Cidades

Macapá tem aumento de 457% nos casos notificados de dengue

De acordo com o LIRAa, mais de duzentas notificações foram feitas neste mês


Compartilhe:

 

Macapá registrou, em março deste ano, um aumento de 457,7% de casos notificados de dengue em relação ao mesmo período de 2014. Segundo o Levantamento Rápido do Índice de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), o total foi de 206 notificações. Os bairros Infraero II, Marabaixo e Araxá apresentaram os maiores números de doentes.

A Vigilância Ambiental de Macapá informou que os dados são comparativos em relação a março de 2014, quando 45 casos foram notificados. Segundo o LIRAa, os bairros Brasil Novo, Parque dos Buritis, Morada das Palmeiras e Amazonas, todos da Zona Norte, apresentam alto risco de contágio da dengue.

De acordo com o técnico do programa de controle da dengue em Macapá Maicon Silva, a partir do dia 23 de março, ações de combate ao mosquito, transmissor da dengue e chikungunya, serão intensificadas nos bairros onde há mais notificações.

Segundo ele, o lixo doméstico continua sendo o principal motivo de infestação do mosquito, representando 50% dos criadouros, de acordo com o LIRAa.

“A falta de conscientização contribui para que os focos se multipliquem. Muitos jogam lixo nos quintais ou frente das casas, onde acumula água, como garrafas pets, copos e vasilhas. Não adianta apenas a prefeitura trabalhar, é preciso a contribuição dos moradores”, lembrou.

A Vigilância Ambiental continuará com as ações de combate ao mosquito nos três cemitérios de Macapá. Segundo o técnico, foram identificados pelo menos dois mil pontos que podem acumular água e virar criadouros do Aedes aegypti. Os possíveis focos estão em objetos decorativos deixados nos túmulos, como vasos, pratos, baldes e embalagens plásticas, que acumulam água durante o período chuvoso.

“A ação será realizada quinzenalmente, com alternância de cada cemitério. Este número é considerado alto. Tudo deixado ali pode acumular água, principalmente os vasos de plantas que devem ser furados para escoar a água, ou enchidos de areia”, recomenda.

 
Compartilhe:

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *