Cidades

Encontro define prazos para entrega de obra, relatórios e projetos do aterro controlado de Macapá

Empresa que administra o aterro comprometeu-se em implantar núcleos de coletas de resíduos pela cidade

Compartilhe:

O desdobramento dos procedimentos para cumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta Ambiental (TAC) nº 039/2017, que versa sobre o tratamento adequado de resíduos sólidos do Aterro Controlado de Macapá, teve continuidade durante reunião.

O promotor de Justiça substituto, em exercício na Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e Conflitos Agrários de Macapá (Prodemac), Jorge William Fredi, reuniu com representantes da Prefeitura de Macapá, empresa Rumos Engenharia Ambiental Ltda e Associação de Catadores de Macapá (ACAM), quando deliberaram sobre prazos para entrega de obra, relatórios e projetos.

De acordo com o termo, a empresa que administra o aterro comprometeu-se em implantar núcleos de coletas de resíduos pela cidade, dentre os quais um Centro de Tratamento de Resíduos, que implica na construção de um galpão de triagem equipado com esteira e prensa, no Aterro de Macapá. A obra deveria ser entregue no dia 30 de agosto, porém, o representante da Rumos, Sandro Ichihara, esclareceu que a mesma está em fase de finalização, solicitando o prazo de 30 dias para entregá-lo aos catadores da associação.

A finalidade da referida estrutura é cumprir com a proibição de que catadores ou outras pessoas circulem no aterro, viabilizando condições de trabalho seguras para a saúde das pessoas envolvidas na atividade de coleta de materiais reutilizáveis e recicláveis, de modo que a separação de tais materiais ocorrerá no interior do galpão, que será equipado com esteira, banheiro, vestiário, refeitório, escritório e guarita.

O secretário Augusto Almeida, da Secretaria de Manutenção Urbanística (Semur) garantiu que a prefeitura dará a capacitação aos catadores, os quais desempenham papel fundamental na implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), com destaque para a gestão integrada dos resíduos.
Os catadores relataram preocupação com pessoas não associadas, que, segundo o presidente Artusias de Souza, estariam entrando no aterro em horário noturno e fazendo atividades não condizentes com as permitidas. Ele explica que, no ato da criação da associação, foi autorizada associação de somente 70 membros, e que enfrenta dificuldade em controlar o acesso ao aterro, segundo ele, por pessoas não associadas, incluindo moradores da comunidade de Ilha Redonda, onde o aterro está localizado.

O secretário explicou que a prefeitura está ciente do conflito entre as partes, mas que trabalha em busca de entendimento e para que nenhum associado ou morador da vila fique prejudicado ou deixe de trabalhar dentro da legalidade.

“Vamos chegar a um consenso. Há outras frentes de trabalho na área de tratamento e aproveitamento de lixo reciclável, e vamos apresentar soluções que irão garantir trabalho para todos e sem prejuízos”, disse o secretário.

O promotor de Justiça Jorge William Fredi determinou que a empresa Rumus apresente, em dez dias, o relatório fotográfico da obra do galpão, bem como que a PMM entregue o projeto de logística da coleta de resíduos sólidos em até 30 dias. A procuradora do Município, Stela Veridiana, sugeriu que o MP intermedeie um diálogo conciliatório entre catadores associados, não associados e moradores de Ilha Redonda, pedido que será analisado pela Prodemac.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *