Articulistas

É penoso para o Senhor ver morrer os seus fiéis

O salmo 115 das Sgradas Escrituras é um hino que exalta a libertação: “Erguerei o cálice da salvação, invocando o nome do Senhor”. Naquele tempo, era costume fazer um sacrifício de ação de graças pela conquista da libertação de um grave perigo de morte, pela ajuda de Deus. Dessa maneira, vemos o rito do “cálice […]

Compartilhe:

O salmo 115 das Sgradas Escrituras é um hino que exalta a libertação: “Erguerei o cálice da salvação, invocando o nome do Senhor”. Naquele tempo, era costume fazer um sacrifício de ação de graças pela conquista da libertação de um grave perigo de morte, pela ajuda de Deus.

Dessa maneira, vemos o rito do “cálice da salvação”, em que a pessoa que foi beneficiada por Deus levanta o cálice e proclama o nome do Senhor perante o povo reunido. E este povo reunido é constituído pelos familiares e amigos da pessoa libertada.

Nesse especifico caso, refere-se à ceia pascal hebraica em que se agradece pela libertação. Esse salmo se tornou também importante para o cristianismo, em que o apóstolo Paulo cita na segunda carta aos Coríntios “Eu cri, por isto falei, também nós cremos, e por isso falamos.” Também na carta aos Romanos “todo homem como mentiroso”, e colocação influi em Santo Agostino um debate sobre o pecado original.

Ele dizia em síntese que para destacar a necessidade da graça, insiste em uma visão do homem como sujeito ao pecado, condenado (“massa danada”), que só pode ser salvo pelo batismo. O homem sem a graça não pode ser salvo e não pode fazer nada de bom. Aqui é a necessidade absoluta de Cristo: a necessidade da graça é a necessidade de Cristo.

O autor do salmo diz: “Cumprirei os meus votos para com o Senhor, na presença de todo o seu povo”. Ele descreve o rito sacrifical de agradecimento no Templo. E nesta celebração, o fiel faz uma declaração solene, em que Deus não pode ficar indiferente perante a morte dos seus fieis: “É penoso para o Senhor ver morrer os seus fiéis”.

Além disso, manifesta a pertença do fiel à comunidade de Deus: “Senhor, eu sou vosso servo; vosso servo, filho de vossa serva”. A denominação ‘filho de vossa serva’ significa quem nascia dentro de uma comunidade-família também de uma escrava e vinha adotado como filho do chefe da tribo, e, nesse caso, seria Deus.

E, por fim, o autor descreve a libertação realizada por Deus: “quebrastes os meus grilhões”, isto é Javé que salvou o seu filho da morte. Diante de tudo isso, é evidente ser esse salmo um hino de total confiança ao seu poderoso Senhor. E essa potência se revela de maneira especial sobre a derrota da morte física. Com tudo isso, o fiel não se cansa em invocar o seu Deus. É um salmo bem presente também nos nossos dias. O papa Francisco falou no ANGELUS, 11.12.2016, praça São Pedro, em Roma:

“O Senhor vem a nossa vida como libertador, nos libertar de todas as escravidões interiores e exteriores. É Ele que nos indica o caminho da fidelidade, da paciência e da perseverança porque, quando ele voltar, a nossa alegria será plena… Sinais externos convidam-nos a acolher o Senhor que vem sempre e bate à nossa porta, bate ao nosso coração, para estar ao nosso lado; convidam-nos a reconhecer os seus passos entre aqueles dos irmãos que passam ao nosso lado, sobretudo os mais débeis e necessitados.” Feliz 2019!

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *