Geral

Cresce 27% o número de casos de Aids no Amapá

[iframe width=”720″ height=”315″ src=”http://www.youtube.com/embed/2Ny_8ZGjK1s” frameborder=”0″ allowfullscreen ] O Centro de Tratamento Aconselhado de HIV/Aids do Amapá (CTA) registrou 262 novos casos de infecção pelo vírus, entre janeiro e novembro de 2014, representando um crescimento de 27%. O número é superior ao contabilizado em 2013, período em que 206 amapaenses contraíram o HIV. Os dados divulgados […]

Compartilhe:
[iframe width=”720″ height=”315″ src=”http://www.youtube.com/embed/2Ny_8ZGjK1s” frameborder=”0″ allowfullscreen ]

O Centro de Tratamento Aconselhado de HIV/Aids do Amapá (CTA) registrou 262 novos casos de infecção pelo vírus, entre janeiro e novembro de 2014, representando um crescimento de 27%. O número é superior ao contabilizado em 2013, período em que 206 amapaenses contraíram o HIV. Os dados divulgados nesta segunda-feira (1º), Dia Mundial de Combate à Aids, foram classificados como “preocupantes” pela coordenadora do departamento, a enfermeira Adriana Coimbra.

“Estamos preocupados com isso, foi um aumento relevante no estado”, disse a coordenadora, acrescentando que para estimular a prevenção e o tratamento precoce da Aids, exames para diagnosticar o vírus estarão sendo realizados até as 19h desta segunda-feira, no prédio onde funciona o CTA, na Rua Jovino Dinoá, no Centro de Macapá.


 “Este crescimento é muito alto e isso ainda ocorre pela falta de prevenção das pessoas na hora do ato sexual. Durante o dia todo estaremos fazendo esta ação. Quem vier ao centro também vai receber um kit com camisinhas e orientações de especialistas”, reforçou a enfermeira.

 

Teste
O CTA realiza o exame de Aids gratuitamente, o resultado é divulgado somente ao interessado que tem acesso à conclusão do teste em até 2 horas após a coleta de sangue, segundo Adriana Coimbra. O teste pode ser feito de segunda à sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h.

“Nós fazemos todo o acompanhamento necessário com o paciente, caso o resultado seja positivo. É importante ressaltar que a prevenção ainda é o melhor remédio”, reforçou.

 
Compartilhe:

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *