Jânio quis ocupar a Guiana Francesa

A invasão seria realizada por uma expedição composta por cinco brigadas (2.500 homens) recrutadas de cidades distintas do Amapá, uma flotilha da Marinha de Guerra e aviões da FAB.

Compartilhe:

No dia 3.8.1961, o presidente Jânio Quadros recebeu em audiência o governador do território federal do Amapá, José Francisco de Moura Cavalcante, e lhe disse que iria mandar invadir a Guiana Francesa, anexando-a ao Brasil. A revelação fez Moura Cavalcante levantar-se abruptamente e ficar andando de um lado para outro da sala, balançando a cabeça em sinal de não. Jânio mandou que o governador sentasse para ouvir os detalhes do estapafúrdio plano. A operação militar, denominada “Cabralzinho”, visava ocupar o departamento ultramarino da França, se possível de forma pacífica, mediante a dominação das forças ali estabelecidas. A justificativa para desencadear a ação dava conta de que o manganês do Amapá, exportado há mais de 4 anos pela Icomi, ocorria de maneira fraudulenta através do porto de Caiene e seria importante o Brasil ter seu território estendido do Caribe ao rio da Prata.Obviamente, Jânio também desejava ocupar o Uruguai. Estarrecido, Moura Cavalcante ouviu as ordens transmitidas pelo presidente: “Eu acho que chegou a hora de resolver definitivamente isso. Por que não anexamos a Guyana Francesa ao território brasileiro? Não tolero mais ver o minério de manganês do Amapá ser vendido para o exterior. Pretendo acabar com isso, notadamente porque entendo que parte sai do Porto de Santana e outra parte de Caiene, uma coisa absurda.”

A invasão seria realizada por uma expedição composta por cinco brigadas (2.500 homens) recrutadas de cidades distintas do Amapá, uma flotilha da Marinha de Guerra e aviões da FAB. As brigadas avançariam através de picadas abertas na mata, pois, à época, ainda não tínhamos ligação terrestre com Oiapoque. Em território guianense, a tropa seguiria pela estrada que liga Caiene a Saint George. A flotilha se posicionaria em frente a Caiene, sitiando-a.Os aviões da FAB prestariam apoio logístico e tático à empreitada. Fora Jânio, Moura Cavalcante e o comandante da Colônia Militar de Clevelândia do Norte, o assunto era de conhecimento do Marechal Cordeiro de Farias, Golbery do Couto e Silva, José Aparecido de Oliveira e Afonso Arinos de Melo Franco. Sentindo que Moura Cavalcante havia ficado chocado com a revelação, Jânio perguntou se ele cumpriria rigorosamente suas ordens. Ainda relativamente jovem e muito decidido, o pernambucano que governava o Amapá respondeu afirmativamente. Em meado de 1961, Moura Cavalcante tinha recebido uma ordem de Jânio para fiscalizar as balanças de pesagem de manganês no Porto de Santana, haja vista, que informes passados ao presidente da República levantavam suspeitas de fraude. Sem comunicar nada à gerencia da Icomi, Moura Cavalcante deixou Macapá no momento em que um navio estava atracado no cães de Santana para embarcar manganês.

O governador foi dirigindo um Jeep e ainda era cedo quando parou no portão da companhia mineradora exigindo que a grossa corrente que impedia sua entrada fosse abaixada. O pessoal da segurança pediu, que o gestor territorial se identificasse, o que ele se recusou a fazer, gritando que era o governador do Amapá e cumpria ordens de Jânio Quadros. Estabeleceu-se o impasse, porque o pessoal da segurança foi orientado a não permitir a passagem de uma pessoa de identidade ignorada. Moura Cavalcante engatou a marcha à ré dando a impressão de que se retiraria do local. Em seguida, com a primeira marcha de força engatada, investiu contra a corrente, quebrando-a e seguindo para a área do porto. Ao descer do veículo foi detido por seguranças da Icomi e impedido de ter acesso aos equipamentos de pesagem e embarque de minério. Levado para a sala do gerente da empresa foi extremamente grosseiro e prepotente. Só recuperou sua lucidez quando o gerente da companhia fê-lo ver, que a área da Icomi, particular e concedida na forma da lei não podia ser invadida. O fato foi repassado para Jânio Quadros, que passou a hostilizar a Icomi.
O governador ainda mandou iniciar a picada para o Oiapoque e ficou aguardando a vinda de Jânio para deslanchar a operação de invasão e anexação da Guiana Francesa. A Franca era presidida Pelo General Charles De Gaulle, que certamente reagiria a altura se Jânio Quadros não tivesse renunciado no dia 25.8.1961.


 
Compartilhe: