Nota 10

Consciência Negra: tradicional Missa dos Quilombos celebra ancestralidade e resistência

Grupos de capoeira abriram as apresentações, seguida pelo rufar dos tambores e grupos tradicionais de marabaixo e muito batuque em homenagem póstuma às personalidades negras.

Compartilhe:

Com o tema ‘Ancestralidade e Resistência’, a Missa dos Quilombos, realizada em celebração ao Dia da Consciência Negra, foi recheada de elementos de religiões de matriz africana e ritos católicos em programação realizada na União dos negros do Amapá (UNA).

Grupos de capoeira abriram as apresentações, seguida pelo rufar dos tambores e grupos tradicionais de marabaixo e muito batuque em homenagem póstuma às personalidades negras. Padre Paulo Roberto presidiu a celebração e destacou a importância da missa em período pandêmico. “Hoje é um dia de celebração, recordação e saudades pelos que se foram”, pontuou o sacerdote.


“A Missa dos Quilombos é um momento de expressão da fé do povo negro e, ao mesmo tempo, de resistência frente à intolerância e ao preconceito vividos diariamente. Ficamos felizes em apoiar um evento de tamanha magnitude e importância para nossa cidade”, finaliza a diretora-presidente do Improir, Maria Carolina.

Após a missa, houve o ofertório com frutas e banho de cheiro, além de comunidades tradicionais apresentaram-se com grupos de marabaixo. O evento segue até 2 de dezembro em comemoração ao Dia Nacional e Estadual do Samba, com exposições de artes plásticas, venda de comidas típicas, Feira Afro Empreendedora e apresentação de comunidades.

 

 

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *