Cidades

Equipes da CEA já estão nas ruas para a operação de combate aos ‘gatos’

Cerca de 80 mil domicílios serão vistoriados. Levantamento da Companhia mostra que a maior parte de furtos de energia elétrica é praticada por pessoas de maior poder aquisitivo.

Compartilhe:

A assessora de comunicação da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) Naíde Carvalho confirmou na manhã desta quinta-feira (11) no programa LuizMeloEntrevista (DiárioFM 90,9) que várias equipes da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) já estão nas ruas executando a operação de combate aos ‘gatos’. No total, segundo ele, cerca de 80 domicílios serão vistoriados em Macapá.

“Estamos intensificando o combate ao furto de energia elétrica, com as equipes já fazendo vistorias nos domicílios. É importante destacar que o objetivo não é apenas a questão econômica, mas também garantir a segurança da população porque a energia elétrica é muito perigosa e mata quando manipulada de forma indevida, principalmente por conta de ‘gambiarras’ decorrentes de ligações irregulares; e, claro, temos também como foco recuperar as perdas financeiras que a CEA vem tendo ao longo dos últimos anos, que são muito elevadas, tanto que só no ano passado totalizaram mais de R$ 270 milhões, com o objetivo de garantir o fornecimento de energia de qualidade para os consumidores”, explicou Naíde Carvalho.

Ratificando a declaração dada pelo diretor comercial da CEA, Anselmo Lima, a assessora disse que a maior parte de furtos de energia elétrica é praticada por pessoas de maior poder aquisitivo: “No ano passado intensificamos e este ano estamos dobrando as vistorias, e de fato constatamos que maior parte dos furtos ocorre entre pessoas de maior pode aquisitivo, mas há em todas as classes sociais, por isso nossas equipes estão atuando com extremo rigor em todos os domicílios. Recomendo à população que evite desperdício, que programe o consumo dentro do seu orçamento. Esse combate pode até ser uma medida antipática, mas é necessária porque, conforme eu já disse, além dos riscos decorrentes do uso irregular, a distribuição de energia elétrica demanda um custo muito grande, e a Companhia precisa desses recursos para que todos os consumidores tenham acesso à energia de qualidade”.

Aumentos do valor da tarifa

Por conta das polêmicas sobre a quem cabe a responsabilidade pelos aumentos do valor da tarifa, o diretor comercial Anselmo Lima afirmou que, apesar de ser majoritário no Conselho de Administração da Companhia, o governo do estado não tem qualquer participação nesse processo: “O setor elétrico é um dos setores mais regalados no país e tem legislação própria que determina esses aumentos. É importante destacar que os custos da geração, distribuição e transmissão de energia vêm tudo na fatura, e a fatia que cabe à Companhia por todos esses serviços é de apenas cerca de 17% do que é cobrado, sendo, portanto, parte de um processo maior, sendo que não cabe ao governador e à gestão da CEA a definição dos reajustes, mas sim ao governo federal.

 
Compartilhe:

Tópicos: