Última hora Polícia Política Cidades Esporte

Heraldo Almeida

Parabéns, Macapá: 264 anos de história

Macapá é um município brasileiro, capital do meio do mundo (monumento Marco Zero do Equador), e a maior cidade do estado do Amapá. Situa-se no sudeste do estado e é a única capital estadual que não possui interligação por rodovia a outras. Além disso, é a única cortada pela linha imaginária do Equador e que é localizada às margens do Rio Amazonas, o maior rio de água doce do planeta. Macapá pertence à mesorregião do Sul do Amapá e à microrregião homônima. É localizada no extremo norte do país, a 1.791 quilômetros de Brasília.
O município é o 98º maior PIB da nação, e a quinta cidade mais rica do norte brasileiro, respondendo por 2,85% de todo o Produto Interno Bruto (PIB) da região. Na Amazônia, é a terceira maior aglomeração urbana, com 3,5% da população de toda a Região Norte do Brasil, reunindo em sua região metropolitana mais de 519 mil habitantes. Aproximadamente 60% da população do estado está na capital. Sua área é de 6.407 km² representando 4,4863 % do estado, 0,1663 % da Região e 0,0754 % de todo o território brasileiro.
Segundo estimativa do IBGE, a população de Macapá cresceu 1,96% em relação a 2018. Macapá chega a 503.327 habitantes, a 22ª capital mais populosa do Brasil e a quinta cidade mais populosa do norte.
A toponímia é de origem tupi, como uma variação de ‘Macapaba’, que quer dizer lugar de muitas bacabas, uma palmeira nativa da região (Oenocarpus bacaba Mart.). Antes de ter o nome de “Macapá”, o primeiro nome concedido oficialmente às terras da cidade foi ‘Adelantado de Nueva Andaluzia’, em 1544, por Carlos V de Espanha, numa concessão a Francisco de Orellana, navegador espanhol que esteve na região.
Macapá é uma cidade que tem o ritmo contagiante do Marabaixo e do Batuque, principais identidades musicais desse lugar que tem a cara e o jeito do seu povo, que mora nessa imensa floresta amazônica. Uma cidade vigiada pela exuberante Fortaleza de São José, patrimônio tucuju. Um lugar de gente feliz.

 

CORRENTEZA: A correnteza de um curso de água é o trecho em que a sua corrente vai mais rápida (acima do fluxo médio), geralmente formando ondulações e pequenas ondas, e ocorre usualmente em um terreno raso e acidentado. Muitas vezes, consiste em um leito rochoso de cascalho e de seixos ou de outras pequenas pedras. Esta parte do curso de água é um importante hábitat para a pequena biota aquática, como pitus ou pequenos peixes.

 

Meu coração tropical
Amanheceu batucando por você
Eu não sou anormal
Aqui do outro lado do Brasil
Osmar Júnior

 

Inspiração
Macapá é uma cidade que inspira muitos artistas de vários segmentos na composição de suas obras.
Com belos pontos turísticos, a capital tucuju é o orgulho do amapaense. Parabéns, Macapá pelos seus 264 anos.

 

‘Tô Em Macapá’
É o título de uma linda música de Nivito Guedes e Sabatião com declaração de amor à cidade de Macapá, de aniversário nesta sexta (4). “Quer saber onde eu to? Tô no norte do Brasil eu to em Macapá…”. Parabéns, Macapá pelos seus 264 anos.

 

Nova geração
Ayrton Montarroyos é um cantor e compositor brasileiro da nova geração, que tem um projeto musical com repertório das músicas de Caetano Veloso. Nem tudo está perdido. Parabéns.

 

Marca registrada
O Marabaixo é a marca registrada da cidade de Macapá, onde a manifestação acontece com bastante freqüência nas datas comemorativas.
Viva a nossa cultura-mãe e vida a nossa cidade nesse dia de seu aniversário. Parabéns, Macapá pelos seus 264 anos.

 

Retrato
Artistas plásticos amapaenses retratam muito bem o amor que sentem por Macapá, através de suas obras pinturas com poesia. Parabéns, Macapá pelos seus 264 anos.

 

Cantando Macapá
A produção do programa O Canto da Amazônia (Diário FM 90,9) e o site da cultura ocantodaamazonia.com, prepararam uma playlist com músicas que falam de Macapá. Entre em contato com 96 99141-8420 e ganhe a sua.

 

‘Meu Endereço’
Título de uma bela música de Zé Miguel e Fernando Canto com pitadas de poesia declarando amor por Macapá.
“è fácil o meu endereço, vá lá quando o sol se por, na esquina do rio mais balo, com a linha do equador…”.

 

Cantora Márcia Fonseca apresenta show Brega Retrô

Para aqueles que curtem os clássicos do brega, a pedida é o show da jornalista e cantora, Márcia Fonseca, que irá apresentar no próximo sábado (5), no Farofa Tropical (Rua São José, 1024, Centro), a partir das 20h, um repertório com músicas que estão sempre em evidência e agradam todas as gerações.
Com o temática ‘Brega Retrô’ a cantora irá embalar o público com músicas que marcaram gerações, dos artistas Nelsinho Rodrigues, banda Calypso, Alberto Moreno, Mauro Cotta e outros.
O brega é um ritmo que tem um swing dançante criado no norte brasileiro, mais precisamente no estado do Pará, que conquistou todo o país e muitos cantores de outras regiões estão gravando e tornando esse ritmo ainda mais conhecido. São estilos variados e contagiantes que faz com que o público curta e se apaixone por cada música.
Este projeto foi contemplado com o edital Nº 002/2021 da SECULT / AP e conta com recursos da Lei Aldir Blanc. O show será gravado e posteriormente será divulgado nas redes sociais da mesma secretaria. (Adryany Magalhães – Ascom Cia Supernova).

 

 

CARAVANA: uma caravana é um comboio de mercadores, viajantes, peregrinos, torcedores ou qualquer tipo de pessoa, que agrupam-se para percorrer grandes distâncias, muitas vezes por motivo de segurança. Nos desertos, como o do Saara, são movidas por camelos ou dromedários.

 

 

Sim, eu tenho a cara do Saci
O sabor do tucumã
Tenho as asas do Curió
E namoro cunhantã

Nilson Chaves

 

Alternativas
Artistas estão tentando novas alternativas para realizar seus projetos, sem a participação presencial do público. “Não podemos parar”, dizem eles.

 

Atitude
Sem os desfiles das escolas de samba a Liesap poderia organizar, junto com as escolas, ações voltadas para o combate à pandemia do novo Coronavírus, em parceria com a PMM e GEA. #Atitude.

 

Juventude
Grupo ‘Marabaixo da Juventude’ é uma referência da nova geração que assume o seu papel de continuar na luta em defesa da cultura-mãe do Amapá, exaltando e valorizando o que é nosso. Parabéns.

 

Sapucaí
Muitos amapaenses irão para o Rio de Janeiro assistir os desfiles das escolas de samba na Sapucaí. Com os desfiles cancelados por aqui, as viagens já estão agendadas para a cidade maravilhosa.

 

Agenda
Na sexta (4) tem Samba de Mesa no Hangar 99 (rua Professor Tostes – Jesus de Nazaré), a partir das 21h.
O show fica por conta dos sambias Meio Dia da Imperatriz e Zeca Mazagão. Reserva de mesas limitadas: 98128-2006.

 

Macapá
A música desta quinta (3) em homenagem aos 264 anos da cidade de Macapá, que será na sexta (4), é ‘Tô Em Macapá’, de Nivito Guedes e Sabatião. “Quer saber onde eu to? Tô no norte do Brasil eu to em Macapá dançando Marabaixo…”.

 

‘Catirina’
Título de uma bela música do poetinha, Osmar Júnior, gravada pela cantora Claudete Moreira. Linda interpretação. “Catirina meu desejo é teu beijo minha flor. Ê Catirina, Catirina meu amor…”.

 

Costumes do povo tucuju

Folclore é o conjunto de tradições, lendas, crenças e costumes populares. Cada Região possui costumes próprios de seu povo, sejam na alimentação, nas danças ou nas crenças.

 

Na alimentação destacam-se: a maniçoba, o vatapá, o caruru, o pato no tucupi, a caldeirada de tucunaré, o camarão no bafo, a farofa de pirarucu, o pirarucu, etc. A Castanha-do-Brasil está presente nos doces, bolos, biscoitos, tortas, sorvetes, cremes, etc.

 

Dentre as bebidas podemos citar o açaí, bacaba, tacacá, refresco de cupuaçu, de graviola, de maracujá, de taperebá, etc.

 

A dança típica do povo amapaense é o Marabaixo, que é dançado durante a festa do divino espírito santo e Santíssima Trindade. Um mastro é levantado e as pessoas dançam em torno, ao som de caixas e tambores. Durante a festa são servidas certas iguarias típicas como: beijo-de-moça, quindim, rosquinha, beijus, mingau de banana e de farinha de tapioca, etc.

 

Na localidade de Igarapé do Lago, no município de Macapá, é dançado o batuque. Existem locais onde as comunidades conservam as tradições que são apresentadas nas festas religiosas.

 

Em Macapá a principal festa é a do padroeiro São José, seguindo-se o Círio de Nazaré. No Curiaú, comemoram a Festa do Divino e São Joaquim. No Igarapé do Lago, festejam o Divino e Nossa Senhora da Piedade. Em Mazagão Velho é comemorada a Festa de São Thiago. Na maioria das festividades dos santos padroeiros locais é dançado o Marabaixo, dança que caracteriza o povo amapaense.

 

Na quadra junina são apresentados os cordões de pássaros, do boi e quadrilhas juninas. São notáveis as participações das comunidades nesse entretenimento folclórico. Os cordões consistem em representações teatrais, na maneira típica do povo. Durante o desenvolvimento da história, as personagens dialogam e cantam no linguajar local.

 

No Amapá existem lendas interessantes como do Manganês, do João de Gatinha, da Pedra do Guindaste e uma enorme quantidade de fantasias, como a do Boto, importante peixe do Amazonas.

 

***********************************************************

Quem avistar o Amazonas nesse momento
E souber transbordar de tanto amor
Este terá entendido
O jeito de ser do povo daqui

Val Milhomem/Joãozinho Gomes

***********************************************************

Esperança

O mês de fevereiro chegou e com ele veio a esperança de dias melhores para os projetos dos artistas de todos os segmentos. Que seja leve e próspero. #EntãoVem.

 

Sem carnaval

Sem as festas de carnaval em 2022, carnavalescos poderiam aproveitar o tempo vago e discutir futuros projetos para o segmento. Assim, quem sabe, avançaríamos nas ideias e no coletivo. #Dica.

 

Solidariedade

Impedidas de realizar seus projetos com a participação do público, devido a pandemia do novo Coronavírus, algumas instituições artísticas e culturais poderiam executar ações sociais para ajudar quem precisa.

 

Parabéns, Macapá

A música de hoje, pra você ouvir em homenagem aos 264 anos da cidade de Macapá, que será na sexta (4), é ‘Eu Sou Daqui’ (Enrico Di Miceli/Joãozinho Gomes), gravada por Amadeu Cavalcante no disco ‘Equinócio’. Parabéns, Macapá.

 

‘Aqui no Quintal’

Título da música do poetinha Osmar Júnior, do novo projeto desse artista tucuju. Com participação especial de Nilson Chaves, a interpretação ficou lindona. Ouça no programa ‘O Canto da Amazônia’ (DiárioFM 90,9), às 16h, ele toca a nossa música.

 

‘Grito de Liberdade’

Título da música da cantora e compositora Rose Show, com produção do saudoso músico Walber Silva.

 

‘Choro Antigo’

Título da obra musical de Eudes Fraga em parceria com Gonzaga Blantez, gravada por Eudes. Mais uma bela canção para acalantar nossos ouvidos. Parabéns.

O sabor da música tucuju

São muitos os estilos e sabores das composições musicais produzidas no Amapá, que retratam em seus sons e ritmos o que de mais belo existe nesse estado ao norte do Brasil, fronteira com a Guiana Francesa e às margens do maior rio do mundo, o Amazonas. Mas a temática é a mesma: ‘as coisas do Amapá’. A linguagem da musicalidade tucuju, nas letras e melodias, é característica de quem vive em um lugar com riquezas regionais espetaculares e verdadeiras, no meio da floresta amazônica e com uma matéria prima abundante e satisfatória.

 

O sabor das canções que cantam as coisas existentes no Amapá é degustado e aprovado pelos maiores e mais exigentes críticos da música brasileira, que já ouviram a beleza do cancioneiro tucuju. Produtores, músicos, compositores letristas, cantores e diretores brasileiros (de bom gosto), já provaram desse tempero musical regional, de um povo privilegiado que tem o seu lugar destacado em belas canções.

 

Os rios, povo, costumes, tradição, cultura, floresta e lugares existentes no Amapá são exaltados com sensibilidade por quem olha para cada peculiaridade e vê o que há de mais valor na alma e no coração do povo que mora nesse caldeirão cultural. Cada uma das pessoas é parte fundamental desse belo e natural cenário cultural amazônico.

 

Temperar as canções amapaenses com boa letra, melodia, ritmo forte, poesia, ouvir os sons das caixas de mar-a-baixo, batucar os tambores de um lugar e de um povo, é privilégio de poucos que conseguem provar do sabor do cancioneiro tucuju. Pra completar o cardápio, uma boa pitada da voz dos cantadores que fazem ecoar pelo mundo o som que o Amapá produz.

 

*****************************************************

Meu coração tropical
Amanheceu batucando por você
Eu não sou anormal
Aqui do outro lado do Brasil

Osmar Júnior

*****************************************************

 

Campanha

Artistas de todo o Brasil estão em mobilização pela aprovação da Lei Emergencial de Incentivo a Cultura Paulo Gustavo, que já recebeu o ‘SIM’ do Sedado e falta o da  Câmara Federal.

No Amapá, o secretário da Secult, Milhomem, gravou um vídeo e espalhou nas redes sociais, pedindo empenho da bancada federal do Estado para aprovar o projeto.

 

Mais investimento

A Lei Aldir Blanc investiu mais de 23 milhões nos artistas amapaenses, de todos os segmentos, e a Lei Paulo Gustavo vai garantir mais de 30 milhões, mas precisa ser aprovada pela Câmara Federal.

 

Qual é a música?

Qual é a música tucuju que não pode faltar no repertório do aniversário de 264 da cidade de Macapá, dia 4 de fevereiro, sexta?

 

Referência

A ativista cultural, Del Marabaixo, é uma referência no quilombo de Campina Grande (Macapá), onde tem seu trabalho reconhecido e respeitado. #MeRepresenta.

 

‘Jardim Infame’

Título de uma bela música de Val Milhomem e Amadeu Cavalcante, gravada por Amadeu. “Um beija flor voou deixando eu meu jardim uma açucena chorosa, que era viçosa e hoje é fim…”.

 

‘Sonho em Desencanto’

Título de uma das novas músicas do cantador da Amazônia, Nonato Santos, que está no repertório do disco ‘Desvairada Utopia’.

 

‘Quilombola’

Título do novo disco do cantor e compositor amapaense, Zé Miguel, já disponível em todas as redes sociais.

Raízes do Bolão é Tradição e arte

O grupo ‘Raízes do Bolão’ é uma das maiores referências da cultura tradicional do Amapá, em se tratando de tocar e cantar Marabaixo e Batuque, além de confeccionar os tambores e caixas de percussão. O grupo é formado por várias gerações da família ‘Bolão’ (de onde veio o nome do grupo). Criado pela saudosa ‘Tia Chiquinha’, matriarca muito conhecida e respeitada por tudo o que fez pela cultura popular e o que representa, até hoje.
O grupo já representou nossa musicalidade em diversos festivais, gravações, shows, viagens pelo Brasil e exterior. Sempre mostrando os sons, ritmos e tradição cultural do povo tucuju, por outras paragens que ainda não conheciam essa arte do povo amapaense. É uma viagem de valorização das tradições culturais, num Brasil que ainda desconhece sua própria história. A essência cultural viva presente nos sons e ritmos do grupo Raízes do Bolão.
O grupo ‘Raízes do Bolão’ vive no quilombo do Curiaú, área rural da cidade de Macapá, estado do Amapá, onde mantém a tradição de cantar os ladrões (cânticos) que falam de situações diversas do cotidiano e de temas religiosos. Durante as apresentações o grupo utiliza os tambores de Marabaixo fabricados pelo mestre Pedro Bolão, e também apresenta os Batuques (bandaias) tocados em tambores cavados em tronco de árvore e em ‘pandeirões’ que remetem a influências da cultura moura. Formam o grupo os tocadores, dançadeiras e cantadeiras da família como os netos, filhos, sobrinhos e tios.

 

 

CULTURA: É um conceito de várias acepções, sendo a mais corrente, especialmente na antropologia, a definição genérica formulada por Edward B. Tylor, segundo a qual, cultura é “todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo homem como membro de uma sociedade”.

 

 

Sou mãe preta e sonhei com Zumbi
Dizendo pra mim que meus ancestrais
Nasceram das caravelas
De remos que vinham para cá…

Mayara Braga/Zé Maria Cruz

 

 

Quadrilheiros
Quadrilheiros juninos já se mobilizando para os eventos de junho, mesmo que seja On Line, a exemplo de 2021. O segmento da cultura junina, no Amapá, é organizado e forte.

 

Festival
Inscrições abertas para o maior Festival de Compositores Online do Brasil, com vagas limitadas. Se inscreva pelo site festivaldocompositor.com. O objetivo é promover o trabalho dos compositores para artistas e produtores de todo país.

 

Cancelado
Os eventos artísticos, marcados para acontecer no início de fevereiro, estão sendo cancelados pelos organizadores, devido o aumento nos casos positivos da Covid-19.

 

‘Vitória do Jarí’
Título da música do cantor e compositor paraense Jerry Santos, que morou naquela cidade durante 26 anos e gravou um disco em homenagem ao lugar.
“O teu povo, tua história estão presentes na memória. Vitória da floresta, do rio Jarí e da castanha. Vitória pulsa, Vitória canta, Vitória pro Amapá és grande herança…”.

 

Poeta
Jovem poeta amapaense Neto Romano, com belos textos deixa seu talento registrados em suas inúmeras poesias (Escritores AP – YouTube).
“Quero beijar o canto da sua boca e tocá-la com as pontas dos meus dedos/Silenciosamente para quê o mundo aplauda nossa forma de amor sem culpa…”.

 

Valorização
Jovem e talentosa cantora da Armênia, Arpi Alto gravou um dos maiores clássicos da música brasileira e mundial, Garota de Ipanema (Tom Jobim e Vinícius de Moraes). Uma bela interpretação. Veja em seu canal no YouTube.

 

Dicionário
O livro ‘O Dicionário do Menino Andersen’ recebeu o Selo Altamente Recomendável 2020, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Reconhecimento pelo trabalho e compromisso na formação de novos leitores.
A instituição escolhe todos os anos o melhor da produção editorial brasileira para crianças e jovens, na categoria Literatura em Língua Portuguesa. (www.sesispeditora.com.br).

 

Felipe Cordeiro: um cantor pop da Amazônia

Felipe Cordeiro é um artista paraense, um dos principais expoentes da nova geração da sempre efervescente cena musical do Pará. Cantor, compositor e instrumentista, a sonoridade do músico é permeada por ritmos amazônicos que vão da lambada ao carimbó, da guitarrada ao atualíssimo tecnomelody.

 

Filho e parceiro musical do guitarrista e produtor, Manoel Cordeiro, um dos pioneiros da lambada no Pará, e de quem diz ter herdado o gosto radical pela diversidade. Entrou na Escola de Música da Universidade Federal do Pará aos onze anos e lá estudou piano, teoria musical e bandolim. Participou nesse período de vários grupos relacionados à sua atividade de estudante de música, se apresentando em concertos (solo e em grupo) por diversas salas de Belém do Pará.

 

Aos quinze anos, pouco antes de ingressar na faculdade de Filosofia da Universidade Federal do Pará, curso no qual é graduado em Bacharelado e Licenciatura, influenciado pela MPB tradicional, começou a mostrar suas primeiras composições nos festivais de canções, sendo premiado em diversos deles pelo Brasil. Até então sua carreira era voltada exclusivamente para a composição, várias canções e parceiros foram feitos, disso resultou um disco (de compositor) chamado “Banquete”, no qual vários intérpretes e arranjadores foram convidados. Mas depois do contato com o teatro surgiu o interesse de assumir a interpretação das suas músicas, e juntamente com suas reflexões acerca da música brasileira, seu som foi ganhando uma assinatura muito específica e criativa.

 

Desde então, um humor, por vezes ácido, e uma necessidade aguda de experimentar sonoridades, além de poéticas, em torno da música popular, tornou-se um imperativo.

 

Felipe Cordeiro lançou, em 2011, o CD ‘Kitsch Pop Cult’, e agora está finalizando sua próxima obra musical, com sons e ritmos da Amazônia, mas com estilo popular, identidade assumida pelo autor.

 

*******************************************************************

Quem avistar o Amazonas nesse momento
E souber transbordar de tanto amor
Este terá entendido
O jeito de ser do povo daqui

Val Milhomem/Joãozinho Gomes

*******************************************************************

 

Luto

O samba brasileiro perde mais um artista da música. Morreu nesta sexta (28), de acidente de carro, o cantor Bakaninha, um dos intérpretes da Beija-Flor de Nilópolis. Bakaninha, também, era da ala de intérpretes de Piratas Estilizados.

 

Música

Neste sábado (29) tem show de Jorginho do Cavaco e Nego Nena, cantando e tocando o melhor da boa Música Popular Brasileira.

A partir das 16h, no Bar e Pizzaria do Francês, na esquina da avenida Ernestino Borges com a rua Jovino Dinoá – Laguinho. Informações: 96 98131-5375.

 

 ‘Jardim Infame’

Título de uma bela música de Val Milhomem e Amadeu Cavalcante, gravada por Amadeu. “Um beija flor voou/deixando eu meu jardim/uma açucena chorosa/que era viçosa e hoje é fim…”.

 

‘Mordaça’

Cantora e compositora, Samantha Mainine lançou seu novo single ‘Mordaça’, já nas plataformas digitais da artista e vídeo clipe, no YouTube.

A canção traz um lado mais denso da artista, uma letra que aborda as diversas amarras sociais e afetivas que uma pessoa carrega no seu íntimo. #ConfereLá.

 

‘Renovação’

Título da banda musical que está se destacando no estilo Gospel e sendo elogiada por muitos produtores. O jovem cantor, Elson Summer, é um dos líderes e intérprete da Banda Renovação. Parabéns.

 

Talento

A jovem cantora amapaense, Nice Sales vem se destacando a cada dia como artista da música amapaense.

Ela é dona de uma voz privilegiada e com participação em vários festivais do Sescanta Amapá e outros eventos. É a nova geração ocupando o seu lugar. Parabéns.

 

Referência

A marabaixeira Del Marabaixo é uma grande referência na comunidade quilombola de Campina Grande, pelos belos projetos que realiza em prol da cultura tradicional do Amapá. Parabéns.

A intolerância é o próprio desamor

Uma coisa eu observei na tal da sofrência. Ela brinda as relações ditas casos de amor, casamento, namoro, amizade sexual e o escambal, com tolerância e a velha e boa fossa, elemento que nos proporciona chorar, esquecer e partir pra outra sem violência. Ou mesmo engolir seco e dizer: eu amo e pronto.

É que a sociedade transformou em um adjetivo chamado “corno”, até isso operou em uma mentalidade machista ou femini machista (*criei isso agora ).
O problema é que o tal do “chifre” carrega milênios de cultura machista e muitos terminam em morte.
Ora chifre! Isso só dói, só é um porre, esse negócio de lavar a honra com sangue é coisa de Coronel.
Então, viva Marília Mendonça e Reginaldo Rossi, e vamos parar de se matar.
Bora beber. (Osmar Júnior).

 

 

CARAVANA: uma caravana é um comboio de mercadores, viajantes, peregrinos, torcedores ou qualquer tipo de pessoa, que agrupam-se para percorrer grandes distâncias, muitas vezes por motivo de segurança. Nos desertos, como o do Saara, são movidas por camelos ou dromedários.

 

Sim, eu tenho a cara do Saci
O sabor do tucumã
Tenho as asas do Curió
E namoro cunhantã

Nilson Chaves

 

Aniversário
Dia 4 de fevereiro cidade de Macapá vai completar 264 anos de história. Vamos comemorar essa data ouvindo as músicas que tem a cara de nossa cidade.
Escolha a sua e envie o nome para o whatsapp 96 99141-8420. Vamos tocar no programa O Canto da Amazônia (Diário FM 90,9).

 

Música
Qual a música que pra você mais se identifica com Macapá? Escolha a sua e envie mensagem para o número 96 99141-8420. Vamos tocar no programa O canto da Amazônia (Diário FM 90,9).

 

‘Coração Tropical’
A música Coração Tropical, do poetinha Osmar Júnior, é uma das belas homenagens à cidade de Macapá. A obra foi gravada por Amadeu Cavalcante no disco Sentinela Nortente, em 1989.

 

‘Clara’
Título da música de Clay Lunna, em homenagem à sua filha Clara. É uma bela obra onde o artista declara o seu amor à Clara. Parabéns.

 

Evolução
O cinema amapaense está a cada dia mais forte e mais valorizado, mesmo sabendo que precisa de mais apoio financeiro.
A qualidade de produção e o conteúdo estão chamando a atenção do Brasil. Os vários prêmios conquistados são exemplo dessas afirmativas.

 

Carnaval
Beija-Flor vai lançar na Sapucaí, no carnaval deste ano, a voz feminina da cantora Jéssica Martin, para brilhar no time comandado por Neguinho da Beija-Flor, que é o microfone oficial da azul e branco. Boa sorte.

 

‘Tarumã das Estrelas’
Título de uma bela obra musical assinada pelo poetinha, Osmar Júnior, gravada por Amadeu Cavalcante e cantada em vários festivais pelo Brasil. “Ei madame, ei maninha, o meu tarumã foi pras estrelas, podendo vê-las lá do espaço sideral…”.

 

Filme amapaense ‘Utopia’ conquista o Festival Olhar do Norte

A quarta edição do Festival Olhar do Norte terminou com a vitória do único curta-metragem vindo do Amapá: “Utopia” venceu Melhor Filme na Mostra Norte. O júri era formado pelos diretores Aldemar Matias (“La Arrancada”), Dheik Praia (“Pranto Lunar”), Elaíze Farias (jornalista e co-fundadora da Agência Amazônia Real), Flávia Abtibol (“Dom Kimura“) e Francis Madson (“No Céu da Boca Cresceu Saturno“). A cerimônia de premiação aconteceu na noite desta segunda-feira (24) no Teatro Amazonas.

 

Dirigido por Rayane Penha, “Utopia” mostra a busca da própria cineasta por histórias vividas pelo pai garimpeiro que faleceu no local de trabalho. Arquivos sobre esse pai, fotos, vídeos e cartas que ele escrevia para a família relatando a vivência e as dificuldades do garimpo. O documentário procura humanizar homens que dedicam suas vidas a terra, mais do que um registro o filme vem mostrar um relato íntimo e poético sobre a vida desses garimpeiros.

 

“Utopia” estava na pequena lista de filmes dirigidos por mulheres na Mostra Norte desta edição – além de Rayane Penha, estavam presentes Sabrina Trentim de “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, e Priscila Tapajowara de “Ãgawaraitá: Nancy”. Durante a roda de conversa sobre mulheres no audiovisual, Victor Kaleb declarou que a organização do festival irá rever o processo de curadoria para tornar a lista mais inclusiva.

 

De qualquer modo, “Utopia” marca a segunda conquista consecutiva de um filme dirigido por mulheres no júri da Mostra Norte: em 2020, o paraense “Ari y Yo”, de Adriana de Faria, venceu a categoria. Antes disso, em 2018, “Maria”, de Elen Linth, também vencera o evento organizado pela Artrupe Produções Artísticas. (https://www.cineset.com.br/).

 

*******************************************************************************************

Olha que coisa mais linda
Mais cheia de graça
É ela menina
Que vem e que passa

Tom Jobim/Vinícius de Moraes

*******************************************************************************************

 

Essência

Cantor e compositor amapaense, Zé Miguel gravou e já lançou seu disco ‘Quilombola’, valorizando sua raiz e sua essência. As músicas estão disponíveis em todas as plataformas digitais.

 

‘Passa Tchonha’

Título da música do cantor e commpositor amapaense, João Amorim, gravada pela Banda Negro de Nós, em seu novo álbum, ‘Negro De Todos Nós’.

 

Produzindo

Cantor e compositor amapaense, Roni Moraes está na pré-produção de seu terceiro disco solo, ainda sem nome definido.

Com seus dois discos, ‘Belvedere’ e ‘Amazônia Lugar Sagrado’, o artista informa que o novo projeto terá muita amapalidade. No aguardo.

 

Artesanato

Na Maloca da Tia Chiquinha, no quilombo do Curiaú, tem exposição e comercialização de artesanato e livros. É a Lojinha Quilombola da Tia Esmeraldina. #BoraLá?

 

Expectativa

Estamos aguardando o lançamento do novo disco do cantor e compositor, Natal Vilar, ‘Além da Linha do Equador’, gravado no ano passado. O artista garantiu que nesse 1º semestre será lançado. #Expectativa.

 

Talento

Jovem cantor amapaense, Elson Summer já demonstra um talento nato no segmento da música. Vem se destacando no estilo gospel e conquistando seu espaço. Ele é da Banda Renovação Parabéns.

 

Poesia e música

Poeta amapaense, Pedro Stkls, tem um belo projeto que junta poesia e música com muita qualidade.

O talentoso artista tem uma linguagem regional em suas obras com pitadas do tempero amazônico.

Carnaval: Casais comemoram criação de Associação Nacional

Donos do “bailado” mais sublime do carnaval, os casais de mestre-sala e porta-bandeira tiveram alguns motivos a mais para comemorar esse grande dia. Em evento realizado na Praça da Apoteose, alguns representantes da classe, entre primeiros e segundos casais, integrantes de escolas do Especial e do Acesso, veteranos e projetos com crianças e adolescentes, se reuniram e cantaram “parabéns” para reverenciar a data que homenageia os guardiões do pavilhão da escola.
Ainda em fase de criação, a Associação Brasileira de Mestre-Sala, Porta-Bandeira e Porta-Estandarte (Abramespeb), tem em Selminha Sorriso, sua presidente de honra, e principal entusiasta da união de casais do Brasil e quem sabe do mundo inteiro.
“Agora estamos em fase de registrar a Associação. Está tudo caminhando muito bem. A Associação é Nacional e depois que tudo estiver mais organizado do que está, ou seja, terminar a fase de registro, mais alguns ritos que temos que seguir, nós iremos fundar uma associação internacional, também extensiva a casais do exterior”, conta a porta-bandeira da Beija-Flor.
Selminha também falou sobre a importância de comemorar a data, principalmente podendo ser de forma presencial. “Hoje é um presente de Deus. Devemos acreditar sempre nos nossos sonhos. O carnaval sobreviveu. Os casais de mestre-sala e porta-bandeira têm a incumbência de conduzir os pavilhões, ou seja, a alma da escola, aqui está o sonho de tantos que se foram, da ancestralidade. Nós que estamos e os que virão continuaremos cuidando desse manto sagrado. Esses guardiões merecem muito comemorar esse dia. Que bom que eu faço parte dessa história, dessa legião, desses majestosos personagens incríveis do nosso carnaval”.

 

 

CARIMBÓ: É um gênero musical de origem indígena, miscigenou-se recebendo outras influências, principalmente negra. Seu nome, em língua tupi, refere-se ao tambor com o qual se marca o ritmo, o curimbó. Surgida em torno de Belém (PA) na zona do Salgado (Marapanim, Curuçá, Algodoal) e na Ilha de Marajó, passou de uma dança tradicional para um ritmo moderno, influenciando a lambada e o zouk.

 

O mundo tá perdido
Com o sumiço do cupido
Que eu flechei num tiro certo
Pro gelo derreter
Fernando Canto/Nivito Guedes

 

 

Finalizando
Cantor e compositor amapaense, Cléverson Baia, informa que está finalizando seu 2º álbum musical e ainda neste primeiro semestre irá lançar.

 

Destaque
Jornalista Rodney Santos é um dos melhores apresentadores de palco, quando o assunto é show artístico. Quando o ‘preto velho’ abre o gogó pra anunciar a atração, sua potente voz ecoa longe. Nosso reconhecimento.

 

‘Tucupizeiro’
Título do novo disco do cantor e compositor amapaense, Nivito Guedes, lançado semana passada nas plataformas digitais. Parabéns.

 

Primaveras
O livro ‘Minhas Três Primaveras’ de Renata Christiny, publicada pela 3DEA Editora, mostra o árduo caminho que uma mulher passou desde sofrer a primeira agressão até seus últimos suspiros.
Um paradoxo com o nome da personagem principal, Luz, para mostrar que sua vida é uma profunda escuridão, em que a luminosidade mais próxima é a morte. À venda na Loja Virtual 3DEA.

 

‘Festa Temporã’
Título do novo projeto do cantor e compositor amapaense, João Amorim, também nome da música que fez em parceria com Zé Miguel. Lançamento em breve.

 

‘Corpo Fechado’
É o título da música do cantador da Amazônia, Nonato Santos, já no repertório do novo disco, ‘Desvairada Utopia’.

 

‘Empretecer’
Diretoria da Beija-Flor diz que a mensagem do samba do carnaval 2022 é empretecer o pensamento, valorizando as contribuições do negro e enaltecendo seu lugar de fala.

 

 

Hip Hop: o que é e como surgiu?

O Hip Hop é um gênero musical, com uma subcultura iniciada durante a década de 1970, nas áreas centrais de comunidades jamaicanas, latinas e afro-americanas da cidade de Nova Iorque. Afrika Bambaataa, reconhecido como o criador oficial do movimento, estabeleceu quatro pilares essenciais na cultura Hip Hop: o Rap, o Djing, o breakdance e o graffiti. Outros elementos ingluem a moda Hip Hop e as gírias.

 

Desde quando primeiramente no South Bronx, a cultura Hip Hop se espalhou por todo o mundo. No momento em que o Hip Hop surgiu, a base concentrava-se nos disc jockeys que criavam batidas rítmicas chamadas “loop” (pequenos trechos de música em repetições contínuas) em dois turntables, que atualmente é referido como sampling. Posteriormente, foi acompanhada pelo rep (abreviatura de rhythm and poetry ou ritmo e poesia em ingês) com uma técnicavocal diferente para acompanhar os loops dos DJs. Junto com isto, surgiram formas diferentes de danças improvisadas, como a breakdance, o popping e o locking.

 

A relação entre o grafite e a cultura Hip Hop surgiu quando novas formas de pintura foram sendo realizadas em áreas onde a prática dos outros três pilares do Hip Hop eram frequentes, com uma forte sobreposição entre escritores de grafite e de quem praticava os outros elementos.

 

O termo “hip” é usado no Inglês vernáculo afro-americano desde 1898, onde significa algo atual, que está acontecendo no momento; e “hop” refere-se ao movimento de dança.

 

No Brasil, O berço do hip hop é São Paulo, onde surgiu com força nos anos 1980, dos tradicionais encontros na rua 24 de Maio e no Metrô São Bento, de onde saíram muitos artistas reconhecidos como Thaíde, DJ Hum, Styllo Selvagem, Região Abissal, Nill (Verbo Pesado), Sérgio Riky, Defh Paul, Mc Jack, Racionais MC’s,Doctor MC’s, Shary Laine, M.T. Bronks, Rappin Hood, entre outros.

 

*******************************************************************************

Sim, eu tenho a cara do Saci
O sabor do tucumã
Tenho as asas do Curió
E namoro cunhantã

Nilson Chaves

*******************************************************************************

 

Projeto

Mais um ano se iniciou e os artistas aguardam que a SEED inclua em seus programas educacionais uma atenção maior para a o Marabaixo, a cultura-mãe do Amapá.

As escolas e colégios do Estado são carentes desse aprendizado. Os estudantes da nova geração vão agradecer.

 

Novidade

Cantora e compositora amapaense, Sabrina Zahara lançou seu primeiro disco solo, ‘Eu Não Ando Só’, já disponível em todas as plataformas digitais. #Parabéns.

 

Prorrogação

Secult prorroga, até 28 de fevereiro, o prazo para envio de vídeos para análise da Comissão de Fiscalização da instituição. Esse material é referente ao Edital Mauro Guilherme – Lei Aldir Blanc.

A determinação é em função do decreto estadual que suspende todas as atividades artísticas em geral, em todo o Estado, de 18 a 31 de janeiro.

 

Identidade

O aniversário da cidade de Macapá é no dia 4 de fevereiro. Qual a música que você acha que mais se identifica com a nossa cidade?

Envie o nome da música, por mensagem de whatsap, para o número 99148-4203. Vamos tocá-la no programa O Canto da Amazônia (Diário FM 90,9).

 

‘Cabaré’

O guitarrista paraense Chimbinha, ex Banda Calypso, criou um belo projeto musical com artistas cantores do Pará, valorizando o brega nortista.

O ‘Cabaré do Brega’ reúne diversos artistas da música e já gravaram alguns discos e DVD’s. Parabéns.

 

Carnaval

Com a decisão de transferir os desfiles das escolas de samba para o mês de abril, a Liesa/RJ não levou em consideração os ‘pacotes’ já comprados, com antecedência, por quem se programou para participar dessa festa em fevereiro. Será?

 

Lançamento

Banda Negro de Nós lançou em todas as plataformas digitais, seu novo álbum musical, ‘Negro De Todos Nós’. Um belo presente para quem curte a boa música regional amapaense.