Nota 10

Obras de arte do novo Mercado Central retratam a cultura amapaense

São painéis em tons vibrantes que estão expostos na área interna do mercado, reaberto na última semana pela Prefeitura de Macapá.

Compartilhe:

Quem visitou o novo Mercado Central desde sua reabertura pôde perceber que, além de ampliado, revitalizado e moderno, o espaço conta com obras que retratam símbolos da cultura amapaense, como o Marabaixo e Batuque. São painéis em tons vibrantes que estão expostos na área interna do mercado, reaberto na última semana pela Prefeitura de Macapá.

Tanto os painéis, escultura e identidade visual foram assinados pelo amapaense, o artista plástico e publicitário, Ralfe Braga, reconhecido internacionalmente. Suas artes são cheias de energia e tonalidades exuberantes. Segundo ele, as obras dentro e fora do mercado são inspirações que refletem exatamente as questões históricas e estéticas do local, que trazem as cores vivas da Amazônia e cultura do Amapá. Ele tem obras espalhadas por todo Brasil. Depois de Brasília, os seus maiores painéis são os de Macapá no mercado, que tem grande referência histórica e cultural.

O Marabaixo foi reconhecido Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por ser uma forma de expressão que reúne referências culturais vivenciadas e atualizadas pelos amapaenses, fundamental para a construção e afirmação da identidade cultural negra brasileira. Assim foi retratado dentro do mercado.

Segundo Ralfe Braga, a criação começa com um convite. “Recebi o convite e já comecei a pensar sobre e como um amapaense genuíno iria retratar nossa cultura. Depois de muita pesquisa, recebi em meu ateliê, em Brasília, a Laura do Marabaixo, que me deu informações preciosas. A partir de então resgatei todas minhas raízes que podem ser observadas nos painéis. Vale ressaltar o empenho da gestão, do prefeito Clécio, em valorizar a nossa arte local. Ter obras retratadas no mercado será um dos meus principais cases que irá compor meu portfólio”, explicou emocionado.


Laura do Marabaixo, descendente da família “Julião”, que também ajudou na idealização das obras do mercado, nasceu, cresceu e se educou ouvindo os “ladrões”, as chamadas músicas, versos e canções desse segmento, que é a maior e mais autêntica manifestação folclórica do povo Tucuju, o Marabaixo. “Para mim, foi uma surpresa muito grande e uma honra, quando Ralfe me procurou para fazer os ajustes em suas obras, e assim, juntos, fizemos, e que por sinal são obras magníficas e de uma simbologia muito grande para esse ponto turístico que tem um significado fundamental para a história do nosso estado, que é o Mercado Central”, contou.

Curiosidades


A escultura que está bem em frente ao mercado tem as cores da bandeira do município de Macapá e também foi criada por Ralfe. Como o artista frisa, a primeira coisa que se busca na concepção de uma obra artística são símbolos, marcas, objetos que tenham uma simbologia para o projeto. “Eu, visitando certa vez aqui e estudando a concepção do projeto, olhei para cima e percebi que havia uma roseta na fachada, e essa roseta me chamou atenção desde criança. Quem criou ela usou esse símbolo que se usava muito na arquitetura da época, pois sua criação foi em 1953. É uma marca registrada da própria arquitetura, nada mais justo, óbvio e mais natural do que usar essa roseta como marca e símbolo do mercado, que está representado na escultura”, explicou o artista.

O novo Mercado Central foi revitalizado com recursos de emenda parlamentar do senador Randolfe Rodrigues, no valor de R$ 2,5 milhões, e mais R$ 1,2 milhão de contrapartida do Município de Macapá.

Fotos: Rafael Oliveira

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *