Defendamos nosso espaço territorial e cultural!

O que é nossa identidade cultural e o que nos representa como cultura? Evidentemente, toda expressão cultural afrodescendente e ameríndia. E o que é essa expressão cultural afrodescendente e ameríndia? Dos afrodescendentes da Mãe África nós herdamos o tradicional batuque que gerou o samba e aqui no Amapá, no particular, o nosso tradicional Marabaixo com […]

Compartilhe:

O que é nossa identidade cultural e o que nos representa como cultura?

Evidentemente, toda expressão cultural afrodescendente e ameríndia.

E o que é essa expressão cultural afrodescendente e ameríndia?

Dos afrodescendentes da Mãe África nós herdamos o tradicional batuque que gerou o samba e aqui no Amapá, no particular, o nosso tradicional Marabaixo com toda a sua ritualística rítmica e profissão de fé que lhe é peculiar em louvor ao Divino Espírito Santo, Santíssima Trindade, Mãe de Deus da Piedade, São Joaquim, etc.

Dos ameríndios nós herdamos o culto a Mãe Natureza, a tudo que é natural, o conhecimento do poder curador das plantas, das ervas e raízes medicinais, a beleza mágica da arte Maracá e Cunani, a magnitude da arte marajoara, e toda a importância histórica e coletiva de tudo o que representa nossas tribos como grande manancial de conhecimento passado de geração a geração, em forma de memória oral.

O grande sinal de alerta é que nosso espaço cultural ameríndio está sendo ameaçado por pessoas vindas de fora, evidentemente com segundas intenções para levar a melhor na exploração de nossa grande riqueza mineral, o ouro, minério tão cobiçado por estas bandas de cá desde a época de Cabralzinho.

Se o ocorrido no seio de nossa comunidade indígena, dentro de sua área territorial, pode ou não ter sido crime passional, outro fator fundamental merece investigação com base em informações e pedidos de socorro das comunidades indígenas locais:

O que pessoas estranhas, não indígenas, estariam fazendo em área territorial indígena ou reserva indígena?

Sabemos que existem diversas ong’s infiltradas na Amazônia sutilmente retirando a essência cultural de cada comunidade para impor sua profissão de fé, o que por si só já é uma agressão de prevalência de uma cultura externa sobre um universo cultural mais que secular.

Portanto, olho vivo de todos nós!

É nosso dever moral defender nosso espaço territorial, nossa cultura, nossa identidade cultural!

Uma responsabilidade que não deve ser só das Forças Armadas, mas de todos nós brasileiros residentes na Amazônia.


 
Compartilhe: