Última hora Polícia Política Cidades Esporte
Cidades

Governo limita atendimentos no Sine e Casa do Artesão durante 10 dias

Medida passa a valer a partir desta terça-feira, 25, e tem por objetivo prevenir o contágio da covid-19 e síndrome gripal.


A Secretaria de Estado do Trabalho e Empreendedorismo (Sete) decidiu limitar o atendimento presencial na Casa do Artesão e suspender o atendimento presencial no Sistema Nacional de Emprego (Sine), de 25 de janeiro a 3 de fevereiro.

O registro de servidores afastados com covid-19 ou sintomas gripais fez com que a secretaria adotasse a medida. Do efetivo no Sine e Casa do Artesão, 25% dos servidores foram confirmados com as doenças.

No caso do Sine, que funciona na Casa do Trabalhador, o atendimento ao público ficou limitado ao seguro-desemprego durante este período, com 10 pessoas por dia e por ordem de chegada.

O Sine funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, na Avenida Mendonça Júnior, entre as ruas Marcelo Cândia e Paraná, no bairro Santa Rita. Para acesso às vagas de emprego diárias do Sine, os currículos com a indicação da vaga devem ser encaminhadas para email: sinetrabalhador@sete.ap.gov.br

Os boxes do Sine que funcionam nas unidades do Super Fácil estão com todas as suas atividades suspensas pelo período de 10 dias.

A medida também atingiu a Casa do Artesão. Ficou estabelecido o limite de 10 pessoas por vez no salão para visitação e compras.

O funcionamento do prédio será das 8h às 12h, de segunda a sábado. Tanto no Sine quanto na Casa do Artesão é obrigatório o uso de máscara, álcool em gel e manter o distanciamento.

Já o atendimento ao público na Coordenadoria de Empreendedorismo (CE) foi suspenso. Para dúvidas sobre assuntos ligados ao setor foi disponibilizado o número 99101-3294 (whatsapp).

“Estamos buscando alternativas para manter os atendimentos em funcionamento, mas foi preciso criar mecanismos para prevenir e evitar novos contágios de nossos servidores e da própria população”, afirmou o secretário de Estado do Trabalho e Empreendedorismo, Luiz Carlos Araújo.


Comente