Sesc em Cena Amapá valoriza artistas cênicos


Sesc em Cena Amapá é um projeto que existe há quatro anos com o objetivo de fomentar a cultura no segmento das artes cênicas no Estado. Foi idealizado a partir do entendimento de que a essência da produção cultural está na prática, na vivência e nas relações sociais, pois é uma manifestação da visão de mundo do artista. E para oportunizar a formação desses profissionais, o Sesc em Cena oferta oficinas para atores, bailarinos, cantores, músicos, artistas circenses e estudantes de produção cênica.

 

No projeto, tem sido oportunizada a formação de grupos de teatro, dança e circo, mesmo que de forma experimental, sendo uma ferramenta oportuna para o lançamento e fortalecimento de novos saberes no campo das artes cênicas. O Sesc em Cena é, atualmente, um guia para o cenário artístico e cultural do Amapá.

 

Durante a breve trajetória, o projeto já coleciona histórias de transformação na vida de profissionais das artes cênicas, e alguns deles foram convidados para contar a importância do Sesc nas suas jornadas em uma série de entrevistas para o canal do Sesc Amapá no Youtube. Você vai poder conhecer as histórias dos profissionais Figueiredo Junior, Amadeu Lobato, Paulo Alfaia, Joca Monteiro, Cleide Façanha, Núbia Oliveira, Ana Caroline e Jones Barsou. Todas as personalidades relevantes para o movimento artístico local, cada um dentro de sua área, seja na dança, na atuação, produção ou direção. Confira as entrevistas no site do sescamapa.com.br.

 

**************************************************

A face do meu amor
Tem a cútis da leveza
É mais fina que o esplendor
Que o glamour da natureza

Rambolde Campos/Joãozinho Gomes

**************************************************

 

Patrimônio mundial

Fortaleza de São José de Macapá está concorrendo ao prêmio de Patrimônio Cultural da Humanidade. O evento é realizado e organizado pala Unesco.

 

Prazo

Encerra nesta terça (20) o prazo prorrogado das inscrições do edital 001 da Fumcult, que vai beneficiar mais de 120 artistas de Macapá.

 

‘Pra Festejar’

Cantora amapaense, Maria Eli, está comercializando seu 1º disco ‘Pra Festejar’, nas redes sociais. Aos interessados, é só entra em contato com a artista no 96 99174-4010.

 

‘Perfil da Beleza’

Título da música do cantor e compositor, Zeca Torres, com o poeta Joãozinho Gomes: “Amada e tão gentil senhora, minha amazônica grandeza. A minha arte à essa hora, busca o perfil da sua beleza…”.

 

Novidades

Poetinha Osmar Júnior está gravando seu novo disco com participação de vários artistas.

A música ‘Maruanum’, tem a participação da banda Negro de Nós, ‘Cores e Bandeiras’ ele gravou com o grupo ‘Faces da Vida’.

 

Novo disco

Cantor e compositor amapaense, Cléverson Baía avisa que está finalizando seu novo projeto musical e logo irá enviar para lançarmos no programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9). Aguardando.

 

‘Tô Na Área’

Título do vídeoclipe do cantor e compositor amapaense,‘Judas Sacaca’, que está bombando no Youtube. Confere lá.


Cantoras de Brasília regravam clássico de John Lennon


Uma música mundialmente conhecida, cinco cantoras de Brasília e um só objetivo: ajudar ao próximo. Inspiradas pela letra da imortalizada canção Imagine, de John Lennon, o grupo feminino de cantoras brasilienses “Elas cantam clássicos” resolveu apoiar a Central Única de Favelas (Cufa) da capital federal oferecendo o que elas têm de mais precioso em troca de doações para a instituição.

“Lançamos o cover da música e pedimos a todos que a ouvirem e se sentirem tocados pela nossa versão a fazerem um gesto de amor e doação. A verba arrecadada será destinada a essa organização que necessita de ajuda”, explicou a cantora Ana Lélia, uma das integrantes do projeto.

“A ideia é fazer exatamente o que a letra prega: um mundo de paz, sem fome, sem guerras com todo mundo compartilhando e vivendo em paz”, salientou.

“Dessa música, que se parece com uma oração, vamos fazer uma ação, que é ajudar alguém de forma prática. Escolhemos ajudar, desta vez, a Central Cufa- DF, que vai direcionar a verba para o projeto Cufa Natal Escolar”, completou Ana Lélia, que também é empresária do Girassol Studios e ao lado do produtor Jonathas Pingo.
Além dela, participam desse cover as cantoras Daniela Firme, Nathalia Cavalcante, Ana Clara Hayley e Carol Melo. “A música ficará disponível no Youtube da Cufa-DF e lá terá um link para PicPay em que as pessoas poderão ajudar”, finalizou.

O grupo formado por cantoras autorais e independentes de Brasília surgiu com a finalidade de se ajudarem como artistas independentes, além de ajudarem ao próximo através de parcerias com projetos sociais.

O grupo foi criado no ano passado, e até hoje, em razão da pandemia, só se apresentou ao público por duas vezes. (Jennifer da Silva – Suporte MF Press Global).

 

***********************************************

Não, nunca mais
Eu vou querer uma paixão assim
A gente briga, a gente sofre, a gente cresce
Por amar, eu sei

Osmar Júnior

***********************************************

 

Festival

Dias 24 e 25 de julho, o festivaleiro Chermont Júnior, vai participar do 39º Festival de música de Cruzília (MG), com a música ‘Festivaleiro Alma de Cantador’. Acompanhe pelo site cruzília.mg.gov.br.

 

Sambas enredos

As escolas de samba do grupo especial, do Rio de Janeiro, estão realizando seus festivais de samba de enredo para o próximo carnaval. Todas estão trabalhando, independente se vai haver carnaval.

 

‘Pretinha Criola’

Título de uma bela música de Finéias Nelluty, já tocando nas plataformas digitais e aprovada pelo público. Parabéns.

 

‘O Negro’

Vem aí a nova obra literária do escritor amapaense, Ivaldo Souza, que em breve será lançada. ‘O Negro e o Preconceito Étnico Racial – Visão Científica, Poética e Religiosa’. No aguardo.

 

‘O Buriti’

Título do novo poema da amapaense Anny de Carvalho. Suas obras regionais são referência pela boa linguagem e temática amazônica. Parabéns.

 

‘Senhora Inspiração’

Título da nova música do cantor e compositor, Naldo Maranhão. Está no repertório do próximo disco do artista.

“Te quero de manhã cheia de manhã. Saindo à francesa ou chegando da Espanha…”.

 

 ‘Abaladora’

Título de uma música de Thamires Tannous, Marina Peralta e Makely Ka, em homenagem a todas as mulheres.

“Eu sou a matriarca mãe, gaia na fogueira pagã. Uma cunha tchucarramãe, mulher que cuspiu a maçã…”.


Nega Laura: “O Marabaixo faz parte da minha vida”


Uma cabocla pérola negra, amapaense da gema que defende a bandeira da cultura do Marabaixo como a sua própria família, afinal, ela veio desse meio. Nasceu, cresceu e se educou ouvindo os “velsos bandaiados” (ladrões), as chamadas músicas e canções desse segmento, que é a maior e mais autêntica manifestação folclórica do povo tucuju, o Marabaixo. Se esfregando aos foliões e tropeçando em caixas espalhadas por toda a casa onde se tocava e se dançava esse ritmo trazido da mãe África pelos negros escravos para a construção da Fortaleza de Macapá.

 

Estamos falando de “Laura do Marabaixo”, uma descendente da família “Julião”, neta de Tia Biló e bisneta do mestre do Marabaixo, Julião Ramos, sendo sua avó a única filha viva do mestre. Laura era uma das tantas artistas anônimas, repleta de talento, que precisava estar sempre presente nesse segmento que também é seu. Hoje a sociedade conhece mais uma estrela do Marabaixo do Amapá.

 

“Nega Laura”, como também é conhecida, é uma artista completa, pois, além de dançar, tocar e compor as músicas, ela é cantadeira dos “ladrões” de Marabaixo. Seu cantar é forte, firme que ecoa pelos ares e ouvidos dos foliões, com os homens marcando e arrastando os pés e as mulheres girando e rodando as saias pelo salão. Quando Laura entoa o seu canto com as perguntas dos versos, todos respondem num só momento, bem alto, pra marcar mais um momento especial da noite de cantorias do Marabaixo.

 

Além dessas virtudes, Laura é integrante do Grupo de Dança Baraká, tocadora de tambor de Batuque, é palestrante desse segmento, ensina as crianças a dançar e tocar a caixa de Marabaixo, é fundadora e coordenadora do bloco Ancestrais (que realiza eventos voltados à cultura amapaense), militante do carnaval e de outros movimentos.

 

“Tenho orgulho de ser negra e de poder contribuir com o desenvolvimento cultural do meu estado, pois, o Marabaixo está no meu sangue, na minha alma, no meu coração e na minha vida”, disse Laura.

 

********************************************************

Uma cidade na linha do equador
Onde Deus e a natureza derramaram o seu amor
A intimidade entre rio e a fortaleza
Emoldura sua beleza Macapá morena flor

Serginho Sales

********************************************************

 

Referência

A marabaixeira Del Marabaixo é uma grande referência na comunidade quilombola de Campina Grande, pelos belos projetos que realiza em prol da cultura tradicional do Amapá. Parabéns.

 

Pérola Negra

O concurso Pérola Negra está agendado para acontecer no dia 20 de novembro, com  mais de 30 candidatas inscritas.

O coordenador e produtor, Ray Balieiro, reforça que o projeto tem o objetivo de valorizar a beleza negra amapaense.

 

Prorrogação

A Fumcult prorrogou por mais 10 dias as inscrições do 1º Festival da Canção Macapaense, que encerraria na quarta (15). Mais informações: fumcult.macapa.ap.gov.br.

 

Lentamente

Alguns artistas da música estão retornando suas atividades externas, lentamente, se apresentando em lugares com o número reduzido de pessoas, em obediência aos decretos e protocolos sanitários.

 

‘Grito de Liberdade’

Título da música da cantora e compositora Rose Show, com produção do saudoso músico Walber Silva.

 

‘Festejo’

Título de uma bela música composta por Rambolde Campos e Joel Elias, no ritmo do marabaixo, a cultura mãe do Amapá.

“Corre menina, chama o Munjuca, hoje é dia do senhor. É tanto devoto levando a bandeira que a Trindade abençoou…”.

 

Tambor

Cantor e compositor amapaense, Zé Miguel nos deu de presente mais uma bela obra musical, ‘Tam Tam do Tambor’.

“O Tam Tam do Tambor que não se cala, é testemunho vivo da história…”.


Conheça o que é a Piracema


A piracema é um fenômeno que ocorre com diversas espécies de peixes ao redor do mundo. A palavra vem do tupi e significa “subida do peixe”. O processo recebe esse nome porque, todos os anos, eles nadam rio acima para realizar a desova.

 

Durante a piracema, os peixes nadam contra a correnteza. Esse processo é extremamente importante para o sucesso reprodutivo, uma vez que o esforço físico aumenta a produção de hormônios e causa a queima de gordura. Os testículos dos peixes machos nesse período aumentam de tamanho, ficando repletos de sêmen. No momento da fecundação, que ocorre externamente, a fêmea lança óvulos na água, enquanto o macho lança os espermatozóides diretamente sobre eles. Após esse momento, os peixes descem novamente o rio. Vale destacar que ovos e larvas também fazem a viagem no sentido contrário ao da piracema enquanto amadurecem. No nosso país, esse processo ocorre nas épocas de chuvas de verão, que causam o aumento do nível dos rios.

 

Um grande obstáculo à piracema é a presença de barragem. Os peixes, ao tentarem subir o rio, encontram esse obstáculo e, muitas vezes, ferem-se gravemente, além de ficarem muito exaustos. É nesse momento que muitos predadores se fartam de alimento. Mesmo quando os peixes conseguem se reproduzir, as larvas e ovos não conseguem sobreviver nos reservatórios. Além disso, há as turbinas que podem causar a morte tanto dos peixes quanto dos ovos e larvas.

 

Vale destacar que, geralmente, as barragens apresentam sistemas para a transposição de peixes com a finalidade de diminuir os impactos relatados. Esses sistemas consistem normalmente em uma espécie de escada que facilita a subida e descida dos peixes, úteis nos países do Hemisfério Norte, entretanto, nos países da América do Sul, não teve tanto sucesso.

 

*****************************************************

Flor negra, flor bela
No marabaixo ou batuque
Batuca, batuca de amor
Meu coração por ela

Nilson Chaves e Joãozinho Gomes

*****************************************************

 

 ‘Desgoverno’

Título da música do poeta Joãozinho Gomes e do cantor e compositor Zeca Baleiro, lançada virtualmente, nesta quinta (15), no Youtube dos dois artistas.

 

São Tiago

No sábado (17) vai acontecer a live ‘Eu Canto Pra São Tiago e São Jorge’, a partir das 18h30. Transmissão pela página Nova Mazagão, no Facebook e Zeca Mazagão, no Youtube. A realização é do Grupo Litúrgico Eu Canto Pra São Tiago e São Jorge.

 

‘Afro Verão’

Nome do projeto que a casa de cultura Sankofa vai realizar no domingo (18), a partir das 18h. A atração é o Grupo de Marabaixo Guá.

 

‘Tisnas Reminiscentes’

Nome da exposição que o artista plástico amapaense, Jota Márcio, está realizando na galeria do Sesc Centro (esquina da rua Tiradentes com a av: Mendonça Júnior), até 12 de agosto.

A mostra faz parte do programa Sesc Amazônia das Artes, um intercâmbio das artes e da cultura na região amazônica. #Visite.

 

Credenciamento

O Sesc Amapá abriu credenciamento para artistas a fim de atender a demanda de eventos culturais da instituição.

As inscrições podem ser realizadas pelo formulário online ou presencialmente por meio da entrega dos formulários anexos no edital. Informações: www.sescamapa.com.br.

 

‘Belém Em Mim’

Título da música gravada pela cantora paraense, Leila Pinheiro, no CD ‘Raiz’, com linguagem amazônica.

“As vezes eu falo de terras e rios. Cidades eternas que um dia vi. Lugares distantes de mares bravios…”.

 

‘Bandeira do Samba’

Nome do primeiro grupo de samba do Amapá criado na década de 1980 que iniciou a valorização dos sambas e pagodes feitos em casa.

O grupo era formado por Carlos Pirú, Pedro Ramos, Adelson Preto, Bibi, Espiga do Cavaco, Aureliano Neck, Nena Silva, Nonato Soledade, Lincolin Américo e Carlinhos Bababá. As rodas de samba rolavam no Bar do Tio Duca – Laguinho. #História.


Hernani Vítor Guedes: o criador de ‘Os Mocambos’


Sabe daquelas pessoas que você olha e logo observa sua genialidade por tudo o que ela lhe passa de verdade? Pois é. Eu conheço uma dessas, é o músico Hernani Vítor Guedes, o mesmo que criou o projeto musical amapaense ‘Os Mocambos’, pioneiro nos anos 1970 na gravação do Marabaixo (ritmo tradicional afro-amapaense, quando não era muito bem visto pela sociedade).

 

Foi o primeiro “conjunto” a gravar um LP com músicas locais ou regionais, como queiram, registrando as cantorias do folclore tucuju como: o Marabaixo, o Batuque e as folias dos santos nos festejos das comunidades do estado.

 

O ‘seu Hernani”, como todos o chamam, nasceu no dia 12 de abril de 1924, na cidade de Cametá (PA).

 

Hernani Victor foi integrante como primeiro violino da Orquestra Primavera tendo se apresentado no Teatro Nacional do Distrito Federal (Brasília), no Teatro das Docas do Pará e na Inauguração do Teatro Pinheiros (Sesc), em São Paulo. Ele realizou apresentações em shows institucionais e particulares como: Feira Agropecuária, Macapá Verão, feiras culturais em escolas públicas, Teatro das Bacabeiras, Convenções do Rotary Internacional e outros eventos.

 

Hernani Vitor tem dois filhos que seguiram seus passos na música, Nonato Santos e Nivito Guedes, ambos com obras gravadas em discos e coletâneas (CD’s).

 

********************************************************

A face do meu amor
Tem a cútis da leveza
É mais fina que o esplendor
Que o glamour da natureza

Rambolde Campos/Joãozinho Gomes

********************************************************

 

Comemoração

Cantor e compositor amapaense, Finéias Nelluty está comemorando os seus 35 anos de música em defesa do Amapá. Parabéns.

 

Lançamento

Dia 31 de julho vai acontecer um coquetel de lançamento da Associação Cultural e Folclórica do Amapá. O evento será na sede do Império Solidariedade, às 19h.

 

‘Pensando o Tempo’

Título do livro do escritor amapaense, Jean Carmo. Uma coletânea dos poemas e canções do artista, que vem trabalhando há anos. Você pode adquirir na Baiúca do Chico Terra. (baiuca.chicoterra.com).

 

Falas

É preciso reconhecer quando as falas promessas de campanhas políticas se transformam em realidade com ações para o melhoramento em prol dos artistas. Quando isso não acontece, fica claro que são apenas falas em prol de si. Precisamos avançar.

 

Ibermúsicas

Inscrições abertas para os editais do Programa de Fomento das Músicas Ibero-Americanas Ibermúsicas 2021, que vão contemplar composições e projetos musicais on-line de países ibero-americanos.

A iniciativa é financiada atualmente por 14 países; entre eles, o Brasil, representado pela Funarte. Serão concedidos prêmios entre mil e cinco mil dólares norte-americanos por projeto. Mais informação no site cultura.gov.br.

 

‘Passageiro’

Nome de uma bela música do cantor e compositor amapaense, Zé Miguel, que precisamos destacar.

“Eu não tenho nada a ver com essa estrada e desconheço o seu destino. Não tenho novidades, além da claridade do meu mundo de menino…”.

 

‘Batuqueiros’

Cantor e compositor amapaense, Paulinho Bastos se preparando para o lançamento de seu 1º disco (CD), que será através de uma live que o artista vai realizar. Já aguardando.


Zé Miguel: um cantador do meio do mundo


Um cantador que traz no coração o amor de sua gente e de sua raiz com a alma cheia de gente da floresta, com o perfume das matas e dos vivos, que tem morada no meio do mundo, onde o seu endereço é bem fácil, na esquina do rio mais belo, o Amazonas, com a linha do equador, bem no meio do mundo.

Nascido em Macapá, o cantor, compositor e produtor, José Miguel de Souza Cyrillo, artisticamente, Zé Miguel, nasceu no dia 29 de setembro de 1962 e está entre os principais representantes da música da Amazônia, com valorização dos ritmos regionais, como o Marabaixo e o Batuque, elementos marcantes da cultura afro-amapaense.

Zé Miguel iniciou a carreira musical desde cedo, cantando em cultos dominicais da igreja evangélica onde frequentava. Depois passou a atuar como guitarrista em diversas bandas em bailes realizados na capital amapaense. Na década de 1980, começou a compor suas primeiras canções e a participar de festivais promovidos em Macapá. Em carreira solo lançou seu primeiro LP, Vida Boa, em 1991, trazendo seu primeiro sucesso, a canção homônima, e destacando Zé Miguel entre os principais artistas da música do estado, juntamente com Amadeu Cavalcante, Ronery e Osmar Júnior. Em 1996, com os músicos, Val Milhomem e Joãozinho Gomes, criaram o projeto Planeta Amapari, resultando no CD do mesmo título, lançado em 1996, esse alcançando em 2000 o mercado europeu.

Em 1998, lançou seu segundo disco solo, Lume. No ano seguinte, veio o CD Dança das Senzalas, outro projeto conjunto com o Quarteto Senzalas, grupo formado em parceria com Amadeu Cavalcante, Val Milhomem e Joãozinho Gomes. Em 2002, lançou o terceiro solo, o CD Acústico, do qual fizeram parte o sucesso Pérola Azulada e a regravação do sucesso Vida Boa, além de outros sucessos da carreira. Em 2004, foi a vez do CD ‘Quatropontozero’, após os 40 anos do músico. Após a morte trágica do filho Marco Kayke, vítima de acidente de trânsito, lançou neste mesmo ano o CD ‘Uma Balada para Kayke’. Em 2007 gravou o DVD ‘Meu Endereço’, nome de uma música em parceria com Fernando Canto. Seu último disco (CD)=’Amazônia na Veia’ foi gravado em 2016.

 

CARIMBÓ: É um gênero musical de origem indígena, miscigenou-se recebendo outras influências, principalmente negra. Seu nome, em língua tupi, refere-se ao tambor com o qual se marca o ritmo, o curimbó. Surgida em torno de Belém (PA) na zona do Salgado (Marapanim, Curuçá, Algodoal) e na Ilha de Marajó, passou de uma dança tradicional para um ritmo moderno, influenciando a lambada e o zouk.

 

O mundo tá perdido
Com o sumiço do cupido
Que eu flechei num tiro certo
Pro gelo derreter
Fernando Canto/Nivito Guedes

 

Intermunicipal
Depois do sucesso que foi o festival municipal, a Liga Macapá vai realizar o Intermunicipal de Quadrilhas Juninas, no final do mês de julho. Aguardem.

 

‘Todas as Flores’
Título da música do poetinha, Osmar Júnior, gravada no ritmo do samba pelo grupo Gente de Casa. Lançamento em breve. Aguarde.

 

Calendário
Liesap apresentou seu calendário para o carnaval 2022 com datas definidas, mas depende da vacinação contra a Covid-19 para imunizar a população e as ações acontecerem. As escolas precisam estar preparadas.

 

Mestre Laíla
Diretoria da Beija-Flor homenageou o Laíla, falecido em junho, batizando o seu barracão, na Cidade do Samba, de ‘Mestre Laila’.
Ele trabalhou na escola por 30 anos e foi o melhor e maior diretor de carnaval do Brasil. #Merecido.

 

Primaveras
O livro ‘Minhas Três Primaveras’ de Renata Christiny, publicada pela 3DEA Editora, mostra o árduo caminho que uma mulher passou desde sofrer a primeira agressão até seus últimos suspiros
Um paradoxo com o nome da personagem principal, Luz, para mostrar que sua vida é uma profunda escuridão, em que a luminosidade mais próxima é a morte. À venda na Loja Virtual 3DEA.

 

Música
O compositor e multi-instrumentista pernambucano Zeca Cafofinho, reativa sua obra ‘Dança da Noite’. A primeira de uma trilogia com mais dois álbuns inéditos por vir. ; faixa-título foi criada em parceria com Arnaldo Antunes.
Tramas de amor e tramóias do cotidiano derramam-se sobre sonoridades dançantes, simultaneamente criativas e eruditas. Disponível nas plataformas digitais.

 

‘Festa Temporã’
Título do novo projeto do cantor e compositor amapaense, João Amorim, também nome da música que fez em parceria com Zé Miguel. Lançamento em breve.

 


Conheça o beija-flor Brilho de Fogo


O beija-flor brilho de fogo, o Topaza Pella, é uma ave da família Trochilidae. As terras amapaenses abrigam o beija-flor que é considerado o maior e mais bonito espécime existente no Brasil. Seu nome científico é Topaza Pella, mas é mais conhecido como Beija-flor brilho de fogo ou topázio-vermelho. Também é encontrado em Roraima, Pará, Maranhão, nas Guianas, Venezuela e Leste do Equador.

O macho, com cerca de 20 centímetros de comprimento (incluindo aqui a cauda, com duas penas alongadas e cruzadas), tem a garganta dourada ou verde-metálica, com a barriga vermelha-metálica. Já a fêmea, menor (cerca de 12 centímetros) é verde-amarronzada, também com garganta vermelha-metálica.

Eles constroem seus ninhos em galhos debruçados sobre os igarapés. Estes possuem forma de taça. Antes, durante as cerimônias pré-nupciais, o macho bate as asas diante da fêmea pousada, abrindo e fechando a cauda. O beija-flor costuma tomar banhos em riachos e igarapés, onde chega a nadar sob a água em trajetos curtos. Para se secar, sacode a plumagem em pleno o voo. São poucos lugares que se tem a chance de se deparar com esse bichinho, mas encontrá-lo é um momento inesquecível.

O macho mede cerca de 20 cm de comprimento (mais da metade corresponde à cauda) e a fêmea 12 cm. O macho tem duas penas da cauda muito alongadas e cruzadas, garganta dourada ou verde-metálica e barriga vermelha-metálica e a fêmea é verde-amarronzada com garganta vermelha-metálica. (pt.wikipedia.org).

 

RIBEIRINHO: É o habitante tradicional das margens dos rios. Estes vivem com as condições oferecidas pela própria natureza, adaptando-se aos períodos das chuvas. Tendo a pesca artesanal como principal atividade de sobrevivência, mas cultivam também pequenos roçados para subsistência (consumo próprio) e também podem praticar atividades extrativistas

 

É fácil o meu endereço
Vá lá quando o sol se pôr
Na esquina do rio mais belo
Com a linha do equador
Zé Miguel/Joãozinho Gomes

 

Prorrogação
Fumcult prorrogou o prazo de inscrição do Edital para premiação de artistas de Macapá, até 20 de julho, às 18h. Mais informações no portal fumcult.macapa.ao.gov.br.

Fescam
As inscrições para o 1º Festival da Canção Macapaense continuam abertas, até a próxima quinta (15). São mais de 18 mil em premiações. Saiba como se inscrever acessando o site da Fundação fumcult.macapa.ap.gov.br.

Investimento
O Iphan encerrou o primeiro semestre de 2021 com a marca de R$ 50,1 milhões investidos em obras por todo o Brasil. Foram 17 edificações entregues reformadas ou restauradas em dez estados.
Além das obras, o Iphan realizou outras ações referentes à salvaguarda e proteção do Patrimônio Cultural, como o lançamento do Sistema de Avaliação de Impacto ao Patrimônio. #Positivo.

 ‘Ariri’
Título da nova música do cantor e compositor amapaense, Finéias Nelluty, no swing da Zankerada (ritmo musical criado pelo artista). Parabéns.

‘Velho Lobo’
Nome da nova música do cantor e compositor, Naldo Maranhão, que faz parte do novo disco do artista. “Volto a ler teus desejos tatiando teu corpo e essa mensagem em Braille em teu rosto…”.

‘Vida Boa’
Música de Zé Miguel, ‘Vida Boa’, foi gravada pelo grupo de samba amapaense, Gente de Casa, e lançada no programa O Canto da Amazônia (Diário FM 90,9), na sexta (9). Ficou legal na versão samba. “Eita, que vida boa…”.

‘Quando Sô’
Título da música de Enrico Di Miceli em parceria com Jorge Andrade, gravada pelo cantor paraense, Lúcio Mouzinho, em seu primeiro disco, ‘Verdes Tons’. Bela música.

 


Rambolde Campos: ‘Macapá, amor à primeira vista’


Rambolde Campos é um nordestino de Natal (RN), com cara de amapaense, uma verdadeira mistura de gente que nasce no Brasil e que a identidade geográfica musical, pouco importa, pois, é no sabor do cancioneiro brasileiro que se ama o que se vive.

O cantor e compositor, Rambolde Cavalcante Campos, artisticamente conhecido como Rambolde Campos, decidiu registrar a própria carreira musical com um projeto de cantador autoral. E deu o nome de “Rambolde 30 anos”, uma coletânea de 30 músicas, onde dez são inéditas, fazendo parte de um álbum duplo especialmente produzido para celebrar a trajetória desse filho potiguar, de natal (RG), que um dia escolheu as terras tucujus pra morar, bem no comecinho dos anos 80. Desembarcou em Macapá escorado em um violão e na bagagem, uma penca de sonhos, com sons e ritmos brasileiros. Foi amor à primeira vista. Esse amor já dura mais de dez anos e desse casamento, r esultaram dezenas de composições próprias e com outros parceiros de outras paragens, como a canção “Nos passa vida”, feita com Osmar Júnior, um dos maiores compositores e letristas da Amazônia.

Sua cidade de nascimento é Cabugi, alguns quilômetros do município de Lages Pintadas (RG), lá Rambolde cresceu ouvindo o pai dele interpretar, no assovio, os clássicos de Luiz Gonzaga, o “Rei do Baião”. Apesar de muito jovem, Rambolde já entendia o que o “véio Lua” queria dizer com “terra ardendo qual fogueira de São João”. Era a seca castigando o povo nordestino. E a desolação era tamanha que até mesmo a Asa Branca, não suportando o braseiro, tinha batidos asas do sertão. Foram as canções de Luiz Gonzaga que serviram de inspiração para o cantor.

Atendendo a convites de parentes que já moravam em Macapá, aos 20 anos de idade, Rambolde Campos, desembarcou em terras tucujus “pra passar alguns dias”, apenas para rever tios e primos e conhecer a terra em que eles moravam há bastante tempo. “Meu tio foi pioneiro aqui em Macapá. Eu em Natal ouvia muito falar dessa cidade, do povo bom e hospitaleiro, e das riquezas naturais que aqui, segundo afirmavam, existiam em abundância. E ainda existem como a gente pode ver e me apaixonei imediatamente”, finalizou Rambolde. O artista está finalizando o seu novo disco, ‘A Face do Meu Amor’.

 

***************************

 

CAIÇARAS: Denominam-se caiçaras os habitantes tradicionais do litoral das regiões Sudeste e Sul do Brasil. Formados a partir da miscigenação entre índios, brancos e negros e que têm, em sua cultura, a pesca artesanal, a agricultura, a caça, o extrativismo vegetal, o artesanato e, mais recentemente, o ecoturismo.

 

***************************

 

Meu coração tropical
Amanheceu batucando por você
Eu não sou anormal
Aqui do outro lado do Brasil
Osmar Júnior

 

***************************

Lançada
A versão samba da música Vida Boa foi lançada, nesta sexta (9), pelo grupo Gente de Casa, em seu 2º disco. Faz parte do novo projeto de músicas regionais do grupo. A música é de autoria de Zé Miguel. Parabéns.

 

Bregaço
Grupo de samba amapaense, Os Moreiras lançaram, nesta sexta (9), os medleys 3 e 4 de bregas no ritmo do samba. Repertório refinado e muita qualidade técnica. Confira nas plataformas digitais do grupo.

 

‘Açucena’
Título de uma bela poesia da amapaense, Anny de Carvalho, valorizando o regionalismo amazônico. “Falaram pra açucena se casar, mas ela rodou sua saia, saiu como quem se anima pra passear…”.

 

‘Sentinela Nortente’
Título do primeiro LP de Amadeu Cavalcante e do Movimento Costa Norte, lançado em 1989, na sede do Trem Desportivo Clube. Também, nome da música de Osmar Júnior, que está no disco.

 

Criação
Nasce a ideia seguida da luz do talento, mas a criatividade pede passagem para se fazer presente e logo o dom deixa o pensamento seguir seu caminho sem volta. A obra tá criada.

 

Descobrindo talentos
Aos artistas que ainda continuam no anonimato, mas produzindo com talento, entrem em contato com a produção do programa ‘O Canto da Amazônia’ (Diário FM 90,9) e do site da cultura ocantodaamazonia.com para divulgar seus projetos. 96 99141-8420.

 

Futuro
Poetinha da Amazônia Osmar Júnior, diz que temos que combater a inquietude e compartilhar a plenitude da esperança. Que cabe a todos nós nos lambuzarmos de presentes pensando no futuro.
“Cabe-nos perfumarmos com incensos e bálsamos, e abrirmos nossas janelas para o sol nos banhar de luz”, disse. (do livro Piratuba, A Cantoria do Lago – escrito por Fernando Canto sobre o artista).


Santana: a terra de Santa Ana


Santana é um município no sudeste do Amapá. É o o segundo município mais populoso do estado, Santana tem uma conurbação com o município de Macapá, a capital, formando a região metropolitana de Macapá.

A história do município de Santana em muitos aspectos aproxima-se do que ocorrera com a cidade de Macapá, no momento em que o governador do estado do Grão-Pará e Maranhão (Capitão-General Francisco Xavier de Mendonça Furtado), fundou a Vila de São José de Macapá, em 4 de fevereiro de 1758. Prosseguiu viagem para a Capitania de São José do Rio Negro e deparou-se com a Ilha de Santana, situada às margem esquerda do rio Amazonas, elevando-a à categoria de povoado.

Os primeiros habitantes eram moradores de origem europeia, principalmente portugueses, mestiços vindos do Pará e índios da nação tucujus. Estes últimos vindos de aldeamentos originários do Rio Negro, chefiados por Francisco Portillo de Melo, contrabandista de pedras preciosas e escravos, que fugia das autoridades fiscais paraenses, em decorrência de estarem atuando no comércio clandestino.

Em 31 de agosto de 1981, Santana é elevada a categoria de Distrito de Macapá, através da Lei nº 153/81-PMM, sendo instalado oficialmente em 1 de janeiro de 1982, sendo o pioneiro Francisco Correa Nobre, o primeiro agente distrital.

Santana foi elevada à categoria de município através do Decreto-lei nº 7639 de 17 de dezembro de 1987. Através do Decreto (P) nº 0894 de 1 de julho de 1988, o governador Jorge Nova da Costa nomeia o professor Heitor de Azevedo Picanço, para exercer o cargo de Prefeito Interino, que estruturou a administração pública municipal, criando condições para o futuro prefeito que seria eleito diretamente pelo povo em 15 de novembro de 1988, Rosemiro Rocha Freires.

Há no município vários rios e igarapés. Os mais importantes são o rio Amazonas, rio Matapi, rio Maruanum, rio Tributário, rio Piassacá, rio Vila Nova, Igarapé do Lago e Igarapé Fortaleza.

O evento cultural de maior expressividade é a festa de ‘Santa Ana’, padroeira do lugar, que ocorre no mês de julho, precisamente no dia 27. É também festejado o Divino Espírito Santo em janeiro (02/01) e realizados em junho (dia 29) os festejos em louvor a Mãe de Deus.

 

************************

 

COLECIONADOR: Colecionador é o indivíduo ou instituição que faz coleção dos mais variados objetos, tais como selos e moedas. Exemplos: a biblioteca é uma colecionadora de livros, um museu coleciona diversas objetos. Um dos mais famosos colecionadores em todo mundo é o museu, que pode ser desde uma sala até uma enorme construção. O mais famoso museu é o Museu do Louvre em Paris. Desde sua fundação na era napoleonica até os dias atuais. Um dos mais famosos objetos de sua coleção é a Mona Lisa pintada por Leonardo da Vinci.

 

************************

Orgulho meu
Que eu canto agora
Onde nasci, me criei
Laguinho tem muita história
Carlos Pirú

 

************************

Projetando
Os cantores e compositores amapaenses, Beto Oscar e Helder Brandão, estão trabalhando um novo projeto para gravar o segundo CD da dupla.
Enquanto organizam, os artistas estão produzindo algumas músicas que fazem parte do repertório individual de cada um.

 

Alternativa
Muitos artistas da música estão buscando outras alternativas para continuarem cantando para o público, mesmo distante dele. As redes sociais estão servindo de acalanto para esses artistas.

 

‘Soneto da Ilusão’
Título de um belo poema de Bruno Muniz, do seu livro ‘Cem Versos Putos Sobre Mim’, que o artista musicou e ficou um lindo breguinha canção. “Cortejo as linhas fúteis do teu corpo, que outrora foram minhas por direito…”.

 

É hoje
Grupo de samba amapaense, Gente de Casa lança nesta sexta (9), a versão samba da música ‘Vida Boa’, do compositor e cantor, Zé Miguel.
O lançamento será no programa O Canto da Amazônia (Diário FM 90,9). Faz parte do repertório do novo disco do grupo.

 

Artesão
Amigo artesão, Ceará da Cuíca é um artista ‘de mão cheia’ (como se diz no popular). Ele junta peças sem uso em oficinas de veículos, e confecciona réplicas de instrumentos musicais. Um belo artesanato para presentear. Contato do artista 96 99177-2296.

 

‘A Rainha Perdida’
Título do livro da escritora carioca Ana Cristina Melo. A obra retrata uma sociedade distópica na qual os moradores foram privados da liberdade em troca de comida e segurança. Acesse o site e saiba mais http://bit.ly/rainhaperdida.

 

“Música e Música”
Cantor e compositor acreano, Sérgio Souto dá um recado aos seus seguidores em seu grupo no Facebook: “Meus caros amigos, o prato principal do grupo é a música. Evitem publicar nada que não seja música e música”. Recado dado.

 


A poética na bíblia


Um dos estilos literários mais usados na bíblia sabemos que é o poema, aliás, é recomendável à quem quiser entender melhor o sentido dessa arte.

Foi observando uma vassoura e suas serdas, que são centenas varrendo o chão conjuntamente, isso no momento em que eu lia a frase bíblica, que diz mais ou menos isso: “nNão cairá uma folha das árvores que não seja do conhecimento de Deus”.

Para mim cada serda da vassoura é uma resposta segundo o espelho da alma naquele milésimo de segundo, por isso, ninguém explica Deus, ele é muito, muito rápido…

Aí um amigo pergunta:

Como vês a história de Adão e Eva e a coisa do fruto proibido, nudez e tudo mais?

_ Observando a serda da nudez agora, vês que nada é mais nú do que teus pensamentos diante da tua consciência, quando perdestes a inocência perante o desejo pecastes. Ganhastes o mundo, é isso que diz o poema, é só um poema para explicar algo grande, é pra isso que servem os poetas, era para isso as parábolas de Jesus.

Então não temas assim os poéticos pecados da carne, pois estás nú perante Deus e tua consciência o tempo todo.

Se um homem é capaz de perdoar, imagine Deus.

Ama, ama a Deus e ao próximo, amando em verdade a ele, amarás ao próximo certamente. É o que importa. (Osmar Júnior)

 

**********************************

CURUÁ: É um rio brasileiro, localizado no estado do Pará, com cabeceira na “Serra do Cachimbo”. Durante seu percurso até a foz no rio Iriri, passa por diversas áreas indígenas, como uma tribo de “Caiapós”. Sua região mais conhecida é onde se encontram as cachoeiras do Rio Curuá, no distrito de “Castelo dos Sonhos”.

 

**********************************

Olha meu amor
O que eu quero é te beijar
Seja onde for
Ou aqui ou acolá
Joãozinho Gomes/Amadeu Cavalcante

 

**********************************

 

Revelação
Quadrilha junina Revelação fez uma bela apresentação no festival junino realizado pela Liga Macapá, segunda (5) e terça (6). A criatividade do projeto apresentado foi melhor em todos os quesitos. Parabéns.

 

Campeã
Cruzeiro do Sul foi a quadrilha junina campeã do Festival Municipal, realizado pela Liga Macapá. Parabéns.

 

Destaque
Um destaque especial para a diretoria da Liga Macapá de Quadrilha Junina, pela realização do Festival Municipal de Quadrilhas Juninas. Coragem, atitude e determinação. Parabéns, presidente Cláudio Vaz. #Exemplo.

 

Música
As inscrições estão abertas, até 15 de julho, para o 1º Festival da Canção Macapaense (virtual). A Fumcult informa que são 18 mil de premiação para os vencedores. Se inscreva pelo e-mail: fumcultmacapa@gmail.com.

 

Flor Morena’
Cantora e compositora carioca, Aline Calixto divulga mais uma música do DVD de seus 10 anos de carreira.

A música ‘Flor Morena’ é um presente de Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho para a cantora. Confira em todas as plataformas digitais.

 

‘Abaladora’
Título de uma música de Thamires Tannous, Marina Peralta e Makely Ka, em homenagem a todas as mulheres.
“Eu sou a matriarca mãe, gaia na fogueira pagã. Uma cunha tchucarramãe, mulher que cuspiu a maçã…”.

 

‘Pimentinha’
Saudosa cantora Elis Regina, conhecida como a ‘Pimentinha’ da MPB, ganha homenagem através do espetáculo inovador ‘Elis e Eu’.
Vídeos, fotos raras e gravações exclusivas da artista disponíveis em todas as redes sociais.