Cidades

Projeto “AtuAção pela Vida” mobiliza milhares de pessoas para debater valorização da vida, sustentabilidade e prevenção ao suicídio

Em um ciclo de três palestras, foram abordados temas fundamentais à sociedade, como prevenção ao suicídio, valorização da vida e sustentabilidade.

Compartilhe:

Em dois dias de intensa mobilização social, milhares de pessoas foram ao auditório do Sebrae/AP, no último final de semana (20 e 21/07), para acompanhar o lançamento do projeto “Atuação pela Vida”, realizado pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio da Promotoria de Justiça da Saúde e instituições parceiras, que contou com a presença voluntária do professor, escritor e jornalista André Trigueiro.

Na primeira palestra: “Atuação pela vida e prevenção ao suicídio: sinais para saber como agir”, o jornalista compartilhou um pouco do conhecimento acumulado ao longo de duas décadas de estudos e pesquisas sobre o tema, reunidos em um de seus livros “Viver é a Melhor Opção”. Nessa publicação, o escritor aborda a temática sem tabu, com dados científicos e orientações práticas sobre como o assunto deve ser tratado pelos diferentes segmentos da sociedade, incluindo o importante papel da mídia.

“Quem está no comando? A televisão ou você?”, questionou o jornalista sobre a necessidade de escolhermos melhor o conteúdo que acessamos. “Afinal, pode nos colocar para baixo ou para cima. Cuide da sua saúde mental. Estou falando de autogestão”, disse.

Dentre os tabus a serem quebrados, André esclareceu que é fundamental entendermos os sintomas de patologias como depressão, ansiedade e outros transtornos, que podem levar uma pessoa ao suicídio. “A Organização Mundial de Saúde estima que 90% dos casos podem ser evitados. Precisamos agir, mas de modo correto”. Ao falar para imprensa e usuários de redes sociais foi enfático: “Não detalhem suicídio e não compartilhem métodos”, reforçou.

De modo muito resumido, vez que as palestras podem ser acessadas na íntegra na página do MP-AP no facebook, o jornalista destacou que o fenômeno do suicídio é complexo e multifatorial, sendo determinantes os fatores sociais, econômicos, biológicos, culturais, além da história de vida do indivíduo, exigindo-se, portanto, uma atuação intersetorial para sua prevenção e intervenção eficiente em situações de crise.

Ao final, a titular da 2ª Promotoria de Defesa da Saúde, promotora Fábia Nilci, agradeceu ao palestrante.  “Lançar o projeto AtuAção pela Vida com a sua presença é motivo de honra para todos nós. Conseguimos, em uma manhã de sábado, lotar esse auditório e isso é muito gratificante. Agradecemos a todos que contribuíram com a realização desse evento. Esse projeto é uma junção de esforços entre a sociedade civil e os órgãos públicos”.

 

Soluções inteligentes para um planeta em crise: é possível um desenvolvimento sustentável?

No sábado, à tarde, o destaque foi a área ambiental. André Trigueiro é jornalista com pós-graduação em Gestão Ambiental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), professor e criador do curso de Jornalismo Ambiental da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), autor de vários livros, dentre eles “Cidades e Soluções – Como Construir uma sociedade sustentável”. Acumula, portanto, muito conteúdo sobre as questões ambientais.

“Meio ambiente começa dentro da gente. O que está fora, está dentro. Se a água está poluída, o solo contaminado e o ar não é respirável, eu e vocês perecemos. A gente se confunde com meio ambiente. Não há distinção. Nós precisamos saber disso. Meio ambiente somos nós; o meio que nos cerca e as interações/as trocas que nós estabelecemos com esse meio. Nenhuma outra espécie causou tanta interferência ao meio como a nossa, os homo sapiens sapiens. E isso não é um elogio. Essa interferência nem sempre, ou quase nunca, é positiva”, frisou.

Após a palestra, houve uma apresentação cultural do cantor e compositor Osmar Júnior; perguntas e respostas sobre inúmeros problemas ambientais que cercam a nossa região e agradecimentos da Promotoria do Meio Ambiente.

“Você foi um presente para todos nós. Durante a sua palestra revivemos nosso próprio histórico. Ficamos encantados e emocionados com a sua abordagem sobre o meio ambiente e a sustentabilidade. Temos uma riqueza natural exuberante no Amapá e não estamos dando o devido valor. Sua fala nos chega como um grito de alerta: precisamos reforçar essa luta. Por isso, lhe agradecemos pelo chamado ambiental daquilo que é mais importante: a vida no Planeta”, manifestou a procuradora-geral de Justiça, Ivana Lúcia Franco Cei, ao lado do promotor Hélio Furtado e equipe ambiental.

 

A arte de seguir em frente

A terceira e última apresentação do jornalista foi no domingo, pela manhã, quando falou sobre a necessidade de mudança de hábitos, comportamentos predatórios, proatividade, amor, fraternidade e a responsabilidade de cada indivíduo na construção de um mundo melhor. “O julgo é necessário e o fardo é leve, portanto, meus amigos, força, coragem e fé. Fé é o que a gente busca. A fé move montanhas. Quem tem fé é uma rocha. Não somos imunes à  dor e sofrimento, a gente precisa aprender a lidar com isso”.

Após a tocante palestra, o jornalista respondeu a diversas perguntas do público e autografou livros. Para encerrar as atividades, falou o coordenador das Promotorias de Defesa da Saúde, promotor de Justiça André Araújo.

“Primeiro queria agradecer ao Trigueiro por ter aceitado o nosso convite para vir ao Amapá. O evento foi muito bem-sucedido e esse projeto nasceu da necessidade de fomentarmos uma atenção maior à saúde mental, o que já faz parte do nosso papel institucional. Há algum tempo trabalhamos com essa temática e vamos continuar com várias etapas que ainda virão. Sigamos juntos nessa caminhada em defesa da vida”, salientou André Araújo.

Socióloga e contadora de histórias, Ângela Carvalho, deu um belo depoimento sobre o evento. “Fiz uma boa escolha: passei o final de semana exercitando a escuta. Gratidão aos organizadores e ao André Trigueiro, pela entrega”.

 

Parceiros do projeto

Parcerias importantes foram firmadas com o Sindicato dos Jornalistas do Estado do Amapá (Sindjor); Ambulatório de Atenção à Crise Suicida (AMBACS) da Universidade Federal do Amapá (Unifap); Centro de Valorização da Vida (CVV); secretariais de saúde e educação de Macapá e do Estado, que fizeram a sensibilização dos profissionais em cada área; projeto Acolher e Federação Espírita.

“É um presente para todos nós esse projeto e o ciclo de palestras. Nós somos um grupo de pessoas preocupadas com outras pessoas. É um trabalho voluntário, que nos dá muito prazer, temos o amor ao próximo, mas precisamos do apoio de todos”, manifestou Dina Modesto, coordenadora do Centro Pró-Vida, responsável pelo CVV no Amapá.

A renda obtida com a venda dos livros “Cidades e Soluções” e “Viver é a melhor opção”, comercializados durante as palestras, foi repassada integralmente CVV.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *