Habent sua fata libelli

O autor troca de métrica cada vez que trata de um verso ou estrofe diferente. Essa obra, esquecida durante a idade média, foi redescoberta em 1493 e novamente perdida depois de impressa pela primeira vez, em Milão, no ano de 1407.

Compartilhe:

Ao ser concretizada a pretensão de se proceder à reativação da Academia Amapaense de Letras, em 1988, recebi a incumbência de cuidar da parte estrutural do Silogeu. Os que promoveram a sua fundação, a 21 de junho de 1953, não chegaram a elaborar o estatuto e o regimento da instituição. De imediato, concebemos o Estatuto e passamos a operar. Atentei para a adoção de um lema para a sociedade literária do Amapá e fui localizá-lo entre expressão latina contidas no “Diccionário Prático Encyclopédico Illustrado Luso-Brasileiro, publicado na cidade do Porto, em Portugal, edição de 1935, sob a direção de Jayme de Seguir. Prendeu minha atenção a expressão “HABENT SUA FATA LIBELLI” usada pelo escritor romano Terencianus Maurus, no século II, correspondendo ao verso 1.286, cujo teor é: “Pro captu lectoris habent sua fata libelli” (Os escritos têm seu destino de acordo com a capacidade do leitor). De modo geral é citada apenas habent sua fata libelli, traduzido como os livros têm seu próprio destino. Pouco se sabe sobre o autor da expressão. Ele teria nascido na Mauritânia, então província romana e compôs um manual em versos sobre presódia e métrica com o titulo” De litteres, syllabis, metria “(sobre as letras, sílabas e metros), aplicado, sobretudo a exemplo de Horácio.

O autor troca de métrica cada vez que trata de um verso ou estrofe diferente. Essa obra, esquecida durante a idade média, foi redescoberta em 1493 e novamente perdida depois de impressa pela primeira vez, em Milão, no ano de 1407. A edição mais famosa é a de Simon de Colores, de 1531. A edição mais recente é de Chiara Cignolo, de 2002. Nessa obra aparece pela primeira vez a expressão latina que ficou famosa; Habent Sua Fata Libelli. Há várias traduções a respeito da expressão, mas todas evidenciam a importância dos livros, que devem estar disponíveis para uso do leitor interessado em se instruir. Que importância tem os livros que permanecem encaixotados em depósitos de bibliotecas públicas? Milhares ou milhões se perderam ou foram jogados fora. Da capacidade do leitor depende o destino dos escritos.

A expressão latina que intitula este artigo é o lema da Academia Amapaense de Letras. A propósito do assunto, vale lembrar as diversas doações de livros que foram feitas para a Biblioteca Pública de Macapá, notadamente no inicio de sua instalação, quando o importante órgão do Governo do Território Federal do Amapá passou a funcionar em um prédio à esquerda do Grupo Escolar Barão do Rio Branco. A mais notável delas corresponde aos livros do médico, literato e político macapaense Acylino de Leão Rodrigues, uma autêntica preciosidade, que foram doados à Biblioteca Pública do Amapá por sua esposa. Ela sabia que a doação era o propósito do ilustre médico e literato, que havia integrado a Academia Paraense de Letras.
Os livros chegaram a Macapá em perfeitas condições, em 1950, após o falecimento do doador. Por ocasião da transferência da Biblioteca Pública, para outro imóvel edificado em frente à Escola Normal de Macapá, edificado no governo do General Ivanhoé Gonçalves Martins, uma boa parte do acervo bibliográfico ali chegou encaixotada e desta forma permaneceu por bastante tempo. Em 1970, o prédio do antigo Senado da Câmara, ao lado da Igreja de São José foi demolido, sendo erguida naquele local outra sede para a Biblioteca. Várias coleções famosas foram transferidas para lá, mas a maioria, em virtude da ação das traças, dos cupins e da umidade tinha sofrido irreparáveis danos. Há muito tempo, nossa Biblioteca Elcy Rodrigues Lacerda não recebe novas obras literárias.

Os livros antigo, que tinham ficado sem as capas ou sofrido desgastes, devido ao incessante manuseio, foram classificados como imprestáveis e descartados. Muitas obras eu recolhi para a Biblioteca Aracy Mont’Alverne, que montei no Conselho Estadual de Cultura. Quem me substituiu na presidência do colegiado extinguiu o acervo.

O valor de uma obra está contido em suas páginas e não nas capas. Mesmo assim, os livros danificados são úteis e o destino deles é ficar à disposição dos que gostam de ler ou precisam pesquisar. Lugar de livros não é dentro de caixas, salas fechadas, sanitários e banheiros. Livros danificados podem ser recuperados.


 
Compartilhe: