Que alegria: “vamos subir à casa do Senhor”!

Devido a isso, os judeus tinham a obrigação de fazer a peregrinação à cidade santa para celebrar a própria fé em Deus nas solenidades de Páscoa

Compartilhe:

“Que alegria quando me vieram dizer: Vamos subir à casa do Senhor”. O salmo 121, das Sagradas Escrituras, inicia com essa manifestação de felicidade por realizar seu grande desejo de visitar a cidade Jerusalém. Às suas portas, o salmista fica vislumbrado pela sua grandeza e magnificência. “Eis que nossos pés se estacam diante de tuas portas, ó Jerusalém! Jerusalém, cidade tão bem edificada, que forma um tão belo conjunto!” E a partir dessa contemplação, o autor do salmo proclama o centro de unidade das doze tribos de Israel, que em Sião se unem numa única fé. Além do mais, Jerusalém, a cidade santa, é o único âmbito do culto legítimo, segundo a lei de Israel, como o livro do Deuteronômio descreve, o centro da liturgia no templo.

Devido a isso, os judeus tinham a obrigação de fazer a peregrinação à cidade santa para celebrar a própria fé em Deus nas solenidades de Páscoa, Pentecostes e das Tendas: “Para lá sobem as tribos, as tribos do Senhor, segundo a Lei de Israel, para celebrar o nome do Senhor.” Perante tudo isso, Jerusalém é a sede da ‘casa de Davi’, isto é, a dinastia na qual Deus tinha escolhido de se revelar ao seu povo. E por fim aparece: “Lá se acham os tronos de justiça, os assentos da casa de Davi.” Sendo a capital politica, Jerusalém era também a sede do tribunal superior onde os tribunais locais se dirigiam. Era nessa sede superior que as controvérsias iam ser resolvidas de maneira definitiva, e isto tranquilizava o povo que conseguia a justiça.
Nos versículos finais, de 6 a 9, há uma querida saudação a Jerusalém: “Pedi, vós todos, a paz para Jerusalém, e vivam em segurança os que te amam. Reine a paz em teus muros, e a tranquilidade em teus palácios. Por amor de meus irmãos e de meus amigos, pedirei a paz para ti. Por amor da casa do Senhor, nosso Deus, pedirei para ti a felicidade.” Tudo é cadenciado pela palavra ‘Paz’. É um augúrio e, ao mesmo tempo, uma saudação na ‘cidade da paz’. A paz que aqui menciona é a paz messiânica que manifesta felicidade, prosperidade, serenidade e bem. A respeito disso, podemos observar também que no versículo 9, em que expressa quase um adeus à cidade santa, a paz citada se une ao bem, de onde vem a famosa expressão franciscana: “Paz e bem”.

Essa tradicional saudação ‘paz e bem’ provém, portanto, do contato com a espiritualidade hebraica. Somente a partir do XV século começa a se difundir no ambiente franciscano esse tipo de saudação. Papa Francisco falou na peregrinação à Terra Santa em maio de 2014: “A paz é um dom que se deve buscar pacientemente e construir «artesanalmente» através dos pequenos e grandes gestos que formam a nossa vida diária. Consolida-se o caminho da paz, se reconhecermos que todos temos o mesmo sangue e fazemos parte do género humano; se não nos esquecermos que temos um único Pai no Céu e que todos nós somos seus filhos, feitos à sua imagem e semelhança.”


 
Compartilhe: