomentar a indústria da música no país. Com enorme popularidade, os filmes produzidos por estúdios como Cinédia e Atlântida deram visibilidade a cantores, compositores e temas de sambas e de gêneros carnavalescos, como as marchinhas. Artistas, técnicos, músicos e sambistas conseguiram se estabelecer profissionalmente com seus trabalhos artísticos. Nesta época áurea da música, o desfile das escolas de samba foi incluído no calendário de festas oficiais do Distrito Federal.

O cineasta, crítico e professor de cinema Sérgio Moriconi destaca o papel das comédias musicais brasileiras como primeiro espaço ocupado pelo samba no cinema. “Nesses primórdios, esse estilo ainda nem era conhecido como chanchada. Chamavam de filmes carnavalescos. Abriam espaço para as marchinhas, mas também traziam sambas, como os de Ismael Silva e Ataulpho Alves. Mário Reis era figura constante nas telas”, conta.

Após conquistar o território brasileiro, o samba ganhou o mundo e muito disso se deve à projeção de Carmen Miranda no exterior, após chegar à Broadway, em 1939, e, em seguida, a Hollywood, consagrando-se como estrela das telas. “No plano internacional, Carmen Miranda legitimou o samba como expressão da nossa cultura”, observa Moriconi.

A relação que Carmem estabeleceu entre o Brasil e os Estados Unidos foi tão forte que levou o empresário Walt Disney a criar o personagem Zé Carioca, apresentado na animação Você Já Foi a Bahia?

 

 

 

CUITELINHO: Música brasileira com origem no folclore do Pantanal de Mato Grosso. Considerada uma das mais lindas músicas do cancioneiro popular brasileiro, Cuitelinho (denominação regional para Beija-flor) conta, à maneira do povo, uma pequena história de saudade, que pode ser interpretada como a saudade de um soldado brasileiro que lutou na Guerra do Paraguai. A letra foi recolhida por Paulo Vanzolini durante uma pescaria.

 

 

No Curiaú tem tambor marabaixo
São José é minha fé na beira mar
Isso é o Amapá
Ver nossas tradições rio acima e abaixo
Ivo Canuty

 

Lançamento
Nesta quinta (23) tem lançamento de mais uma música autoral do grupo de samba amapaense, Gente de Casa, ‘É Melhor Fazer o Bem’. No programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9), às 16h.

 

Inaugurada
Arena Paulinho Tupinambá inaugurada, nesta quarta (22), na Praça Chico Noé – Laguinho. Paulinho foi um desportista que militou em várias modalidades do esporte do bairro.

 

Preliminar
Secult divulgou em seu site (secult.ap.gov.br) a lista preliminar com os nomes dos classificados no Edital Promotor Mauro Guilherme.

 

‘Ilhas Que Bailam’
Título de uma das músicas de Osmar Júnior e Fernando Canto, que está no disco “Piratuba a Cantoria no Lago”, do poetinha Osmar Júnior.

 

‘Último Chá’
Título da música de Paulinho Bastos gravada em seu 1º disco (CD), “Batuqueiros”, com participação especial do cantor e compositor, Nico Cadena, sobrinho do artista. Uma bela canção.

 

Profissionalismo
Produtor, locutor, publicitário e DJ. O amigo Rocha é tudo isso e mais um pouco, além do grande profissional que é em tudo o que faz.
Proprietário do Estúdio Midas Live, o empresário tem uma agenda cheia durante a semana, com gravações de áudios e produções diversas. Parabéns.

 

‘O Canto da Amazônia’
Um programa com a cara e o jeito da nossa gente, de segunda à sexta, às 16h, na Diário FM 90,9. É bom de ouvir. Ele valoriza o que é nosso. Sintonize.

 

Ação solidária e shows artísticos marcam o Natal da CUFA

A Central Única das Favelas do Amapá (CUFA-AP) em parceria com a Duas Telas Produtora Cultural, Festival Fica Di Bubuia, Teatro Marco Zero e Secretaria de Cultura do Estado – SECULT, realizam nesta quinta-feira,23, a Ação Solidária A Esperança Floresce. O intuito é arrecadar doações, alimentos, roupas e brinquedos para serem distribuídos em áreas periféricas.
No Amapá a programação está marcada para começar às 14h, com entrega de cestas básicas e doações de brinquedos com a participação da Mamãe Noel. Às 16h, acontece a edição especial do Festival online Fica Di Bubuia, transmitido pelo canal do Youtube https://www.youtube.com/c/DUASTELASPRODUTORACULTURAL/, às 17h tem edição especial do Programa Café com Notícia com Ana Girlene pelos canais da Rádio Diário FM – 90.9, e 20h acontece o Auto do Menestrel – adaptação da obra de Fernando Canto, com o Grupo Teatral Marco Zero, também transmitido pelo canal da Duas Telas Produtora Cultural.
O Natal da CUFA nasceu ano passado quando um incêndio atingiu a CUFA Heliópolis, onde queimou vários produtos que seriam distribuídos. Logo a CUFA arregaçou as mangas, e criou o programa para arrecadar ajuda de maneira emergencial e distribuir em mais de 150 favelas de São Paulo. Agora a ação será no Brasil inteiro, um dia antes da Véspera de Natal, justamente para que as famílias tenham a possibilidade de organizar as suas respectivas ceias.
“Sabemos que estamos em um período difícil onde a miséria e a fome têm crescido, sobretudo devido a pandemia, e juntar a nossa solidariedade com a CUFA-AP e Teatro Marco Zero para ajudar a minimizar a fome principalmente neste período de natal é um ato de amor e respeito ao próximo”, destaca diretora executiva da Duas Telas, Susanne Farias.
Programação: 14h – Entrega de cestas básicas e doações de brinquedos com a participação da Mamãe Noel – no Teatro Marco Zero, que fica localizado na Rua Oscár Santos, 397 – Perpétuo Socorro; 16h – Edição especial do Festival online Fica Di Bubuia – https://www.youtube.com/c/DUASTELASPRODUTORACULTURAL; 17h – Transmissão do Programa Café com Notícia com Ana Girlene – Canais Rádio Diário FM – 90.9; 20h – O Auto do Menestrel (da obra de Fernando Canto) – Grupo Teatral Marco Zero – https://www.youtube.com/c/DUASTELASPRODUTORACULTURAL. Faça a sua doação através do pix: amapacufa@gmail.com. (Tiago Soeiro).

 

 

CURICACA: É uma ave da ordem dos Pelecaniformes da família Threskiornithidae. Seu nome popular é onomatopéico, semelhante ao som do seu canto, composto de gritos fortes. Conhecida, também, como despertador (Pantanal), carucaca, curicaca-comum, curicaca-branca e curicaca-de-pescoço-branco.

 

 

Quando a terra pediu socorro
Eu estava no morro batendo tambor
E a levada do Marabaixo
Armou o meu braço a seu favor
Binho/Zé Miguel

 

 

Diretora
Ativista cultural, Josilana Santos é a nova diretora de carnaval de Boêmios do Laguinho.
No grupo ‘Carnaval Tucuju’ (Whatsap) ela agradece a todos e a presidente da escola, Daniela Ramos, pela oportunidade. Boa sorte.

 

Tempo
Escolas de samba amapaense terão tempo suficiente para planejar e executar seus projetos para os desfiles de 2023. Sem desculpas, por favor!

 

Ações
Nem só dos desfiles vivem as escolas de samba. Tem muitos outros projetos e ações para realizar, basta querer trabalhar.

 

É hoje
É nesta quarta (22) o lançamento do novo disco do cantor e compositor amapaense, Zé Miguel, ‘Quilombola’, em todas as plataformas digitais. Parabéns.

 

‘Carimbó do Amapá’
Título da nova música do cantor e compositor amapaense, Amado Amâncio, que registra mais de 30 anos como artista musical. Parabéns.

 

Chico Mendes
O Iphan atualizou a portaria que delimita a poligonal e os critérios de intervenção para o entorno da Casa de Chico Mendes, em Xapuri (AC), e tombada como Patrimônio Cultural do Brasil. (iphan.gov.br).

 

Jurados
Liesa aprova e definiu os nomes dos 45 julgadores para os desfiles das escolas de samba do grupo especial, do carnaval carioca de 2022. (www.liesa.com.br).

 

Grande Rio mostra as diferentes facetas de Exu

“Quem sou eu? Quem sou eu?” O refrão principal do samba de enredo de 1994 do Acadêmicos do Grande Rio, “Os Santos Que a África Não Viu”, composto por Helinho 107, Rocco Filho, Roxidiê e Mais Velho, começava com uma saudação ao “Povo de Rua”, conjunto de entidades das religiões afro-brasileiras que expressam cruzamentos e hibridações culturais. Este universo tão complexo voltará a ser abordado pela escola, no próximo Carnaval, quando a comunidade de Duque de Caxias cantará, na Marquês de Sapucaí, diferentes facetas daquele que é popularmente considerado o “mais humano dos orixás”: Exu.
Mostrar ao público um pouco do “espírito do enredo” foi a ideia dos carnavalescos, Gabriel Haddad e Leonardo Bora, quando propuseram à agremiação caxiense a feitura de um ensaio fotográfico que ocupasse diferentes espaços do barracão, na Cidade do Samba, e, através das lentes da agência FotoLegenda / Joana Coimbra, captasse a “essência” do que será mostrado no Sambódromo. Leonardo Bora explica a proposta: “Depois do cancelamento do Carnaval de 2021 e diante da potência de um enredo que fala de corpos expansivos, livres, festivos, que brincam nas ruas e se manifestam nas encruzilhadas, pensamos que seria importante explorar espaços abertos, sem o compromisso de mostrar as fantasias com poses perfeitas e luz artificial. Nos interessava mais entender o espírito do enredo nas dobras e nos movimentos das roupas, nas expressões das pessoas, nos detalhes, nas sombras. Os olhares dos fotógrafos, muito sensíveis, captaram essas sutilezas.”
As fantasias selecionadas para o ensaio expressam um pequeno pedaço do que a Grande Rio mostrará na Avenida. Haddad destaca um ponto importante: “As pessoas que foram fotografadas efetivamente participam do Carnaval da Grande Rio, como o ator e dançarino Rodrigo Bahiano, que representou Joãozinho da Gomeia na Comissão de Frente do último desfile. Algumas, inclusive, participaram do processo de feitura das fantasias, caso do aderecista Lucas Corassa, que vestiu a roupa da Pomba-Gira Cigana, desenhada para a ala LGBTQIA+ da escola. Também é o caso das aderecistas Thuane Araújo e Wellington Szaniesky e do pintor de arte Cety Soledad, que tem uma produção artística incrível, na música e nas artes visuais”.

 

 

CARAVANA: uma caravana é um comboio de mercadores, viajantes, peregrinos, torcedores ou qualquer tipo de pessoa, que agrupam-se para percorrer grandes distâncias, muitas vezes por motivo de segurança. Nos desertos, como o do Saara, são movidas por camelos ou dromedários.

 

 

Sim, eu tenho a cara do Saci
O sabor do tucumã
Tenho as asas do Curió
E namoro cunhantã

Nilson Chaves

 

 

Bom papo
Nesta segunda (20) bati um bom papo com o bailarino Pablo Sena. Na pauta, a cultura e arte como assuntos principais. O ‘moleque’ cresceu e está mandando muito bem.
Pablo é mestre sala e vice-presidente de Boêmios do Laguinho, Conselheiro de Pauta do Teatro das Bacabeiras, tem vários projetos para o segmento da dança, através da Casa de Dança Âmago, onde ele é idealizador do especo. Parabéns.

 

‘Desvairada Utopia’
Título do novo disco do cantador da Amazônia, Nonato Santos, já em processo de divulgação na Diário FM 90,9, no programa O Canto da Amazônia. Também é o nome da música carro-chefe do álbum.

 

Homenagem
Império da Zona Norte vai homenagear o poeta compositor amapaense, Ilan do Laguinho, no próximo carnaval, com o enredo ‘Ilan Poeta, Ilan Menino, Ilan do Laguinho’.
Vários artistas já confirmaram participação, como prova de carinho, respeito e às obras de Ilan.

 

‘Empretecer’
Diretoria da Beija-Flor diz que a mensagem do samba para o carnaval 2022 é empretecer o pensamento, valorizando as contribuições do negro e enaltecendo seu lugar de fala.

 

Economia criativa
Secretaria Nacional da Cultura lançou Edital para selecionar até 270 empreendedores culturais e criativos.
O objetivo é a participação nas rodadas de negócios e demais atividades do Mercado das Indústrias Criativas do Brasil. Na modalidade virtual, entre os dias 26 e 29 de outubro deste ano. (www.gov.br).

 

‘Jardim Infame’
Título de uma bela música de Val Milhomem e Amadeu Cavalcante, gravada por Amadeu. “Um beija flor voou deixando eu meu jardim uma açucena chorosa, que era viçosa e hoje é fim…”.

 

‘Quilombola’
Título do novo disco do cantor e compositor amapaense, Zé Miguel, com lançamento agendado para o próximo dia 22 (quarta), em todas as plataformas digitais.

 

O que é cultura, afinal?

É comum dizermos que uma pessoa não possui cultura quando ela não tem contato com a leitura, artes, história, música, etc. Se compararmos um professor universitário com um indivíduo que não sabe ler nem escrever, a maior parte das pessoas chegaria à conclusão de que o professor é “cheio de cultura” e o outro, desprovido dela. Mas, afinal, o que é cultura?
A cultura é do povo e vem do povo para o povo. Ela não tem nome dono e nem sobrenome, é popular e é uma manifestação de um todo reunido em prol de mantê-la sempre viva e presente entre todos. É uma manifestação voluntária sem regras de comportamento, livre e capaz de envolver o mundo.
Para o senso comum, cultura possui um sentido de erudição, uma instrução vasta e variada adquirida por meio de diversos mecanismos, principalmente o estudo. Quantas vezes já ouvimos os jargões “O povo não tem cultura”, “O povo não sabe o que é boa música”, “O povo não tem educação”, etc.? De fato, esta é uma concepção arbitrária e equivocada a respeito do que realmente significa o termo “cultura”.
Não podemos dizer que um índio que não tem contato com livros, nem com música clássica, por exemplo, não possui cultura. Onde ficam seus costumes, tradições, sua língua?
O conceito de cultura é bastante complexo. Em uma visão antropológica, podemos o definir como a rede de significados que dão sentido ao mundo que cerca um indivíduo, ou seja, a sociedade. Essa rede engloba um conjunto de diversos aspectos, como crenças, valores, costumes, leis, moral, línguas, etc.
Nesse sentido, podemos chegar à conclusão de que é impossível que um indivíduo não tenha cultura, afinal, ninguém nasce e permanece fora de um contexto social, seja ele qual for. Também podemos dizer que considerar uma determinada cultura (a cultura ocidental, por exemplo) como um modelo a ser seguido por todos é uma visão extremamente etnocêntrica.

 

 

CORRENTEZA: A correnteza de um curso de água é o trecho em que a sua corrente vai mais rápida (acima do fluxo médio), geralmente formando ondulações e pequenas ondas, e ocorre usualmente em um terreno raso e acidentado. Muitas vezes, consiste em um leito rochoso de cascalho e de seixos ou de outras pequenas pedras. Esta parte do curso de água é um importante hábitat para a pequena biota aquática, como pitus ou pequenos peixes.

 

 

Meu coração tropical
Amanheceu batucando por você
Eu não sou anormal
Aqui do outro lado do Brasil
Osmar Júnior

 

 

Festa na Favela
Maracatu da Favela comemora seus 69 anos no domingo (19), na Arena Verde Rosa, na av: Padre Júlio – Santa Rita, a partir das 16h. Artistas da escola e outras atrações vão fazer a festa.

 

Nas redes
Novo disco com sambas regionais do grupo Gente de Casa, ‘Cultura Em Sintonia’, já está disponível nas plataformas digitais. O repertório é de clássicos da música da Amazônia. Vale a pena ouvir.

 

Música
Novo disco do cantador da Amazônia, Nonato Santos, ‘Desvairada Utopia’, ainda sem data para o lançamento.
A música ‘Festa No Meio Do Mundo’ é uma das belas canções do álbum. Parabéns.

 

O melhor
O samba da Grande Rio foi considerado, por 39,58 pontos, o melhor do grupo especial das escolas de samba do Rio de Janeiro para o carnaval 2022. A pesquisa foi do conceituado site www.carnavalesco.com.br.
O enredo da escola de Caxias para o ano que vem é ‘Fala, Majeté! Sete Chaves de Exú”. O samba é de autoria de Gustavo Clarão, Thiago Meiners, Arlindinho, Igor Leal, J.R. Fragga e Cláudio Mattos.

 

Teatro
Neste sábado (18) e domingo (19) tem estreia do espetáculo amapaense, ‘A Descoberta Dos Rios Das Amazonas’, no Teatro Marco Zero – Perpétuo Socorro, a partir das 20h (sábado) e 19h (domingo). A realização é do grupo Frêmito Teatro.

 

‘Mordaça’
Cantora e compositora, Samantha Mainine lançou seu novo single ‘Mordaça’, já nas plataformas digitais da artista e vídeo clipe, no YouTube.
A canção traz um lado mais denso da artista, uma letra que aborda as diversas amarras sociais e afetivas que uma pessoa carrega no seu íntimo. #ConfereLá.

 

‘Santa Paisagem’
Título da música de Eudes Fraga em parceria com o poeta Joãozinho Gomes, gravada pelo cantor Eduardo Dias.
“Os meus olhos são dois alagados/semelhantes a um braço de rio/e pra eles teu corpo é um brado/florescido em meados de abril…”.

 

A alma carrega seu próprio peso

E cada grama foi conquistada pela ignorância do que seria o futuro. Tá valendo a responsabilidade pelo que se conquistou.
Isso não quer dizer que a alma tem que viver com o que já não suporta, mas suportar o peso do caminho de volta que é…porque eu vim até aqui ?
Mas engraçado, é a chave na mão, a chave pra ser feliz é o amor ao invés do ódio, é a paz ao invés da guerra.
Carregar pesos foi uma invenção da estupidez, carregar a chave é não morrer, é acreditar que sofremos de egoísmo, e isso tem solução. Pra onde formos sempre haverá um problema para ser solucionado.
O amor fraternal, só esse amor suporta nossas imperfeições. Pior é não usar a chave para abrir o próprio coração, é matar alguém em sua natureza com a incompreensão.
É imperdoável a estupidez encravada na ignorância.A gentileza gera gentileza. (Osmar Jr.).

 

 

COMPOSITOR: É um profissional que escreve música. Normalmente o termo se refere a alguém que utiliza um sistema de notação musical que permita a sua execução por outros músicos. Em culturas ou gêneros musicais que não utilizem um sistema de notação, o termo compositor pode-se referir ao criador original da música.

 

 

Quem avistar o Amazonas nesse momento
E souber transbordar de tanto amor
Este terá entendido
O jeito de ser do povo daqui
Val Milhomem/Joãozinho Gomes

 

 

‘Findando’
Ano de 2021 ‘findando’ e os artistas avaliando seus projetos em mais um ano difícil por causa da pandemia do novo Coronavírus. Que em 2022 seja bem melhor.

 

Rolando
Gravação oficial do samba de Maracatu da Favela já rolando nas redes sociais e com elogio de quem conhece uma bela obra. ‘Resistência é Favelar’, parabéns.

 

Salvador
Avaliando 2021, artistas reconhecem os Editais culturais (estadual /federal) como o salvador para seus projetos continuarem vivos, nos dois anos de pandemia (2020/2021).

 

Presente
A música feita no Amapá, com nossa linguagem regional amazônica, é um presente para os ouvidos daqueles que carregam com orgulho o jeito de ser do povo daqui.

 

Igarapé das Mulheres
Título da primeira música do poetinha Osmar Júnior, composta aos seus 14 anos de idade. “Na verdade, eu demorei uns dois anos pra concluir a obra”, disse o poeta.
“E lavavam a minha esperança perdida/As mulheres do igarapé/As Joanas, Marias, Deusas, Margaridas/ Lavarão o que ainda vier…”.

 

‘Aqui no Quintal’
Título da nova música do poetinha Osmar Júnior, parte do novo projeto desse artista tucuju. Com participação especial de Nilson Chaves, a interpretação ficou lindona.

 

‘Último Enredo’
Os compositores Joel Elias e Aroldo Pedrosa nos deram de presente mais uma bela música, o ‘Último Enredo’. Um samba para aumentar nossas saudades do carnaval.

 

Paes garante a realização dos desfiles na Sapucaí

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, utilizou o Twitter, no início da tarde desta quarta-feira (15), para falar da situação do Carnaval 2022 no município. Paes garantiu a realização dos desfiles das escolas de samba na Marquês de Sapucaí.
“Havendo a possibilidade, como há nesse momento e acontece semanalmente, de realização de jogos de futebol com os controles já previstos nas normas estabelecidas pela prefeitura, não há qualquer motivo para não garantimos que o carnaval da Marquês de Sapucaí será realizado. Essa informação é importante para diminuir as especulações acerca dessa festa. O carnaval na Marquês de Sapucaí exige uma preparação com muita antecedência, inclusive com repasse de recursos públicos as escolas de samba. Portanto, a não ser que haja uma mudança completa em todas as regras hoje existentes e no quadro da epidemia, o carnaval da Sapucaí é algo garantido. Já estamos discutindo com a Liesa regras muito restritas que serão apresentadas a nosso comitê científico. Estamos inclusive nos utilizando do belo exemplo estabelecido pela direção do Flamengo que consideramos um caso de sucesso. Ou seja, não teremos necessariamente uma decisão uniforme sobre todas as formas de celebração da maior manifestação cultural de nosso país”, comentou o prefeito do Rio de Janeiro.
O prefeito também explicou que existem diferentes tipos de eventos.
“Ainda é muito cedo para tomarmos uma decisão em definitivo. No entanto, é importante entender que quando falamos de carnaval estamos nos referindo a, pelo menos, três tipos de eventos. Primeiro temos os bailes que acontecem em espaços fechados. Segundo as regras desse momento a realização dessas festividades é possível em razão da possibilidade de cobrança do passaporte de vacinação e/ou testes. Depois temos o carnaval de rua. Esse obviamente requer uma análise ainda mais detalhada uma vez que não há qualquer possibilidade de controle daqueles que estarão participando das celebrações. E finalmente, temos a grande celebração que acontece na Marquês de Sapucaí. Gostaria de estabelecer nesse caso uma comparação com estádios de futebol. A Marquês de Sapucaí nada mais é do que o estádio do samba”, disse.

 

 

CORRENTEZA: A correnteza de um curso de água é o trecho em que a sua corrente vai mais rápida (acima do fluxo médio), geralmente formando ondulações e pequenas ondas, e ocorre usualmente em um terreno raso e acidentado. Muitas vezes, consiste em um leito rochoso de cascalho e de seixos ou de outras pequenas pedras. Esta parte do curso de água é um importante hábitat para a pequena biota aquática, como pitus ou pequenos peixes.

 

 

Meu coração tropical
Amanheceu batucando por você
Eu não sou anormal
Aqui do outro lado do Brasil
Osmar Júnior

 

 

‘Tá na Hora’
Título do samba que o grupo Gente de Casa vai lançar, nesta quinta (16), no programa O Canto da Amazônia (Diário FM 90,9). A mú do grupo. A música faz parte do disco autoral do grupo.

 

Diversidade cultural
Nesta quinta (16), às 19h, tem lançamento do Projeto Diversidade Cultural que vai beneficiar mais de 15 mil artistas de todos os segmentos. Transmissão pela página da FUNCTEL, no Facebook.

 

Participação
A leitura do projeto de Lei, que aconteceu na terça (14) na Câmara de Vereadores de Santana, que institui a Semana da Consciência Negra de Santana e o Centro de Cultura Negra do município, contou com a participação de diversos representantes do movimento negro do Amapá. A autoria é do vereador Bruno Souza (PSD). Parabéns.

 

Favela
Nesta quinta (16) tem a live do grupo de marabaixo ‘Raízes da Favela’, a partir das 20h, com transmissão pela página da Associação Raízes da Favela, no Facebook.

 

‘Amor Negro’
Título da música de Enrico Di Miceli, gravada por Edilson Moreno em seu primeiro disco, em 1992. O tema é uma homenagem ao centenário da Abolição da Escravatura.

 

‘Viva o Rádio’
Todo sábado tem o programa ‘Viva o Rádio’, a partir das 11h, na Diário FM 90,9, abordando diversos assuntos de interesse público. A apresentação é do jornalista Luiz Melo. Bom de ouvir.

 

‘Serrado’
Título da música de Djavan, lançada em 1978, é uma das preferidas do artista por sua rica versatilidade melódica.
“Se o senhor me for louvado eu vou voltar pro meu serrado, por ali ficou quem temperou o meu amor e semeou em mim essa incrível saudade…”.