Polícia

Condenado a mais de 8 anos de prisão é executado em praça do Jardim Felicidade II

Homem executado tinha condenações cujas penas somavam mais de 8 anos de prisão. Ele respondia por roubos e tráfico de drogas.

Compartilhe:

Um homem identificado como Luan Sales da Silva, de 24 anos, o ‘Luanzinho’, foi executado com pelo menos quatro tiros no início da madrugada deste sábado (1) na praça do bairro Jardim Felicidade II, zona norte de Macapá.

 

Segundo o tenente PM Jonathas, do 2º Batalhão de Polícia Militar (2º BPM), testemunhas contaram que Luanzinho estava em um pagode que ocorria em um dos bares, e que dois homens chegaram de moto ao local.

 

“A vítima havia saído do Iapen há duas semanas. Ele estava cumprindo pena pelo crime de tráfico de drogas. De acordo com as testemunhas, os dois elementos desceram da moto e foram em direção à vítima já atirando. Ao perceber a aproximação o Luan correu para dentro de uma lanchonete onde foi alvejado com pelo menos quatro tiros”, disse o tenente.

 

 

 

Bala perdida
Na mesma lanchonete onde Luanzinho foi morto estava o eletricista da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), Jucelino da Silva Costa Júnior, de 38 anos, que acabou alvejado com dois disparos, sendo um na perna e outro nas costas.

 

A esposa da vítima de bala perdida contou que o casal havia acabado de chegar ao local, e que por conhecer o proprietário da lanchonete Jucelino entrou no trailer. Quando o alvo dos bandidos procurou abrigo no local, Jucelino também acabou alvejado.

 

Corpo carregado
Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento de possíveis amigos de Luan o carregam da lanchonete até a calçada da praça em busca de socorro. Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi deslocada à praça, mas apenas constatou o óbito no local.

 

Investigado
Luan Sales, segundo a polícia, tinha mais de 8 anos de condenação por crimes de roubo e tráfico de drogas. Ele também vinha sendo investigado por suposto envolvimento no furto de mais de 20 armas de fogo de uma empresa de segurança ocorrido este ano.

 

Remoção
O corpo foi removido para o Departamento de Medicina Legal (DML) da Polícia Técnico-Científica (Politec) para ser necropsiado. A polícia ainda não tem pistas dos atiradores, mas busca imagens de câmeras de segurança na região que possam ajudar na identificação. O crime, ainda de acordo com os policiais do 2º BPM, tem características plenas de execução.

 

Reportagem e fotos: Jair Zemberg

 

 
Compartilhe:

Tópicos:  

Deixe seu comentário:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *