Nota 10

ONG divulga segundo edital do Territórios em Ação

As inscrições serão recebidas até o dia 2 de abril pelo site http://bit.ly/editalformulario21. Cada comitê pode enviar apenas uma candidatura, desde que esteja apto e com o status ativo na rede.

Compartilhe:

A organização não governamental (ONG) Ação da Cidadania, fundada em 1993 pelo sociólogo Herbert de Souza, Betinho, para combater a fome e a desigualdade socioeconômica no Brasil, lançou nesta semana a segunda edição do Edital de Territórios em Ação. A iniciativa destaca a importância dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

A ONG apoiará 30 comitês para promoção das 17 metas, além de projetos para participação em campanhas para captação de recursos. O objetivo é apoiar entidades locais da Ação da Cidadania no desenvolvimento de projetos ligados aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

Os projetos que forem escolhidos e não tiverem recursos programados serão colocados na campanha de crowdfunding (financiamento coletivo). “Queremos aprovar o máximo possível de projetos. Trinta, com certeza, vamos aprovar, e queremos colocar mais uns 20 ou 30 no crowdfunding para tentar viabilizá-los também”.

As inscrições serão recebidas até o dia 2 de abril pelo site http://bit.ly/editalformulario21. Cada comitê pode enviar apenas uma candidatura, desde que esteja apto e com o status ativo na rede.

A expectativa é divulgar o resultado do edital até duas semanas após o encerramento das inscrições, pelo site da Ação da Cidadania, no Facebook da entidade e por meio dos grupos de WhatsApp oficiais das Redes de Comitês. Cada projeto receberá em torno de R$ 5 mil, informou Kiko Afonso.

A seleção de cada proposta levará em conta critérios de impacto social (objetividade e dimensão das mudanças pretendidas pelo comitê); inovação (caráter de originalidade); criatividade (foco em medidas de prevenção da covid-19 na implementação das ações); replicabilidade (potencial de estímulo e multiplicação para adesão de outras pessoas e organizações); e articulação (capacidade da rede em se relacionar com outros canais, como a própria comunidade, o poder público e as organizações).

Afonso salientou que o edital pretende trazer aos comitês “esperança e desafio”. Para ele, desenvolver projetos com foco nos ODS e também nos impactos que a pandemia vem causando é uma forma de eles se sentirem parte das cobranças de políticas públicas e de criarem algo positivo para o seu povo. “Acima de tudo, queremos que seja levada em consideração a responsabilidade de se fazer algo para um mundo melhor”, acrescentou.

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *