Cidades

SVS/AP diz que crescente de casos confirmados de Covid-19 também está relacionada à resposta das análises

Estado registrou nesta quinta-feira (21) 5.188 casos confirmados. Desse total, 1.435 estão recuperados, 151 morreram, 178 estão hospitalizados e 3.424 seguem em isolamento domiciliar.

Compartilhe:

Railana Pantoja
Da Redação

 

Em 24h o Amapá registrou 639 casos novos e ultrapassou a marca dos 5 mil infectados pelo novo coronavírus. Essa crescente já era esperada pela Superintendência de Vigilância em Saúde do Amapá (SVS/AP), levando em consideração o acúmulo de amostras que aguardavam análise. Até ontem (21) esse número era de 8.005 testes.

 

Em entrevista ao Diário do Amapá no dia 6 de maio, quando o estado ainda registrava 2.046 infectados, Dorinaldo Malafaia (SVS/AP) informou que nas próximas semanas o estado poderia ter entre 4 e 5 mil casos confirmados. Nesta quinta-feira (21) os números ultrapassaram o que era estimado, antes mesmo que a semana terminasse.

 

“Era uma previsão que a gente fazia, em virtude do acúmulo de amostras, de que poderia chegar a isso na quarta (20) ou quinta-feira (21). E realmente esse valor é sempre um alerta muito sério, de fato, as estatísticas são essas. Em média, 70 a 75% das amostras dão resultado positivo, e nós temos uma tendência de agravamento de casos na ordem de 5%, que necessitam de recursos hospitalares, leitos clínicos e de UTI”, explicou Dorinaldo Malafaia, superintendente da SVS/AP.

 

Dorinaldo reforçou que o isolamento social é importante para controlar o número de pessoas contaminadas e evitar que todo mundo, ao mesmo tempo, precise de leitos clínicos e de UTI na rede pública de saúde.

 

  • “Cada vez que o processo infeccioso vai se expandindo, obviamente você vai tendo uma demanda maior da estrutura, que já opera no limite. Essa epidemia atinge em cheio o sistema de saúde, e ela tem a tendência de colapsar sistemas de saúde. Se você tem uma infecção muito alta em uma parcela significativa da população, e 5 a 10% agravarem, representa um impacto direto no sistema de saúde”, finalizou.
 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *