Cidades

Secretário diz que cemitérios precisam de força-tarefa para conter violência

Secretário municipal pede ajuda do governo do estado para segurança nos cemitérios.

Compartilhe:

Douglas Lima

Da Redação

 

O secretário municipal de manutenção urbanística, Augusto Almeida, pede ajuda do governo do estado para conter a violência que ultimamente tem sido intensificada nos cemitérios de Macapá.

Augusto fez o pedido quando falava no programa LuizMeloEntrevista (Diário FM 90,9), na manhã desta segunda-feira, 10, sobre o caso da mulher que teve o corpo desenterrado e queimado ao lado da sepultura.

O caso macabro ocorreu domingo (9), de madrugada. Carmem Lúcia Rayol de Jesus, 57 anos, foi sepultada quinta-feira, 6, no cemitério São José, no Buritizal, zona sul. A morte foi por causas naturais. No domingo de manhã, visitantes encontraram o corpo de Carmem Lúcia queimado, totalmente, ao lado da sepultura.

O secretário Augusto Almeida, na entrevista, disse que a Guarda Civil de Macapá dá segurança nos cemitérios da cidade, em especial no São José, com ajuda da Polícia Militar, que faz rondas no local, mas precisa de uma ajuda mais efetiva do governo do estado.

Augusto informou que já foram feitos estudos para dotar o cemitério São José, de câmeras, mas a medida não é viável, porque o campo santo tem grande cobertura vegetal. Segundo ele, se câmeras forem instaladas, apenas 30% da área do São José terão pontos claros. O cemitério tem cerca de 124 mil metros quadrados de área.

“O quê aconteceu foi um vilipêndio. Infelizmente a violência em Macapá está neste nível, como que incontrolável. No caso desse domingo, foi chocante ver aquele quadro. Tivemos que ficar ao lado da família da mulher, todos muitos consternados com o ocorrido”, lamentou o secretário.

A Polícia Civil trabalha para desvendar o caso. Ao que tudo indica, foi um crime premeditado, como aconteceu no dia 29 de janeiro deste ano, quando a sepultura da cabo PM Emily Carine, de 29 anos, foi desenterrado. Os autores do vilipêndio até agora não foram identificados nem punidos.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *