Nota 10

Dia do DJ: em época de pandemia, lives viraram alternativa para matar saudade da profissão

Setor cultural foi fortemente atingido pela pandemia e fez trabalhadores reinventarem formas de trabalho e diversão.

Compartilhe:

Railana Pantoja
Da Redação

 

Em 9 de março é celebrado o Dia Internacional do DJ, a profissão que faz uma festa ou qualquer outro evento ter alto astral. Mas, por causa da pandemia, o setor foi obrigado a parar, já que as festas foram suspensas, e precisou buscar alternativas para matar a saudade da profissão. A opção encontrada? Live.

“Qual é o DJ que não está com saudade de uma pista de dança? Que pena estarmos vivendo esse momento, mas logo vai passar, se Deus quiser. Eu tenho maior orgulho, nossa profissão é linda, a gente trabalha promovendo felicidade, levando as pessoas a terem momentos incríveis”, falou o DJ, radialista e atual secretário de Cultura de Macapá, Alain Cristophe.

 

Apesar de ser formado em Contabilidade e Publicidade, Alain frisa que “tudo o que conquistei, foi sendo DJ, graças ao toca-disco e ao microfone”. Ao longo dessas décadas de carreira, o DJ amapaense acompanhou diversas modernizações dos equipamentos usados na da profissão.

 

“Veio evoluindo, hoje até o vinil é digital, mas muita gente ainda tem o saudosismo de usar o vinil ‘raiz’. Um disco de vinil atualmente é caro, não custa menos de 300 reais. Também diminuiu o peso, por exemplo: eu carregava três cases super pesados, e hoje isso tudo cabe em três pen-drives. Facilitou bastante nossa vida”, finalizou Alain Cristophe.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *