Última hora Polícia Política Cidades Esporte

Wellington Silva

O exemplo de Quebec

Após constatar que a província de Quebec já evidenciava em todo o cenário de saúde canadense expressivo e maior número de óbitos de pessoas vitimadas pela covid-19, o primeiro-ministro da referida província, François Legault, imediatamente cria o chamado imposto de saúde destinado a qualquer morador não vacinado contra a covid-19.

Apesar dos moradores não vacinados de Quebec representarem apenas 12,8% da população eles contribuem para um triste quadro de quase metade de todos os casos hospitalares registrados, pesado fardo ao sistema de saúde pública.

De acordo com levantamentos feitos por órgãos federais a campanha e o processo de vacinação em Quebec ainda não colheram os resultados esperados uma vez que 85% da população recebeu tão somente uma dose da vacina, até 1º de janeiro.

Na terça-feira, 11 de janeiro, o primeiro-ministro comunicou a imprensa que a província seria a primeira região canadense a multar os não vacinados e a tomar outras medidas duras para conter o avanço da pandemia. Os radicais hesitantes em não se vacinar não poderão utilizar os serviços de trem e de avião e muito menos trabalhar em qualquer função no serviço público.

E qual o resultado desta extremamente e tão necessária medida de prevenção sanitária?

Tão logo a população de Quebec tomara conhecimento da multa a ser aplicada imediatamente o número de agendamentos para vacinação rapidamente aumentou nestes últimos dias.

Cristian Dube, ministro da Saúde de Quebec, comemorou:

“ Fantástico! É encorajador”!

O grande exemplo adotado pelo poder público de Quebec deveria ser seguido pelo mundo todo, principalmente nos Estados Unidos e no Brasil, multando qualquer cidadão não vacinado e natural propagador do perigoso vírus covid-19.

Lamentavelmente ainda existem pessoas no Brasil e no resto do mundo totalmente movidas pela desinformação sobre as vacinas e tristemente guiadas por fanáticos, aberrações teóricas do sangue puro.

São, em verdade, portadores do caos e da desgraça alheia. Detratores da ciência e da pesquisa e promotores do terror!

A estes, o nosso mais profundo repúdio, em nome de todos os que se foram, vítimas da pandemia:

Familiares, amigos, vizinhos, profissionais de saúde, artistas, gente da gente, lacunas impreenchíveis….

Aberrações

Sinceramente já não sabemos mais até que ponto as aberrações advindas do planalto central do Brasil, emanadas da Presidência da República, irão prejudicar a saúde e a sobrevivência da população brasileira, na luta contra a pandemia do covid-19.

É de causar profundo espanto e indignação, a qualquer pessoa, ver o presidente de seu país morbidamente criticar a aplicação de vacinas a crianças na faixa etária de 5 a 11 anos simplesmente por considerar uma “tara” a urgentíssima necessidade de um simples ato público de governo, ato tão necessário a sobrevivência e ao futuro de um país.

E mesmo e apesar dos dados oficiais evidenciarem, aqui no Brasil, um total de 301 óbitos de crianças vitimadas por Covid-19, sua “excelência insolença” publicamente declara não conhecer mortes nessa faixa etária.

Não bastasse tudo isso, notáveis técnicos da Agência de Vigilância Sanitária, a Anvisa, sofrem novas ameaças e solicitam urgentemente proteção policial a diretores e servidores de carreira do órgão, pedido encaminhado à direção da Polícia Federal, ao Ministério da Justiça e a Procuradoria Geral da República.

Qual a motivação política, tão extremista, da perseguição e das ameaças praticadas contra diretores e técnicos da Anvisa?

A vacina e a vacinação de crianças!

Eis o resumo do teor do documento encaminhado pelos servidores da Anvisa a Polícia Federal e a demais órgãos de investigação competentes:

“Solicita-se a adoção das medidas necessárias para apuração criminal dos referidos atos praticados e conhecidos contra os diretores e servidores da ANVISA e, além disso, reitera-se com urgência o pedido de proteção policial aos citados agentes públicos e suas famílias a fim de salvaguardar a sua integridade física e psicológica diante da gravidade da situação enfrentada”.

Portanto, por tudo isso honestamente perguntamos as autoridades competentes do poder legislativo e judiciário brasileiro:

Até que ponto esta inadmissível loucura chegará a prejudicar consideravelmente a saúde do povo brasileiro, nossas crianças, jovens, adolescentes, adultos, a ciência, a pesquisa e fundamentalmente a própria segurança de nossos incansáveis pesquisadores, atualmente e insanamente ameaçados por um fanatismo doentio, louco e altamente aberrativo, por sua própria natureza esdrúxula?

Não senhores, não merecemos tanto!

Nossas crianças não merecem isso e sinceramente não merecem tanto!

Em verdade, em geral o povo brasileiro não merece tal absurdo, de muito passado dos limites!

Desgraça pouca é bobagem e loucura perde!

Grimualdo

Grimualdo Barbosa:

Homem simples, reservado, por vezes introspectivo, talento notável, arquiteto do barro, mente genial, criativa, idealizadora de cenários, formas, cores, tons, cantos e recantos do Amapá, da Mãe Natureza tucuju, das nossas mandalas ameríndias…

Em suas atuais e incríveis pirogravuras figuram belos mergulhões, flamingos, guarás, aves típicas da Amazônia, assim como figuram nossos caboclos, fazedores de farinha, ribeirinhos, tocadores de caixa e bailantes de Marabaixo.

Seu notável talento para a arte, inicialmente para a escultura, despertou cedo, ainda jovem, na qualidade de aluno da Escola de Artes Candido Portinari.

Grimualdo foi aluno de dois grandes mestres das artes plásticas do Amapá:

Herivelto Maciel e Luiz Porto!

Admirador da arte da saudosa Mestra Niná Barreto, histórica e grande referência da escultura amapaense, dela sofre algumas influências. Logo, logo, busca, pesquisa, faz experimentos e encontra seu próprio caminho, a metamorfose criativa própria das formas, com fortes expressões gestuais, movimentos, retratos vivos de nossa história, nossa cultura, nosso povo, nossa terra, nossa gente.

Em 1990 realiza sua primeira mostra plástica na Escola de Artes Cândido Portinari. Em 1993 ocorre o mais que merecido reconhecimento para expor seus trabalhos na capital federal, com apoio do Sebrae Amapá. Neste mesmo ano, diversas obras de sua autoria são selecionadas para exposição em um grande salão de arte. Na ocasião recebe o merecido e primeiro prêmio, categoria escultura em argila. Daí em diante suas obras provocam admiração e conquistam o Brasil e o mundo, e são adquiridas por diversos colecionadores, de várias nacionalidades.

Tive a honra de conhecer e acompanhar a trajetória deste grande artista amapaense desde a realização do Movimento Artístico Popular do Amapá-MOAP, a partir de 1984, ele ainda em sua fase embrionária como artista, mas desde já mostrando grande potencial para progredir no campo da escultura. Nesta época, o grande decano da pintura amapaense, Raimundo Braga de Almeida/R.Peixe, assim a ele se referiu:

“Este rapaz tem talento! É humilde, criativo e tem tudo para progredir como artista”.

E como progrediu!

Era professor, autodidata, da Escola de Artes Cândido Portinari.

Seus últimos trabalhos, expostos na União dos Negros do Amapá-UNA, durante o Encontro dos Tambores, por mim vistos e divulgados no Diário do Amapá, são belas pirogravuras que retratam nossa fauna e flora, mergulhões, flamingos, guarás, tocadores de caixa e bailantes de Marabaixo, além da construção de belas mandalas, expressões do artista para homenagear a nossa cultura indígena.

Jamais imaginava que este seria o último brinde e o último papo com esta grande figura da arte amapaense. Um homem simples, genial, mente sempre pulsante e criativa, parte integrante e muito significativa de nosso rico universo cultural tucuju.

Mas, um grande artista não morre! Ele nunca morre!

Seu nome e sua arte são imortais!

 

 

 

 

 

 

Oração Universal

Oh! Divino Mestre, Fonte Fecunda de Luz, de Felicidade e de Virtude!

Oh! Grande Alah, Jeovah, Yhwh (tradução aproximada do hebraico do nome de Deus dada a Moisés no Monte Sinai)

Oh! Grande Buda, Krsna, Salomão, Maomé, Oxalá, Grandes Luzes da Sabedoria, profetas, anjos e santos, Grandes Luzeiros do Oriente Eterno, Grandes Consoladores:

Iluminem-se todas as almas do Firmamento; iluminem-se todas as mentes humanas; iluminem-se, principalmente, os homens e mulheres de boa vontade espalhados pela superfície do planeta Terra, pois, em verdade, são parte positiva integrante do plano temporal terreno de vida.

Paz na Terra aos homens e mulheres de boa vontade para que cada vez mais ocupem lugares de destaque no executivo, legislativo e judiciário, transformando o que for necessário transformar, mudando o que for necessário mudar e revolucionando o que for necessário revolucionar exclusivamente para benefício de seu povo, sua terra, sua gente…

Ilumine-se as matas, florestas, rios, cachoeiras, oceanos, o Grande Astral Superior, pois será chegada a hora inicial do grande momento de transformação.

Ilumine-se as mentes sofridas, as famílias, todos nós, carregados de saudades dos entes queridos que se foram, velhos amigos, vizinhos, profissionais de saúde, artistas, todos tão significativos, tão importantes, vítimas da covid-19.

Nos diz o Bhagavad-gitã que “ os sentidos funcionais são superiores à matéria inerte: a mente é superior aos sentidos; a inteligência é ainda mais elevada que a mente; e a alma é mesmo mais elevada que a inteligência”.

Então iluminem-se os cansados por sede de justiça, os abandonados pela sorte, a esquecida população de rua, os favelados, pobres, miseráveis e desamparados, para que surjam e se abram sempre as portas da assistência social, do socorro, da ajuda, das oportunidades de transformação, de mudança, de melhor qualidade de vida…

Iluminem-se todos os que verdadeiramente clamam por liberdade, respeito, igualdade e fraternidade, a Iluminada Trilogia Concebida, Fonte de Inspiração das Grandes Luzes da Sabedoria.

Ilumine-se todo o planeta Terra, e ilumine-se toda a humanidade, a juventude, transformando, mudando, gerando novas mentalidades mais conscientes com o meio ambiente e com as leis físicas da natureza, causa e efeito de tudo aquilo que sentimos, sofremos ou progredimos.

Paz na Terra aos homens e mulheres de boa vontade!

 

O Divino Mestre e Maria Madalena

Existem muitos absurdos históricos, diria até intencionais, e tentativas diversas de imposições de barreiras contra sérias pesquisas históricas, antropológicas, arqueológicas, sobre Jesus e Maria Madalena.

O que se passava e ainda se passa como informação sobre Maria Madalena, na minha avaliação pessoal, hoje não passam de puro produto altamente apelativo da desinformação!

A questão já não é mais religiosa, teológica ou qualquer coisa que valha a pena ver e ouvir!

A questão, aqui, é bem outra, pois trata-se de uma puta desinformação e aberração que depõe contra estas duas Grandes Luzes idealizadoras e propagadoras do cristianismo primitivo:

Jesus e Maria Madalena!

Não bastasse a aberração histórica mantida por séculos, de que Maria Madalena era prostituta, e as últimas descobertas ou pesquisas científicas apontam que não, aparece mais uma aberração na internet:

Jesus não gostava de mulher!

Olhem e observem a Santa Ceia, de Leonardo da Vinci, obra negada pela Igreja, e verão que quem realmente está do lado direito do Divino Mestre é nada mais e nada menos que Maria Madalena. Ela, que exercia forte influência cultural em sua época, é fato agora evidenciado por pesquisadores, e infelizmente negado pela Igreja.

Na histórica obra de Da Vinci basta observar os traços finos no desenho do rosto, o gestual feminino, a forma física, cabelos, e obviamente verão neste particular que nada do que foi concebido pelo grande gênio é masculino.

É Maria Madalena!

Da Vinci, mente genial, iluminada, brilhante, sabia perfeitamente o que fazia!

A Carta de Públio Lentulus, Legado na Galiléia, intitulada O Retrato de Jesus, também é um documento histórico, cientificamente incontestável, pela sua própria natureza, pois ele realmente remete à época de Jesus. A carta desmascara mais uma mentira, mantida por séculos, através das imagens de barro, de que Jesus tinha olhos azuis e era branco.

E o que fez Jesus Cristo dos treze aos trinta anos? Foi iniciado em doutrinas esotéricas? Teve dotes paranormais como evidentemente a Bíblia mostra através das figuras de linguagem? Viveu na Índia até a velhice, com mulher e filhos?

Estas e outras respostas você pode encontrar assistindo o History Channel, National Geographic Society, ou lendo sobre o tema na Wikipédia. São documentários e ótimas pesquisas, por sinal muito bem elaboradas, que mostram claramente quão avançadas estão tais pesquisas quando a apaixonante temática é Jesus e Maria Madalena.

O nome Jesus significa Sol da Justiça e ele não nasceu no dia 25 de dezembro. Simplesmente a data “criada” de nascimento do Cristo coincide com o Solstício de Inverno do Hemisfério Norte, quando, uma série de festas pagãs, muito anteriores ao nascimento de Cristo, já aconteciam em homenagem as divindades ligadas ao Sol e a outros astros. Mas, ao que tudo indica, o dia foi adotado pelos católicos primitivos na esperança de cristianizar festas pagãs.

Procuremos combater, de forma inteligente e criativa, a intolerância cultural, religiosa e de gênero denunciando as formas impositivas, culturais e brutais de violência que ultimamente vem ocorrendo no Brasil e no mundo, principalmente contra a cultura e/ou manifestações de matriz africana e ameríndia.

Hoje, estamos diante de novas evidências históricas sobre um homem que revolucionou, e continua revolucionando, mudou e continua mudando a história da humanidade:

O Divino Mestre, Fonte Fecunda de Luz, de Felicidade e de Virtude!

Neste Natal, reflitamos sobre tudo isso!

 

Randolfe

Motivo de grande satisfação para a nação tucuju, Senador Randolfe Rodrigues é dignamente condecorado com importante distinção do governo francês, a chamada Legião de Honra, a mais alta honraria da França, justa homenagem como forma de reconhecimento a sua incansável luta contra o vírus maldito da covid-19, importante atuação na CPI da Pandemia, luta incansável contra o negacionismo e negacionistas, luta em defesa do meio ambiente, do Acordo de Paris e da educação.

No Amapá, ao lado do Senador amapaense Davi Alcolumbre, viabilizou recursos para a construção do Hospital Universitário e depois para a aquisição de equipamentos, insumos, destinados ao funcionamento imediato e estratégico do centro de atendimento e combate a covid-19, dentro do complexo físico do referido hospital. Viabilizou também recursos para a edificação e funcionalidade da chamada Unidade Municipal de Acolhimento Infanto-Juvenil, localizado no complexo Macapá Criança, no bairro Pedrinhas.

O cerimonial de condecoração ocorreu recentemente na Embaixada da França, em Brasília, e contou com a presença de importantes autoridades, como a do Presidente do Senado, Senador Rodrigo Pacheco.

O Prêmio Congresso em Foco 2021, categoria melhores do Senado Federal, com votação de populares na internet, novamente aclama o senador amapaense Randolfe Rodrigues como o melhor e mais atuante do Senado Federal, tendo recebido mais de 67 mil votos de usuários da internet. Em segundo lugar ficou o Senador Humberto Costa e em terceiro o Senador Fabiano Cantarato.

Um dos fundamentais motivos da justa homenagem, senão a principal, se deve a atuação de cada na CPI da Pandemia. No geral, a 14ª edição do prêmio obteve quase 2 milhões de votos.

O Senador amapaense enfatizou veementemente sobre toda a dor, sofrimento e perdas sofridas para diversas famílias brasileiras, vítimas da covid-19, tudo por conta da falta inicial de providências urgentes e emergenciais de compra e distribuição imediata de vacinas aos estados federados. São mais de 600 mil brasileiros que se foram, entre eles, velhos amigos, familiares, heroicos profissionais de saúde, e gente da gente.

“Esse prêmio não é a mim que pertence. Esse prêmio pertence aos mais de 600 mil compatriotas que foram levados pela covid. Esse tempo triste, nós temos certeza que irá passar e uma dor assim pungente que se abateu sobre nosso povo não há de ficar impune”, salientou o Senador Randolfe.

Desde 1.800 a Legião da Honra é merecidamente entregue a personalidades de destaque nas mais variadas áreas, seja científica, política ou humanitária. No Brasil já receberam a distinta honraria o imperador Dom Pedro II, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, escritor Paulo Coelho, dentre outras personalidades importantes da vida nacional brasileira.

Zumbiarte

O Zumbiarte está aí, ali, aqui e acolá e veio para ficar como grande essência de expressão plástica de nossa identidade cultural, costumes, tradições, nosso povo, nossa terra, nossa gente…

A nona exposição deste fantástico grupo da arte plástica tucuju intitulada IX Zumbiarte, Exposição de Artes Visuais, Resistir para Existir, no espaço cultural de exposições da UNA, a União dos Negros do Amapá, chamou a atenção de todos no decorrer da programação semanal do Encontro dos Tambores.

Sob a liderança e participação dos velhos amigos, carnavalesco e artista plástico Egídio Gonçalves, o grande escultor e artista plástico Grimualdo e o nosso querido e irreverente, como eu, artista plástico Damasceno e fotógrafo Paulo Gil, o Zumbiarte veio para fazer a diferença em conceitos e boas expressões plásticas e da arte visual.

Os novos e bons talentos, artistas plásticos Abmael Art e M. Silva, e a escultora Graça Sena, são simplesmente notáveis! Talentos que precisam ser observados, notados, sentidos, e fundamentalmente divulgados e valorizados na sociedade.

Inicialmente, a obra do velho amigo, carnavalesco e artista plástico Egídio Gonçalves, denominada Tião, o nego fujão, com seus traços, tons, nuances, cores fortes e vibrantes, expressam dor, cativeiro, tortura, humilhação, sofrimento, abandono e necessidade de libertação. Já o irreverente Damasceno nos presenteia em forma de expressão plástica com uma linda deusa tucuju com suas belas e abundantes formas, a anatomia perfeita de uma deusa coberta apenas com um pequeno e transparente lenço cobrindo suas nádegas esculturais.

Disse a ele:

– Dá vontade de puxar o lenço, de tão sedutora que é a expressão física da obra!

O também velho amigo Grimualdo dispensa comentários, quer seja como escultor ou pintor. A força expressiva de suas obras, tanto no campo da escultura como da pintura, traduzem uma profunda comunicação visual sobre tudo, absolutamente tudo que represente nosso universo cultural, marabaixeiros e marabaixeiras, tocadores de caixa, dança, toque e ritmo, simbologia e/ou símbolos na arte criada.

O revolucionário fotógrafo Paulo Gil, um amante da arte visual, da anatomia humana, mostra-nos diversidade na expressão corporal e, como bem faziam os gregos, com suas monumentais e belas esculturas.

Mas, as grandes e boas revelações no universo plástico tucuju são, sem dúvida alguma, repetimos, os artistas plásticos Abmael Art e M. Silva e a escultora Graça Sena.

O trabalho de Abmael revela bem elaborados cenários da história de nosso povo, o habitat natural na Mãe África, sentimento maternal, a pureza da criança, beleza feminina e os navios negreiros. São formas, expressões, anatomias perfeitas sempre a evidenciar sentimentos de um povo antes livre e pouco depois escravo.

O artista plástico M. Silva também segue a mesma linha temática, embora com um estilo diferente, dosado com cores vibrantes e personagens a evidenciar momentos de nossa história.

E finalmente, a jovem escultora Graça Sena e sua química própria, criativa, mostra-nos, por exemplo, que os tambores do Marabaixo, monumento do Marco Zero do Equador e todas as formas culturais de expressão no Amapá podem ser uma coisa só como pura representação tucuju.

Parabéns ao seleto grupo, para que continuem sempre valorizados e inspirados a presentear o Amapá com obras de tão boa qualidade!

 

 

UNA: ancestralidade e expressão de nossa identidade cultural

Quem foi a União dos Negros do Amapá – UNA para apreciar a programação ali realizada em comemoração, honra, e memória a nossos antepassados, nossa cultura, nossa identidade cultural, naquele momento sagrado, lá pode sentir, vibrar e dançar à vontade…

A bela Joana Ramos foi eleita a Mais Bela Negra do Amapá.

A capoeira, expressão maior de resistência e de luta corporal no Brasil, perpetuada através da histórica imagem de Besouro, Cordão de Ouro (1920), solenemente abriu a programação na UNA.

A tradicional Missa dos Quilombos, com o tema Ancestralidade e Resistência, celebrada por Padre Paulo, além de emocionar a todos, deixou em cada um de nós, através de sua mensagem, renovado sentimento de dever ou de compromisso com Um rico universo místico, justamente a profunda ligação espiritual com o Sagrado, nossos costumes e tradições.

Padre Paulo Roberto nos fez refletir que jamais devemos nos esquecer do meio ambiente cultural em que vivemos, sentimos e respiramos, a consciência de nossa história, nossa ancestralidade…

Celebração, respeito, recordação e profunda saudade dos que se foram…

Após a emocionante Missa dos Quilombos os tambores rufaram para valer! O Marabaixo da Favela fez uma entrada apoteótica, contagiando a todos, que foram bailar na grande roda. Ali, naquele exato momento contagiante, povo, artistas, Clécio Luiz, autoridades, eram Um.

Zumbi dos Palmares, e toda a nossa ancestralidade, devem estar felizes, pois o Dia da Consciência Negra e o Encontro dos Tambores, no Estado do Amapá, em Macapá, foram momentos felizes de belas celebrações e de profunda reflexão.

O que nos chamou também a atenção foi a excelente exposição plástica intitulada IX Zumbiarte, Exposição de Artes Visuais, Resistir para Existir, com a participação e liderança dos velhos amigos, carnavalesco e artista plástico Egídio Gonçalves, o grande escultor e artista plástico Grimualdo e o nosso querido e irreverente, como eu, artista plástico Damasceno e fotógrafo Paulo Gil. Mas, o que pessoalmente me impressionou foi os novos e bons talentos, artistas plásticos Abmael Art e M. Silva, e a escultora Graça Sena. São talentos notáveis que precisam ser observados, notados, sentidos, e fundamentalmente valorizados.

Esta é a nossa riqueza cultural, nossos valores, nossa gente, retratos e cenários do Amapá. Cantos e re-cantos tucujus de uma região cortada pela linha imaginária do Equador, ponto Norte Setentrional do Brasil, terra abençoada e belamente banhada pelo rio Amazonas.

Paz na terra, aos homens e mulheres de boa vontade…

Desoneração e reforma já!

A grita novamente foi geral de parte do comércio, trabalhadores do comércio, de empresários e trabalhadores das empresas:

Desoneração já na folha de pagamento!

E finalmente, dia 17, quarta-feira, a Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania, da Câmara dos Deputados, aprovou projeto de lei que visa prorrogar a desoneração da folha de pagamento de 17 setores até 2023.

A proposta, de autoria do deputado Efraim Filho (DEM-PB), previa inicialmente a desoneração até 2026, justamente até o comércio, empresários e trabalhadores do comércio e das empresas tomarem melhor fôlego para recuperação do terrível processo traumático financeiro, tudo por conta da pandemia no mundo.

Discordâncias de setores do governo com trabalhistas e liberais, os primeiros temerosos com a perda de arrecadação, culminou num acordo de prazo de prorrogação até o ano de 2023. No frigir dos ovos, a razão acabou prevalecendo, com alguns deputados conseguindo convencer a base governista a respeito do outro lado da moeda ou, melhor dizendo, o lado mais ruim de tudo seria o gravíssimo aumento no índice de desemprego caso empresários e o comércio voltassem a ser brutalmente onerados.

A expectativa geral de perda de R$ 8 bilhões na arrecadação, prevista para 2022, em nada se compararia ao agigantamento do cenário de caos no aumento do desemprego, caso as medidas de desoneração na folha de pagamento não sejam imediatamente tomadas.

O Deputado Efraim Filho disse que “é um projeto de ganha-ganha. Um projeto que tem apoio do setor produtivo, dos empreendedores, que valoriza quem produz no Brasil, reduz carga tributária, reduz impostos”.

A proposta de desoneração na folha de pagamento é uma ferramenta legal que tem o objetivo de substituir a contribuição previdenciária sobre os salários dos empregados por uma alíquota sobre a receita bruta, que pode variar de 1% a 4,5%. Os setores beneficiados são calçados, call center, comunicação, confecção/vestuário, construção civil, empresas de construção e obras de infraestrutura, couro, fabricação de veículos e carroçarias, máquinas e equipamentos, proteína animal, indústria têxtil TI (Tecnologia da informação), TIC (Tecnologia de comunicação), projeto de circuitos integrados, transporte metroferroviário de passageiros, transporte rodoviário coletivo e transporte rodoviário de cargas.

Economistas, tributaristas, especialistas no assunto, avaliam o projeto como uma fraca medida, se comparada aos problemas enfrentados no comércio e por empresas para gerar empregos.

A advogada Mírian Lavocat enfatiza que “o custo sobre a folha de salários de uma empresa é pesadíssimo. Obviamente, a extensão até 2023 é uma medida paliativa. O que precisamos realmente enfrentar são as questões da seguridade nacional e uma reforma mais ampla. E isso precisa vir com a reforma tributária, em que se enfrente todos os tributos no Brasil, e não somente de uma forma fatiada, como sugeriu o Executivo federal. É momento de o Congresso Nacional realmente parar, refletir e trazer ao país competitividade, porque não adianta fazer remendos na legislação. Ela tem que ser enfrentada de forma mais abrangente”, enfatiza Lavocat.

Desoneração e reforma ampla, já!

O 15 de novembro de 1889

Quais os fatores indutores da Proclamação da República Federativa do Brasil, em 1889?

O simples fato de que a Independência do Brasil, ocorrida em 1822, entre agosto e outubro do mesmo ano, arquitetada por D. Pedro I, Gonçalves Ledo, José Bonifácio e demais maçons, no Sagrado Templo da Augusta e Respeitável Loja Maçônica Comércio e Artes, verdadeiramente não trouxe a independência definitiva do Brasil da corte portuguesa, ignorando o ideário republicano e ainda mantendo a monarquia, sob a batuta de D. Pedro I. Tempos depois, forçado pelas circunstâncias, e em função das brigas internas com maçons defensores do ideário republicano, D. Pedro I deixa o Brasil, deixando como herdeiro do trono seu filho, D. Pedro II, filho de D. Maria Leopoldina. Era o sétimo filho e terceiro varão e como seus irmãos mais velhos haviam falecido, era o legítimo herdeiro do trono brasileiro.

Após a abdicação de seu pai, D. Pedro I, logo Pedro II torna-se imperador do Brasil, aos seis anos, tendo sido seu tutor o maçom José Bonifácio de Andrada e Silva. Seu reinado durou perto de cinquenta anos.

D Pedro II Nasceu no Palácio da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, no dia 2 de dezembro de 1825, e morreu em Paris, França, no dia 5 de dezembro de 1891.

Quem foram os principais arquitetos da Proclamação da República Federativa do Brasil?

Benjamin Constant Botelho de Magalhães e Deodoro da Fonseca.

E quem foi Benjamin Constant?

Em verdade, este ilustre maçom, considerado por muitos historiadores como o grande mentor intelectual da Proclamação da República, era militar do Exército brasileiro, engenheiro, professor e político. Foi ele quem conseguiu convencer o Marechal Deodoro da Fonseca, o mais velho na hierarquia militar, a proclamar a República Federativa do Brasil numa bela manhã de sol do dia 15 de novembro de 1889, mesmo e apesar de se encontrar adoentado, vitimado por forte constipação. E então, ambos estrategicamente concluíram que o momento realmente era ideal para o ato, e assim foi feito, sem carnificina, sem nenhuma morte.

Benjamin Constant nasceu no dia 18 de outubro de 1836, em Niterói, Rio de Janeiro, e faleceu no dia 22 de janeiro de 1891, no Rio de Janeiro. Era adepto do positivismo e foi um dos principais articuladores do levante republicano de 1889. Foi Ministro da Guerra e depois Ministro da Instrução Pública, no governo provisório. As disposições transitórias da Constituição de 1891 o consagram como fundador da República brasileira.

O primeiro presidente republicano foi o marechal Manuel Deodoro da Fonseca. Nasceu no dia 5 de agosto de 1827 e faleceu no dia 23 de agosto de 1892. Seu mandato presidencial se deu no período de 15 de novembro de 1889 a 23 de novembro de 1891, tendo sido substituído por Floriano Peixoto, primeiro vice-presidente do Brasil e segundo presidente cujo período abrange a maior parte da história da política brasileira.

 

A BANDEIRA BRASILEIRA 

Os autores da bandeira do Brasil são:

Raimundo Teixeira Mendes, Miguel Lemos, Manuel Pereira Reis e Décio Vilares. A nova bandeira republicana substituiu a bandeira que havia sido proposta por Rui Barbosa, içada do dia 15 de novembro ao dia 19 de novembro de 1889. As grandes mudanças entre a bandeira brasileira e a bandeira do período colonial são as seguintes:

O losango amarelo teve seu tamanho redimensionado; o símbolo das Armas do Império, que estava no centro da bandeira imperial, foi substituído pela esfera azul republicana; no centro da esfera foi adicionado um lema positivista escrito “Ordem e Progresso”, lema inspirado em uma frase de Auguste Comte. Por último, foram adicionadas estrelas brancas, dentro da esfera, como representação dos estados brasileiros.

A Bandeira do Brasil, com suas formas geométricas, foi idealizada e consagrada como profunda fonte de inspiração Superior. O losango e o globo ou a esfera azul, em seu interior, simbolizam ao mesmo tempo o Universo físico, com suas estrelas, e o Olho que Tudo Vê, Fonte Fecunda de Luz, de Felicidade e de Virtude.

A Inspiradora expressão ORDEM significa a necessidade de respeito a própria Ordem, a Constituição, a República, ao ordenamento jurídico. A Inspiradora expressão PROGRESSO, dentro do conceito progressista, significa o desenvolvimento prático das liberdades individuais e coletivas, do livre pensar, da livre inciativa, da qualidade de vida, amor e respeito a sua gente, sua terra, a sua e a nossa identidade cultural.